Grêmio 1 x 0 Botafogo

Grêmio 1 x 0 Botafogo
Libertadores 2017

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Destaque Vermelho

Carta O Berro..........................................................repassem
 

DESTAQUES DA EDIÇÃO DE
HOJE DO PORTAL VERMELHO




Candidata teve na Globo seu melhor
desempenho


Walter Sorrentino
Democracia fortalecida


-----Anexo incorporado-----

 
 

Uma Mulher no Poder

Enfim uma mulher pode voltar a governar o Brasil *

Bruno de Cerqueira **

Está feito. A maioria do eleitorado votante do Brasil elegeu Dilma Rousseff como Chefe de Estado e Chefe de Governo a ser empossada em 1º de janeiro de 2011, em Brasília.

Sua Excelência a Senhora Dilma Vana da Silva Rousseff, antiga Ministra de Estado Chefe da Casa Civil e das Minas e Energia, nascida em Belo Horizonte aos 14 de dezembro de 1947, é filha do imigrante búlgaro Petar Rusev, advogado e poeta, e da Senhora (nascida Dilma Jane da Silva ).

A Professora Dilma Jane Silva Rousseff , mãe da Presidente eleita, nasceu em Nova Friburgo (RJ) e parece ter alguma ascendência mineira. Infelizmente ainda não possuo nenhuma informação pormenorizada sobre as ascendências búlgara e brasileira de Dilma Rousseff, mas certamente meus amigos do Colégio Brasileiro de Genealogia (CBG) logo providenciarão...

Neste segundo turno do pleito presidencial brasileiro recebi um sem-número de mensagens eletrônicas de familiares, parentes, amigos, conhecidos e desconhecidos. Tinham por objetivo demonizar Dilma Rousseff ou demonizar José Serra. Entendendo que isso configura um pecado grave, deletava todos. Sou membro do Partido Verde (PV) e fiz campanha para Marina Silva no primeiro turno. Agradeci a Deus Todo-Poderoso porque minha candidata, aquela por quem nutro viva simpatia e reverência desde pequenino, e meu partido , abraçaram a neutralidade programática no segundo turno.

Apesar de ponderar mil motivos para votar em José Serra e mil motivos para votar em Dilma Rousseff e, também, mil motivos para não votar em nenhum dos dois, recuso-me completamente a ver meu amado País cindido em dois, rasgado pelos ódios, preconceitos, rixas, vilezas em geral. Tal como faz a hierarquia católica e enquanto seguidor dessa religião, sempre admoesto meus amigos, sejam partidários do PT, do PSDB, do PV ou de qualquer agremiação político-partidária, a se lembrarem que o BRASIL é maior do que todos e deve estar acima de tudo, como defendiam D. Pedro II e D. Isabel I.

Agora me dirijo a todos os estimados compatriotas para exaltar o simbolismo da eleição de Dilma Rousseff. Após 122 anos do último governo feminino de nossa História — a terceira e última regência da Redentora (1887-1888) —, seremos novamente governados por uma mulher.

Foi uma mulher que nos governou em agosto-setembro de 1822, presidindo o Conselho de Estado do Reino do Brasil que enviou as missivas ao Príncipe-Regente D. Pedro de Alcantara fazendo-o ver que a Independência era o clamor dos que aqui viviam. Com efeito, D. Maria Leopoldina (1798-1826) é a primeira governante do Brasil: uma princesa austríaca, membro da mais importante e gloriosa dinastia católica do mundo — a Casa de Habsburgo. Em 1º de dezembro de 1822 ela foi coroada e sagrada imperatriz-consorte do Brasil com seu marido, na antiga Sé-Catedral Imperial do Rio de Janeiro , recentemente restaurada em sua magnificência, graças à visão superior do antigo Prefeito Cesar Maia.

A rigor, até mesmo a Rainha Senhora D. Maria I (1734-1816), conhecida historiograficamente como “a Louca”, mas que antes desse cognome era conhecida popularmente por “a Piedosa”, pode ser considerada primeira mandatária do Brasil, visto que a Regência de seu filho D. João reinava em seu nome. Contudo, a partir de 1799, ela era oficialmente incapaz por doença mental, o que a fazia apenas rainha nominal. O Príncipe Regente D. João só foi aclamado D. João VI quando a idosa e enferma rainha morreu, em plagas cariocas, a 20 de março de 1816.

Portanto, a Imperatriz Senhora D. Maria Leopoldina e sua neta D. Isabel Christina Leopoldina Augusta, são as duas grandes governantes de nossa História. Que suas biografias sejam conhecidas e ilustradas e que sua exemplaridade sirva à recém-eleita Presidente (ou Presidenta) do Brasil.

Certa vez, fiquei impressionadíssimo com o fato de estar escrevendo a parte final do livro de nosso Instituto ( D. Isabel I a Redentora: textos e documentos sobre a Imperatriz exilada do Brasil em seus 160 anos de nascimento. Rio de Janeiro: IDII, 2006) e entrar em uma livraria-sebo do Centro do Rio Antigo e me deparar com um livro do grande pensador mineiro Prof. João Camillo de Oliveira Torres. Trata-se da obra Interpretação da Realidade Brasileira: introdução à história das ideias políticas no Brasil. À página 308, ele diz:

O Brasil é algo que se prolonga, com Casa-Grande e Senzala, Sobrados e Mocambos, Apartamentos e Favelas. Talvez, um dia, uma D. Isabel rediviva saiba conseguir um Brasil em que o Poder Moderador (cuja importância soube tão bem compreender), e que é a hipóstese do Estado, como o brasileiro o sente, paternal e benevolente, dê casas parecidas a todos... Brancos e pretos. E termine a contradição.

Estou plenamente ciente de que a presidência do sociólogo Fernando Henrique Cardoso e a presidência do operário Luiz Ignácio Lula da Silva iniciaram este processo. Trabalhei para que a historiadora Marina Silva representasse essa “ D. Isabel rediviva ”. Contudo, interpreto os resultados das urnas como parte do grandioso processo de evolução sócio-histórica de meu País e quero formular, desejar e rezar para que a economista Dilma Rousseff possa adiantar muito do que se tem de fazer, mormente promovendo aquilo que o Senador Christovam Buarque chama de “revolução pela educação” e que nosso instituto denomina “neoabolicionismo”.

Agora, como cidadão que me considero “do Bem”, coloco minhas preces e meu labor — ORA ET LABORA não é o lema de perfectibilidade dos beneditinos (?) — a favor do País e estimo que nossa Presidenta eleita possa administrar com tenacidade e destreza esse imenso e portentoso Brasil. Que suas qualidades pessoais e o Cristianismo que professa sejam verdadeiramente o fio condutor da gradual extinção dos escândalos de corrupção governamental que clamam aos Céus por justiça e que sua condição feminina seja luz para os desamparados filhos da Virgem da Conceição Aparecida.

Viva o Brasil.

* Artigo enviado ao cadastro do Instituto D. Isabel I em novembro de 2010.
As opiniões expressadas são as do Autor, não evidenciando o pensamento dos demais membros do IDII.

** Bruno da Silva Antunes de Cerqueira (31) é graduado em História pela PUC-Rio, pós-graduado em Relações Internacionais pela UCAM e
bacharelando em Direito pela PUC-Rio. É o gestor do Instituto Cultural D. Isabel I a Redentora (http://www.idisabel.org.br/) e do
Programa de Relações Públicas e Internacionais , Cerimonial e Protocolo do IDII (http://www.protokollon.com.br/).

 

Sofia Cavedon

Se tiver problema para visualizar a mensagem, acesse por aqui.
Parabéns Dilma Rousseff!
A primeira mulher eleita para a Presidência do Brasil
Em 1926, no Rio Grande do Norte, Celina Guimarães Viana era a primeira mulher brasileira a votar. Noventa e quatro anos depois, no dia 31 de outubro de 2010, Dilma Vana Rousseff é eleita a primeira mulher presidente do Brasil. Com 91,29% das urnas apurados, Dilma venceu com 56,05% dos votos válidos. Seu adversário do PSDB, José Serra, teve 43,95%.

Saiba mais...
Presidenta vai erradicar a miséria e fortalecer a economia
A presidenta Dilma Rousseff, eleita com mais de 55,7 milhões de votos, afirmou após sua vitória que fará um governo com foco na erradicação da pobreza, no fortalecimento da economia nacional e fará esforços por uma reforma política que eleve os valores republicanos. A primeira mulher a assumir o comando do Brasil abriu seu discurso assumindo o compromisso de “honrar as mulheres brasileiras, para que este fato, até hoje inédito, se transforme num evento natural”, disse.

Saiba mais...
Acompanhe as notícias do Mandato pelo Blog Sofia Cavedon.
Personalidades ligadas à Educação receberão homenagem
A Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou, nesta segunda-feira (25/10), a concessão da Comenda Porto do Sol a duas personalidades ligadas à área de educação. Por proposição da vereadora Sofia Cavedon (PT), receberão a Comenda a professora Andréa Portela de Azambuja e a jornalista Maria José Vasconcelos de Souza, editora de Ensino do jornal Correio do Povo.

A homenagem a professora Andréa Portela de Azambuja ocorrerá nesta Sexta-feira (05/11), às 19h30min, no Plenário Otávio Rocha da Câmara Municipal de Porto Alegre (Av. Loureiro da Silva, 255)

Saiba mais...
Escola Salomão Watnick ainda espera pela nova sede
Atualmente em uma instalação provisória junto à Avenida Mariante, professores, pais e alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Bilíngue Salomão Watnick reivindicaram, nesta terça-feira (26/10), a construção de um prédio definitivo em terreno da Zona Leste da Capital para abrigar 26 alunos surdos matriculados na instituição.

Acesse aqui.
Agenda da Sofia

Para descadastrar