Destaque

Destaque

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Comentário do Leitor


 
   Facebook
 
   
   
 
Alexandre SCunha mencionou-te num comentário.
 
   
Alexandre SCunha
14 de Agosto às 11:29
 
Será que vão achar o corpo da Elisa Samudio dentro do cabelo do Paulo Furtado ?
 
   
   
 
Ver no Facebook

Paulo Furtado posted a video to his timeline

Inter 0 x 0 Palmeiras

Inter 0 x 0 Palmeiras

Comentário


 
   Facebook
 
   
   
 
Alexandre SCunha mencionou-te num comentário.
 
   
Alexandre SCunha
14 de Agosto às 11:29
 
Será que vão achar o corpo da Elisa Samudio dentro do cabelo do Paulo Furtado ?
 
   
   
 
Ver no Facebook

Inter 0 x 0 Palmeiras

Inter 0 x 0 Palmeiras



Inter 0 x 0 Palmeiras

Inter 0 x 0 Palmeiras




Inter 0 x 0 Palmeiras

Inter 0 x 0 Palmeiras




Inter 0 x 0 Palmeiras




Encerramento da Greve de Fome

Comunicado nº 77/2018
 São Paulo, 25 de agosto de 2018
 
Encerramento da Greve de Fome 


Com certeza de dever cumprido, ativistas encerram greve de fome

Depois de 26 dias de ato, grevistas conclamam povo a seguir mobilizado, construindo a resistência democrática a partir das ruas

Desde 31 de julho os ativistas Jaime Amorim, Zonália Santos, Rafaela Alves, Frei Sérgio Görgen, Gegê Gonzaga, Vilmar Pacífico e Leonardo Soares estão em Brasília, sem receber nenhum tipo de alimentação, evocando o instrumento de luta e resistência popular da greve de fome para mobilizar o povo, despertar o debate político, forçar o debate com o poder judiciário em sua mais alta instância e reafirmar que em uma Estado Democrático a vontade do povo deve sempre ser respeitada. Ao decidir pela interrupção da greve, os sete acolheram o chamado de suas organizações para retornar às bases e fomentar com o potencial simbólico do ato praticado a luta popular.
 O ato que encerra a greve de fome não representa um final nesta jornada, ao contrário, é uma nova etapa que começa, sintetiza Jairo Amorim, que se pronunciou em nome do grupo. Alojados no Centro Cultural de Brasília (CCB), os grevistas receberam de suas organizações e também das instituições e grupos que os apoiaram desde o primeiro dia ou que somaram-se ao ato ao longo da jornada, uma celebração que reflete a gratidão pelo exemplo e reafirma o compromisso popular de multiplicar a mensagem e o desafio que foram apontados ao longo de toda a greve.
 Ao longo dos 26 nós conseguimos fazer um grande debate com a sociedade brasileira, denunciar a volta da fome, mostrar para o mundo as consequências do golpe, o aumento da violência, o abandono dos mais pobres por parte do estado e o papel que o poder judiciário exerceu para que isso acontecesse -, declarou Amorim. “O judiciário cumpriu um papel decisivo a favor do golpe e contra o povo, mostramos para todos esses cenários em que se conduziu a judicialização da política e a politização do poder judiciário, o que é incompatível com uma sociedade democrática -, acrescentou. Para os sete ativistas tão importante quanto dialogar com os Ministros do Supremo, foi conquistar a solidariedade ativa da população, que ampliou através de suas redes pessoais as mensagens dos grevistas que repercutiram quase que exclusivamente pelos canais de mídias progressistas, sendo propositalmente bloqueados pelos principais canais de comunicação da mídia burguesa.
 - Ao sair da greve temos consciência de que cumprimos um papel importante, ajudamos a mobilizar e organizar o povo, colocamos em pauta novas perspectivas para esse país, evocamos a ideia de um Brasil-Nação para todos os brasileiros -, afirma Amorim. “Nós saímos da greve para um outro patamar da luta, seguiremos lutando pela liberdade de Lula, mas olhamos para a frente vislumbrando o Congresso do Povo e a consolidação da Frente Brasil Popular como um instrumento de desenvolvimento político e social para toda nossa gente, abrigando a nova militância que surgiu da resistência ao golpe e vem crescendo cada vez mais, uma militância sem vícios, que está disposta a ajudar a construir uma nova história possível e necessária.

Por Comunicação da Greve de Fome

Inter 0 x 0 Palmeiras



Inter 0 x 0 Sport

Inter 0 x 0 Sport

Inter 0 x 0 Sport

Decisão do STF


Supremo decide que é inconstitucional a exigencia de diploma para o exercício do jornalismo











Por maioria, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quarta-feira, dia 17/06/2009, que é inconstitucional a exigencia do diploma de jornalismo e registro profissional no Ministério do Trabalho como condiçao para o exercício da profissao de jornalista.




O entendimento foi de que o Decreto-Lei 972/1969, baixado durante o regime militar, nao foi recepcionado pela Constituiçao Federal (CF) de 1988 e que as exigencias nele contidas ferem a liberdade de imprensa e contrariam o direito a livre manifestaçao do pensamento inscrita no artigo 13 da Convençao Americana dos Direitos Humanos, também conhecida como Pacto de San Jose da Costa Rica.




A decisao foi tomada no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 511961, em que se discutiu a constitucionalidade da exigencia do diploma de jornalismo e a obrigatoriedade de registro profissional para exercer a profissao de jornalista. A maioria, vencido o ministro Marco Aurélio, acompanhou o voto presidente da Corte e relator do RE, ministro Gilmar Mendes, que votou pela inconstitucionalidade do DL 972.




Para Gilmar Mendes, “o jornalismo e a liberdade de expressao sao atividades que estao imbricadas por sua própria natureza e nao podem ser pensados e tratados de forma separada”, disse. “O jornalismo é a própria manifestaçao e difusao do pensamento e da informaçao de forma contínua, profissional e remunerada”, afirmou o relator.




O RE foi interposto pelo Ministério Público Federal (MPF) e pelo Sindicato das Empresas de Rádio e Televisao do Estado de Sao Paulo (Sertesp) contra acórdao do Tribunal Regional Federal da 3a Regiao que afirmou a necessidade do diploma, contrariando uma decisao da 16a Vara Cível Federal em Sao Paulo, numa açao civil pública.




No RE, o Ministério Público e o Sertesp sustentam que o Decreto-Lei 972/69, que estabelece as regras para exercício da profissao – inclusive o diploma –, nao foi recepcionado pela Constituiçao de 1988.




Além disso, o artigo 4o, que estabelece a obrigatoriedade de registro dos profissionais da imprensa no Ministério do Trabalho, teria sido revogado pelo artigo 13 da Convençao Americana de Direitos Humanos de 1969, mais conhecida como Pacto de San Jose da Costa Rica, ao qual o Brasil aderiu em 1992. Tal artigo garante a liberdade de pensamento e de expressao como direito fundamental do homem.




Advogados das partes




Essa posiçao foi reforçada, no julgamento de hoje, pela advogada do Sertesp, Taís Borja Gasparian, e pelo procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza. A advogada sustentou que o DL 972/69 foi baixado durante o regime militar e teve como objetivo limitar a livre difusao de informaçoes e manifestaçao do pensamento. Segundo ela, o jornalista apenas exerce uma técnica de assimilaçao e difusao de informaçoes, que depende de formaçao cultural, retidao de caráter, ética e consideraçao com o público.




Em apoio a mesma tese, o procurador-geral da República sustentou que a atual legislaçao contraria o artigo 5o, incisos IX e XIII, e o artigo 220 da Constituiçao Federal, que tratam da liberdade de manifestaçao do pensamento e da informaçao, bem como da liberdade de exercício da profissao.




O advogado Joao Roberto Piza Fontes, que subiu a tribuna em nome da Federaçao Nacional dos Jornalistas (Fenaj), advertiu que “o diploma nao impede ninguém de escrever em jornal”. Segundo ele, a legislaçao dá espaço para os colaboradores com conhecimentos específicos em determinada matéria e, também, para os provisionados, autorizados a exercer o jornalismo onde nao houver jornalista profissional formado nem faculdade de Comunicaçao.




Segundo ele, o RE é apenas uma defesa das grandes corporaçoes e uma ameaça ao nível da informaçao, se o jornalismo vier a ser exercido por profissionais nao qualificados, assim como um aviltamento da profissao, pois é uma ameaça a justa remuneraçao dos profissionais de nível superior que hoje estao na profissao.




Também em favor do diploma se manifestou o a advogada Grace Maria Mendonça, da Advocacia Geral da Uniao (AGU). Ela questionou se alguém se entregaria na mao de um médico ou odontólogo, ou entao de um piloto nao formado. Segundo ela, nao há nada no DL 972 que contrarie a Constituiçao Federal. Pelo contrário, ele estaria em plena consonância com a Carta.




Votos




Ao acompanhar o voto do relator, a ministra Cármen Lúcia disse que a CF de 1988 nao recepcionou o DL 972. “Nao há recepçao nem material nem formal”, sustentou ela. Além disso, a ministra considerou que o artigo 4o do DL contraria o artigo 13 do Pacto de San Jose da Costa Rica.




No mesmo sentido votou o ministro Ricardo Lewandowski. Segundo ele, “o jornalismo prescinde de diploma”. Só requer desses profissionais “uma sólida cultura, domínio do idioma, formaçao ética e fidelidade aos fatos”. Segundo ele, tanto o DL 972 quanto a já extinta – também por decisao do STF – Lei de Imprensa representavam “resquícios do regime de exceçao, entulho do autoritarismo”, que tinham por objeto restringir informaçoes dos profissionais que lhe faziam oposiçao.




Ao também votar pelo fim da obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissao de jornalista, o ministro Carlos Ayres Britto distinguiu entre “matérias nuclearmente de imprensa, como o direito a informaçao, criaçao, a liberdade de pensamento”, inscritos na CF, e direitos reflexamente de imprensa, que podem ser objeto de lei. Segundo ele, a exigencia do diploma se enquadra na segunda categoria. “A exigencia de diploma nao salvaguarda a sociedade para justificar restriçoes desproporcionais ao exercício da liberdade jornalística”, afirmou.




Ele ponderou, no entanto, que o jornalismo continuará a ser exercido por aqueles que tem pendor para a profissao, sem as atuais restriçoes. Ao votar contra elas, citou os nomes de Carlos Drummond de Andrade, Otto Lara Resende, Manuel Bandeira, Armando Nogueira e outros como destacados jornalistas que nao possuíam diploma específico.




Por seu turno, ao votar com o relator, o ministro Cezar Peluso observou que se para o exercício do jornalismo fossem necessárias qualificaçoes como garantia contra danos e riscos a coletividade, uma aferiçao de conhecimentos suficientes de verdades científicas exigidas para a natureza do trabalho, ofício ou profissao, o diploma se justificaria.




Entretanto, segundo ele, “nao há, no jornalismo, nenhuma dessas verdades indispensáveis”, pois o curso de Comunicaçao Social nao é uma garantia contra o mau exercício da profissao.




“Há riscos no jornalismo?”, questionou. “Sim, mas nenhum é atribuível ao desconhecimento de verdade científica que devesse governar a profissao”, respondeu, ele mesmo.




Ele concluiu dizendo que, “há séculos, o jornalismo sempre pôde ser bem exercido, independentemente de diploma”.

O ministro Eros Grau e a ministra Ellen Gracie acompanharam integralmente o voto do relator, ministro Gilmar Mendes.

Último a proferir seu voto no julgamento, o decano da Corte, ministro Celso de Mello, acompanhou o relator do recurso. O ministro fez uma análise histórica das constituiçoes brasileiras desde o Império até os dias atuais, nas quais sempre foi ressaltada a questao do livre exercício da atividade profissional e acesso ao trabalho.




Ainda no contexto histórico, o ministro Celso de Mello salientou que nao questionaria o que chamou de “origem espúria” do decreto-lei que passou a exigir o diploma ou o registro profissional para exercer a profissao de jornalista, uma vez que a norma foi editada durante o período da ditadura militar.




Para o ministro, a regra geral é a liberdade de ofício. Ele citou projetos de lei em tramitaçao no Congresso que tratam da regulamentaçao de diversas profissoes, como modelo de passarela, design de interiores, detetives, babás e escritores. “Todas as profissoes sao dignas e nobres”, porém há uma Constituiçao da República a ser observada, afirmou.




Divergencia




Ao abrir divergencia e votar favoravelmente a obrigatoriedade do diploma de jornalista, o ministro Marco Aurélio ressaltou que a regra está em vigor há 40 anos e que, nesse período, a sociedade se organizou para dar cumprimento a norma, com a criaçao de muitas faculdades de nível superior de jornalismo no país. “E agora chegamos a conclusao de que passaremos a ter jornalistas de gradaçoes diversas. Jornalistas com diploma de curso superior e jornalistas que terao, de regra, o nível médio e quem sabe até o nível apenas fundamental”, ponderou.




O ministro Marco Aurélio questionou se a regra da obrigatoriedade pode ser “rotulada como desproporcional, a ponto de se declarar incompatível” com regras constitucionais que preveem que nenhuma lei pode constituir embaraço a plena liberdade de expressao e que o exercício de qualquer profissao é livre.




“A resposta para mim é negativa. Penso que o jornalista deve ter uma formaçao básica, que viabilize a atividade profissional, que repercute na vida dos cidadaos em geral. Ele deve contar com técnica para entrevista, para se reportar, para editar, para pesquisar o que deva estampar no veículo de comunicaçao”, disse o ministro.




“Nao tenho como assentar que essa exigencia, que agora será facultativa, frustando-se até mesmo inúmeras pessoas que acreditaram na ordem jurídica e se matricularam em faculdades, resulte em prejuízo a sociedade brasileira. Ao contrário, devo presumir o que normalmente ocorre e nao o excepcional: que tendo o profissional um nível superior estará [ele] mais habilitado a prestaçao de serviços profícuos a sociedade brasileira”, concluiu o ministro Marco Aurélio.






Useful links



















































© 2009 ABJ - Associação Brasileira dos Jornalistas

Contrate Paulo Furtado

Contrate Paulo Furtado
Assessor de Imprensa

Registro de Jornalista nº 0017713/RS
 E- mail : jornalnegritude@yahoo.com.br
Fone: (51)985196413 whats
(51) 3212 7664
Assessoria  de Imprensa  para seu clube esportivo, mandato parlamentar, empresa ou outras áreas.
Entre em contato conosco trabalho certo e qualificado

Giro Uol

Giro UOL
Veja a seleção de notícias que o UOL fez para você na manhã desta segunda - 27/08/2018
Demanda por novas moradias cai, mas deve superar 1 milhão ao ano até 2024, mostra novo estudo
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
Gustavo Maia/UOL
Policiais fardados tietam Bolsonaro durante campanha em São Paulo
PM do Estado apura possível irregularidade dos militares em ato do candidato do PSL à Presidência
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo
Marina Silva defende só mudar lei sobre aborto após plebiscito
Candidata da Rede à Presidência é contra mudança na lei, mas defende consulta popular
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
Karla Calderón/UOL
Com fezes e lixo, venezuelanos "garimpam" rio de esgoto
"Nunca saímos sem nada", conta um dos moradores que costuma ir no rio Guaire, em Caracas
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
Maurício de Souza/Diário do Litoral/Estadão Conteúdo
21ª rodada do Brasileirão: Vítimas de agosto
Calendário caótico do futebol brasileiro faz vítimas em quatro grandes de SP e até na seleção
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
 
Sob críticas, TSE corta 395 juízes das eleições
Tribunal afirma que economizará com medida, que também retirou promotores e uniu zonas de municípios
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
 
Pequeno investidor deve evitar especulações e ter objetivos claros ao aplicar durante o período de campanha
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
José Dirceu volta a atuar no PT e ajuda campanha de Fernando Haddad
Solto desde junho, ex-ministro dá conselhos ao plano B do partido ao Planalto neste ano
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
 
INSS começa a pagar 13º dos aposentados hoje; veja datas e quem tem direito
Pagamento vai até 10 de setembro e varia conforme valor do benefício e número do cartão
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
 
Empreendedorismo
Nove franquias que custam menos que um carro popular; veja os cuidados
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
Tecnologia
Conferiu se o carro trancou? Ladrões bloqueiam sinal do alarme para furtos
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
Séries
Por que "Mom" pode ser uma boa opção para os órfãos de "The Big Bang Theory"
Compartilhar no Facebook|Compartilhar no Twitter|Compartilhar no WhatsApp|Compartilhar por E-mail
Agenda do dia
 
Futebol | Segunda tem jogos da Série B, Inglês e Espanhol
Empegos | Concursos oferecem 21.459 vagas com salários de até R$ 23,6 mil