Rádio WNews

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Recursos para Vacaria e Região

O deputado Francisco Appio esteve em Brasília ontem (18/11) para tratar assuntos relacionados a Transposição da BR116 em Vacaria, Licitação da BR470 Norte e projeto da BR470 Sul, conclusão da BR285 (Ausentes). Appio reforçou o pedido de destinação de recursos para a continuidade das obras das rodovias BR285 e BR470. “Todos concordam que o Estado deve devolver à União, o quanto antes, o trecho Barretos/André da Rocha (BR470 Sul)”, comenta.



O deputado Appio também cobrou Emendas dos deputados federais da Bancada Progressista Afonso Hamm, José Otávio Germano, Luiz Carlos Heinze, Renato Molling e Vilson Covatti, para que destinem verbas para Vacaria e região. Depois de 300 mil para Hospital (2007) e 200 mil para hemodiálise (2008), Renato Molling está garantindo mais recursos para o Hospital Nossa Senhora da Oliveira (2009). Com Emenda também do deputado Molling, o prefeito Elói Poltronieri cadastra projeto para a construção de um Portal para a maçã e pequenos frutos em Vacaria.



No Tribunal de Contas da União (TCU), Appio recebeu a confirmação de que o CTG Alexandre Pato, de Lagoa Vermelha, não perderá os recursos federais, recebidos através de Emendas Parlamentares.



Em Brasília, Appio observou que os aposentados fazem vigília para pressionar pelo fim do Fator Previdenciário (PEC Paim). Lula resiste, quer deixar para 2010.





Deputado Estadual Francisco Appio - www.appio.com.br

NPC

Notícias do NPC


O BoletimNPC 146 já está em nossa página!

O BoletimNPC 146 já está em nossa página! Nessa edição, apresentamos a mobilização da Fenajufe do Amazonas para a Conferência Nacional de Comunicação; a produção de vídeo por jovens indígenas, e entrevistas exclusivas com a presidente da EBC, Tereza Cruvinel, e com o presidente do IPEA, Marcio Pochmann.

Confira também novas propostas de pauta, notícias do NPC, novos artigos e dicas de filme e livros. Informamos também uma reformulação da nossa página (www.piratininga.org.br), que vem sendo atualizada diariamente com as notícias do NPC e dos demais movimentos sociais e sindicais.

Acesse o BoletimNPC 146 em http://piratininga.org.br/novapagina/boletim_show.asp?boletim_num=146
Expediente


Boletim do Núcleo Piratininga de Comunicação

Rua Alcindo Guanabara, 17, sala 912 - CEP 20031-130
Tel. (21) 2220-56-18 / 9923-1093
www.piratininga.org.br / npiratininga@uol.com.br


Coordenador: Vito Giannotti
Edição: Claudia Santiago (MTB.14.915)
Redação: Claudia Santiago, Raquel Junia e Sheila Jacob

Web: Luisa Santiago

Colaboraram nesta edição: Alípio Freire (SP), Douglas Baptista (RJ), Gizele Martins (RJ), Jéssica Santos (RJ), Katarine Flor (RJ), Renata Souza (RJ), Sérgio Bertoni (PR), Sérgio Domingues (RJ)

NPC

Notícias do NPC


O BoletimNPC 146 já está em nossa página!

O BoletimNPC 146 já está em nossa página! Nessa edição, apresentamos a mobilização da Fenajufe do Amazonas para a Conferência Nacional de Comunicação; a produção de vídeo por jovens indígenas, e entrevistas exclusivas com a presidente da EBC, Tereza Cruvinel, e com o presidente do IPEA, Marcio Pochmann.

Confira também novas propostas de pauta, notícias do NPC, novos artigos e dicas de filme e livros. Informamos também uma reformulação da nossa página (www.piratininga.org.br), que vem sendo atualizada diariamente com as notícias do NPC e dos demais movimentos sociais e sindicais.

Acesse o BoletimNPC 146 em http://piratininga.org.br/novapagina/boletim_show.asp?boletim_num=146
Expediente


Boletim do Núcleo Piratininga de Comunicação

Rua Alcindo Guanabara, 17, sala 912 - CEP 20031-130
Tel. (21) 2220-56-18 / 9923-1093
www.piratininga.org.br / npiratininga@uol.com.br


Coordenador: Vito Giannotti
Edição: Claudia Santiago (MTB.14.915)
Redação: Claudia Santiago, Raquel Junia e Sheila Jacob

Web: Luisa Santiago

Colaboraram nesta edição: Alípio Freire (SP), Douglas Baptista (RJ), Gizele Martins (RJ), Jéssica Santos (RJ), Katarine Flor (RJ), Renata Souza (RJ), Sérgio Bertoni (PR), Sérgio Domingues (RJ)

Instituto Princesa Isabel



O Instituto D. Isabel (www.idisabel.org.br) está anunciando a venda de um quadro inédito da Redentora
e de um lote de cartas de sua irmã, a Princesa D. Leopoldina Thereza (*1847 †1871).



QUADRO

O quadro de Jules Le Chevrel (c.1810 †1872), pintor que se estabeleceu na Corte de D. Pedro II por volta de 1845, após estudar na École des Beaux-Arts de Paris, retrata D. Isabel em trajes de gala, como Princesa Imperial (herdeira do trono) e estima-se que seja da época logo posterior a sua maioridade (1864), quando ela casou-se com o príncipe francês Gaston de Bourbon-Orleans (*1842 †1922), Conde de Eu.

Jean Jules Le Chevrel foi professor interino da Imperial Academia de Belas Artes , substituindo Victor Meirelles e Pedro Américo; mais tarde, tornou-se titular da cadeira de Desenho da Academia (1864) e, depois, da de Pintura Histórica (1868).

A tela permaneceu inédita nesses 120 anos de República, jamais sendo arrolada em nenhuma lista de retratos da herdeira de D. Pedro II.

O quadro pertence à coleção de um dos príncipes de Orleans-e-Braganca — descendente direto da Redentora —, que mora no Rio de Janeiro e está avaliado em R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais).

Foto do quadro: jornalista Leandro Marins ( arquivo JPEG anexo).



CARTAS



O lote de 20 cartas de D. Leopoldina Thereza Francisca Carolina Michaela Gabriela Raphaela Gonzaga de Bragança e Borbone, Princesa do Brasil, Princesa de Bragança e, por casamento, Princesa de Saxe-Coburgo-Gotha e Duquesa na Saxônia, é endereçado a duas nobres brasileiras que foram damas, amigas e afilhadas da Redentora e de sua irmã.



As cartas vão de 1856 a 1870.



A Princesa D. Leopoldina teve uma vida curta, mas feliz. Casou-se com o príncipe germânico Ludwig August de Saxe-Coburgo-Gotha (*1845 †1907), conhecido na historiografia brasileira como “Duque de Saxe”. O príncipe era primo-cruzado — duas vezes primo-irmão, na linguagem técnica da genealogia — de seu concunhado Gaston de Orleans. D. Leopoldina Thereza terminou seus dias ao lado da irmã querida e melhor amiga, D. Isabel, vítima de febre tifóide, após dar à luz seu quarto filho. Morreu com apenas 23 anos, em 7 de fevereiro de 1871, no Palácio Coburgo de Viena e foi transferida para a cripta da Casa Ducal coburguense, onde está enterrada. Era tida na família como um “anjo de bondade” e seu triste fim abalou D. Pedro II e D. Thereza Christina de forma incurável.



D. Leopoldina Thereza teve quatro filhos, que foram príncipes do Brasil por vontade de D. Pedro II e beneplácito da Assembléia Geral do Império e príncipes de Saxe-Coburgo-Gotha por nascimento: D. Pedro Augusto (*1866 †1934), D. Augusto Leopoldo (*1867 †1922), D. José Fernando (*1869 †1888) e D. Luiz Gastão (*1870 †1942). Os dois primeiros foram herdeiros e eventuais sucessores de sua tia, D. Isabel, que foi infértil nos primeiros dez anos de casamento (1864-74); os dois últimos nunca mantiveram ligação com o Brasil.



D. Pedro Augusto ficou célebre em 2007, com o lançamento de O Príncipe Maldito, romance biográfico da historiadora carioca Mary Del Priore.



O lote de cartas pertence à coleção de um dos descendentes das destinatárias e está avaliado em R$ 40.000,00 (quarenta mil reais).



Foto das cartas: Jaime Acioly (arquivo JPEG anexo).



Contato para informações e detalhes:

Prof. Bruno da Silva Antunes de Cerqueira (gestor do IDII)

(21) 9531-2591

idii@uol.com.br



Release: Diego Paes ( Comunicação Social).

Brinco

Poa, 18/05/09

Ahahahahaha....

Beijos.

Deise Nunes.

QUANDO UM HOMEM DEVE USAR BRINCO

Um dia, no escritório de advocacia, um homem reparou que o seu colega, muito conservador, estava usando um brinco.


- Não sabia que você gostava desse tipo de coisas - comentou.


- Não é nada de especial, é só um brinco - replicou o colega.


- Há quanto tempo você o usa?


- Desde que a minha mulher o encontrou, no meu carro, na semana passada.

News Racismo

Conferência enfatiza caráter multirracial
Jornal da Cidade - Baurú - Baurú,SP,Brazil
“Todos esses temas discutidos têm recorte à questão do negro, do indígena e também com um enfoque especial com relação às religiões de matriz africana, ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Professora despedida exige 200 milhões de dólares à Universidade ...
OJE - Lisboa,Lisboa, Portugal
... que não ficarei calada", assinalou num comunicado a professora, autora do livro "Addressing Racism (Enfrentando o racismo)" e perita nesta matéria. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

A Nova diva negra da música pop
Diário de Notícias - Lisboa - Portugal
Beyoncé Knowles, uma das artistas mais bem sucedidas da actualidade e uma das mulheres mais desejadas do mundo. Pode ter apenas três álbuns a solo, ...
Veja todos os artigos sobre este tópico



|||||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||
HEITOR (((((º_º))))) CARLOS
http://portodoscasa is.blogspot. com/

Revista Favela



Desafios e oportunidades
por: Gustavo Carvalho* - 20/05/2009


Trajetórias de jovens que superaram um cotidiano violento serviram como o ponto de partida para o primeiro evento realizado pelo Protejo na comunidade Salgueiro, em São Gonçalo, onde 500 pessoas participaram de atividades educacionais, esportivas e culturais.


Divisor social ou ecolimites?
por: Landa Araújo* - 14/05/2009



A construção de muros em 13 comunidades do Rio gera muita polêmica. De um lado, o governo do estado afirma que as barreiras são ecolimites e controle urbano. Do outro, líderes comunitários, pesquisadores e entidades sociais argumentam que a criação pode se tornar mais um divisor social.



Lições da raquete
por: Renata Sequeira - 06/05/2009



O que começou como um hobby há cinquenta anos na praia de Copacabana, hoje virou esporte praticado por jovens da favela Tavares Bastos. O esporte é inusitado, mas conquistou meninos e meninas que não largam mais as raquetes. Estamos falando é do frescobol.

Unegro 2


Porto Alegre, 18 de maio de 2009.

Viva Zumbi.

Viva Oliveira Silveira e a tantos outros homens e mulheres, que por muito tempo lutam pelos direitos do povo negro ser respeitado.

O golpe montado, pelo racismo institucional do Governo de Yeda Rorato Crusius, foi desmascarado na Plenária da Iª Conferência Regional da Região Metropolitana de Porto Alegre, na cidade de Montenegro.

O Movimento Negro deu exemplo de construção coletiva e de unidade nas suas posições, na defesa:

1. Da política de cotas;

2. Da política nacional de juventude negra;

3. Do não a intolerância religiosa;

4. Dos direitos dos quilombolas;

5. Da necessidade de uma política de inclusão do povo negro;

6. Da implementação da política de saúda da população negra;

7. Da implementação da Lei 10.639/2003;

8. Da livre orientação sexual;

9. Da reestruturação dos Clubes Negros;

10. Da política da terra, entre tantos outros temas de importância para o nosso povo.

Queremos Saldar e Parabenizar a nossa unidade: Unidade na ação, diversidade no pensamento. Este foi o marca de nossa construção.

O Governo tentou, mas não levou, foi desmascarado e desmoralizado. Trabalhou para nos desunir, mas, uniu mais o povo negro da região metropolitana, que foi para a plenária. Não disputamos vagas e viagens ao centro do país. Construímos unidade e indicamos delegados que tem uma visão de Estado e não de personalismo para ajudar a construir o Plano Estadual e Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

Indicamos homens e mulheres de vários segmentos, que pensam no coletivo e na mudança da realidade do conjunto da população negra em suas cidades, regiões, estadas e no país.

O Governo tentou, mas não conseguiu.

Queremos publicamente, parabenizar os Companheiros e Companheiras da cidade de Montenegro, que sem nenhum recurso, foram jogados ao linchamento publico, pelo Governo do Estado, na tentativa de criar um clima de briga e de desunião entre o nosso povo.

Repito: Tentaram e não Conseguiram, pois o Diretor de Direitos Humanos, da Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social, sentou-se a mesa dizendo falar por todos os Conselhos e foi desmascarado publicamente, pois não tinha autorização de ninguém para falar em seus nomes.

Queremos chamar ao compromisso da verdade e da construção coletiva, a Todas e a Todos, os que estão se mobilizando a participarem de suas Conferências Estaduais e se preparando para serem Delegados a Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, para não caírem no conto das inverdades dos Capitães do Mato do Governo Yeda Rorato Crusius, a justiça já e tem se pronunciado mostrando o golpe que o Governo deu no Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado do RS, por tanto só fala inverdades quem não tem coragem de apresentar os documentos solicitados pelo movimento social.

Por tanto, queremos repudiar a atitude do Governo Yeda Crusius de não garantir a alimentação dos Conselheiros nas Conferências Regionais e principalmente da Comunidade Quilombola presente na Conferência Regional da Região Metropolitana de Porto Alegre, na cidade de Montenegro, no dia 17 de maio de 2009.

Parabéns aos Negros e Negras que lá estiveram e que mostraram sua Força, Unidade e Conhecimento do que querem.

Asé.

JOSÉ ANTONIO DOS SANTOS DA SILVA

Secretário Geral da UNEGRO/RS

Coordenador de Comunicação da UNEGRO Nacional

Presidente do CODENE



Contatos:

51.91792404

53.99491618

jassrs@gmail. com

jass_rs@terra. com.br

www.joseantoniodoss antosdasilva. blogspot. com

MSN: jass_rs@hotmail. com

Skype: jassrs62



"O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons" Martin Luther King.



Ubuntu: é uma antiga palavra Africana, cujo significado é "humanidade para todos". Ubuntu também quer dizer "Eu sou o que sou devido ao que todos nós somos".

Unegro


Viva Zumbi.

Viva Oliveira Silveira e a tantos outros homens e mulheres, que por muito tempo lutam pelos direitos do povo negro ser respeitado.

O golpe montado, pelo racismo institucional do Governo de Yeda Rorato Crusius, foi desmascarado na Plenária da Iª Conferência Regional da Região Metropolitana de Porto Alegre, na cidade de Montenegro.

O Movimento Negro deu exemplo de construção coletiva e de unidade nas suas posições, na defesa:

1. Da política de cotas;

2. Da política nacional de juventude negra;

3. Do não a intolerância religiosa;

4. Dos direitos dos quilombolas;

5. Da necessidade de uma política de inclusão do povo negro;

6. Da implementação da política de saúda da população negra;

7. Da implementação da Lei 10.639/2003;

8. Da livre orientação sexual;

9. Da reestruturação dos Clubes Negros;

10. Da política da terra, entre tantos outros temas de importância para o nosso povo.

Queremos Saldar e Parabenizar a nossa unidade: Unidade na ação, diversidade no pensamento. Este foi o marca de nossa construção.

O Governo tentou, mas não levou, foi desmascarado e desmoralizado. Trabalhou para nos desunir, mas, uniu mais o povo negro da região metropolitana, que foi para a plenária. Não disputamos vagas e viagens ao centro do país. Construímos unidade e indicamos delegados que tem uma visão de Estado e não de personalismo para ajudar a construir o Plano Estadual e Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

Indicamos homens e mulheres de vários segmentos, que pensam no coletivo e na mudança da realidade do conjunto da população negra em suas cidades, regiões, estadas e no país.

O Governo tentou, mas não conseguiu.

Queremos publicamente, parabenizar os Companheiros e Companheiras da cidade de Montenegro, que sem nenhum recurso, foram jogados ao linchamento publico, pelo Governo do Estado, na tentativa de criar um clima de briga e de desunião entre o nosso povo.

Repito: Tentaram e não Conseguiram, pois o Diretor de Direitos Humanos, da Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social, sentou-se a mesa dizendo falar por todos os Conselhos e foi desmascarado publicamente, pois não tinha autorização de ninguém para falar em seus nomes.

Queremos chamar ao compromisso da verdade e da construção coletiva, a Todas e a Todos, os que estão se mobilizando a participarem de suas Conferências Estaduais e se preparando para serem Delegados a Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, para não caírem no conto das inverdades dos Capitães do Mato do Governo Yeda Rorato Crusius, a justiça já e tem se pronunciado mostrando o golpe que o Governo deu no Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado do RS, por tanto só fala inverdades quem não tem coragem de apresentar os documentos solicitados pelo movimento social.

Por tanto, queremos repudiar a atitude do Governo Yeda Crusius de não garantir a alimentação dos Conselheiros nas Conferências Regionais e principalmente da Comunidade Quilombola presente na Conferência Regional da Região Metropolitana de Porto Alegre, na cidade de Montenegro, no dia 17 de maio de 2009.

Parabéns aos Negros e Negras que lá estiveram e que mostraram sua Força, Unidade e Conhecimento do que querem.

Asé.

JOSÉ ANTONIO DOS SANTOS DA SILVA

Secretário Geral da UNEGRO/RS



Contatos:

51.91792404

53.99491618

jassrs@gmail. com

jass_rs@terra. com.br

www.joseantoniodoss antosdasilva. blogspot. com

MSN: jass_rs@hotmail. com

Skype: jassrs62



"O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons" Martin Luther King.



Ubuntu: é uma antiga palavra Africana, cujo significado é "humanidade para todos". Ubuntu também quer dizer "Eu sou o que sou devido ao que todos nós somos".



__._,_.___
Mensagens neste tópico (1) Responder (através da web) | Adicionar um novo tópico
Mensagens | Arquivos | Fotos | Links | Banco de dados | Enquetes | Associados | Agenda
"Estamos convencidos de que a mudança histórica em perspectiva
provirá de um movimento de baixo para cima,
tendo como atores principais os países subdesenvolvidos
e não os países ricos; os deserdados e os pobres
e não os opulentos e outras classes obesas;
o indivíduo liberado partícipe das novas massas
e não o homem acorrentado;
o pensamento livre e não o discurso único.
Os pobres não se entregam e descobrem a cada dia
formas inéditas de trabalho e de luta;
a semente do entendimento já está plantada e o passo seguinte é o seu florescimento
em atitudes de inconformidade e, talvez, rebeldia."

Milton Santos em Por Uma Outra Globalização - Do Pensamento Único à Consciência Universal

Conjuntura

Conjuntura da Semana. Uma leitura das ‘Notícias do Dia’ do IHU de 06 a 19 de maio de 2009

A análise da conjuntura da semana é uma (re)leitura das ‘Notícias do Dia’ publicadas, diariamente, no sítio do IHU. A presente análise toma como referência as ‘Notícias’ publicadas de de 06 a 19 de maio de 2009. A análise é elaborada, em fina sintonia com o IHU, pelos colegas do Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT – com sede em Curitiba, PR, parceiro estratégico do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Sumário

Economia e sustentabilidade
A Amazônia à espera de um outro modelo de desenvolvimento
Povos indígenas. Por uma outra ‘sustentabilidade’
‘Só os índios se preocupam com o seu futuro’
‘Presenciamos a ressurreição do índio’
A esquerda conservadora
Brasil. Território livre para os transgênicos?
País perde controle dos transgênicos
'Plante-se ilegalmente que depois o governo aprova’
A Conjuntura em frases

Eis a análise.

Economia e sustentabilidade

“Será necessária uma macroeconomia para sustentabilidade que, além de reconhecer os sérios limites naturais à expansão das atividades econômicas, rompa com a lógica social do consumismo.” Em termos teóricos, esse parece ser o desafio maior a ser enfrentado pela economia e pela sociedade na entrada desse novo século para encontrar alternativas à crise civilizacional com a qual nos defrontamos. A frase do economista José Eli da Veiga, professor da USP e estudioso há três décadas do desenvolvimento sustentável, resume de forma genial os limites encontrados por todas as correntes da economia.

No artigo em questão, José Eli da Veiga pontua as três posições encontradas entre os economistas no tocante à sustentabilidade – a convencional, a ecológica e a busca de uma terceira via – e de como todas elas “tentam evitar o dilema do crescimento”. Mas seu debate, sustenta o economista, “exigirá rompimento mental com uma macroeconomia inteiramente centrada no ininterrupto aumento do consumo, em vez de um keynesianismo pretensamente esverdeado por propostas de ecoeficiência. Algo que jamais poderá deter o aumento da pressão sobre os recursos naturais”.

A questão fulcral diz respeito ao esgotamento do modelo de desenvolvimento criado e incrementado na sociedade industrial baseado em uma visão linear, progressiva, infinita e redutora de desenvolvimento, e que tem no consumo desenfreado a sua mola propulsora. Há uma crença no crescimento econômico e sua linearidade. A crise ambiental e a mudança climática estão aí para indicar o fracasso dessa perspectiva.

Esse é o background comum tanto ao liberalismo econômico como ao marxismo, o que embaralha, sob esta perspectiva, as buscas de soluções. Porque ambos são resultantes da modernidade. Bebem na fonte da racionalidade técnico-instrumental. A modernidade é marcada pela ideia de progresso alcançado pelo trabalho. Marxismo e liberalismo repousam sobre a noção de um progresso infinito. Subjaz a crença de que os recursos naturais seriam sempre abundantes, infinitos. Não haveria porque se preocupar com a possibilidade de que algum dia haveria falta dos recursos naturais (petróleo, carvão, aço, água, florestas, energia)... para alimentar a “máquina” do progresso humano.

Essa visão de sociedade engendrada pela modernidade e constitutiva à teoria marxiana – compreensível ao momento em que Marx escreve, o advento da Revolução Industrial – precisa ser complexificada. Aqui reside, por exemplo, a dificuldade da esquerda brasileira. Manifesta uma dificuldade enorme de incorporar novos temas – como a crise ecológica – porque fica presa a uma leitura empobrecedora do marxismo. Mas, isso a despeito da matriz comum economicista de desenvolvimento que ambos alimentam.

Se começa a amadurecer uma consciência em torno da crise, não há ainda, uma “macroeconomia”, como escreve Eli da Veiga, capaz de dar conta dos novos desafios. Além disso, prossegue ele, ainda que os economistas ecológicos tenham obtido “algum êxito na crítica ao pensamento econômico convencional”, eles “têm a mesmíssima ética voltada a uma suposta maximização do bem-estar da população atual, sem quaisquer considerações sobre limites ecológicos e sobre o bem-estar de gerações futuras. Esse é o denominador comum a todas as escolas, das mais ortodoxas às mais heterodoxas”.

José Eli da Veiga conclui seu instigante artigo apontando para a dificuldade de se atacar a questão do consumo: “mesmo a crítica da economia ecológica ao cerne do pensamento convencional só foi até agora assimilada por uma ínfima minoria. E uma das razões está justamente nessa incipiência da formulação de alternativa que supere o que há de mais comum nas várias teorias macroeconômicas em voga”.

Subjacente à visão moderna de desenvolvimento está uma concepção estreita, reducionista, monetarista, economicista de desenvolvimento, no qual não cabe a perspectiva da sustentabilidade. Em termos econômicos, essa discussão rebate na ideia de produto interno bruto (PIB) desenvolvido na metade do século passado e nunca revista. No novo cenário, a noção de PIB mostra-se redutora e economicista, questionando a concepção de riqueza vigente na modernidade.

Seus limites começaram a ser percebidos e denunciados por um grupo cada vez maior de ambientalistas e estudiosos, entre eles economistas. E, segundo diversas vozes, sua revisão se faz necessária, ainda que não seja a condição exclusiva. Como escreve o economista Ladislau Dowbor, professor da PUC de São Paulo, essas pessoas e esses técnicos estavam “cansados de ver o comportamento econômico ser calculado sem levar em conta – ou muito parcialmente – os interesses da população e a sustentabilidade ambiental”. Seguem algumas razões.

Para Eli da Veiga, “o PIB envolve capital físico construído e também humano. No que tange os recursos naturais, o PIB simplesmente não contempla a questão”. Dowbor também destaca esse aspecto, ao afirmar que o PIB não leva “em conta a redução dos estoques de bens naturais do planeta”. E destaca que “sempre devemos levar em conta que estamos reduzindo o estoque de bens naturais que entregaremos aos nossos filhos”. E as consequências desse “esquecimento” dos passivos ambientais são enormes. “Não levar em conta o consumo de bens não renováveis que estamos dilapidando deforma radicalmente a organização das nossas prioridades. Em termos técnicos, é uma contabilidade grosseiramente errada”, arremata Dowbor.

“O modelo que estamos vivendo hoje, a chamada sociedade de consumo é um esquema suicida e sem futuro. Nós estamos consumindo o planeta.” O alerta é do ambientalista José Antonio Lutzenberger, morto em maio de 2002. A lembrança dessas palavras quer ser uma homenagem a este importante ambientalista brasileiro. E diz mais: “Temos de nos dar conta de que o pensamento econômico que predomina hoje é suicida. Não podemos continuar olhando o planeta como um almoxarifado gratuito, de fundos infinitos”, disse em entrevista dada em 2000 e que se encontra reproduzida no n. 18 da Revista IHU On-Line, de 20-05-2002.

“O sistema não enxerga a bola de neve que consome o planeta porque a medida de crescimento é o Produto Interno Bruto, o PIB”, diz Lutzenberger, para destacar que, nesta perspectiva, até desastre ambiental pode significar progresso. E dá um exemplo: “Veja o PIB brasileiro. Somamos as divisas que ganhamos na exportação de alumínio, aço e ferro. Tudo bem. Mas onde está descontado aquele grande buraco em Carajás, os mais de 100 mil quilômetros quadrados de floresta destruída ao longo da Ferrovia Carajás-São Luiz do Maranhão, os mais de 400 mil quilômetros quadrados de florestas de cerrado que já foram destruídas para fazer carvão vegetal?” Há outros mais recentes, como destacam Dowbor e outros.

José Eli da Veiga destaca que, além do passivo ambiental, outros aspectos ficam excluídos do PIB, por exemplo, “o trabalho doméstico”, ao qual poderíamos acrescentar todos os trabalhos relacionais e imateriais. Mas também “o tempo das pessoas”, como alerta Dowbor. Por outro lado, desastres, poluição, acidentes, não prevenção na área da saúde contribuem para o progresso da economia. Como entender isso? “Porque o PIB calcula o volume de atividades econômicas, e não se são úteis ou nocivas”, diz Dowbor. Ou, no que dá no mesmo, “o PIB não mede resultados, mede o fluxo dos meios.” Isso é possível porque a economia moderna baniu a dimensão ética.

A maneira de contabilizar do PIB em vigor força a crescente mercantilização de tudo, aspecto para o qual Dowbor chama a atenção. A redução do acesso a bens gratuitos, os pedágios, as patentes (que restringem o livre acesso aos conhecimentos) são formas de aumentar o PIB. Vige a ideia de que os bens e serviços só são riquezas na medida em que são integradas ao mercado ou privatizadas. A extensão da ideia de mercadoria corre em paralelo com o aumento do PIB de um país.

Por fim, o PIB é extremamente redutor porque não considera os custos sociais, nem os custos ambientais, como já vimos. Como afirma André Gorz, em entrevista publicada em Cadernos IHU Ideias, n. 31, “os economistas, os governos, os homens de negócio reclamam pelo crescimento econômico em si, sem jamais definir a finalidade. O conteúdo do crescimento não interessa aos que decidem. O que lhes interessa é o aumento do PIB, ou seja, o aumento da quantidade de dinheiro trocado, da quantidade de mercadorias compradas e vendidas no decorrer de um ano, quaisquer que sejam as mercadorias”. E, continua Gorz: “Nada garante que o crescimento do PIB aumente a disponibilidade de produtos que a população necessita. De fato, este crescimento responde, em primeiro lugar, a uma necessidade do capital e não às necessidades da população. Ele cria muitas, vezes mais pobres e mais pobreza, ele, com freqüência, traz rendimento a minoria em detrimento da maioria, ele deteriora a qualidade da vida e do ambiente em vez de melhorá-la” (p. 4). E conclui dizendo que “o PIB não conhece e não mede as riquezas, a não ser que elas tenham a forma de mercadorias” (p. 5).

Mas é preciso advertir que “as novas métricas para medir o crescimento da economia não bastam, embora sejam bem-vindas em um processo de transição. Para a ecoeconomia, é preciso parar de crescer em níveis exponenciais e reproduzir - ou ‘biomimetizar’ - os ciclos da natureza: para ser sustentável, a economia deve caminhar para ser cada vez mais parecida com os processos naturais”.

Não é de hoje o alerta de que a mudança climática, seguramente provocada pela intervenção da ação humana, terá inevitavelmente um custo econômico, que irá suplantar as vantagens econômicas obtidas em base ao modelo ainda vigente. O chamado “Relatório Stern”, produzido em 2006 pelo economista inglês e ex-Diretor do Banco Mundial Nicholas Stern, advertiu que os descalabros ambientais poderão custar anualmente entre 5% e 20% do PIB mundial, dependendo dos cenários. Isso significaria prejuízos econômicos em torno de 7 trilhões de dólares. Significaria mais ou menos tudo o que foi investido no mundo em praticamente um ano para estancar os efeitos da crise financeira e econômica.

Na semana passada, a ONG internacional WWW estimou que o colapso ambiental poderá custar ao mundo 4,5 trilhões de dólares por ano em reparações. Caso a mudança climática se confirmar, o mundo poderá entrar em recessão e perder grande parte da vida e de sua população humana, alerta James Lovelock, por sua vez. portanto, um desenvolvimento inteligente seria aquele capaz de se antecipar a tudo isso.

Dizia Lutzenberger: “O simples dogma básico do pensamento predominante, que diz que uma economia tem de crescer sempre, já é um absurdo. Nada pode crescer sempre, muito menos num espaço limitado. Eu gostaria de saber como vão aumentar o território, as florestas, os lagos, os rios, os oceanos, a atmosfera”.

Levanta-se, a bem da verdade, a necessidade da migração do pólo da produção para o do consumo, como condição para o futuro da humanidade e do Planeta. De fato, todas as preocupações voltadas, por exemplo, para o desenvolvimento de tecnologias mais eficientes em termos de energia e menos poluentes – ainda que necessárias –, assentam, em última instância sobre a perspectiva de que nesse caso podemos continuar a construir carros no futuro como se está fazendo até agora, com a diferença de que poluirão menos. Mas, as cidades suportarão esse movimento crescente de veículos, a sua produção se dará ex nihilo, isto é, sem continuar a intervenção sobre a natureza?

Uma mudança dos hábitos de consumir se torna imprescindível. E essa mudança não pode ser postergada, esperando-se um momento ideal para isso. O que Irene A. Quesnot diz num contexto de Estados Unidos, vale para todos: “a recessão, eu acredito, pode ser uma oportunidade para nos tornarmos mais fiéis à sustentabilidade do que ao consumo, e mais preocupados com o que podemos fazer pela saúde da Terra. Uma nação que realize sua interconexão com o resto da vida no planeta pode viver uma realidade mais compassiva e justa. Se adotarmos por vontade própria esse estilo de vida, não o vendo como um declínio no status econômico, então progrediremos ao criar uma América mais sustentável”. Mas isso exige, diz Quesnot, uma boa dose de “corajosa imaginação ética”.

O retorno da ética ao consumo implica em migrar inversamente da lógica do “quanto mais, melhor”, que na prática representa o consumo desenfreado, à lógica do “isso me basta”, da sobriedade, proposta por Gorz em outro momento. Isso, por sua vez, implica uma mudança antropológica do ato de consumir.

Portanto, a lógica econômica vigente nos últimos 200 ou 250 anos, especialmente, é redutora. O progresso é sinônimo de desenvolvimento econômico; o desenvolvimento econômico é sinônimo de crescimento econômico; o crescimento econômico é medido pelo aumento do Produto Interno Bruto (PIB), que por sua vez, pode ser verificado pelo consumo que engendra. Essa concepção de desenvolvimento linear não interage com as pessoas e com o meio ambiente.

Afunilando esta reflexão para a realidade brasileira, verificamos que o predomínio desta lógica economicista se aplica a diversas das questões já trabalhadas em conjunturas anteriores. Queremos circunscrever a nossa análise sobre algumas delas: a Amazônia, a questão indígena e os transgênicos, lendo essas manifestações à luz da reflexão feita acima. Sabemos que são temas conflitivos, onde as resistências, feitas em base a outro modelo de desenvolvimento, estão presentes.

A hegemonia do modelo desenvolvimentista – que pervade o governo, o empresariado, a sociedade e também, majoritariamente, a esquerda e os movimentos sociais – se traduz em práticas responsáveis pelo desmatamento da floresta Amazônica e na construção de hidrelétricas no seu coração, na expansão da monocultura do eucalipto, da cana-de-açúcar, da soja, na difusão dos transgênicos, na retomada de fontes não renováveis de energia, na ideia de que as terras indígenas são um atraso para o país.

Amazônia ameaçada à espera de outra sustentabilidade

A Amazônia está no centro de um intenso debate que opõe duas lógicas de desenvolvimento: a lógica desenvolvimentista, com todas as características já analisadas acima, e uma lógica de desenvolvimento que procura conjugar desenvolvimento com sustentabilidade, em respeito ao meio ambiente e aos povos autóctones e/ou originários de outra cosmovisão.

A Amazônia necessita de um modelo de desenvolvimento adaptado a este bioma, como mostra o agrônomo Adalberto Veríssimo, do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, Imazon, considerado um “think-and-do tank”, um centro avançado do conhecimento que também põe a mão na massa. Manter a floresta de pé é fundamental nesta perspectiva. Além disso, Veríssimo aponta para as sutilezas da floresta que escapam aos de fora e aos de Brasília.

Tanto ele, como outros, reclamam uma participação mais ativa do Estado, não no sentido de intervir e impactar a região com megaobras, mas para interromper o ciclo de “abandono” a que as populações ribeirinhas e indígenas estão submetidas. E para desenvolver junto com elas formas de desenvolvimento menos invasivas. “A ameaça do abandono é uma das principais ameaças porque com a falta de investimento, não há desenvolvimento e prospera-se o desmatamento, a pecuária. A ameaça maior à Amazônia é aquela que estimula a ocupação e expansão da fronteira”, conta o ambientalista e diretor da organização Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, Roberto Smeraldi.

Mas a mudança da legislação é outra ameaça à Amazônia. A aprovação da Medida Provisória 458, na Câmara dos Deputados, no dia 13 de maio, coloca, segundo ambientalistas, a Amazônia em risco, a pretexto de resolver a crônica desorganização fundiária. “A MP permite legalizar milhares de posses de terras públicas com até 1.500 hectares (15 km2) nos Estados amazônicos. Com os adendos, chancela o festival de grilagem na região e abre portas para mais concentração agrária”, escreve a ex-ministra Marina Silva.

“É a consagração da política nefasta do fato consumado. Avança-se sobre áreas públicas na certeza de que mais dia menos dia tudo será legalizado. É um convite a surtos futuros de grilagem, na expectativa de mais uma regularização que, como essa, beneficiará os grandes em nome dos pequenos e da ‘questão social’”, analisa Marina Silva. Nova vitória dos ruralistas e de seus interesses.

No tocante à legislação, há ainda outra proposta de flexibilização que preocupa. O governo está tentando aprovar na Câmara dos Deputados “uma medida provisória que dispensa de licença ambiental prévia obras na faixa de domínio de estradas, além de fixar o prazo de 30 dias para a emissão da licença de instalação pelo órgão ambiental, sob pena de aprovação por decurso de prazo na hipótese de inobservância do mencionado prazo. Este é um precedente perigosíssimo, porque com isso o empreendedor terá de apresentar propostas completas – isto é, um projeto executivo, o que uma licença prévia não exige –, que tornarão sua análise em 30 dias inviável. Com o "decurso do prazo", na prática, a obra será feita sem licença ambiental, o que, a nosso ver, viola a Constituição da República”, escreve José Goldemberg, professor da USP.

Goldemberg conclui dizendo que “o que o governo precisa entender é que a legislação ambiental foi criada para permitir que esta análise seja feita, e não para impedir o progresso”. Essa é a “cabeça de peão” do Lula, fruto fiel da modernidade industrial, que governa um país que de defronta com problemas pós-industriais, como já temos chamado a atenção mais de uma vez.

Nesta questão e em tantas outras, reina a visão de que a preocupação ambiental é um entrave ao desenvolvimento econômico e social. “Embora haja um consenso mundial de que a degradação ambiental é um sério impedimento para qualquer projeto de desenvolvimento econômico ou social, para alguns políticos, empresários e ruralistas a preocupação ambiental é uma conspiração para impedir o país de crescer, por que todo mundo sabe, para crescer é preciso destruir a natureza!”, escreve Márcia Pimenta.

Márcia Pimenta denuncia o conservadorismo de muitos que veem na preservação do meio ambiente resquícios de atraso que precisam ser apagados, para dar lugar ao que realmente é moderno: “Nossa elite política tem um projeto; nos catapultar para um passado remoto, um passado de atraso, onde a poluição é sinônimo de desenvolvimento e onde qualquer floresta em pé, é um mato que precisa ser eliminado a ferro e fogo. Em um mundo tecnocientífico avançado, bagres, pererecas, índios e legislação ambiental são ervas daninhas que precisam ser extirpadas para dar lugar à modernidade”. “A preservação ambiental e de todas as formas de vida é uma questão ética. Mas podemos abordá-la pelo viés econômico e ainda assim parece uma insanidade promover sua destruição”, escreve Pimenta.

É por isso que a Amazônia necessita, infelizmente, de vigília.

Povos indígenas. Por uma outra ‘sustentabilidade’

Os povos indígenas sempre foram considerados um estorvo. Assim foi no Brasil Colônia, no Brasil Império, e continua sendo no Brasil República. Passados mais de quinhentos anos da chegada do cetro real espanhol e português nas terras de Pindorama, pouco mudou. A presença dos povos indígenas segue sendo vista como uma ameaça à integridade e o desenvolvimento do país. Ainda mais surpreendente é o fato de que essa visão é compartilhada por setores da esquerda e da direita do país.

Uma manifestação dessa visão são dois Projetos de Lei que ameaçam direitos indígenas. Um deles, de autoria do deputado Roberto Magalhães (DEM), prevê revisão nas demarcações de terras já realizadas pelo Poder Executivo. O outro, o projeto de Aldo Rebelo (PC do B) e Ibsen Pinheiro (PMDB), submete a demarcação ao Congresso Nacional. O argumento que fundamentam os dois projetos é a mesma: Os parlamentares temem que os indígenas possam criar nações independentes ameaçando a segurança e a soberania do Brasil. O mesmo argumento foi utilizado exaustivamente por aqueles que se pronunciavam contra a demarcação da Reserva Raposa Serra do Sol.

O projeto dos parlamentares recebeu a adesão dos líderes de oito partidos (PC do B, PMDB, PT, PDT, PSB, PPS, PSDB e DEM) que solicitaram que os projetos tramitem em regime de urgência. Dessa forma, partidos que se apresentam como de esquerda se somam aos argumentos dos militares e dos ruralistas.

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), os projetos de lei representam o fim de demarcação de terra indígena. Para Sando Tuxá, líder dos Tuxá, “esse deputado [Aldo Rebelo], que vem adotando uma postura racista, anti-indígena, segundo seus posicionamentos na mídia, apresentou o Projeto de Lei de forma urgente, no qual a demarcação da terra indígena tem que passar pelo crivo do Congresso Nacional. Mas já existem normas legais, instrumentos que eles próprios criaram. Agora, se submetem isso ao Congresso Nacional, quando o índio vai ter sua terra demarcada?”

Recentemente o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), defensor da permanência de produtores e "não-índios" na Raposa Serra do Sol e apresentado aos produtores como o "9º deputado de Roraima", criticou o processo de demarcação das terras indígenas e acusou ONGs ambientalistas como Greenpeace e WWF de "sequestrar a agenda do Ministério do Meio Ambiente" para impedir o desenvolvimento da agricultura, da mineração e da infraestrutura no país. "Há uma guerra de contenção da nossa expansão", disse.

Para o jurista Dalmo Dallari, o projeto dos parlamentares é inconstitucional. “Existe um erro jurídico fundamental no projeto. A Constituição é muito clara quando diz que as áreas indígenas são propriedade da União e que é da União a responsabilidade da demarcação. A área já é definida como propriedade da União e a demarcação não depende de nenhuma legislação ou regra. É um procedimento puramente administrativo do Poder Executivo. Não há nenhuma necessidade jurídica de que se faça uma lei para isso”, disse Dallari.

O PCdoB, vítima dos militares no triste episódio do Araguaia, faz coro juntamente com os militares na defesa de teses conservadoras que vêem os indígenas como povos a serem combatidos e não fortalecidos. Trata-se de uma esquerda conservadora, presa a sociedade do século passado, e que, tributária dos resquícios autoritários enxerga conspiração onde não existe. “Não há a mínima ameaça à segurança e à soberania do Brasil pela ocupação de terras pelos índios. Isso é invencionice”, afirma Dallari.

Na realidade, por detrás dos argumentos de ameaça à soberania nacional, escondem-se outros interesses de caráter mesquinho. Paradoxalmente, os partidos da esquerda e da direita, com as devidas exceções, consideram os indígenas um obstáculo ao desenvolvimento, ao crescimento econômico e ao progresso. A devida cessão, e posse de territórios aos indígenas, significa que riquezas incomensuráveis não poderão ser exploradas. A possibilidade de expansão da soja, da cana-de-açucar, a exploração da madeira, dos minérios, das águas e da biodiversidade ficaria comprometida ou dificultada.

Melhor, portanto, confinar as comunidades indígenas em pequenos guetos, como acontece com o povo Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul. Apenas a violência explícita e implícita contra os indígenas explica o registro de 60 assassinatos de índios em 2008, de acordo com o relatório do Cimi.

Surpreendentemente, o presidente da Funasa, Danilo Forte, afirmou que 68 mortes de índios é “número bom”. Segundo ele, “em um universo de 500 mil índios, se tiver morrido só 68 por falta de assistência – não é bom ninguém morrer –, é um número bom. Se você for comparar com as populações... Quantas pessoas morrem por dia em Brasília?”, disse. A coordenadora da pesquisa do Cimi, a antropóloga Lúcia Helena Rangel, rebateu a declaração. “Não tenho autoridade na área de saúde para dizer que 68 mortes é pouco. Mas nós temos casos de desassistência à saúde que atingiram cerca de 4.000 índios”, argumentou. Das 68 mortes de índios apontadas pelo Cimi, 37 são vítimas de mortalidade na infância.

Já está comprovado que apenas a demarcação de terras pode reduzir violência contra população indígena. Na análise da antropóloga Lúcia Helena Rangel, “é fundamental que o Estado brasileiro aceite e respeite a reivindicação indígena por demarcação de terras. Isso é nítido no caso de Mato Grosso do Sul e em estados como Maranhão, Rio Grande do Sul e Bahia. É preciso demarcar terras, e de forma suficiente, para essa gente viver, se reproduzir, fazer crescer a população”.

A violência sistemática e secular contra os indígenas se faz sem tréguas. Segundo D. Erwin Kräutler, Bispo do Xingu e presidente do Cimi, atualmente existem mais de 450 empreendimentos que afetam terras indígenas, muitos deles financiados pelo governo. O bispo destaca que “dentro do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC – amplamente difundido pelo Governo e incensado como principal responsável pelo futuro avanço econômico do país, há 48 obras que afetam diretamente terras indígenas com o agravante que tanto nessas como nas outras obras não há a realização da Consulta Prévia em tempo hábil para os interessados, determinada pela Convenção 169 da OIT, que foi incorporada à legislação brasileira no ano de 2005” .

No relato de dom Erwin, a situação mais dramática é dos Guarani Kaiowá: “Vivem confinados em pequenas parcelas de terra e sofrem todas as formas de violência e perseguição. Se não forem tomadas medidas imediatas, mais um genocídio chegará a se consumar em pleno século XXI apesar de todas as Leis em favor dos Povos Indígenas e a Declaração Universal dos Direitos Humanos já completar sessenta anos”, afirma.

D. Erwin Kräutler, um dos três bispos brasileiros atualmente ameaçados de morte, afirma que fez a opção de se colocar do lado “dos povos indígenas, que têm direito à sua terra e isso é, automaticamente, visto como característico de quem é contra o progresso e desenvolvimento”. Segundo ele, o desprezo aos povos originários se deve ao fato de que “na realidade existem dois modelos de desenvolvimento, um a favor das grandes empresas e do agronegócio, exigindo capital e a concentração de terras para o cultivo de monoculturas. Este modelo – diz o bispo – considera a terra como mercadoria, destinada a compra ou venda, e explorável até a exaustão. Em seu conjunto, é orientado para a produção e exportação, concentrador de renda, visando lucros privados e resultados imediatos e muito agressivo ao meio-ambiente”.

O outro modelo, destaca dom Erwin, “vê na terra o lar que Deus criou em que vivem os povos e convivem respeitosamente com a natureza, a flora e a fauna. A terra exerce uma função materna. Este modelo de desenvolvimento é orientado para a Vida, a paz, a preservação ambiental e o bem-estar da população local, dos pequenos agricultores, das comunidades tradicionais, dos povos indígenas. São dois projetos que estão em confronto: um a favor da terra para a Vida, o outro a favor da terra para o negócio”.

Um exemplo simbólico da tentativa de exterminar o ‘modelo indígena’ foi a agressão a memória de Sepé Tiaraju no Rio Grande do Sul. “No dia 7 de maio, o prefeito de São Gabriel, RS, Rossano Gonçalves, meteu abaixo oratório-monumento São Sepé Tiaraju da Sanga da Bica, lugar exato em que o herói-santo-popular deu o beijo derradeiro à Terra Sem Males de seu povo, em meio às torturas que lhe infligiram os esbirros portugueses e espanhóis”, relata Roberto Antonio Liebgott, do Cimi Su l – Equipe Porto Alegre.

Segundo ele, “o monumento inquietava os donos do latifúndio, os fazendeiros arrogantes que habitam e exploram as terras sagradas do Rio Grande. Eles tinham medo do símbolo de resistência e vida que ali fora plantado e como que encravado na memória daqueles que se colocam contra a vida e contra a solidariedade, que se colocam contra a possibilidade de que haja direitos iguais para todos, que se colocam contra a redistribuição de bens e das terras. Estes senhores, patrocinadores da dor e da miséria, não sossegaram e passados pouco mais de três anos das celebrações em memória de Sepé Tiaraju decidiram, com a infra-estrutura da prefeitura municipal de São Gabriel, destruir o que lhes causava dor e medo. Destruíram o monumento de Sepé Tiaraju, líder índio Guarani e herói do Rio Grande”.

Nas palavras do irmão Antônio Cechin, “não bastou matar São Sepé Tiaraju. Era preciso matar também a sua história”.

A conquista na demarcação das terras indígenas da Reserva Raposa Serra do Sol, saudada como uma das raras vitórias dos povos indígenas nas últimas décadas, esconde armadilhas. Segundo o Cimi, “o STF extrapolou o que foi pedido pelos autores da ação popular julgada, na medida em que estabeleceu uma normatização para todos os procedimentos de demarcação de terras indígenas no país. Tal condição deve ser entendida num contexto de cerceamento de direitos dos povos indígenas, das populações tradicionais, do campesinato e outras, em favor da expansão do interesse do capital privado no campo”.

Na análise de José de Souza Martins, “a decisão [do STF], sobretudo as 18 condições que o ministro Menezes Direito estabeleceu para o reconhecimento do princípio da reserva territorial contínua, longe de dar à decisão do Supremo o caráter de uma vitória dos índios, representa de fato uma derrota das populações indígenas". Segundo o sociólogo, "eles ganham o território, mas ficam expostas aos riscos culturais do contato compulsório dos executores das políticas decorrentes das razões de Estado".

‘Só os índios se preocupam com o seu futuro’

“Só os índios, hoje, se preocupam com o seu futuro. Eles perguntam: o que será dos nossos filhos? O branco parece que está olhando só o presente e faz de conta que depois de nossa geração virá o dilúvio. Isso é um absurdo”, afirma d. Erwin Krautler, acerca da visão pragmática e da volúpia exploratória da lógica do capital sobre as terras indígenas.

O capital em sua versão predatória de madeireiras, mineradoras, sojeiros, arrozeiros, plantadores de cana-de-açucar, criadores de gado, acompanhada pela visão desenvolvimentista míope do governo, não se dá conta de que a preservação das terras indígenas é um passaporte para o futuro da nação noutro tipo de integração e vantagem econômica internacional.

Segundo um estudo do Instituto de Pesquisa da Amazônia (Ipam) com a Universidade de Minas Gerais e o Woods Hole Research Center, as terras indígenas e reservas possuem 30% do carbono estocado na Amazônia. O estudo revela que na Amazônia brasileira, nas árvores que estão nos 100 milhões de hectares de terras indígenas e reservas extrativistas, há 15 bilhões de toneladas de carbono estocadas.

Este volume impressionante, que causaria um caos climático se liberado na atmosfera, é 30% das 47 bilhões de toneladas de carbono que estão espalhadas nos troncos, galhos e no solo das florestas da região. Mais do que isso: representa oito vezes o esforço mundial de reduzir a emissão de gases-estufa prevista no primeiro período do Protocolo de Kyoto.

A possibilidade de que a civilização ocidental branca, orientada pela racionalidade econômica, enxergue nos povos indígenas a “janela” para o futuro é remotíssima. Aqui, o conceito de ‘sustentabilidade’ é diametralmente oposto. A cosmovisão de mundo é distinta.

Para o indigenista Antonio Brand em entrevista especial à revista IHU On-Line, “as populações indígenas concebem conceitos distintos de natureza, sendo que suas cosmologias explicitam como homens, plantas e animais interagem e se articulam sinalizando para a interdependência entre organização econômica, social e religiosa. Para essas populações, a esfera da economia e das relações sociais e religiosas são inseparáveis. Por isso, a questão de fundo dos territórios e a luta pela preservação da biodiversidade é tão importante para o futuro desses povos, frente ao longo e sistemático processo histórico de busca de imposição de modelos monoculturais de desenvolvimento. Por isso, cada vez mais a luta pela sociodiversidade tende a se encontrar e articular com as lutas pela biodiversidade. Até hoje, os povos indígenas seguem orientando-se por concepções distintas de economia, de uso do solo e de desenvolvimento. Seguem, por isso mesmo, sendo considerados como um sinal de atraso”.

O conselheiro do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), no Mato Grosso do Sul, Egon Heck, destaca que a primeira grande lição que aprendemos com os índios é realmente a do sentido da vida. “A nossa sociedade é consumista, se amesquinhou, acreditando que a felicidade está em comprar quinquilharias, em amontoar coisas dentro de casa, em ostentar jóias e outras coisas mais, desvirtuando totalmente aquele sentido profundo da solidariedade, da convivência, da harmonia, da dignidade das pessoas. Essa é a primeira grande lição que eles nos deixam, no sentido de rever o sentido da própria vida. A segunda é rever o sentido da convivência entre as pessoas e das pessoas com a natureza. O planeta Terra só vai ter futuro se conseguirmos, em termos de humanidade, reencontrar um sentido de harmonização da nossa vida, do nosso sistema de produção, dos nossos valores com aquilo que a natureza, a terra, a água e o universo nos oferecem”, diz ele.

Define bem essa concepção de mundo, o conceito de Terra sem Males, descrito por José Roberto de Oliveira em entrevista ao sítio do IHU, acerca do povos guaranis. Segundo ele, “os guaranis sempre foram um povo espiritual e sempre falaram da busca pela Terra sem Males, o que sempre esteve no centro da sua cultura. Esta nação e este território (físico e espiritual) da Terra sem Males têm duas visões: a de uma terra em que todos vivessem bem, de forma fraternal, mas também a de uma terra espiritual, em que cada um tivesse um coração sem males. Esta tese é uma coisa absolutamente maravilhosa e compõe, ainda hoje, o centro da espiritualidade dos povos Guarani e missioneiro. Nenhum deles quer ser rico”, afirma ele.

O que está em jogo são conceitos distintos do que venha a ser a ‘sustentabilidade’. A racionalidade econômica, como já analisado, acredita possível um crescimento sustentável, já os povos indígenas nos ensinam que o conceito de sustentabilidade está vinculado a outra lógica, ao não crescimento, ao respeito e preservação da biodiversidade.

Sydney Possuelo, renomado indigenista e sertanista brasileiro em entrevista a revista IHU On-Line, afirma que “faz alguns anos que o Canadá devolveu ao povo indígena Inuit a extensão de dois milhões de Km2 no Território do Noroeste do Canadá. O que me chamou a atenção, afirma, foi um pedido de desculpa que acompanhou a devolução. O governo canadense pediu desculpas pela violência e pelas injustiças que haviam sido cometidas contra aqueles povos durante a conquista. Mais recentemente, o governo da Austrália procedeu da mesma forma e, através de seu Primeiro Ministro, apresentou um formal pedido de perdão aos aborígenes australianos. Observe como são tratados os povos autóctones da Nova Zelândia, pelos quais o povo e governo têm admiração e respeito. Enquanto isso, aqui, do outro lado do mundo, estamos cada vez mais na contramão da história, negando aos povos indígenas as suas terras tradicionais e, ainda, lamentavelmente, matando-os a tiros como aconteceu recentemente na região de Roraima”.

‘Presenciamos agora a ressurreição do índio’

Faz-se necessário, entretanto, destacar a resistência e a luta indígena. Sendo fiel a sua história de não aceitação da subordinação, os povos indígenas nunca deixaram de lutar em todo o continente latino-americano. “Presenciamos agora a ressurreição do índio”, afirma o indígena Eleazar López Hernández
em entrevista especial ao IHU. Segundo ele, “a Bolívia é, desde logo, a melhor expressão da pujança deste despertar, pois aí os povos indígenas e camponeses sacudiram o jugo de uma minoria não indígena que os dominava e se deram um presidente de seu próprio sangue e cultura. Porém, a luta indígena se dá em todo o continente sob formas muito variadas e com resultados diferentes: Equador, Brasil, Paraguai, Chile Guatemala, México etc”.

Segundo ele, “hoje, mais do que nunca, existem redes e articulações de movimentos indígenas que compartilham saberes e experiências de nossa luta pelos quatro cantos do continente; e estão se dando a mão para seguir em frente. O protagonismo indígena cresceu tanto que no momento atual os acompanhantes não indígenas seguem sendo importantes, embora não sejam indispensáveis para o futuro do processo”, afirma.

A esquerda conservadora

Os povos indígenas se constituem hoje em um importante sujeito coletivo em toda a América Latina. A esquerda tradicional, porém, é incapaz de perceber esse fato. Segundo o Subcomandante Marcos, do EZLN, na América Latina sempre se falou em aliança operária e camponesa, mas esqueceram dos indígenas. Para o Subcomandante Marcos, as lições dos movimentos indígenas no México, no Equador, na Bolívia e em outras partes, é que é possível colocar o poder em crise com uma mobilização pacífica, civil, massiva e que resulta a partir de “baixo”. Segundo ele, os indígenas mostram que o importante é construir poder desde abaixo e sendo assim não importa o que acontece em cima [a direção] desde que esteja sujeitada, controlada pelos que estão a partir de baixo.

Como a esquerda sempre pensou o poder desde acima, a partir do Estado, os povos indígenas não entram nessa equação. Porém, mais do que isso, os povos indígenas não entram na agenda da esquerda em função de que a mesma é tributária de determinada concepção de mundo preso à lógica da sociedade industrial.

Essa esquerda vale-se de um marxismo não atualizado, que paradoxalmente ao lado do liberalismo, é resultante da modernidade.

Brasil. Território livre para os transgênicos?

País perde controle dos transgênicos

A primeira safra de milho geneticamente modificado no Brasil ampliará o descontrole do país em relação ao controverso uso desse tipo de produto na indústria de alimentos. Além de já representar uma ameaça de contaminação a produtores de variedades não transgênicas, o milho transgênico deverá contaminar milhões de toneladas do grão convencional devido à decisão dos produtores de não separar os dois tipos de cultivo.

A Lei de Biossegurança não exige a separação da produção, mas é clara ao exigir a fiscalização de todos esses processos, o que não ocorre.

Uma parte importante dos 17,4 milhões de toneladas da produção prevista do milho safrinha terá a tecnologia Bt (sigla para Bacillus thuriengensis), pela qual um gene não existente na planta é inserido no DNA de algumas variedades de milho. A missão dessa proteína é criar toxinas inseticidas que matam três tipos de lagarta quando elas ingerem qualquer parte da planta. Para os produtores, a tecnologia promete reduzir o número de aplicações de veneno nas lavouras.

Mas a grande preocupação do campo agora nem é exatamente o volume de produção de milho Bt, mas sim os riscos sobre os milhões de toneladas que não são geneticamente modificadas e que vão entrar na cadeia de produção de alimentos nas próximas semanas.

Os agricultores informam que a separação entre OGM (organismo geneticamente modificado) e não OGM será mínima. Procuradas, grandes indústrias consumidoras de grãos utilizados na produção de ração para frangos e suínos, como as gigantes Sadia e Perdigão, prometem manter políticas de aquisição de não OGMs. Como o farão não informaram.

Segundo o engenheiro agrônomo Marcelo Silva, fiscal do Departamento de Fiscalização e da Defesa Agropecuária da Seab, há fortes indícios de que o afastamento exigido hoje não é suficiente para assegurar a coexistência com a tecnologia transgênica sem que ela contamine plantios convencionais ou orgânicos por polinização.

O assunto é polêmico, envolve risco de perda de contratos (o que já ocorreu com produtores de soja) e até o direito de produtores que não queiram adotar a tecnologia de companhias multinacionais de biotecnologia, como Monsanto, Syngenta, Bayer e outras.

O Nead (Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural), ligado ao gabinete do MDA (Ministério do Desenvolvimento Agrário), acaba de finalizar um relatório em que pede à CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) a revisão imediata das regras de plantio de variedades transgênicas de milho autorizadas em todo o país. O relatório é categórico em afirmar que, pelas regras atuais de espaçamento, é impossível evitar a contaminação de lavouras de milho convencionais e orgânicas por material genético de plantas modificadas.

Pela resolução em vigor, lavouras transgênicas de milho, quando vizinhas de plantios convencionais ou orgânicos, devem respeitar a distância de 100 metros , ou, de forma "alternativa", 20 metros com uma bordadura de milho não OGM. A CTNBio, com base em pesquisas, afirma que a bruma de pólen de uma planta não viaja mais do que dez metros – portanto não irá contaminar plantios de milho convencional.

A CTNBio refuta o relatório desenvolvido pelo núcleo de estudos do MDA e reconhece que o assunto divide os membros do governo Lula. "O governo é ambíguo acerca do uso da tecnologia da transgenia no Brasil. Os ministérios da Agricultura, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e da Ciência e Tecnologia apoiam os eventos transgênicos e refutam o relatório do MDA. Do ponto de vista científico, [o relatório] não se sustenta", diz Jairon do Nascimento, secretário-executivo da comissão.

O mesmo milho transgênico autorizado no Brasil foi proibido na Alemanha O milho Bt Mon 810, tecnologia de propriedade da multinacional Monsanto, teve a autorização de cultivo revogada recentemente na Alemanha. Esse foi o sexto país da União Europeia, região que já havia aprovado o uso da tecnologia, a revogar a autorização para o plantio. Além de proibido em solo alemão, a autorização para o cultivo também foi suspensa em Luxemburgo, Hungria, Áustria, Grécia e França. O milho vetado pelo governo alemão possui o mesmo gene inserido no DNA de variedades de milho cultivado neste momento no Brasil. Em algumas regiões do Paraná, o plantio de milho com a tecnologia atingiu 40% da área plantada.

O biólogo francês Gilles Ferment em entrevista especial ao sítio do IHU, destaca que diante da extensa discussão sobre o impacto dos produtos transgênicos sobre a nossa saúde e desenvolvimento, seis países europeus utilizam uma cláusula de segurança na lei que libera a produção e consumo de alimentos geneticamente modificados e proíbe o plantio do milho MON 810. Uma decisão que aumenta o debate em torno dos transgênicos e convida a todos a repensarem a expansão desses alimentos e, principalmente, as políticas que tratam da nossa segurança alimentar. “Considerando que a Europa é um grande importador transgênico, a proibição de plantações vai causar irá causar um impacto grande nos países exportadores, como Estados Unidos, Argentina, Canadá e Brasil. Aliás, esse é o impacto mais importante da proibição do milho na Europa”, consta o biólogo.

'Plante-se ilegalmente que depois o governo aprova’

Na realidade a liberação do milho transgênico foi uma conquista da pressão de ruralistas. Entre 2003 e 2004, as lavouras de soja transgênica no Brasil se expandiram de 3 milhões para 5 milhões de hectares, segundo o Serviço Internacional de Aquisição de Aplicações de Biotecnologia Agrícola. Na esteira da soja vieram outras sementes.

Na briga pela liberação dos transgênicos, os ruralistas contaram com dois importantes aliados, o ministro da Agricultura Reinhold Stephanes e, o ministro da Ciência e Tecnologia Sérgio Rezende. Os dois além de serem defensores do agronegócio, estão muito próximos das grandes multinacionais da área da biotecnologia.

Em conjuntura anterior, analisávamos que a estratégia do agronegócio foi formulada tempos atrás pelo ministro da Agricultura Reinhold Stephanes ao dizer que o milho vai pelo mesmo caminho das variedades de soja e algodão geneticamente modificadas cuja comercialização é autorizada do país: “elas foram liberadas apenas depois de constatado o cultivo ilegal”. A ‘senha’ do ministro é clara, ‘plante-se ilegalmente que depois o governo aprova’.

Numa videoconferência no início de 2008, o diretor-presidente da Monsanto, Hugh Grant, disse que “a necessidade por grandes plantações em fileiras (milho, soja e trigo) é a maior de todos os tempos”. O mercado do continente sul-americano hegemonizado pela Monsanto fez com que a mesma desdenhasse a proibição do milho transgênico na França. A multinacional americana negando-se a comentar a decisão francesa, destacou que o “seu eixo de desenvolvimento é o Brasil. A Europa é somente uma gota de água”.

Conjuntura da semana em frases

Incertezas, insatisfações e ambições

“A notícia do linfoma de Dilma não só abriu incertezas como fez emergir insatisfações dissimuladas e ambições ocultas e coincidiu com o furacão causado no Congresso pela eleição de Sarney. Lula deve estar profundamente arrependido de ter precipitado o processo eleitoral” – Eliane Cantanhêde, jornalista – Folha de S. Paulo, 17-05-2009.

No escurinho

“No escurinho dos gabinetes do PMDB são poucos no momento os que ainda apostam suas fichas na eleição de Dilma” – Ricardo Noblat, jornalista – O Globo, 18-05-2009.

Curada

“Dilma é muito forte. Mulher é mais forte que homem. Existe dor maior que a do parto? Além disso, o caso dela é de mais fácil solução. Ela já está curada” – José Alencar, vice-presidente da República – O Globo, 10-05-2009.

3º mandato

"Não posso me conformar que as leis impeçam que tenha continuidade a liderança desse homem. São poucos os líderes no mundo. De vez em quando surge um gênio. Esse é um gênio brasileiro" - Fernando Marroni, deputado federal - P-RS -, defendendo o terceiro mandato para Lula – Folha de S. Paulo, 15-05-2009.

“Deveria haver um plebiscito” - Fernando Marroni, deputado federal - PT-RS – defendendo um terceiro mandato para Lula – Folha de S. Paulo, 17-05-2009.

Prorrogação

“Há conversas sobre prorrogação de mandatos. Todos os mandatos -a cenoura na ponta da vara para os congressistas postos diante do projeto e, talvez com a exceção paulista, para os governadores, além de prefeitos & cia. A meta real seria de um ano” – Janio de Freitas, jornalista – Folha de S. Paulo, 19-05-2009.

Velha barata tonta

“A Petrobras foi transformada pelo PSDB em arena das disputas preliminares da sucessão presidencial. Surrada pelo prestígio de Lula e incompetente por seu próprio demérito, a oposição conduzida pelo PSDB virou a velha barata tonta: pesquisas recentes indicam, em várias regiões, o crescimento eleitoral de Dilma Rousseff depois da notícia de sua doença” – Janio de Freitas, jornalista – Folha de S. Paulo, 17-05-2009.

CPI

“Pode haver CPI da Petrobras. Vai haver CPI das taxas de administração dos bancos?” – Vinicius Torres Freire, jornalista – Folha de S. Paulo, 17-05-2009.

CPIs

"No Senado, o PSDB criou a CPI da Petrobras; no Rio Grande do Sul, trabalha contra CPI para investigar denúncias de caixa dois envolvendo a governadora Yeda Crusius. Já o PT quer CPI na Assembleia gaúcha e tenta evitar a CPI no Senado" - Ilimar Franco, jornalista - O Globo, 14-05-2009.

Façanhas gaúchas

“Estamos acostumados. As maiores empresas contribuem com todos, é quase como rifa de igreja – compara um empresário habituado com doações a campanhas” – empresário gaúcho, anônimo, comentando as doações que as empresas dão para os candidatos em campanha eleitoral – Zero Hora, 16-05-2009.

Odiada...

"A revista Veja, que a esquerda tanto odiava, é agora exibida em passeatas e mostrada até na propaganda do Cpers contra o governo" - Rejane de Oliveira, jornalista - Zero Hora, 14-05-2009.

Jucá e o cabide

“E o eterno líder do governo (do passado, deste e do futuro), Romero Jucá, hein? Disse que não pediu as nomeações de seu irmão e sua cunhada para o cabide de empregos da Infraero. Então, fica combinado que foram postos lá por notório saber em assuntos aeronáuticos” – Ancelmo Gois, jornalista – O Globo, 15-05-2009.

Mente sã

"Ninguém, com a mente sã, é contra o Bolsa Família” — Ronaldo Caiado, líder do DEM na Câmara (GO), falando sobra a mais nova unanimidade nacional – O Globo, 13-05-2009.

Casa do Lula

“Como eu faço para conseguir uma casa do Lula?” – pergunta mais freqüente nas portas das agências de habitação e nas consultas à Caixa Econômica Federal, O Estado de S.Paulo, 07-05-2009.

‘Sofri como cachorro’

"Quando fui presidente do BNDES, sofri como um cachorro porque a ala mais liberal do governo FHC queria fechar o banco” – Luiz Carlos Mendonça de Barros, economista, ex-ministro das Comunicações, O Estado de S.Paulo, 07-05-2009.

Crise

"O salário mínimo aumentou. Os aposentados estão ganhando mais e ainda tem o Bolsa Família. Reclamar do quê?" – Amilton da Silva, dono de um bar, em Paraisópolis, uma das maiores favelas de São Paulo – O Estado de S. Paulo, 11-05-2009.

"Esta crise é de gente rica. Por aqui as pessoas estão lascadas desde sempre. Nada mudou" - Raimundo Araújo, dono de supermercado em Paraisópolis, uma das maiores favelas de São Paulo – O Estado de S. Paulo, 11-05-2009.

Dono do Mar

“O governador pedetista Jackson foi cassado porque é apenas "Lago", enquanto José Sarney, pai de Roseana, é ‘O Dono do Mar’” - piada que corre na Assembleia Legislativa do Maranhão – Folha de S. Paulo, 10-05-2009.

Vigilância

“O assalto ao banco dentro do Quartel-General do Exército em Brasília não é o primeiro no gênero. (...) Tudo indica ser o caso da contratação, pelo Exército, de uma empresa de vigilância para proteger as dependências militares incumbidas da segurança nacional” – Janio de Freitas, jornalista – Folha de S. Paulo, 12-05-2009.

Parentada

"A família grande era incômoda, dava palpites, interferia na educação dos filhos dos outros. A família nuclear, composta de pais e filhos, é mais individualista, quer criar as crianças do seu jeito e não depender da parentada para nada" - Magdalena Ramos, terapeuta de casais e de família - Veja, 13-05-2009.

Filho "europeu"

“O Ronald [filho de 9 anos com Milene Domingues] mora em Madri, porque eu prefiro e a mãe também. Tem a ver com segurança, educação... Eu vejo crianças aqui, da idade dele, com um palavreado adolescente, palavrões até. O Ronald é uma criança doce, educada. praticamente um europeu. ["Ele é brasileiro!", grita uma mulher na plateia.] É brasileiro, mas eu prefiro que tenha amiguinhos europeus, sem a malandragem dos amiguinhos brasileiros. A gente quer sempre o melhor pros filhos, e eu, podendo escolher, prefiro que ele tenha educação européia” – Ronaldo, jogador do Corinthians – Folha de S. Paulo, 16-05-2009.

Vai aitolá!

“E não foi o presidente do Irã quem cancelou a visita ao Brasil. Foi o Lula que pediu mais um tempo pra conseguir decorar: Mahmoud Ahmadinejad! A língua do Lula vai aiatolá!” – José Simão, jornalista, Folha de S.Paulo, 07-05-2009.

Computadores

“Mas agora - arrá! - somos iguais. Com a reforma ortográfica ele se tornou tão obsoleto quanto eu. Ficou ridículo, insistindo em tremas e hifens que não existem mais. Acabou a sua empáfia!” – Luis Fernando Verissimo, escritor, O Estado de S.Paulo, 14-05-2009.

Paulo Moura


20/05/2009
Artigos

SERÁ QUE YEDA TERMINA O MANDATO?
por Paulo G. M. de Moura

Antes de a goveradora Yeda decretar a morte da CPI da Corrupção em seu governo, convém prestar atenção às palavras da deputada Stela Farias (PT/RS), na coluna de Rosane d Oliveira em Zero Hora de 20/05: '– Escreva o que estou te dizendo, é uma questão de dias. Há coisas que não posso te dizer ainda. Vamos ter as 19 assinaturas. Vamos ter mais de 19.' O artigo que segue foi escrito no dia 18 de julho de 2008. Mas, a não ser por detalhes, poderá parecer que a análise nele contida é sobre fatos presentes. Isso significa que todos os elementos que deram origem à nossa análise seguem vivos e pesentes nos subterrâneos do governo Yeda. E, se, portanto, as condições estruturais para que crises aconteçam não são eliminadas, as crises se tornam inevitáveis. E repetitivas. Yeda deu um drible curto na CPI da Corrupção. Não a impedirá, pelas razões que apontamos há de meses atrás. Vejamos:


--------------------------------------------------------------------------------

Dr. Paulo G. M. de Moura
Consultoria em Comunicação & Análise Política
www.professorpaulomoura.com.br


--------------------------------------------------------------------------------

Você está recebendo este informativo porque está
cadastrado no site Professor Paulo Moura.

News Racismo

Por que a resistência hercúlea às cotas?
O Globo - Rio de Janeiro,RJ,Brazil
Quem não souber identificar um afrodescendente, é só imaginar o seguinte: há três sujeitos suspeitos - um branco, um pardo e um negro - correndo pela rua. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Estatuto da igualdade racial
A Tribuna - Rondonópolis - Rondonópolis, MT,Brazil
Será que somos brancos, negros, amarelos, vermelhos, ou somos simplesmente brasileiros. Será que ainda existem 10% da população que seja de fato negra, ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Zico revela ter presenciado atitude racista
O Dia Online - Rio de Janeiro,RJ,Brazil
“Foi a primeira vez que presenciei dentro do campo uma atitude racista e ela veio da torcida do Dínamo. Lamentavelmente, parte dos torcedores ficou gritando ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Zico denuncia ato racista em decisão da Copa da Rússia
Band - Brazil
O técnico Zico denunciou atitude racista dos torcedores do Dínamo de Moscou na decisão da Copa da Rússia contra o CSKA, e revelou que foi obrigado a sacar ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Patético! Treinador brasileiro denuncia racismo na Europa
Futebolinterior - Brazil
O brasileiro fez uma grave denuncia de racismo sofrida pelo jogador do seu time Maazou, de 21 anos. Segundo o técnico, o atacante nigeriano foi chamado de ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Zico tirou de campo jogador alvo de racismo
Mais Futebol - Lisboa,Portugal
Ouwo Maazou, avançado do Níger do CSKA, foi alvo de atitudes racistas no jogo frente ao Dínamo de Moscovo e obrigou o treinador a substituí-lo. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
SOS Racismo acusa Governo de “instrumentalizar” imigração com fins ...
Público.pt - Lisboa,Lisboa, Portugal
Para a SOS Racismo, a redução das quotas de imigração para cidadãos estrangeiros extra-comunitá rios, aprovada ontem pelo Governo, faz com que os imigrantes ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Juventus: cânticos racistas fecham portas do Olímpico de Turim
Mais Futebol - Lisboa,Portugal
Os insultos de teor racista a Mario Balotelli vão fechar as portas do Estádio Olímpico de Turim. A Juventus recorreu da primeira decisão da Comissão de ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Zico critica racismo na Rússia
O Globo - Rio de Janeiro,RJ,Brazil
Zico, treinador do CSKA de Moscou, criticou muito a atitude racista dos torcedores do Dínamo Moscou na semifinal da Copa da Rússia. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Conferência mundial contra o racismo
Vermelho - São Paulo,SP,Brazil
Em meio as controvérsias e boicotes promovidos pelos Estados Unidos, Israel e alguns países da União Européia sobre a Conferência Mundial Contra o Racismo, ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Netanyahu pede ao Papa que condene declarações de Ahmadinejad
O Globo - Rio de Janeiro,RJ,Brazil
Em abril, ao discursar durante a cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o racismo, Ahmadinejad disse que Israel é racista e questionou o ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
UEFA mostra tolerância zero ao racismo
UEFA.com - Nyon,Switzerland
O Presidente da UEFA, Michel Platini, enviou uma forte mensagem contra o racismo, na sequência de discussões do Comité Executivo da UEFA sobre acções a ...
Veja todos os artigos sobre este tópico


|||||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||
HEITOR (((((º_º))))) CARLOS
http://portodoscasa is.blogspot. com/
|||||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||||||| ||||
............ ......... ......... .

Memória Esportiva


Fotos em alta resolução da partida aqui



Em noite heroica, o Internacional venceu o Flamengo por 2 a 1, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, e classificou-se às semifinais da Copa do Brasil. Taison abriu o placar aos 42min do primeiro tempo, mas Emerson empatou aos 29min da etapa final para a equipe carioca. Decisivo, Andrezinho marcou um golaço de falta aos 44min e garantiu a grande vitória. Agora, o time colorado irá enfrentar o Coritiba na próxima fase. A ordem dos mandos dos jogos será definida em um sorteio na CBF.

Foi uma noite de fortes emoções no Beira-Rio. Antes mesmo de a bola rolar, a torcida colorada vibrou com as presenças de Fernandão e Rafael Sobis no Gigante. A dupla campeã da Libertadores da América em 2006 cruzou o gramado rumo aos camarotes para assistir à partida e foi intensamente saudada pelos colorados. Instantes antes da partida, o cantor nativista Neto Fagundes falou pelo sistema de som e cantou o hino rio-grandense junto à torcida colorada. Foi um bonito aquecimento para o que estava por vir. Quando o Inter entrou em campo, a massa colorada fez uma festa sensacional com dezenas de sinalizadores vermelhos, cântigos e aplausos.

O jogo

Com seis segundos de jogo, Taison já pressionou e cortou uma troca de passes do Flamengo. A torcida vibrou nas arquibancadas. Os primeiros minutos foram truncados, com muitas divididas. Aos 3min, Willians roubou a bola na intermediária e chutou de fora da área ao lado do gol. O Flamengo adotou a tática da marcação adiantada para evitar a troca de passes do Inter.

O Inter chegou com força aos 6min. Nilmar girou na entrada da área e tocou em D´Alessandro que devolveu no atacante. Nilmar entrou na área e chutou de canhota para defesa de Bruno. Aos 9min, D´Alessandro deu grande lançamento para Taison, na direita. O atacante passou por Toró e cruzou para Nilmar, que não conseguiu alcançar e a bola saiu pela linha de fundo. Aos 12min, D´Alessandro cobrou escanteio, a bola sobrou para Índio que tentou o chute, mas a zaga conseguiu evitar a conclusão. Aos 14min, Ibson cobrou falta para a área e Lauro afastou de soco, em boa iniciativa.

Depois de um começo truncado, o jogo ficou aberto. Em 15 minutos, foram marcadas apenas três faltas. Aos 17min, Nilmar tocou para a área, Willians recuou de peito para Bruno de maneira perigosa. O goleiro estava atento e segurou. O jogo era de muita marcação dos dois times, numa típica decisão de vaga. Os ataques pouco produziam.

Aos 29min, Danilo roubou a bola, tocou em Nilmar, que devolveu em Danilo. A bola foi cortada pela zaga. Na sequencia, Danilo levantou para a área, Rosinei cabeceou, mas Bruno defendeu. Aos 31min, Kléberson arriscou de fora da área e Lauro defendeu com segurança. Aos 33min, D´Alessandro cobrou falta, da entrada da área, e Bruno defendeu.

O Inter adotava uma estratégia interessante. Como o Flamengo avançava a marcação com vários jogadores, o técnico Tite deixou D´Alessandro, Taison e Nilmar também muito avançados. Com isso, eles ganharam bom espaço para tentar os contra-ataques.

Aos 36min, Ibson arriscou de fora da área, a bola desviou na zaga e saiu perigosamente ao lado. Aos 37min, Nilmar ganhou jogada no meio-campo e tocou de calcanhar para Taison, o garoto avançou em velocidade, passou pela marcação e chutou forte de fora da área para boa defesa de Bruno. Aos 38min, Ibson deu grande passe para Kléberson, na grande área, que chutou rasteiro ao lado do gol com grande perigo.

Aos 42min, Juan recuou mal a bola para Airton. Nilmar apareceu com velocidade espantosa, roubou a bola do zagueiro, arrancou pela esquerda e cruzou rasteiro na medida para Taison que chutou com precisão na saída do goleiro Bruno. 1 a 0! Foi o sexto gol de Taison na Copa do Brasil. O garoto é o goleador do Inter na competição.

Aos 44min, o Flamengo tentou reagir com Ronaldo Angelim de cabeça, na área, mas Lauro faz defesa sensacional. Porém, o lance já estava parado por impedimento. Aos 46min, Kléber cobrou falta para a área e Álvaro cabeceou para defesa de Bruno. O Inter seguiu em cima até o final da etapa.

O primeiro tempo foi de um típico jogo de decisão. Os dois times exerceram muita marcação e os ataques perigosos foram raros nos primeiros 30 minutos. Nos últimos 15, porém, as equipes passaram a criar mais, e o Inter abriu o placar em uma jogada de velocidade espantosa de Nilmar que Taison completou com precisão.

Os dois times voltaram sem modificações para a etapa final. O Flamengo começou o segundo tempo tentando pressionar. O Inter buscava se fechar e explorar os contra-ataques. Aos 4min, Ibson arriscou da intermediária ao lado do gol. Aos 6min, D´Alessandro cobrou falta para a área, dois zagueiros subiram e desviaram contra o próprio gol, mas Bruno defendeu. Aos 7min, Toró acertou um soco em D´Alessandro. O juiz absurdamente só aplicou o cartão amarelo no volante flamenguista. Inacreditável.

Aos 8min, Taison arrancou do meio do campo em grande velocidade até a entrada da área e chutou rasteiro ao lado do gol. Um minuto depois, Rosinei recebeu bom passe de Guiñazu e do bico da área chutou forte para Bruno espalmar para escanteio. Aos 11min, Taison arrancou pela esquerda e caiu, pressionado pelo zagueiro, mas o juiz nada marcou.

O Flamengo tentava avançar, mas o Inter estava melhor posicionado em campo e explorava bem os contra-ataques. Aos 24min, Leonardo Moura cobrou falta para a área e Lauro salvou para escanteio. Aos 26min, Glaydson entrou no lugar de Rosinei. Aos 27min, Willians levantou para a área e Obina cabeceou fraco para defesa tranquila de Lauro.

Aos 29min, Emerson recebeu bola cruzada da linha de fundo e completou no cantinho: 1 a 1. O Inter tinha 15 minutos para evitar a desclassificação. Aos 31min, Glaydson arriscou de fora da área ao lado do gol. O Inter foi para o tudo ou nada. Aos 32min, o centroavante Alecsandro entrou no lugar de Danilo Silva.

Aos 34min, Guiñazu cruzou para a área, Bruno salvou de soco, Taison pegou o rebote, encobriu o goleiro, mas Airton salvou na pequena área, quando a bola iria para o gol. Aos 38min, Nilmar ergueu a bola para a área e Glaydson cabeceou para defesa de Bruno. Aos 40min, D´Alessandro cobrou falta para a área, Alecsandro desviou, mas Bruno defendeu novamente. Aos 41min, Andrezinho entrou no lugar de Sandro. Andrezinho mudou a história da partida.

O Inter foi guerreiro, e aos 44min chegou ao gol da classificação. E que gol! Andrezinho cobrou falta no ângulo e garantiu a vitória: 2 a 1. Foi o nono gol de Andrezinho na temporada. O mais importante! O Beira-Rio virou uma loucura!

Aos 47min, contra-ataque em altíssima velocidade do Inter: Nilmar tocou para Andrezinho que na entrada da área chutou e Bruno salvou. Aos 49min, Paulo César de Oliveira apitou o final de jogo! Explosão de alegria no Beira-Rio! Todos correram em direção a Andrezinho, o herói da partida! Os jogadores correram em direção à torcida e fizeram a festa com os torcedores. D´Alessandro foi o primeiro a chegar e atirou a camisa para a galera.

"Essa é a volta por cima depois da minha passagem pela Coreia. Tenho que exaltar a diretoria, a torcida, o grupo e a comissão técnica, que sempre acreditaram em mim. É um dia especial. Foi o gol mais importante para mim", disse Andrezinho, emocionado.

"Gol de Andrezinho matou o jogo. É muito importante estar na semifinal da Copa do Brasil. Ele entrou e decidiu o jogo. Vamos seguir fazendo o nosso melhor", disse D´Alessandro. "Nossa equipe foi premiada com esse gol no finalizinho. Estamos de parabéns por este jogo maravilhoso", disse Sandro.

"Foi um jogo maravilhoso, de marcação, de pressão. Estou felicíssimo com a atuação do Inter. Deu poucos espaços ao Flamengo, que jogou muito, e conseguiu uma vitória sensacional. Tomar um gol naquele momento como tomamos foi terrível. E mesmo assim conseguimos chegar. Os jogos de Copa do Brasil serão assim. Esse tipo de jogo se joga assim", disse o vice-presidente de futebol, Fernando Carvalho.

"Tivemos desde início deste grande jogo muita qualidade e intensidade nas duas equipes. Qualquer uma das equipes podia ter passado. O segundo tempo estava sendo melhor para nós, mas o Flamengo fez o gol na única chance que teve. Daí o meu auxiliar Cléber Ferreira me deu o toque: coloca o Andrezinho para dar mais qualidade de passe no meio. E assim o fiz e fomos felizes", disse o técnico Tite, repartindo o mérito com seu auxiliar.

Internacional (2): Lauro; Danilo (Alecsandro), Índio, Álvaro e Kléber; Sandro (Andrezinho), Rosinei (Glaydson), Guiñazu e D´Alessandro; Taison e Nilmar. Técnico: Tite.

Flamengo (1): Bruno; Airton, Ronaldo Angelim e Williams; Léo Moura, Toró (Everton Silva), Ibson, Kléberson e Juan; Zé Roberto (Emerson, Welington) e Obina. Técnico: Cuca.

Gols:Taison (I), aos 42min do primeiro tempo, Emerson (F), aos 29min do segundo tempo, Andrezinho (I), aos 44min do segundo tempo.

Público: 47.738 (42.453 pagantes) / Renda: R$ 641.850,00

Cartões amarelos: Guiñazu, Sandro, Rosinei (I), Airton, Toró, Willians (F).

Arbitragem: Paulo César de Oliveira, auxiliado por Emerson de Carvalho e Vicente Romano (trio paulista).

Local: Beira-Rio, Porto Alegre.

Grêmio vence Palmeiras



Invicto no Olímpico, Grêmio faz 2 a 0 no Palmeiras
Tricolor joga bem e praticamente tira os paulistas da briga pelo título

Maxi marcou o segundo do Grêmio
Crédito: Cristiano Estrela
O Grêmio, se não briga por mais nada no Brasileirão, segue estragando o plano dos times que estão na ponta de cima da tabela. Imbatível no Olímpico, o Tricolor bateu o Palmeiras por 2 a 0 na noite desta quarta-feira e praticamente tirou os paulistas da briga pelo título do campeonato. A vitória levou o clube para a oitava posição, com 52 pontos.

Para uma equipe que almeja ser campeão brasileiro, o Palmeiras foi - para se dizer o mínimo - tímido na primeira etapa. Com exceção de um chute perigoso de Diego Souza, aos 11 minutos, o goleiro Marcelo Grohe não teve maiores preocupações com o ataque do comandados de Muricy Ramalho. Apesar da pouca torcida presente nas arquibancadas, o Grêmio se impôs durante a maior parte dos 45 minutos iniciais.

E boa parte da supremacia gremista se deveu a um jogador: Douglas Costa. O camisa 7, fazendo ótima partida - uma de suas melhores até agora com o manto tricolor -, foi uma preocupação constante à defesa palmeirense. Além dele, Maxi López recebia atenção especial, tanto que, em poucos minutos de jogo, já havia cavado um cartão amarelo para o zagueiro Maurício, por repetição de faltas.

Pressão no fim do primeiro tempo para abrir o placar

No entanto, embora dominasse, o Grêmio não chegava tão constantemente com perigo ao gol de Marcos. Pouco antes de algum arremate, a defesa afastava ou o ataque falhava. A situação permaneceu assim até o final do primeiro tempo, quando enfim as jogadas começaram a encaixar. Aos 42, Douglas Costa, invadiu a área pela ponta esquerda e obrigou o goleiro a fazer um milagre.

Até o fim da etapa inicial, o Grêmio continuou na frente. Quando o cronômetro marcava o minuto 46, veio o prêmio pela insistência. Douglas Costa tocou para Souza, ainda fora da área, pela esquerda. O meia levantou para Maxi López que, num certeiro toque, tirou a bola do zagueiro e escorou fraco no canto esquerdo. Marcos se espichou e conseguiu evitar o gol, mas deu rebote. E Rafael Marques estava logo a frente para encostar para o fundo das redes, abrindo o placar.

Em seguida, o árbitro Héber Roberto Lopes terminou o primeiro tempo e, na saída de campo, Obina e Maurício trocaram socos a caminho do vestiário, ainda dentro de campo. Na volta do intervalo, o juiz expulsou os dois jogadores, deixando o Palmeiras com apenas nove atletas em campo.

Mais organizado com menos atletas em campo, o Palmeiras conseguiu criar suas melhores chances. Num dos contra-ataques armados, aos 11, Diego Souza conseguiu finalizar de dentro da área e exigiu a melhor defesa de Marcelo Grohe em toda partida. Pouco depois, em falta pelo lado esquerdo de ataque, Figueroa levantou para Diego Souza cabecear. A bola passou entre a trave direita e o zagueiro Marcão. Fosse para qualquer um dos lados, seria gol ou uma grande oportunidade para os paulistas.

Gol, administração e volta de William Magrão

Antes que algum crime acontecesse no Olímpico, o Grêmio retomou as ações ofensivas. O time passou, então, a pressionar o Palmeiras. Até que deu resultado, afinal. Herrera, novamente com muita disposição, tocou para Maxi López. A bola estava mais para os zagueiros Armero e Marcão, mas, na raça, Maxi López surgiu pelo meio dos dois, encostou na bola, tirando-a de Marcos, e completou a jogada, ampliando o marcador: 2 a 0 Grêmio.

Logo a seguir, os torcedores gremistas comemoram outro lance. Assim que Thiego caiu no gramado devido a cãibras, Marcelo Rospide chamou William Magrão para entrar. O volante pôs fim então a um hiato de nove meses parado devido ao rompimento dos ligamentos de seu joelho.

Daí em diante, os comandados de Marcelo Rospide trataram de administrar a partida, levando algum perigo ao gol de Marcos, porém sem tanto perigo. Quando Héber apitou o final do jogo, os pouco mais de 14 mil torcedores no estádio aplaudiram a 14ª vitória do Grêmio neste Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o Tricolor, que enfrenta o Barueri na próxima rodada, foi a 52 pontos, e assumiu provisoriamente a oitava colocação - para mantê-la, terá que secar o Goiás, no final de semana. Já o Palmeiras, emperra nos 59 pontos e pode perder a posição, caso haja um vencedor do confronto entre Atlético-MG e Inter, que jogam no domingo, em Belo Horizonte.


GRÊMIO: Marcelo Grohe; Thiego (William Magrão), Rafael Marques, Réver e Lúcio (Bruno Collaço); Adilson, Fábio Rochemback, Souza, Douglas e Maylson (Herrera); Maxi López. Técnico: Marcelo Rospide.

PALMEIRAS: Marcos; Figueroa, Danilo, Maurício e Armero; Pierre, Sandro Silva, Deyvid Sacconi e Diego Souza; Obina e Ortigoza (Marcão). Técnico: Muricy Ramalho.

Ouça o áudio: Gol de Rafael Marques (Rádio Guaíba)
Ouça o áudio: Gol de Maxi López (Rádio Guaíba)



Fonte: Correio do Povo

Pai de Jovem que Acusou Michael Jackson comete Suicídio


18/11/2009 21:53 - Atualizado em 18/11/2009 22:06
Pai de jovem que acusou Michael Jackson comete suicídio
Evan Chandler, 65 anos, foi encontrado morto em sua residência em Nova Jersey


Crédito: NOVA YORK, EUA (AFP)
O pai de um adolescente que acusou Michael Jackson de abuso em 1993, quando tinha 13 anos, suicidou-se em casa, em Nova Jersey (nordeste dos EUA), anunciou a polícia nesta quarta-feira. Evan Chandler, 65 anos, foi encontrado morto em sua residência, com uma pistola de calibre 38 na mão, destacou à AFP o porta-voz policial Stan Eason. Apesar de a vítima não ter deixado bilhete, a morte é considerada suicídio pela polícia.

Em 1993, Jordan Chandler, hoje com 29 anos, acusou Michael Jackson de ter abusado dele em seu rancho Neverland, na Califórnia (oeste dos EUA). A queixa foi arquivada depois de a família e o cantor terem chegado a um acordo de mais de 20 milhões de dólares.

Dez anos depois, outra queixa contra Jackson desembocou num processo por abuso sexual que durou vários meses e terminou com a absolvição do cantor. Michael Jackson morreu no dia 25 de junho em Los Angeles por causa de uma overdose de remédios. Ele tinha 50 anos.


Fonte: AFP

Barraco do Palmeiras



GRÊMIO
Um direto no títuloA panela de pressão do Palmeiras explodiu ontem, no Olímpico, para alegria dos concorrentes ao título e à Libertadores. O zagueiro Maurício e o atacante Obina trocaram agressões em campo, foram expulsos no 2 a 0 para o Grêmio e terão os contratos rescindidos hoje.

Recém havia acabado o primeiro tempo quando aconteceu a briga a caminho do vestiário, devido ao primeiro gol do Grêmio, marcado momentos antes por Rafael Marques. Obina e Maurício falharam ao permitir a jogada de Máxi Lopez, e houve a troca de sopapos que foi determinante para o lamento do goleiro Marcos.

– Título, pode esquecer – afirmou, sem lembrar que o time pode ceder o terceiro lugar para Inter ou Atlético-MG ainda nesta rodada.

O quebra-quebra pegou a todos de surpresa. O time inteiro do Palmeiras caminhava em direção ao vestiário. Perto da lateral, Maurício se dirigiu a Obina, sem camisa, tirando satisfações. Obina veio de encontro ao zagueiro, e os dois trombaram, com Obina empurrando Maurício pelo peito. O volante Pierre apartou, afastando o atacante.

Passaram-se alguns segundos, com Obina indo em direção ao túnel, seguido por Maurício, Diego Souza e outros jogadores. Ainda reclamando, o zagueiro se aproximou do atacante, xingou-o e acertou-o de raspão no rosto, com a mão esquerda. Foi demais para o baiano Obina, 26 anos: o parrudo centroavante de 1m83cm desferiu um direto de esquerda no queixo do companheiro.

A turma do deixa-disso, claro, entrou em ação. Danilo segurou Obina pelo pescoço, enquanto Diego conteve Maurício. Na arquibancada, a torcida do Grêmio cantarolava:

– Obina, Obina!

A confusão continuou longe das câmeras, porque Maurício esperou Obina para o revide. Houve nova troca de agressões no túnel.

O técnico Muricy Ramalho fez o que pôde para minimizar o prejuízo no segundo tempo. Tentou substituir Obina por Vagner Love, que até entrou em campo. Mas Héber Roberto Lopes impediu a substituição.

– Ele (árbitro) vai decidir lá – resignou-se Muricy, na volta ao banco.

Héber puxou o vermelho para Maurício, que retornou ao vestiário onde encontraria adivinhe quem? Sim, Obina. Tanto que o goleiro Marcos, por precaução, pediu que a segurança do Palmeiras ocupasse o local.

Este foi o primeiro relato de confusão entre Obina e Maurício. O atacante é descrito como um jogador de grupo, enquanto o zagueiro, 21 anos, foi integrado ao grupo principal este ano e nunca havia criado caso. Agora, eles ficam na expectativa de uma punição pesada pelo STJD.

– Eles sabem que erraram. Mas, daqui a pouco, estão amigos de novo – contemporizou Muricy.

O zagueiro Danilo desabafou:

– O atacante deles não pode fazer o que quer na nossa área. O Obina foi só cobrar. Esperávamos que jogadores com mais bagagem assumissem a responsabilidade. Tem jogadores que não estão nem aí.


ZERO HORA.com

Confira os melhores momentos da partida entre Grêmio e Palmeiras

Fonte: Zero Hora