Rádio WNews

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Manuela

Caso você não esteja visualizando esta mensagem corretamente, clique aqui
Chegou a Hora
Grande Plenária de Campanha com presença de Renato Rabelo Presidente Nacional do PCdoB
13 de agosto Salão da Igreja Pompéia, Rua Barros Cassal, 220 Bairro Floresta, Horário 18h30
65 Prefeita Manuela Vice Tessaro

Para deixar de receber a nossa campanha, clique aqui.

Diário do Grande ABC


 
Diário do Grande ABCdomingo, 12 de agosto de 2012
 

Claudinho da Geladeira fala no programa Opinião

Torcedores não poderão assistir ao jogo no Bruno Daniel

Medalhista arrasta multidão em São Caetano

Duas rodas de ouro

Carlos Torres fala sobre Leis da Atração e Compartilhamento
CULTURA & LAZER
 Cia. Borelli se apresenta em São Bernardo
CULTURA & LAZER
 Contra o preconceito e com suíngue
CULTURA & LAZER
 Rumo ao berço da música clássica
CULTURA & LAZER
 O livro de ouro do Chaves
SETECIDADES
 O carinho de quem dedica a vida pelo filho
CULTURA & LAZER
 Textura e sabor
- Seleção perde outra vez a sonhada medalha dourada
- EUA e Turquia se preparam para pior cenário sírio
- Brasil repete a dose contra os Estados Unidos e é bi
- Ministro alemão manifesta desapontamento com Grécia
- Acidente de ônibus na Índia deixa mais de 50 mortos
 
- Candidatos petistas se afastarão da Assembleia
- Seleção perde outra vez a sonhada medalha dourada
- Reali bate boca com moradora na Nova Naval
- Seleção Brasileira sonha acabar com tabu olímpico
- Protesto de servidores surpreende fala de Dilma
 
  
 Você está recebendo esta mensagem do Jornal Diário do Grande ABC, conforme sua autorização ao cadastrar-se no site Diário Online.
Se você não deseja receber mais nossos emails, clique aqui.
  
 Copyright Diário do Grande ABC. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Diário Online.

Racismo Não


dia dos pais.jpgA todos os Pais

Adeptos da crença Comunidade Negra e Comunidade do Samba da Metrópole Santista.

Nesse dia especial quero agradecer de coração todo o amor, paciência e o carinho ao trabalho que a Produção de Cultura Negra esta desenvolvendo para eliminar a condições de amontoados de seres humanos que ainda somos tratados perante a vida pública que prejudica a Plenitude Humana  em sociedade.

Imposta contra nosso direito a Vida nos impede facultar o desenvolvimento Físico, Mental, Moral, Espiritual e Social, de nossas Crianças, Adolescentes, Jovens e Idosos, Homens e Mulheres da Comunidade Negra e Comunidade do Samba em condições de liberdade.

A forma proposital praticada pela Administração Municipal, João Paulo Tavares Papa, através do abuso do poder ofertou a tutela como exclusividade da Ordem dos Advogados do Brasil Seção Santos, para impedir nosso direito PUBLICO e PRIVADO, ou seja, a OAB-Santos, além da personalidade jurídica própria, também, se coloca no direito de conduzir a Comunidade Negra para onde bem entender.

Embora em pleno ano 2012, inicio rumo a terceiro milênio, Santos terra da liberdade e da caridade, a forma criminosa ainda é imposta, mesmo a quem protege, não intimidará a Produção de Cultura Negra continuar cobrando coerência no trato da Administração Pública e caráter dos candidatos na eleição 2012, para que não continuem a falsear e ignorando a existência de seres humanos indispensáveis no cotidiano da população, mantendo a Produção de Cultura Negra as margens do processo Político, Econômico, Cultural e Social, impedindo nossa evolução como seres humanos capacitados a caminhar pelos caminhos da vida colaborando contra a pratica da violência com nossas próprias pernas, visto que, manifestação e difusão Produção de Cultura Negra é meio constitucional que consagra a Comunidade Negra e Comunidade do Samba da Metrópole Santista o segmentos mais nosso da sociedade e mais organizado do país como participantes no processo civilizatório nacional.

Núcleo Consciência Negra


Compas.,

      Segue, abaixo e anexa, a moção em solidariedade ao Núcleo de Consciência Negra (USP), aprovada durante a reunião da CSP-Conlutas S. Paulo.

      Divulguem e reproduzam a iniciativa, encaminhando mensagens semelhantes para a reitoria e órgãos da universidade, com cópia para o Núcleo de Consciência Negra (e-mails acima).

      Wilson
      Quilombo Raça e Classe (S. Paulo)
     

 
São Paulo, 11 de agosto de 2012.

Moção de solidariedade ao Núcleo de Consciência Negra

As entidades dos movimentos sindical, estudantil, popular, negro, LGBT e feminista, participantes da reunião estadual da Central Sindical e Popular – Coordenação Nacional de Lutas (CSP-Conlutas), no dia 11 de agosto, vêm a público denunciar os ataques que estão sendo feitos, pela reitoria da Universidade de S. Paulo, contra o Núcleo de Consciência Negra (NCN) e conclamar todos os movimentos sociais a cercarem a entidade de solidariedade e apoio, para garantir a continuidade de sua existência no interior da Universidade.

Criado há exatos 25 anos, o NCN tem sido a principal (e uma das únicas) vozes a denunciar e lutar contra a absurda e racista realidade da USP, onde negros e negras compõem menos de 5% dos estudantes e ridículos 0.9% dos professores. Como forma de combate a esta situação, o NCN tem mantido um bem sucedido curso pré-vestibular para estudantes negros e de baixa renda, além de uma série de outras atividades políticas, culturais e sociais que aglutinam alunos, funcionários e, inclusive, membros da comunidade ao redor da universidade.

Neste mesmo período, o NCN também cumpriu papel de destaque nas principais lutas do movimento negro nacional, tendo sido uma das primeiras entidades a levantar a bandeira das cotas e contra a violência racial. Exatamente em função deste histórico e da perspectiva racista e elitista que é adotada pela universidade, o NCN sempre foi um “incômodo” no interior da USP e jamais foi legitimamente reconhecido pela reitoria que já tentou desalojá-lo em várias oportunidades.

Lamentavelmente, sintonizada com a política de higienização social e criminalização dos movimentos sociais, que tem sido a marca registrada do governo Alckmin, a reitoria, sob a gestão do reitor João Grandino Rodas, tem avançado na velocidade e profundidade dos ataques em função do elitista projeto de urbanização que está em curso no campus Butantã.  Uma política que também tem demonstrado seu caráter nos violentos ataques contra o movimento sindical e estudantil (através de prisões, cerceamento da organização e uma série de outras medidas autoritárias).

Há cerca um mês, uma parede do NCN foi derrubada e a sede foi praticamente saqueada, com o roubo de computadores, equipamentos e materiais dos mais diversos.  O NCN, com apoio do movimento, reergueu a sede, contudo, na semana passada, outra parede foi derrubada e a destruição física do Núcleo, lamentavelmente, é iminente.

Verdadeiro “quilombo” no interior de um “território” dominado pela política elitista e excludente, cuja lógica (apesar da resistência dos movimentos estudantil e sindical que atuam no seu interior) é a de garantir os interesses da elite (branca) brasileira, o Núcleo de Consciência Negra já é parte da História dos movimentos negro e social brasileiros. Uma história que não pode ser interrompida por uma reitoria, anti-democrática e autoritária.

Diante desta situação, a Coordenação Estadual da CSP-Conlutas São Paulo e as entidades presentes na reunião da direção estadual da CSP-Conlutas S. Paulo não só vem à publico exigir a imediata paralisação dos ataques ao NCN, mas também conclamar todas as entidades dos movimentos sindical, popular, estudantil, negro, LGBT e feminista a também se manifestarem, enviando mensagens para:

Reitoria da Universidade de S. Paulo: imprensa@usp.br
Com cópia para Núcleo de Consciência Negra:

Moção aprovada por unanimidade pelas seguintes entidades, minorias e oposições sindicais:

1.      ANEL – Assembléia Nacional dos Estudantes-Livre
2.      Bloco de Resistência
3.      CAS - Coletivo dos Artistas Socialista S. Paulo
4.      Comando de Base do Judiciário de S. Paulo
5.      Comunidade San Remo
6.      Luta Popular
7.      Motoboys Santana do Parnaíba
8.      Oposição Alternativa (minoria) da Apeoesp (Sind. dos Prof. do Ensino Oficial de SP)
9.      Oposição Bancária de S. Paulo
10.  Oposição da Assoc. dos Servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
11.  Oposição do Sind. dos Trabalhadores em empresas de Correios, Telégrafos de S. Paulo
12.  Oposição dos Trabalhadores da Indústria de Alimentação de S. José dos Campos
13.  Oposição Municipais de Guarulhos
14.  Quilombo Raça e Classe
15.  Sinpeem (minoria) – Sind. dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal de SP
16.  Sindicato dos Advogados de S. Paulo (minoria)
17.  Sindicato dos Químicos de Osasco (minoria)
18.  Sindmetal S. José dos Campos - Sindicato dos Metalúrgicos de S. José e Região
19.  Sindsef - Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal do Estado de SP
20.  Sinsprev (minoria) – Sind. dos Trabalhadores em Saúde e Previdência de S.P.
21.  Sintect Vale do Paraíba – Sind. dos Trab. Correios, Telégrafos do V. do Paraíba e Litoral Norte
22.  Sintrajud - Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de SP



Entrevista com o Candidato à Prefeito Francisco Appio

Militância do PT de Vacaria RS

Consciência Negra


Compas.,

      Segue, abaixo e anexa, a moção em solidariedade ao Núcleo de Consciência Negra (USP), aprovada durante a reunião da CSP-Conlutas S. Paulo.

      Divulguem e reproduzam a iniciativa, encaminhando mensagens semelhantes para a reitoria e órgãos da universidade, com cópia para o Núcleo de Consciência Negra (e-mails acima).

      Wilson
      Quilombo Raça e Classe (S. Paulo)
     

 
São Paulo, 11 de agosto de 2012.

Moção de solidariedade ao Núcleo de Consciência Negra

As entidades dos movimentos sindical, estudantil, popular, negro, LGBT e feminista, participantes da reunião estadual da Central Sindical e Popular – Coordenação Nacional de Lutas (CSP-Conlutas), no dia 11 de agosto, vêm a público denunciar os ataques que estão sendo feitos, pela reitoria da Universidade de S. Paulo, contra o Núcleo de Consciência Negra (NCN) e conclamar todos os movimentos sociais a cercarem a entidade de solidariedade e apoio, para garantir a continuidade de sua existência no interior da Universidade.

Criado há exatos 25 anos, o NCN tem sido a principal (e uma das únicas) vozes a denunciar e lutar contra a absurda e racista realidade da USP, onde negros e negras compõem menos de 5% dos estudantes e ridículos 0.9% dos professores. Como forma de combate a esta situação, o NCN tem mantido um bem sucedido curso pré-vestibular para estudantes negros e de baixa renda, além de uma série de outras atividades políticas, culturais e sociais que aglutinam alunos, funcionários e, inclusive, membros da comunidade ao redor da universidade.

Neste mesmo período, o NCN também cumpriu papel de destaque nas principais lutas do movimento negro nacional, tendo sido uma das primeiras entidades a levantar a bandeira das cotas e contra a violência racial. Exatamente em função deste histórico e da perspectiva racista e elitista que é adotada pela universidade, o NCN sempre foi um “incômodo” no interior da USP e jamais foi legitimamente reconhecido pela reitoria que já tentou desalojá-lo em várias oportunidades.

Lamentavelmente, sintonizada com a política de higienização social e criminalização dos movimentos sociais, que tem sido a marca registrada do governo Alckmin, a reitoria, sob a gestão do reitor João Grandino Rodas, tem avançado na velocidade e profundidade dos ataques em função do elitista projeto de urbanização que está em curso no campus Butantã.  Uma política que também tem demonstrado seu caráter nos violentos ataques contra o movimento sindical e estudantil (através de prisões, cerceamento da organização e uma série de outras medidas autoritárias).

Há cerca um mês, uma parede do NCN foi derrubada e a sede foi praticamente saqueada, com o roubo de computadores, equipamentos e materiais dos mais diversos.  O NCN, com apoio do movimento, reergueu a sede, contudo, na semana passada, outra parede foi derrubada e a destruição física do Núcleo, lamentavelmente, é iminente.

Verdadeiro “quilombo” no interior de um “território” dominado pela política elitista e excludente, cuja lógica (apesar da resistência dos movimentos estudantil e sindical que atuam no seu interior) é a de garantir os interesses da elite (branca) brasileira, o Núcleo de Consciência Negra já é parte da História dos movimentos negro e social brasileiros. Uma história que não pode ser interrompida por uma reitoria, anti-democrática e autoritária.

Diante desta situação, a Coordenação Estadual da CSP-Conlutas São Paulo e as entidades presentes na reunião da direção estadual da CSP-Conlutas S. Paulo não só vem à publico exigir a imediata paralisação dos ataques ao NCN, mas também conclamar todas as entidades dos movimentos sindical, popular, estudantil, negro, LGBT e feminista a também se manifestarem, enviando mensagens para:

Reitoria da Universidade de S. Paulo: imprensa@usp.br
Com cópia para Núcleo de Consciência Negra:

Moção aprovada por unanimidade pelas seguintes entidades, minorias e oposições sindicais:

1.      ANEL – Assembléia Nacional dos Estudantes-Livre
2.      Bloco de Resistência
3.      CAS - Coletivo dos Artistas Socialista S. Paulo
4.      Comando de Base do Judiciário de S. Paulo
5.      Comunidade San Remo
6.      Luta Popular
7.      Motoboys Santana do Parnaíba
8.      Oposição Alternativa (minoria) da Apeoesp (Sind. dos Prof. do Ensino Oficial de SP)
9.      Oposição Bancária de S. Paulo
10.  Oposição da Assoc. dos Servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
11.  Oposição do Sind. dos Trabalhadores em empresas de Correios, Telégrafos de S. Paulo
12.  Oposição dos Trabalhadores da Indústria de Alimentação de S. José dos Campos
13.  Oposição Municipais de Guarulhos
14.  Quilombo Raça e Classe
15.  Sinpeem (minoria) – Sind. dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal de SP
16.  Sindicato dos Advogados de S. Paulo (minoria)
17.  Sindicato dos Químicos de Osasco (minoria)
18.  Sindmetal S. José dos Campos - Sindicato dos Metalúrgicos de S. José e Região
19.  Sindsef - Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal do Estado de SP
20.  Sinsprev (minoria) – Sind. dos Trabalhadores em Saúde e Previdência de S.P.
21.  Sintect Vale do Paraíba – Sind. dos Trab. Correios, Telégrafos do V. do Paraíba e Litoral Norte
22.  Sintrajud - Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de SP



Quadro de Medalhas


RO DE MEDALHAS

POSPAÍSOUROPRATABRONZETOTAL
1Estados Unidos462929104
2China38272287
3Grã-Bretanha29171965
4Rússia24253382
5Coreia do Sul138728
6Alemanha11191444
7França11111234
22Brasil35917