Rádio WNews

sábado, 2 de maio de 2015

Glória 1 x 0 Panambi parte 80 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 79 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 79 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 78 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 77 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 76 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 75 (dia 12 de Abril 2015)

Marta fala sobre desfiliação do PT

Glória 1 x 0 Panambi parte 73 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 72 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 71 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 70 (dia 12 de Abril 2015)

Protestos em Baltimore

Geledés

Você está recebendo as atualizações do Portal Geledés.
Portal Geledés

Geledés

Em defesa dos direitos humanos. Combate ao racismo, preconceito, discriminação e violência contra a mulher.

Socióloga Vilma Reis é eleita nova ouvidora-geral da Defensoria da BA

Like Socióloga Vilma Reis é eleita nova ouvidora-geral da Defensoria da BA on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Socióloga Vilma Reis é eleita nova ouvidora-geral da Defensoria da BAEleita disputou vaga com o historiador Marcos Rezende e obteve 4 votos. Ela entra no lugar da assistente social Tânia Palma, que teve 2 mandatos. A socióloga Vilma Reis foi escolhida, por quatro votos a dois, nova ouvidora-geral da Defensoria Pública do Estado da Bahia (DPE-BA), em eleição nesta quinta-feira (30). Ela disputou o cargo […] Leia mais »

1ª Ocupação Negra da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília – Direito, Epistemologia e Raça

Like 1ª Ocupação Negra da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília – Direito, Epistemologia e Raça on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
1ª Ocupação Negra da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília – Direito, Epistemologia e RaçaA I Ocupação Negra da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília – Direito, Epistemologia e Raça surge como iniciativa de estudantes negros e negras da graduação e da pós-graduação em Direito da UnB, no intuito de fortalecer, ampliar e aprofundar os debates sobre a questão racial no âmbito universitário. de Cairo de Sousa Coutinho via Guest […] Leia mais »

Professores no Brasil estão entre mais mal pagos em ranking internacional

Like Professores no Brasil estão entre mais mal pagos em ranking internacional on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Professores no Brasil estão entre mais mal pagos em ranking internacionalO Brasil é o lanterninha em um ranking internacional que compara a eficiência dos sistemas educacionais de vários países, levando em conta parâmetros como os salários dos professores, as condições de trabalho na escola e o desempenho escolar dos alunos. Do BBC O ranking é de setembro do ano passado, mas volta à tona no […] Leia mais »

Getúlio Vargas, Lula e os direitos trabalhistas

Like Getúlio Vargas, Lula e os direitos trabalhistas on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Getúlio Vargas, Lula e os direitos trabalhistasEx-presidente alerta que projeto de terceirização faria país retroceder à era pré-Vargas No Jornal do Brasil O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem se manifestado publicamente em defesa dos direitos dos trabalhadores, contra o projeto aprovado na Câmara dos Deputados presidida por Eduardo Cunha (PMDB/RJ), o PL 4330/04, com emenda que permite a terceirização das […] Leia mais »

Paquistão condena 10 à prisão perpétua por ataque a Malala

Like Paquistão condena 10 à prisão perpétua por ataque a Malala on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Paquistão condena 10 à prisão perpétua por ataque a MalalaJovem ativista foi alvejada na cabeça por homens do Talibã Do Jornal do Brasil  Um tribunal antiterrorismo do Paquistão condenou nesta quinta-feira (30) um grupo de 10 pessoas à prisão perpétua pelo atentado cometido contra a jovem ativista Malala Yousafzai, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2014. Quando tinha 15 anos, a jovem […] Leia mais »

Unicef: 78% dos países fixam a maioridade penal em 18 anos

Like Unicef: 78% dos países fixam a maioridade penal em 18 anos on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Unicef: 78% dos países fixam a maioridade penal em 18 anosQuase 80% dos países fixam a maioridade penal em 18 anos ou mais. Alemanha traz um exemplo de gestão juvenil que tem a prisão como última opção. Nos EUA, encarceramento de crianças e adolescentes não diminuiu violência. Por Karina Gomes, no GGN Enquanto a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos no Brasil […] Leia mais »

Em meio a protestos, deputados derrubam projeto que proíbe sacrifício de animais

Like Em meio a protestos, deputados derrubam projeto que proíbe sacrifício de animais on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Em meio a protestos, deputados derrubam projeto que proíbe sacrifício de animaisPor 11 votos contrários e um a favor, parlamentares consideraram o projeto inconstitucional por Bruna Scirea, do Zero Hora O Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, parecia um cenário de guerra na manhã desta terça-feira. De um lado, estava uma massa de seguidores de religiões de matriz africana. Do outro, separados por […] Leia mais »
Copyright © 2015 Geledés Instituto da Mulher Negra
Você está recebendo esta mensagem porque se inscreveu no Portal Geledés.

Geledés Instituto da Mulher Negra
Rua Santa Isabel 137 - 4º andar
São PauloSP 01221-010
Brazil

Add us to your address book


sair desta lista    atualizar preferências
 

Glória 1 x 0 Panambi parte 69 (dia 12 de Abril 2015)

Conselho Superior


CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA DA BAHIA, OUVIDORIA CIDADÃ E AUTONOMIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS
Ao longo das últimas semanas, inúmeros colegas defensores(as) e também lideranças da sociedade civil me questionaram sobre qual dos dois candidatos ao cargo de ouvidor geral da Defensoria Pública – o historiador Marcos Rezende ou a socióloga Vilma Reis - eu apoiava no processo eleitoral, que se encerrou ontem. Às sucessivas perguntas, a mesma resposta: na condição de integrante da Comissão Eleitoral, a responsabilidade assumida impedia-me de tomar partido. Mesmo sabendo que não nos desvencilhamos dos nossos sentimentos, independentemente dos espaços e funções que ocupemos, tentei – ou melhor, tentamos! – enquanto membro da Comissão Eleitoral, agir de modo imparcial, visando a lisura do processo em curso.
Passado o turbilhão político, precisamos refletir algumas questões e posturas, pelo bem da Defensoria Pública e da credibilidade institucional conquistada junto aos setores da sociedade civil e de Estado, com sangue, suor e lágrimas. Por ter consciência, responsabilidade política e por ter contribuído nesta caminhada para conquista da autonomia da Defensoria Pública, na Bahia e no Brasil, é que deixarei um pouco das minhas impressões.
Sempre defendi a criação de ouvidorias externas nas instituições do Sistema de Justiça. Na Defensoria baiana, foi na minha gestão que o governador Jaques Wagner aprovou a Lei da Ouvidoria Geral e que dei posse a 1ª ouvidora. De 2009 a 2010, nesta primeira gestão da ouvidoria, criamos as bases para garantir que o processo de escolha do representante da sociedade civil acontecesse de forma eminentemente participativa, incluindo as vozes do movimento social do interior do Estado. Construímos um processo eleitoral que teve como etapa preparatória a realização de audiências públicas em todas as cidades onde havia defensor público em atividade. Tanto é assim que na primeira disputa ao cargo houve três candidatos habilitados, sendo um da Capital, outro da região metropolitana e o último da região sudoeste da Bahia.
Infelizmente, é preciso reconhecer que a própria gestão da Ouvidoria, bem como o comando central da Defensoria, não quiseram assegurar a ampla publicidade do processo e uma maior participação popular. Tanto é assim que nós, membros da Comissão Eleitoral, solicitamos formalmente (através de ofício) a concessão de mais prazo para as etapas de divulgação e habilitação das candidaturas, o que foi negado. Em reunião do Conselho Superior, a ainda Ouvidora Geral chegou a dizer que a eleição em referência era de “amplo conhecimento e que quem quer ser ouvidor estaria se preparando para isso”.
Nas regras da eleição, a publicidade sobre o processo deveria ser assegurada pela Assessoria de Comunicação da Defensoria, o que foi buscado pela Comissão Eleitoral e executado pela equipe em questão. Mesmo sem ter a obrigatoriedade de fazê-lo, a Comissão Eleitoral encaminhou ofícios para os Conselhos de Direito sobre a instauração do processo. A fonte da informação foi a própria Ouvidoria, após pedidos incessantes. Tivemos que atualizar as informações repassadas pelo órgão auxiliar e alcançamos 16 Conselhos. Consideramos tal feito uma vitória, uma vez que na eleição para ouvidor geral, que antecedeu a esta, apenas um representante de conselho de direito habilitou-se e pode votar.
Na avaliação das candidaturas e dos nomes dos representantes dos Conselhos de Direito que exerceriam o direito ao voto, a Comissão Eleitoral seguiu à risca a Resolução nº 3/2015, regulamentadora o processo. Todas as questões controversas foram levadas a apreciação do Conselho Superior da Defensoria Pública da Bahia que se posicionou pela legalidade das pretensões de cada candidato e também das inscrições dos membros dos conselhos estaduais. Qualquer cidadão ou instituição interessados pode procurar conhecer dessas decisões, posto que são públicas.
Na votação dos candidatos pelos membros da sociedade civil – ocorrida no último dia 24 de abril – somente votaram integrantes de conselhos de direito cujas habilitações foram ratificadas, de acordo com a Resolução já mencionada. Garantimos, também, o sigilo dos votos e a fiscalização por representantes de cada candidatura. Como todos sabem, o candidato Marcos Rezende obteve oito votos da sociedade civil, enquanto a candidata Vilma Reis recebeu quatro votos.
Todos os requisitos foram mantidos, tanto que nenhum dos candidatos recorreu do resultado da eleição. Chateia-me ouvir – pelos bastidores, nunca de frente! – que houve desatendimento às regras eleitorais. Isso jamais aconteceu, apesar de nós, membros da Comissão Eleitoral, também questionarmos o posicionamento do alto comando da Defensoria no que diz respeito ao prazo para cumprimento de todas as etapas. Entendo, porém, que a impugnação do processo eleitoral não deveria ser promovida pela Comissão, cuja função é a de garantir a disputa dentro de suas regras. Este tipo de arguição era de competência dos candidatos e da própria Ouvidoria, que nada fizeram.
Sobre a participação da Ouvidoria neste processo eleitoral, a minha impressão foi a de que não cumpriu o seu papel da forma devida. Não protegeu o processo com medidas afirmativas; e não contribuiu com a publicidade da disputa, seja para ampliar o rol de candidaturas ou de participação de conselheiros na condição de votantes.
Na segunda fase para a escolha do ouvidor geral, lamento algumas ocorrências. A ausência da totalidade de conselheiros, ontem, quando da sabatina dos candidatos, empobreceu o processo de análise das propostas. Apenas seis, dos nove conselheiros com direito a voto, estiveram presentes.
Agora, livre das atribuições da Comissão Eleitoral, posso externar plenamente que o futuro nos mostrará o quão equivocado o Conselho Superior da Defensoria não respeitar o nome da pessoa mais votada pela sociedade civil. Este posicionamento trará repercussões em muitas frentes: enfraquecerá a participação popular em espaços como a Ouvidoria Geral da Defensoria; ampliará o descrédito que a sociedade civil e o povo em geral tem em instituições do Sistema de Justiça; e, principalmente, abre margens para que postura equivalente aconteça quando da escolha dos altos comandos das carreiras, a exemplo da nossa.
Hoje pela manhã – Dia do Trabalho e do(a) Trabalhador(a) - um ativista da sociedade civil, membro de dois conselhos estaduais, disse que lia as seguintes mensagens da postura do nosso Conselho Superior na eleição da Ouvidoria Cidadã: “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.” e “Até tu, Brutus?”
Com a palavra....
Saudações reflexivas, 
Em 1º de maio de 2015.
TEREZA CRISTINA ALMEIDA FERREIRA
Defensora Pública de Instância Superior
Ex-presidente da Associação de Defensores Públicos do Estado da Bahia (2 mandatos)
Ex-Defensora Pública Geral do Estado da Bahia (2 mandatos)
Ex-Presidente do Conselho Nacional das Defensorias Públicas – CONDEGE
Responsável pela criação e instalação da ouvidoria externa da Defensoria baiana


-- 

Att,
Coletivo de Entidades Negras - CEN
__._,_.___

Glória 1 x 0 Panambi parte 68 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 66 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 67 (dia 12 de Abril 2015)

Glória 1 x 0 Panambi parte 66 (dia 12 de Abril 2015)

Geledés