Destaque

Destaque

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Grêmio 1 x 2 River Plate

Grêmio 1 x 2 River Plate

Entidades Negras de Porto Alegre Se Reuniram





Na sede do Simpa no dia 08 de Novembro se reuniram várias Entidades do Movimento Negro para articularem a Marcha Zumbi e Dandara que ocorrerá no dia 20 de Novembro. A Marcha sairá do Largo Glênio Peres seguindo a Borges de Medeiros e finalizando no Largo Zumbi dos Palmares (Antigo Largo da EPATUR). O cortejo terá baterias de escolas de samba, capoeiristas e várias Entidades Negras. O Jornal Negritude estará cobrindo no dia 20 de Novembro.

Grêmio 1 x 2 River Plate

Grêmio 1 x 2 River Plate

Grêmio 1 x 2 River Plate

Copa Comprada


Golpe


Mensagem


Vídeo


Assalto em Porto Alegre RS


Assalto em Porto Alegre RS


Assalto em Porto Alegre RS


Grêmio 1 x 2 River Plate

Outras Palavras


downloadAttachment&Message%5Buid%5D=202766&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253CCABSETqUB%252BWCbPVx6egOOnJtcbC%253DKYEEK0NsnHZPUjVDDqggbfA%2540mail.gmail.com%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3CCABSETqUB%2BWCbPVx6egOOnJtcbC%3DKYEEK0NsnHZPUjVDDqggbfA%40mail.gmail.com%3E-1.1.3
Boletim de Atualização - Nº 1055 - 7/11/2018
Serviços Públicos. Terra e Água. Conhecimentos. Genoma. Internet... Tornar de todos o que o capital quer converter em mercadoria tornou-se um projeto revolucionário. Mas a esquerda hesita -- e talvez esteja, na condição das mulheres, a saída…. Por Silvia Federici (Outras Palavras)

Vídeo: Bolsonaro sofre os primeiros revéses
Nas palavras, o capitão e seus assessores continuam cheios de empáfia. Na vida real, tudo é mais difícil -- como mostram alguns fatos ocorridos esta semana. Por Antonio Martins (Blog da Redação)

EUA: Trump derrotado. Socialismo Democrático desperta
Que é a DSA -- ala do Partido Democrata que obteve vitórias eleitorais notáveis ontem, ao defender Saúde e Educação como Bens Comuns, tributação dos ricos e combate decisivo à desigualdade. Por Ángel Bermúdez, na BBC (Outras Mídias)

Um “irmão” de Bolsonaro na Agricultura?
Luiz Carlos Heinze discrimina índios, quilombolas e gays. Quer evitar punições ao trabalho escravo. Foi eleito “racista do ano”. É candidatíssimo a ministro. Por João Peres, em (O Joio e o Trigo)

Podcast: Tecnologia e mulheres -- segurança ou controle?
99, aplicativo de transporte urbano, vai inserir câmeras nos carros, para registrar possíveis abusos. Medida é efetiva? O que realmente pode ser feito, no mundo digital, para evitar a violência de gênero?
Natália Neris e Marilia Taufic, entrevistadas no Coto.net, podcast em parceria IDEC-Outras Palavras (Blog da Redação)

Outros Quinhentos sugere: Sueño Florianopolis
Filme mostra como viagem de carro altera as relações de afeto de família em busca de reconexão entre si. Contribuintes de Outras Palavras concorrem a cinco pares de ingressos. Por Vitrine Filmes (Outros Quinhentos)


Boletim de atualização do site Outras PalavrasA rep rodução é bem-vinda. Interessados em recebê-lo devem clicar aqui. Para deixar de receber, aqui. Acompanhe nossas novidades também no Facebook e no YouTube
_______________________________________________
Boletimdiplo mailing list
Boletimdiplo@listas.tiwa.net.br
https://listas.tiwa.net.br/listinfo/boletimdiplo
Descadastrar: envie email a Boletimdiplo-unsubscribe@listas.tiwa.net.br

Música


Ódio


Vereadora Sofia Cavedon Deputada Estadual Eleita


Música


Esporte Agora com Paulo Paulo Furtado

Zero


Bambas da Orgia


Diretor de torcidas do Sport Club Internacional

Resumo do Dia

Não consegue visualizar esse e-mail? Clique aqui
Quinta-feira, 8/11/2018
Edição da manhã
 
 
  
Governo se mexe para tentar passar reforma da Previdência ainda neste ano
Irineu Machado, gerente-geral de Notícias
O governo Michel Temer (MDB) e a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se mexem para tentar a aprovação de uma reforma da Previdência ainda neste ano no Congresso. O governo cogita fazer mudanças na Previdência por meio de projetos de lei, em vez de via Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Essa decisão facilitaria a aprovação no Congresso, pois exigiria menos votos, mas restringiria as mudanças que podem ser feitas no sistema de aposentadorias. Em paralelo, a equipe de Bolsonaro recrutou um grupo de deputados influentes veteranos na Câmara para articular a votação e avaliar alternativas para conciliar o projeto de Temer e as propostas estudadas pela equipe do novo governo.
 
Caberá ao presidente Temer sancionar ou vetar o reajuste de 16% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, aprovado na noite de ontem no Senado Federal (veja lista de quem votou a favor e quem votou contra o reajuste). O aumento, que passa para R$ 39 mil os salários dos ministros do STF, pode gerar um "efeito cascata" com impacto estimado de R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões nas contas públicas. Isso porque o salário dos magistrados serve de base para o pagamento de vários outros cargos do funcionalismo no país. A remuneração deles é o limite máximo estipulado para os salários do funcionalismo e algumas categorias têm suas remunerações atreladas às dos ministros.
 
Depois da aprovação do reajuste, o ministro Dias Toffoli, presidente do STF, disse que agora enfrentará o problema do auxílio-moradia pago aos magistrados e a membros do Ministério Público. "Em nome do Supremo Tribunal Federal, em nome de todo o Poder Judiciário, eu gostaria de agradecer ao Congresso Nacional a aprovação desse projeto principalmente porque agora poderemos enfrentar o problema do auxílio-moradia. Principalmente porque, com a aprovação do novo subsídio, nós poderemos então resolver essa questão do auxílio”, disse Toffoli. Juízes federais, juízes estaduais, procuradores da República e promotores de Justiça recebem auxílio-moradia de R$ 4.377 mensais.
Resumo do dia
Veja como votaram os senadores em projeto que aumenta salário de ministros do STF
 
 
Senadoras eleitas em 2018 querem nova postura de Bolsonaro a respeito de mulheres
 
 
Emílio Odebrecht diz que não podia negar reforma de sítio por causa de relação com Lula
 
 
Cracolândia em SP é algo "aterrador" para a humanidade, diz comissão da OEA
 
 
Análises e opiniões
   
Josias de Souza: À espera de novas condenações, Lula trava o PT
 
 
Gesner Oliveira: A inflação está baixa, mas juro só cai com reforma
 
Para advogados, fim do Minsitério do Trabalho prejudica trabalhador, empresas e Justiça
O que dizem especialistas em direito trabalhista e relações de trabalho sobre a decisão
 
Internacional
   
Análise: 'Modelo Trump', adotado por Bolsonaro no Brasil, dá sinais de desgaste nos Estados Unidos
 
 
A onda azul de oposição a Trump não aconteceu. Talvez por que as expectativas fossem altas demais
 
Compartilhar essa edição do UOL Resumo do Dia:
Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar por E-mail
Oferecido por:
  
  
Siga o UOL Resumo do Dia
Baixe o aplicativo UOL:
Apple StoreGoogle Play
Você recebeu este email porque você assinou a Newsletter do UOL. Para receber outras newsletter grátis, clique aqui.
Para cancelar o recebimento da Newsletter UOL, clique aqui.

Resumo do Dia

Não consegue visualizar esse e-mail? Clique aqui
Quinta-feira, 8/11/2018
Edição da manhã
 
 
  
Governo se mexe para tentar passar reforma da Previdência ainda neste ano
Irineu Machado, gerente-geral de Notícias
O governo Michel Temer (MDB) e a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se mexem para tentar a aprovação de uma reforma da Previdência ainda neste ano no Congresso. O governo cogita fazer mudanças na Previdência por meio de projetos de lei, em vez de via Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Essa decisão facilitaria a aprovação no Congresso, pois exigiria menos votos, mas restringiria as mudanças que podem ser feitas no sistema de aposentadorias. Em paralelo, a equipe de Bolsonaro recrutou um grupo de deputados influentes veteranos na Câmara para articular a votação e avaliar alternativas para conciliar o projeto de Temer e as propostas estudadas pela equipe do novo governo.
 
Caberá ao presidente Temer sancionar ou vetar o reajuste de 16% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, aprovado na noite de ontem no Senado Federal (veja lista de quem votou a favor e quem votou contra o reajuste). O aumento, que passa para R$ 39 mil os salários dos ministros do STF, pode gerar um "efeito cascata" com impacto estimado de R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões nas contas públicas. Isso porque o salário dos magistrados serve de base para o pagamento de vários outros cargos do funcionalismo no país. A remuneração deles é o limite máximo estipulado para os salários do funcionalismo e algumas categorias têm suas remunerações atreladas às dos ministros.
 
Depois da aprovação do reajuste, o ministro Dias Toffoli, presidente do STF, disse que agora enfrentará o problema do auxílio-moradia pago aos magistrados e a membros do Ministério Público. "Em nome do Supremo Tribunal Federal, em nome de todo o Poder Judiciário, eu gostaria de agradecer ao Congresso Nacional a aprovação desse projeto principalmente porque agora poderemos enfrentar o problema do auxílio-moradia. Principalmente porque, com a aprovação do novo subsídio, nós poderemos então resolver essa questão do auxílio”, disse Toffoli. Juízes federais, juízes estaduais, procuradores da República e promotores de Justiça recebem auxílio-moradia de R$ 4.377 mensais.
Resumo do dia
Veja como votaram os senadores em projeto que aumenta salário de ministros do STF
 
 
Senadoras eleitas em 2018 querem nova postura de Bolsonaro a respeito de mulheres
 
 
Emílio Odebrecht diz que não podia negar reforma de sítio por causa de relação com Lula
 
 
Cracolândia em SP é algo "aterrador" para a humanidade, diz comissão da OEA
 
 
Análises e opiniões
   
Josias de Souza: À espera de novas condenações, Lula trava o PT
 
 
Gesner Oliveira: A inflação está baixa, mas juro só cai com reforma
 
Para advogados, fim do Minsitério do Trabalho prejudica trabalhador, empresas e Justiça
O que dizem especialistas em direito trabalhista e relações de trabalho sobre a decisão
 
Internacional
   
Análise: 'Modelo Trump', adotado por Bolsonaro no Brasil, dá sinais de desgaste nos Estados Unidos
 
 
A onda azul de oposição a Trump não aconteceu. Talvez por que as expectativas fossem altas demais
 
Compartilhar essa edição do UOL Resumo do Dia:
Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar por E-mail
Oferecido por:
  
  
Siga o UOL Resumo do Dia
Baixe o aplicativo UOL:
Apple StoreGoogle Play
Você recebeu este email porque você assinou a Newsletter do UOL. Para receber outras newsletter grátis, clique aqui.
Para cancelar o recebimento da Newsletter UOL, clique aqui.

Resumo do Dia

Não consegue visualizar esse e-mail? Clique aqui
Quinta-feira, 8/11/2018
Edição da manhã
 
 
  
Governo se mexe para tentar passar reforma da Previdência ainda neste ano
Irineu Machado, gerente-geral de Notícias
O governo Michel Temer (MDB) e a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se mexem para tentar a aprovação de uma reforma da Previdência ainda neste ano no Congresso. O governo cogita fazer mudanças na Previdência por meio de projetos de lei, em vez de via Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Essa decisão facilitaria a aprovação no Congresso, pois exigiria menos votos, mas restringiria as mudanças que podem ser feitas no sistema de aposentadorias. Em paralelo, a equipe de Bolsonaro recrutou um grupo de deputados influentes veteranos na Câmara para articular a votação e avaliar alternativas para conciliar o projeto de Temer e as propostas estudadas pela equipe do novo governo.
 
Caberá ao presidente Temer sancionar ou vetar o reajuste de 16% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, aprovado na noite de ontem no Senado Federal (veja lista de quem votou a favor e quem votou contra o reajuste). O aumento, que passa para R$ 39 mil os salários dos ministros do STF, pode gerar um "efeito cascata" com impacto estimado de R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões nas contas públicas. Isso porque o salário dos magistrados serve de base para o pagamento de vários outros cargos do funcionalismo no país. A remuneração deles é o limite máximo estipulado para os salários do funcionalismo e algumas categorias têm suas remunerações atreladas às dos ministros.
 
Depois da aprovação do reajuste, o ministro Dias Toffoli, presidente do STF, disse que agora enfrentará o problema do auxílio-moradia pago aos magistrados e a membros do Ministério Público. "Em nome do Supremo Tribunal Federal, em nome de todo o Poder Judiciário, eu gostaria de agradecer ao Congresso Nacional a aprovação desse projeto principalmente porque agora poderemos enfrentar o problema do auxílio-moradia. Principalmente porque, com a aprovação do novo subsídio, nós poderemos então resolver essa questão do auxílio”, disse Toffoli. Juízes federais, juízes estaduais, procuradores da República e promotores de Justiça recebem auxílio-moradia de R$ 4.377 mensais.
Resumo do dia
Veja como votaram os senadores em projeto que aumenta salário de ministros do STF
 
 
Senadoras eleitas em 2018 querem nova postura de Bolsonaro a respeito de mulheres
 
 
Emílio Odebrecht diz que não podia negar reforma de sítio por causa de relação com Lula
 
 
Cracolândia em SP é algo "aterrador" para a humanidade, diz comissão da OEA
 
 
Análises e opiniões
   
Josias de Souza: À espera de novas condenações, Lula trava o PT
 
 
Gesner Oliveira: A inflação está baixa, mas juro só cai com reforma
 
Para advogados, fim do Minsitério do Trabalho prejudica trabalhador, empresas e Justiça
O que dizem especialistas em direito trabalhista e relações de trabalho sobre a decisão
 
Internacional
   
Análise: 'Modelo Trump', adotado por Bolsonaro no Brasil, dá sinais de desgaste nos Estados Unidos
 
 
A onda azul de oposição a Trump não aconteceu. Talvez por que as expectativas fossem altas demais
 
Compartilhar essa edição do UOL Resumo do Dia:
Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar por E-mail
Oferecido por:
  
  
Siga o UOL Resumo do Dia
Baixe o aplicativo UOL:
Apple StoreGoogle Play
Você recebeu este email porque você assinou a Newsletter do UOL. Para receber outras newsletter grátis, clique aqui.
Para cancelar o recebimento da Newsletter UOL, clique aqui.