Rádio WNews

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Gripe Suina

El Mundo
Mentiras y verdades de la gripe porcina
El montaje mediático terrorista
Corporaciones agropecuarias, bancos, gobiernos, organismos internacionales y medios de comunicación. Todos en el negocio de la epidemia.

La paranoia de la girpe porcina está en todo el mundo.
Fotos: GETTY IMAGES
Por Víctor Ego Ducrot | Desde Buenos Aires
03|05|2009

Agrandar
Reducir
Restablecer
Con la irrupción de la epidemia de fiebre porcina en México, la sociedad global, pero en forma especial sus sectores empobrecidos y dependientes, pasó a ser víctima de un múltiple ataque. Contra ella se dirigen no sólo la enfermedad y sus eventuales consecuencias devastadoras, sino también los intereses de los gigantes transnacionales de la explotación agropecuaria, la banca y los laboratorios, y sus socios funcionales, los consorcios mediáticos corporativizados. Por supuesto, en esa red también juegan un papel destacado muchos gobiernos y organismos internacionales como la Organización Mundial de la Salud (OMS).

El jueves 30 de abril, un canal de la TV por cable de Argentina (C5N) difundió datos que volverían a mencionarse en las horas siguientes: la inmensa mayoría de los casos que a nivel global fueron identificados como afecciones de fiebre porcina no estarían confirmados como tales y el número de victimas fatales por ese mal –también a escala mundial- no habría superado los 12.

Los periodistas del programa fundaban sus afirmaciones en diversas fuentes internacionales y cruzaron miradas de asombro. Un funcionario del área salud de la provincia de Buenos Aires -la más poblada de este país- no confirmaba ni desmentía los datos. Luego esos mismos periodistas comentaron (y se preguntaron) entonces todo lo que se viene afirmando desde los medios de comunicación podría ser inexacto y por consiguiente carecer de credibilidad, cómo puede ser que suceda algo así.

Interesante reacción si no fuese que la respuesta y la responsabilidad justamente corresponden a quienes se asombran y lanzan la pregunta.

Es evidente que la conducta de ese canal argentino -y lo mismo podría decirse de todas la cadenas concentradas de la TV global- están abocadas, desde hace días, a una actitud de machaque constante, construyendo así a una suerte de escenario más destinado a la creación de terror que al establecimiento de un programa de comunicación orientado a la movilización social preventiva.

A principios de la semana pasada, altos funcionarios de la OMS, con impronta gestual de tragedia, desde sus poltronas anunciaban que la pandemia entraba en altera fase cinco de las seis previstas. Pese a ello, horas después, la Unión Europea (UE) informaba que no suspendía sus vuelos hacia México, medida que había sido adoptada como mayores o menores niveles de intensidad en varios países.

En forma casi simultánea, los medios de comunicación informaron que la gripe porcina no se llama gripe porcina sino influenza tipo A, una decisión que, más allá de las precisiones del lenguaje técnico científico, encierra interesantes connotaciones semánticas: se extirpan los sentidos que apuntan a la producción pecuaria de cerdos y quizá también aquellos que comenzaron a circular bajo la denominación gripe de América del Norte.

Después, sobre el último fin de semana, la OMS relativizó sus dichos anteriores. Reconoció que habían muerto 17 personas y que miles de casos aun no estaban confirmados como tales.

Interesante resulta subrayar lo que afirmó el 2 de mayo la revista electrónica Rebelion: la OMS declaró la pandemia en nivel cinco de un total de seis, pero sin embargo no se declara la verdadera pandemia que amenaza a los pobres del planeta:

Cada minuto muere un niño por SIDA

Cada 5 minutos muere un niño por falta de atención médica

Cada 8 segundos muere un niño por agua contaminada

Cada 3 segundos muere un niño por hambre y desnutrición

Cada segundo muere un bebé recién nacido por falta de atención médica; y de los sobrevivientes: dos millones de niños mueren por problemas neonatales, 1,6 millones por diarreas y 1,4 millones por neumonías, lo que significa que cada año 11 millones de jóvenes mueren antes de la pubertad

Cada minuto muere una mujer embarazada por falta de atención médica; y cada año 530 mil mujeres embarazadas mueren por desnutrición.

Cada año hay 133 millones de nuevos nacimientos en el mundo, de los cuales 14 millones son nacimientos prematuros, 4 millones con malformaciones congénitas y 13 millones mueren por falta de incubadora.

100 millones de niños son explotados en la prostitución infantil

El 32 por ciento de las niñas menores de 15 años son embarazadas, de cuyos nacimientos el 55 por ciento surgen los futuros delincuentes de la sociedad

177 millones de niños sufren retraso en su crecimiento por desnutrición y 2 de cada 7 niños sufren retardo mental por desnutrición

El 80 por ciento de toda la sangre para las transfusiones que se comercializan en el planeta son vendidas por los pobres a 10 centavos de dólar el litro

Anualmente se realizan 200 mil trasplantes de riñón, 100 mil de corazón, 1 millón de corneas, 300 mil médulas, 5 mil hígados, 2 millones de piel y 100 mil de pulmones; cuyos órganos en un 90 % provienes de los países pobres, donde el imperio económico instala hospitales "gratuitos" para extraerlos de los pobres los órganos que demandan las clínicas privadas del planeta

El 70 por ciento de los órganos trasplantados a los niños ricos del mundo les fueron extraídos a los niños pobres que son secuestrados en Brasil, Nigeria y México

Es lícito entonces que los no expertos, es decir más del 99,9 por ciento de la población mundial, la misma que estaría expuesta al contagio de fiebre porcina, se pregunte…


¿Qué está sucediendo?
Algunos colegas, como es el caso Mike Davis, pueden ayudarnos a encontrar respuestas. En el artículo La gripe porcina y el monstruoso poder de la gran industria pecuaria, publicado la semana pasada en SinPermiso (www.sinpermiso.info) dice que la gripe porcina mexicana, una quimera genética probablemente concebida en el cieno fecal de una gorrinera industrial, amenaza súbitamente con una fiebre al mundo entero. Los brotes en la América del Norte revelan una infección que está viajando ya a mayor velocidad de la que viajó con la última cepa pandémica oficial, la gripe de Hong Kong en 1968.

Davis es autor del libro El monstruo llama a nuestra puerta (Ediciones El Viejo Topo, Barcelona, 2006). En ese trabajo alertó sobre el peligro de una gripe aviar pandémica de alcance mundial. Ahora, en el artículo que estamos citando explica cómo la gran industria pecuaria globalizada sentó las bases para el brote de gripe porcina en México.

Desde las primeras muertes por H5N1 en 1997, en Hong Kong, la OMS, con el apoyo de la mayoría de administraciones nacionales de sanidad, ha promovido una estrategia centrada en la identificación y el aislamiento de una cepa pandémica en su radio local de brote, seguidos de una masiva administración de antivirales y -si disponibles- vacunas a la población.

Una legión de escépticos ha criticado ese enfoque de contrainsurgencia viral (…). Pero el mito de una intervención audaz, preventiva (y barata) contra la gripe aviar ha resultado valiosísimo para la causa de los países ricos que, como los Estados Unidos y el Reino Unido, prefieren invertir en sus propias líneas Maginot biológicas, antes que incrementar drásticamente la ayuda a los frentes epidémicos avanzados de ultramar. Tampoco ha tenido precio este mito para las grandes transnacionales farmacéuticas, enfrentadas en una guerra sin cuartel con las exigencias de los países en vía de desarrollo empeñados en exigir la producción pública de antivíricos genéricos clave como el Tamiflu patentado por Roche (…).

Tal vez no sea sorprendente que México carezca tanto de capacidad como de voluntad política para gestionar enfermedades avícolas y ganaderas, pero ocurre que la situación apenas es mejor al norte de la frontera (Estados Unidos) en donde la vigilancia se deshace en un desdichado mosaico de jurisdicciones estatales y las grandes empresas pecuarias se enfrentan a las regulaciones sanitarias con el mismo desprecio con que suelen tratar a los trabajadores y a los animales. (…).

Lo paradójico de esta gripe porcina es que, aun si totalmente inesperada, había sido ya pronosticada con gran precisión. Hace seis años, la revista Science consagró un artículo importante a poner en evidencia que, "tras años de estabilidad, el virus de la gripe porcina de la América del Norte ha dado un salto evolutivo vertiginoso"(…).

Los investigadores entrevistados por Science (…) urgían a la creación de un sistema oficial de vigilancia para la gripe porcina: admonición, huelga decirlo, a la que prestó oídos sordos un Washington dispuesto entonces a tirar miles de millones de dólares por el sumidero de las fantasías bioterroristas.

¿Qué provocó tal aceleración en la evolución de la gripe porcina? Hace mucho que los virólogos están convencidos de que el sistema de agricultura intensiva de la China meridional es el principal vector de la mutación gripal: tanto de la "deriva" estacional como del episódico "intercambio" genómico. Pero la industrialización granempresarial de la producción pecuaria ha roto el monopolio natural de China en la evolución de la gripe. El sector pecuario se ha visto transformado en estas últimas décadas en algo que se parece más a la industria petroquímica que a la feliz granja familiar que pintan los libros de texto en la escuela (…). En 1965, por ejemplo, había en los EEUU 53 millones de cerdos repartidos entre más de un millón de granjas; hoy, 65 millones de cerdos se concentran en 65.000 instalaciones. Eso ha significado pasar de las anticuadas pocilgas a ciclópeos infiernos fecales en los que, entre estiércol y bajo un calor sofocante, prestos a intercambiar agentes patógenos a la velocidad del rayo, se hacinan decenas de millares de animales con más que debilitados sistemas inmunitarios (…).

El año pasado, una comisión convocada por el Pew Research Center publicó un informe sobre la "producción animal en granjas industriales", en donde se destacaba el agudo peligro de que "la continua circulación de virus (…) característica de enormes piaras, rebaños o hatos incremente las oportunidades de aparición de nuevos virus por episodios de mutación o de recombinación que podrían generar virus más eficientes en la transmisión entre humanos". La comisión alertó también de que el promiscuo uso de antibióticos en las factorías porcinas –más barato que en ambientes humanos- estaba propiciando el auge de infecciones estafílocóquicas resistentes, mientras que los vertidos residuales generaban brotes de escherichia coli y de pfiesteria (el protozoo que mató a mil millones de peces en los estuarios de Carolina y contagió a docenas de pescadores…).


Es el dinero, siempre el dinero
Por su parte, y también la semana pasada, el diario La Jornada, de México, sostuvo que, en ese país, las grandes empresas avícolas y porcícolas han proliferado ampliamente en las aguas (sucias) del Tratado de Libre Comercio de América del Norte. Un ejemplo es Granjas Carroll, en Veracruz, propiedad de Smithfield Foods, la mayor empresa de cría de cerdos y procesamiento de productos porcinos en el mundo, con filiales en Norteamérica, Europa y China. En su sede de Perote comenzó hace algunas semanas una virulenta epidemia de enfermedades respiratorias que afectó a 60 por ciento de la población de La Gloria, hecho informado por La Jornada en varias oportunidades, a partir de las denuncias de los habitantes del lugar. Desde hace años llevan una dura lucha contra la contaminación de la empresa y han sufrido incluso represión de las autoridades por sus denuncias. Granjas Carroll declaró que no está relacionada ni es el origen de la actual epidemia, alegando que la población tenía una gripe "común". Por las dudas, no hicieron análisis para saber exactamente de qué virus se trataba.

El artículo, escrito por Silvia Ribeiro, añade: ya en la epidemia, son también trasnacionales las que más lucran: las empresas biotecnológicas y farmacéuticas que monopolizan las vacunas y los antivirales. El gobierno anunció que tenía un millón de dosis de antígenos para atacar la nueva cepa de influenza porcina, pero nunca informó a qué costo.

Los únicos antivirales que aún tienen acción contra el nuevo virus están patentados en la mayor parte del mundo y son propiedad de dos grandes empresas farmacéuticas: zanamivir, con nombre comercial Relenza, comercializado por GlaxoSmithKline, y oseltamivir, cuya marca comercial es Tamiflu, patentado por Gilead Sciences, licenciado en forma exclusiva a Roche. Glaxo y Roche son la segunda y cuarta empresas farmacéuticas a escala mundial y, al igual que con el resto de sus fármacos, las epidemias son sus mejores oportunidades de negocio.

Con la gripe aviar, todas ellas obtuvieron cientos o miles de millones de dólares de ganancias. Con el anuncio de la nueva epidemia en México, las acciones de Gilead subieron 3 por ciento, las de Roche 4 y las de Glaxo 6 por ciento, y esto es sólo el comienzo.

Otra empresa que persigue este jugoso negocio es Baxter, que solicitó muestras del nuevo virus y anunció que podría tener la vacuna en 13 semanas. Baxter, otra farmacéutica global (en el lugar 22), tuvo un "accidente" en su fábrica en Austria en febrero de este año. Le envió un producto contra la gripe a Alemania, Eslovenia y la República Checa, contaminado con virus de gripe aviar. Según la empresa, "fueron errores humanos y problemas en el proceso", del cual no puede dar detalles, "porque tendría que revelar procesos patentados".

Alfredo Jalife-Rahme, también de La Jornada, escribió: llama poderosamente la atención la omnisciencia del Pentágono, el FMI y el Foro Económico Mundial de Davos sobre el esparcimiento de los virus. Hace 13 años se publicó un estudio Air Force 2025 en cuyo capítulo cinco se presenta un cronograma con una "historia plausible" donde en 2009 la influenza aniquilaría a 30 millones de personas (INFOWARS, 5/3/09).

El resucitado FMI, nuevo redentor del mundo (según la cumbre londinense del G-20), hace tres años estimulaba a la comunidad empresarial neoliberal a "desarrollar planes de emergencia" para lidiar con la pandemia de, en ese momento, fiebre aviar global (VOA, 13/3/06). Al parecer, la plutocracia neoliberal mexicana y sus ineptas autoridades sanitarias (Breitbart.com, 27/4/09), tan supeditadas a los lineamientos del FMI, no leyeron su aviso visionario.

La "misteriosa" (The Economist dixit) influenza mixta de triple cepa (porcina, aviar y humana), genéticamente originaria de EU y que extrañamente se brincó las trancas interespecies, obliga a plantear la hipótesis adicional de un "accidente" de laboratorio híbrido: militar y privado.

En forma no menos omnisciente, el Comité para Mejorar la Situación del Mundo”, del Foro Económico Mundial de Davos, en sus reportes anuales sobre los "riesgos globales" (específicamente el de 2007, patrocinado por Citigroup, la aseguradora Swiss RE, la financiera Marsh & McLennan Companies y el Centro de Riesgo de la Escuela Wharton) correlaciona la simultaneidad de la crisis financiera global y la crónica de una pandemia anunciada con la “reacción violenta (backlash) contra la globalización”, lo que "provocaría un incremento del militarismo y las tendencias autoritarias que reconfigurarían la geopolítica global". ¿De dónde nace tanto interés extra curricular de los banqueros y financieros neoliberales, es decir, la fauna más misántropa del planeta, por los "riesgos globales"?


¿Y los señores de la guerra?
En tanto, el 29 de abril pasado un reporte de Telesur sostuvo que una investigación periodística hecha por la organización Pacífica, con sede en Estados Unidos, asegura que dentro de la difícil situación que vive el mundo por causa de la gripe porcina, existen manos que pudieran haberla usado como arma biológica o como negocio para beneficio de políticos de ese país.

Un informe del periodista de origen mexicano Fernando Velázquez, productor del programa radial Informe Pacífica, hace mención de un artículo de la investigadora norteamericana Lori Price, titulado "La gripe acaba con los memos de la tortura", donde asegura que la influenza porcina fue fabricada probablemente en laboratorios militares de Estados Unidos, y ha acabado con la noticia de los memos sobre la tortura ordenada por la Agencia Central de Inteligencia (CIA) contra prisioneros en Guantánamo, Abu Ghraib, y cárceles secretas.

Toma como referencia al periodista estadounidense Ralph Schoenman, productor del programa radial "Taking Aim" de Nueva York. Schoenman afirma que los laboratorios militarizados a lo largo de Estados Unidos han estado perfeccionando armas biológicas con los virus porcino, aviar, el asiático y otras enfermedades para las que no hay respuesta inmunológica.

Velázquez recuerda el libro "Matando la esperanza", donde el norteamericano William Bloom describe que en 1971 la central de inteligencia proveyó a exiliados cubanos con un virus que causa fiebre porcina africana. Seis semanas después, un brote de la enfermedad obligó al gobierno de ese país antillano a sacrificar a medio millón de puercos. Diez años después la población fue atacada por una epidemia de dengue transmitida por mosquitos, que se extendió por la isla enfermando a más de 300 mil personas y matando a 158 (de los que más de un centenar eran niños menores de 15 años).

Reporta también que documentos desclasificados en 1956 y 1958 revelan que el ejército estadounidense crió grandes cantidades de mosquitos en La Florida y en Georgia para ver si los insectos podían ser usados como armas diseminando enfermedades, y que en 1969 más de 500 estudiantes de 36 países se graduaron en cursos sobre guerra epidemiológica en la escuela de química del ejército en Fort McClellan en Alabama.

Al parecer los dividendos pararían directamente a manos de los laboratorios Gilead Sciences Inc. dirigidos por Donald Rumsfeld, ex secretario de Defensa de EE.UU., que tienen los derechos sobre el fármaco "Tamiflu", que se está vendiendo como remedio para la gripe y que ya hizo una recaudación billonaria con la gripe aviar.


Algo más sobre los medios. Dengue y soja
La irresponsabilidad de las corporaciones mediáticas en situaciones de alertas sanitarios no tiene límites. En medio del estallido de la gripe porcina, un periodista del ya mencionado canal de cable C5N preguntó a un médico, con toda soltura: ¿acaso es peligroso comer jamón?

El entrevistado no pudo ocultar su azoramiento y demoró unos cuantos segundos en contestar que no. Cuando estaba a punto de pedir por favor que no se digan disparates, el ilustre comunicador, por supuesto, cambió de tema.

En la últimas semanas, los grandes medios habían dedicado su agenda en forma casi exclusiva al brote de dengue que se registra en este país - en medio de la confusión informativa que impera no se sabe con certeza el número exacto de personas afectadas; la cifra superaría los 20.000-, desplegando el mismo criterio editorial que el utilizado para referirse a la epidemia de gripe porcina. Sólo le daban descanso a la enfermedad del mosquito para poner en caja de resonancia cuanto hecho de crónica roja tuviese lugar y para criticar al gobierno nacional, por lo que hace o no hace, por lo que dice o no dice.

Una de las técnicas desinformativas más utilizadas por los medios corporativos argentinos es darle relevancia a voces sin representación y hasta absolutamente desconocidas hasta ese momento. Un ejemplo fue la repentina aparición de una ONG sin antecedentes, Médicos Sin Banderas. La preside un economista y trataron de instalarla primero en ocasión de la irrupción local del dengue y luego con motivo del caso gripe porcina.

En su edición del pasado fin de semana, el semanario Veintitrés dio cuenta de esa organización y de su principal portavoz, Ariel Umpierrez: tuvo un paso por Médicos en Catástrofe pero allí lo denunciaron por manejos irregulares de 250 mil dólares donados por la ONU; luego apareció vinculado al empresario y político de derecha Ramón Puerta y a los propios ex presidentes Carlos Menem y Eduardo Duhalde. En la actualidad figura entre los convocados por la opositora Coalición Cívica, que encabeza Elisa Carrió, famosa por sus apreciaciones apocalípticas, por reconocer que se comunica con la Virgen y por ser una ferviente crítica del actual gobierno, con posiciones que van desde la más ramplona derecha hasta una verdadera fiebre de delirios acusatorios.

Por supuesto, ninguno de los oligopolios de la palabra y la imagen le prestaron atención al tema sí resaltado el 26 de abril pasado por el diario argentino Página 12: Un trabajo reciente del ingeniero agrónomo Alberto Lapolla vincula la epidemia de dengue con la sojización. Desde hace años se advierte una invasión de mosquitos de las especies Aedes y Culex en lugares del país y épocas del año inhabituales, como la pampa húmeda mucho más allá del verano.

En 2008, la invasión se extendió hasta mayo, pese al descenso de la temperatura. Ya en 2007 y 2008 hubo casos de fiebre amarilla en Bolivia, Paraguay, Brasil y el Norte argentino, que entonces se adjudicaron a viajeros, porque es confortable pensar que el mal siempre viene de afuera. Con la epidemia de dengue de este año se hizo evidente que la invasión incluía al temible Aedes aegypti, vector de la fiebre amarilla y el dengue.

El estudio de Lapolla señala la equivalencia del mapa de la invasión mosquitera con el de la República Unida de la Soja, según la definición de la multinacional Syngenta: Bolivia, Paraguay, Argentina, Brasil y Uruguay, donde el poroto transgénico de Monsanto se fumiga con el herbicida glifosato, y sus compañeros de ruta, 2-4-D, Atrazina, Endosulfán, Paraquat, Diquat y Clorpirifós.

Todos los venenos mencionados “matan peces y anfibios, sapos, ranas, escuerzos, etc., es decir los predadores naturales de los mosquitos, de los que se alimentan tanto en su estado larval como de adultos”. Esto se comprueba en “la casi desaparición de la población de anfibios en la pradera pampeana y en sus cursos de agua principales, ríos, arroyos, lagunas y bosques en galería, así como el elevado número de peces que aparecen muertos o con deformaciones físicas y graves afectaciones en su capacidad reproductiva”, como han informado reiterados estudios e investigaciones.

A esto debe sumarse la deforestación en las áreas boscosas y de monte del Noreste y el Noroeste, que destruyó su equilibrio ambiental, “liquidando el refugio y hábitat natural de otros predadores de los mosquitos, lo cual permite el aumento descontrolado de su población”.

Hace dos semanas visitó la Argentina la periodista francesa Marie-Monique Robin para la presentación de su libro El mundo según Monsanto, recién traducido al castellano. La ministra de Salud Graciela Ocaña la invitó a conversar, pero no pudo asistir a la cita porque fue llamada desde la presidencia por la irrupción de la epidemia de dengue. En su lugar, la audiencia se realizó con el secretario de Determinantes de la Salud y Relaciones Sanitarias, Licenciado Alberto Hernández. “Fue muy simpático y amable, pero no tenía la menor idea del tema. Al punto que me preguntó por qué había tantas fumigaciones”, fue el azorado comentario de la investigadora.

Interrogantes, dudas, sospechas y certezas. ¿Las victimas? Siempre son (somos) los mismos.


--
www.panuelosenrebeldia.org

Blog do Jornal Negritude

Powered by

Queridos membros de comunidade do Jornal Negritude de 11 de Maio completaremos 09 anos do Jornsl Negritude projeto da informação de boa qualidade. Acessem nossos blogs
http://jornalnegritude.blogspot.com
(Clique nas propagandas do Blog)
Acessem também o nosso outro blog
http://jornalnegritude.blog.terra.com.br
Um abraço do Paulo Furtado

Esta mensagem foi enviada por Paulo Furtado. Para ver o perfil de Paulo, clique aqui.

* * *

Polícia Recupera Caminhão Roubado

Polícia Civil recupera caminhão e carga roubados na Capital
08/05/2009 09:50


Agentes da 12ª e da 22ª delegacias de Polícia recuperaram, no final da noite dessa quinta-feira (07.05), carga roubada na manhã do mesmo dia, de um caminhão da Braspess. A operação, que contou com a participação de doze policiais, foi coordenada pelos delegados André Mocciaro e Antonio Guimarães, respectivamente, titulares da 12ª e da 22ª DP. Além da recuperação da carga roubada, durante a operação, dois homens foram presos.

O caminhão da Braspress, carregado das mais diversas mercadorias — roupas, eletrodomésticos, livros, equipamentos de dentistas, entre outros — foi roubado na zona norte de Porto Alegre. E, ainda na manhã dessa quinta-feira, o caminhão foi localizado em Gravataí. Também em Gravataí foi encontrada a carga roubada por volta da meia-noite do mesmo dia.

O veículo utilizado no roubo foi apreendido, bem como outro veículo utilizado para transportar a mercadoria. Ambos os presos foram autuados em flagrante por receptação e serão encaminhados ao Presídio Central.

Fonte: Ascom/ PC

Piratas

Estão-nos mentindo sobre os piratas
5/1/2009, Johann Hari: The Independent, UK


Quem imaginaria que em 2009, os governos do mundo declarariam uma nova Guerra aos Piratas? No instante em que você lê esse artigo, a Marinha Real Inglesa – e navios de mais 12 nações, dos EUA à China – navega rumo aos mares da Somália, para capturar homens que ainda vemos como vilãos de pantomima, com papagaio no ombro. Mais algumas horas e estarão bombardeando navios e, em seguida, perseguirão os piratas em terra, na terra de um dos países mais miseráveis do planeta. Por trás dessa estranha história de fantasia, há um escândalo muito real e jamais contado. Os miseráveis que os governos 'ocidentais' estão rotulando como "uma das maiores ameaças de nosso tempo" têm uma história extraordinária a contar – e, se não têm toda a razão, têm pelo menos muita razão.
Os piratas jamais foram exatamente o que pensamos que fossem. Na "era de ouro dos piratas" – de 1650 a 1730 – o governo britânico criou, como recurso de propaganda, a imagem do pirata selvagem, sem propósito, o Barba Azul que ainda sobrevive. Muita gente sempre soube disso e muitos sempre suspeitaram da farsa: afinal, os piratas foram muitas vezes salvos das galés, nos braços de multidões que os defendiam e apoiavam. Por quê? O que os pobres sabiam, que nunca soubemos? O que viam, que nós não vemos? Em seu livro Villains Of All Nations, o historiador Marcus Rediker começa a revelar segredos muito interessantes.
Se você fosse mercador ou marinheiro empregado nos navios mercantes naqueles dias se vivesse nas docas do East End de Londres, se fosse jovem e vivesse faminto–, você fatalmente acabaria embarcado num inferno flutuante, de grandes velas. Teria de trabalhar sem descanso, sempre faminto e sem dormir. E, se se rebelasse, lá estavam o todo-poderoso comandante e seu chicote [ing. the Cat O' Nine Tails, lit. "o Gato de nove rabos"]. Se você insistisse, era a prancha e os tubarões. E ao final de meses ou anos dessa vida, seu salário quase sempre lhe era roubado.
Os piratas foram os primeiros que se rebelaram contra esse mundo. Amotinavam-se nos navios e acabaram por criar um modo diferente de trabalhar nos mares do mundo. Com os motins, conseguiam apropriar-se dos navios; depois, os piratas elegiam seus capitães e comandantes, e todas as decisões eram tomadas coletivamente; e aboliram a tortura. Os butins eram partilhados entre todos, solução que, nas palavras de Rediker, foi "um dos planos mais igualitários para distribuição de recursos que havia em todo o mundo, no século 18 ".
Acolhiam a bordo, como iguais, muitos escravos africanos foragidos. Os piratas mostraram "muito claramente– e muito subversivamente– que os navios não precisavam ser comandados com opressão e brutalidade, como fazia a Marinha Real Inglesa." Por isso eram vistos como heróis românticos, embora sempre fossem ladrões improdutivos.
As palavras de um pirata cuja voz perde-se no tempo, um jovem inglês chamado William Scott, volta a ecoar hoje, nessa pirataria new age que está em todas as televisões e jornais do planeta. Pouco antes de ser enforcado em Charleston, Carolina do Sul, Scott disse: "O que fiz, fiz para não morrer. Não encontrei outra saída, além da pirataria, para sobreviver".
O governo da Somália entrou em colapso em 1991. Nove milhões de somalianos passam fome desde então. E todos e tudo o que há de pior no mundo ocidental rapidamente viu, nessa desgraça, a oportunidade para assaltar o país e roubar de lá o que houvesse. Ao mesmo tempo, viram nos mares da Somália o local ideal onde jogar todo o lixo nuclear do planeta.
Exatamente isso: lixo atômico. Nem bem o governo desfez-se (e os ricos partiram), começaram a aparecer misteriosos navios europeus no litoral da Somália, que jogavam ao mar contêineres e barris enormes. A população litorânea começou a adoecer. No começo, erupções de pele, náuseas e bebês malformados. Então, com o tsunami de 2005, centenas de barris enferrujados e com vazamentos apareceram em diferentes pontos do litoral. Muita gente apresentou sintomas de contaminação por radiação e houve 300 mortes.
Quem conta é Ahmedou Ould-Abdallah, enviado da ONU à Somália: "Alguém está jogando lixo atômico no litoral da Somália. E chumbo e metais pesados, cádmio, mercúrio, encontram-se praticamente todos." Parte do que se pode rastrear leva diretamente a hospitais e indústrias européias que, ao que tudo indica, entrega os resíduos tóxicos à Máfia, que se encarrega de "descarregá-los" e cobra barato. Quando perguntei a Ould-Abdallah o que os governos europeus estariam fazendo para combater esse 'negócio', ele suspirou: "Nada. Não há nem descontaminação, nem compensação, nem prevenção."
Ao mesmo tempo, outros navios europeus vivem de pilhar os mares da Somália, atacando uma de suas principais riquezas: pescado. A Europa já destruiu seus estoques naturais de pescado pela superexploração – e, agora, está superexplorando os mares da Somália. A cada ano, saem de lá mais de 300 milhões de atum, camarão e lagosta; são roubados anualmente, por pesqueiros ilegais. Os pescadores locais tradicionais passam fome.
Mohammed Hussein, pescador que vive em Marka, cidade a 100 quilômetros ao sul de Mogadishu, declarou à Agência Reuters: "Se nada for feito, acabarão com todo o pescado de todo o litoral da Somália."
Esse é o contexto do qual nasceram os "piratas" somalianos. São pescadores somalianos, que capturam barcos, como tentativa de assustar e dissuadir os grandes pesqueiros; ou, pelo menos, como meio de extrair deles alguma espécie de compensação.
Os somalianos chamam-se "Guarda Costeira Voluntária da Somália". A maioria dos somalianos os conhecem sob essa designação. [Matéria importante sobre isso, em http://wardheernews .com/Articles_ 09/April/ 13_armada_ not_solution_ muuse.html : "The Armada is not a solution".] Pesquisa divulgada pelo site somaliano independente WardheerNews informa que 70% dos somalianos "aprovam firmemente a pirataria como forma de defesa nacional".
Claro que nada justifica a prática de fazer reféns. Claro, também, que há gângsteres misturados nessa luta – por exemplo, os que assaltaram os carregamentos de comida do World Food Programme. Mas em entrevista por telefone, um dos líderes dos piratas, Sugule Ali disse: "Não somos bandidos do mar. Bandidos do mar são os pesqueiros clandestinos que saqueiam nosso peixe." William Scott entenderia perfeitamente.
Por que os europeus supõem que os somalianos deveriam deixar-se matar de fome passivamente pelas praias, afogados no lixo tóxico europeu, e assistir passivamente os pesqueiros europeus (dentre outros) que pescam o peixe que, depois, os europeus comem elegantemente nos restaurantes de Londres, Paris ou Roma? A Europa nada fez, por muito tempo. Mas quando alguns pescadores reagiram e intrometeram- se no caminho pelo qual passa 20% do petróleo do mundo... imediatamente a Europa despachou para lá os seus navios de guerra.
A história da guerra contra a pirataria em 2009 está muito mais claramente narrada por outro pirata, que viveu e morreu no século 4º AC. Foi preso e levado à presença de Alexandre, o Grande, que lhe perguntou "o que pretendia, fazendo-se de senhor dos mares." O pirata riu e respondeu: "O mesmo que você, fazendo-se de senhor das terras; mas, porque meu navio é pequeno, sou chamado de ladrão; e você, que comanda uma grande frota, é chamado de imperador." Hoje, outra vez, a grande frota europeia lança-se ao mar, rumo à Somália – mas... quem é o ladrão?

http://www.independ ent.co.uk/ opinion/commenta tors/johann- hari/johann- hari-you- are-being- lied-to-about- pirates-1225817. html

____________ _________ _______







--------------------------------------------------------------------------------







--------------------------------------------------------------------------------

Lixo nas Bocas de Lobo de Vacaria RS

Tamanho do texto: A- A+Prefeitura encontra grande quantidade de lixo nas bocas de lobo
Servidores do Departamento de Limpeza Urbana tem encontro desde sacolas de lixo doméstico até animais mortos

Num trabalho iniciado no mês de janeiro deste ano a Secretaria de Obras de Vacaria já realizou a limpeza em doze bairros de duas mil 854 bocas-de- lobo . A iniciativa visa evitar principalmente alagamentos já que a grande maioria não estavam mais dando vazão da água devido ao lixo jogado pela população principalmente nas ruas e terrenos baldios. Os funcionários do Departamento Municipal de Limpeza Pública tem encontrado roupas , calçados , brinquedos de crianças e até animais morte .
O trabalho está sendo realizado por oito funcionários e será feito em todos os bairros e na área central da cidade . O chefe do órgão José Marcelo de Oliveira diz que muitos moradores de Vacaria devem mudar o seu comportamento para auxiliar na limpeza da cidade já que o caminhão de lixo passa três vezes por semana em os bairros . A diretora da Empresa ESA Lúcia Teixeira informa que todos os moradores irão receber nos próximos dias nas suas casas o roteiro dos dias da coleta de lixo no seu bairro .

Rádio Fátima (Jornalismo), 07/05/2009, 13h26

Bolsa Familia

Com pas,

É muito preocupante. Se por um lado é bom sinal de que o programa bolsa familia se amplia e garante a comida para milhões de brasileiros não passarem fome, por outro lado, se o numero de beneficiarios aumenta, nos ultimos seis anos, sinal que nao houve melhorias, e que a dependencia do governo continua grande.

Vejam as estatisticas, seis estados ja ultrapassam 50% da população!

Para onde vamos? Qual é a verdadeira soluçao?

O passa pela cabeça desses 53 milhões de brasileiros que dependem do governo, para comer?







Bolsa Família já atende 50% de seis Estados





Mais da metade dos moradores de seis Estados do Nordeste do país já é beneficiada pelo programa Bolsa Família. O auxílio mensal, que varia de R$ 20 a R$ 182, se tornou uma das principais fontes de renda nessas regiões.



Segundo dados do MDS (Ministério do Desenvolvimento Social), e do IBGE, o programa atende 29% da população brasileira direta ou indiretamente. Ou seja, em 1.200 cidades, a cobertura atinge de 50% a 96% das famílias, segundo “O Globo”.



A meta do governo federal é de elevar esse percentual para 33% dos brasileiros até 2010, quando um em cada três habitantes receberá o bolsa família.



Hoje, a situação é mais crítica nos Estados do Maranhão, Piauí e em Alagoas, onde cerca de 60% da população é beneficiada direta ou indiretamente pelo programa (veja o quadro abaixo). Os números foram obtidos após o cruzamento do total de beneficiados com a média de moradores em cada cidade.





Os mais beneficiados

Percentual de antendidos em relação ao total do Estado



Maranhão.............59,1% (3,61 milhões)

Piauí......................58,7% (1,78 milhões)

Alagoas.................57,6% (1,75 milhões)

Paraíba.................54,9% (1,99 milhões)

Ceará....................52,8% (4,32 milhões)

Pernambuco.........52,8% (4,48 milhões)



Brasil....................29% (52,9 milhões)







Publicado no “Metropoint”, jornal distribuído no metrô de São Paulo, 4 maio de 2009.





NOTICIAS DOS POLITICOS OPORTUNISTAS.



O Superior tribunal eleitoral divulgou nota para a imprensa dizendo que cruzando os CPFs dos beneficiarios do Bolsa familia, com os candidatos a vereador/ prefeito (em 2008) encontrou 40 Mil candidatos recebem o beneficio da bolsa familia.

Pode ser que muitos sejam de fato pobres e tenham direito a bolsa familia e a se candidatos. O que é ate elogiavel. Mas a pratica politica do Brasil, nos induz a pensar, que a mailoria sejam de fato oportunistas.

( Pagina do PDT na internet. 5 de maio 09)

Vacaria Representada no Prêmio Exportação RS






Tamanho do texto: A- A+Vacaria está entre as cidades representadas no Prêmio Exportação RS


Maçã é umas frutas que o município exporta(Foto:arquivo) Vacaria está entre as 40 cidades do interior do Rio Grande do Sul que possuem empresas destacadas pelo seu mérito exportador e que serão agraciadas com a maior premiação do mercado de exportações gaúcho – o Prêmio Exportação RS, promovido pela ADVB/RS. O evento de premiação será no dia 9/06, em Porto Alegre.

A ADVB/RS e o Conselho Consultivo do Prêmio Exportação RS, formado por algumas das principais entidades do setor - APEX – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, Fiergs – Federação das Indústrias do Estado do RGS, Caixa RS, Federasul, Fecomércio/RS, Banrisul, FEE, Banco do Brasil, SEDAI, Superintendência de Portos e Hidrovias, UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul e PriceWaterhouseCoopers, foram os responsáveis pela seleção da mais tradicional e respeitada premiação do mercado exportador gaúcho. “Temos um grande desafio de dizer para a sociedade que, sim, devemos celebrar as grandes conquistas de 2008 e, com isso, estimular o mercado exportador gaúcho”, declarou o Presidente da ADVB/RS, Claudio Goldsztein.

Para o Presidente do Conselho, Renato Malcon, o Prêmio toma maior importância agora – momento em que o mercado enfrenta desafios, justamente para que a sociedade conheça e reconheça o esforço e as conquistas dos exportadores gaúchos, que fazem chegar a todos os cantos do mundo os produtos que aqui são produzidos. “Esse é o papel do Prêmio Exportação RS, revelar para a sociedade quem está levando o Rio Grande do Sul para o mundo e, assim, servir de estímulo para outros empreendedores”. O representante da FIERGS, Geraldo Rodrigues da Fonseca, também compartilha da opinião de que o maior valor da premiação é divulgar os cases de sucesso como um estímulo aos diversos empreendedores do Estado


Rádio Fátima (Jornalismo), 07/05/2009, 14h19

Eduardo Galeano

A linguagem, as coisas e seus nomes

Eduardo Galeano

Na era vitoriana era proibido fazer menção às calças na presença de uma senhorita. Hoje em dia, não fica bem dizer certas coisas perante a opinião pública:

O capitalismo exibe o nome artístico de economia de mercado;

O imperialismo se chama globalização;

As vítimas do imperialismo se chamam países em via de desenvolvimento, que é como chamar de meninos aos anões;

O oportunismo se chama pragmatismo;

A traição se chama realismo;

Os pobres se chamam carentes, ou carenciados, ou pessoas de escassos recursos;

A expulsão dos meninos pobres do sistema educativo é conhecida pelo nome de deserção escolar;

O direito do patrão de despedir sem indenização nem explicação se chama flexibilização laboral;

A linguagem oficial reconhece os direitos das mulheres entre os direitos das minorias, como se a metade masculina da humanidade fosse a maioria;

em lugar de ditadura militar, se diz processo.

As torturas são chamadas de constrangimentos ilegais ou também pressões físicas e psicológicas;

Quando os ladrões são de boa família, não são ladrões, são cleoptomaníacos;

O saque dos fundos públicos pelos políticos corruptos atende ao nome de
enriquecimento ilícito;

Chamam-se acidentes os crimes cometidos pelos motoristas de automóveis;

Em vez de cego, se diz deficiente visual;

Um negro é um homem de cor;

Onde se diz longa e penosa enfermidade, deve-se ler câncer ou AIDS;

Mal súbito significa infarto;

Nunca se diz morte, mas desaparecimento físico;

Tampouco são mortos os seres humanos aniquilados nas operações militares: os mortos em batalha são baixas e os civis, que nada têm a ver com o peixe e sempre pagam o pato, danos colaterais;

Em 1995, quando das explosões nucleares da França no Pacífico Sul, o embaixador francês na Nova Zelândia declarou: “Não gosto da palavra bomba. Não são bombas. São artefatos que explodem”;

Chama-se Conviver alguns dos bandos assassinos da Colômbia, que agem sob proteção militar;

Dignidade era o nome de um dos campos de concentração da ditadura chilena e Liberdade o maior presídio da ditadura uruguaia;

Chama-se Paz e Justiça o grupo militar que, em 1997, matou pelas costas quarenta e cinco camponeses, quase todos mulheres e crianças, que rezavam numa igreja do povoado de Acteal, em Chiapas.

(Do livro De pernas pro ar, editora L&PM)

Trabalho Escravo

Folha de S. Paulo
Folha, 07.05.2009



Ex-ministro é autuado por escravidão

Fazenda alvo de operação integra grupo de Cabrera, que comandou Agricultura no governo Collor



PABLO SOLANO

DA AGÊNCIA FOLHA



Uma operação conjunta do Ministério do Trabalho e Emprego e do Ministério Público do Trabalho localizou 184 pessoas em situação análoga à de escravo em uma usina de cana, em Limeira do Oeste (834 km de Belo Horizonte, em Minas).



A propriedade pertence ao Grupo Cabrera, de Antonio Cabrera, ministro da Agricultura do governo Collor (1990-1992) e secretário de Estado da Agricultura do governo paulista de Mário Covas (1995-2001).

A fiscalização, realizada em abril com o apoio da Polícia Federal e divulgada ontem, encontrou trabalhadores com jornadas consideradas excessivas e com equipamentos de proteção inadequados, de acordo com o procurador do Trabalho Eliaquim Queiroz. Os alojamentos também foram classificados como irregulares.



Após a operação, foi feito um acordo judicial, que permitiu a 86 trabalhadores a possibilidade de retornarem ao trabalho na usina após adequações.



Cabrera solicitou que constasse de ata "sua discordância quanto à existência de condições de trabalho degradantes ou análogas à de escravo na fazenda Bela Vista [local da lavoura de cana]", conforme aponta o termo da audiência.



Aos finais de semana, afirma o procurador, a jornada de trabalho poderia chegar a quase 18 horas para operadores do plantio mecanizado, técnicos agrícolas e auxiliares. Segundo ele, os funcionários do plantio e corte manuais foram submetidos a jornadas de 10 e 12 horas. Esse cálculo considera também o tempo gasto no transporte.



A fiscalização interditou equipamentos usados na lavoura e dois ônibus que transportavam trabalhadores. Todas as atividades de corte e plantio também estão impedidas, de acordo com o Ministério Público do Trabalho.



O acordo judicial prevê que todos os trabalhadores recebam entre R$ 500 e R$ 1.800 de indenização por danos morais. Os 98 que optaram pela rescisão do contrato poderão solicitar seguro-desemprego.

A fazenda também pagará R$ 120 mil por danos morais coletivos. O dinheiro será aplicado em ações sociais.



O site do Grupo Cabrera afirma que a usina está sendo implantada com um investimento de R$ 143 milhões. A primeira moagem de cana está prevista para este ano.



Empresa nega que trabalho seja degradante

DA AGÊNCIA FOLHA



Em nota divulgada ontem, o Grupo Cabrera negou a existência de trabalho em condições degradantes ou análogas à escravidão em Limeira do Oeste (MG) e disse que sempre corrigiu irregularidades constatadas.



"Nossos funcionários têm e sempre tiveram acesso a água potável, utilizam os equipamentos de proteção individual recomendados e têm condições de trabalho adequadas", diz a nota.

No documento, o Grupo Cabrera afirma que a fiscalização foi realizada de modo arbitrário e truculento e que as autuações estão sendo contestadas.



A nota também diz que trabalhadores que optaram por continuar na usina não teriam feito essa opção se as condições fossem ruins.



"Como poderia a Justiça do Trabalho local ter homologado um acordo permitindo a permanência desses colaboradores, caso as condições fossem aquelas arbitrariamente anunciadas pelo Ministério do Trabalho?"

Professores divergem de proposta do Governo

Tamanho do texto: A- A+Professores divergem sobre proposta de agrupamento de displicinas
A reorganização vem sendo planejada como parte da nova proposta de referencial curricular do Estado.

A Secretaria Estadual da Educação trabalha para implementar já no próximo ano uma reorganização da forma como os conhecimentos são trabalhados nas escolas. Segundo a proposta, o ensino teria como base quatro áreas do conhecimento, no lugar da divisão de disciplinas que vigora no ensino médio e nas séries finais do ensino fundamental.
A proposta estabelece quais as habilidades e competências que serão desenvolvidas em cada série. Com a mudança, a área de linguagens, língua portuguesa, literatura, língua estrangeira, arte e educação física; matemática, área de ciências da natureza, composta pelas disciplinas de biologia, química e física e ciências humanas, com história, geografia, filosofia e sociologia.
A mudança gera divergências entre diretores de escolas. Enquanto alguns acreditam que as alterações possam beneficiar os alunos, pois estas áreas de ensino já estão sendo utilizadas de forma integrada em processos seletivos, como as provas do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) e que servirão de modelo para as próximas edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), outros professores acham que a mudança pode prejudicar os estudantes, pois atinge disciplinas distintas em uma mesma área.
Para a diretora da Escola Ione Campos dos Santos, Eda Maria Martins Busin, a comunidade escolar deve ser consultada e as mudanças devem ser mais debatidas antes da implementação.
Já a diretora da Escola Professor José Fernandes de Oliveira, Rejane Vida destaca que a mudança poderá ser significativa em virtude das alterações propostas para o vestibular.
A reorganização vem sendo planejada como parte da nova proposta de referencial curricular do Estado. O próximo concurso para o magistério, que ocorreria ainda neste ano selecionaria professores para as áreas e não mais disciplinas específicas.

Rádio Fátima (Jornalismo), 07/05/2009, 09h31

Polícia prende drogas em Viamão

Brigada Militar apreende drogas e armas em Viamão
07/05/2009 17:16


Nesta quinta-feira (7), às 8h14min, na Rua Barão do Upacaraí, Vila São Tomé, em Viamão, policiais militares do 18º Batalhão de Polícia Militar, deslocaram-se até uma residência onde, segundo informações, havia grande quantidade de armas e drogas.

Foram realizadas buscas e encontrados no interior da casa, materiais dentro de mochilas espalhadas pelo chão: um revólver calibre 38, seis tiros, numeração lixada, um revólver calibre 38, seis tiros, numeração lixada, uma pistola calibre 380, uma pistola calibre 040, sem numeração aparente, uma espingarda calibre 12 - repetição, uma espingarda calibre 12, uma metralhadora calibre 09mm, um carregador 09mm com 40 cartuchos, um carregador 09mm com 25 cartuchos, dois carregadores de pistola 040, um carregador de pistola 380, seis rádios comunicadores, 99 cartuchos de calibre 09mm, 27 cartuchos calibre 380, 50 cartuchos calibre 12, 23 cartuchos calibre 38, 20 cartuchos de calibre 22, 32 cartuchos calibre 32, 27 cartuchos calibre 040, um cartucho calibre 45, uma granada de estilhaço, intacta, 420 gramas de cocaína, 340 gramas de crack, um tijolo de maconha com 1,304kg, um tijolo com 1,311kg, um tijolo com 1,293 kg, um tijolo com 1,200kg, um torrão com 197gramas, um torrão com 238 gramas, um torrão com 160 gramas, uma porção com 10 gramas, totalizando 5,713kg de maconha e uma balança de precisão.

O GATE foi acionado e a granada recolhida pela unidade. O material foi entregue na delegacia.

Fonte: PM5-Imprensa/BM

Lançamento de Campanha

Polícia Civil lança campanha de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes
07/05/2009 17:59


Nesta quinta-feira (07), ocorreu o lançamento da campanha de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes, promovida pela Polícia Civil. A ação será comandada pelo Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (DECA). A cerimônia de inauguração teve início às 15 horas, no auditório Cícero do Amaral Viana, no Palácio da Polícia (Avenida João Pessoa, 2050), em Porto Alegre.

Estiveram presentes na solenidade o subchefe de Polícia, delegado Álvaro Steigleder Chaves, o secretário-adjunto da Segurança Pública, Rubens Edison Pinto, a diretora do DECA, delegada Vanise Helena de Oliveira Dancwardt, Luciane Escouto, presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, a secretária-adjunta municipal de Educação, Zuleika Beltrame, além de representantes das delegacias de proteção à criança e ao adolescente (DPCAs), e conselheiros tutelares.

Durante o evento foram apresentadas as camisetas da campanha. Também ocorreu a distribuição de cartazes, folders e da cartilha da criança e do adolescente. Segundo a diretora do DECA, delegada Vanise Danckwardt, o principal objetivo é o fim da impunidade, o que quebraria o tabu de não se denunciar a violência intrafamiliar. Conforme a delegada, palestras serão realizadas a fim de capacitar as pessoas que cercam a criança e o adolescente para identificar e denunciar o abuso e a exploração sexual.
O subchefe de Polícia, delegado Álvaro Steigleder, destacou o engajamento de todos os agentes do DECA nesta iniciativa, dando os parabéns ao que classificou de “trabalho de excelência”.

A campanha do DECA se inspira no Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, 18 de maio, data instituída pela Lei 9.970/00, em razão do crime ocorrido em Vitória, Espírito Santo, em 1973. Na ocasião, a menina Araceli, de apenas oito anos de idade, foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada por jovens de classe média alta daquela cidade.

Fonte: Ascom PC

Yeda Inauguou Delegacia da Mulher em Erechim

Governadora inaugura Delegacia da Mulher e entrega veículos em Erechim
07/05/2009 20:06


Ao inaugurar a nova Delegacia da Mulher de Erechim, nesta quinta-feira (7), a governadora Yeda Crusius lembrou que a Lei Maria da Penha [que pune a violência contra mulheres] é um instrumento de justiça e prevenção. "Sempre fui defensora do trabalho nesta questão, em benefício da dignidade às mulheres", afirmou. Yeda destacou que o foco é fazer um governo que crie condições para colocar a lei em prática dentro de uma série de programas e a partir do Orçamento do déficit zero, que prevê para 2009 R$ 2,25 bilhões em investimentos. A governadora também entregou uma caminhonete xadrez à Polícia Civil e cinco viaturas à Brigada Militar (BM) para os municípios de Erechim, Barão do Cotegipe, Centenário, Floriano Peixoto e Gaurama.

Sobre os novos veículos, Yeda acrescentou que a entrega é o cumprimento de uma demanda da Consulta Popular, além da valorização do trabalho da BM. "Três mil policiais estão sendo treinados na rua, e vamos aumentar em 27% o efetivo à disposição da sociedade", reiterou. Recebida por um grupo de crianças de uma escola do município, Yeda entregou ao coordenador regional de Educação, Gladstone Antônio Dassoler, um kit contendo cadernos e blocos produzidos pela Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas (Corag), dentro do programa Caderno para Todos, que vai distribuir 1 milhão de cadernos aos alunos da rede estadual.

Para conclusão da nova estrutura da Delegacia da Mulher, o governo gaúcho investiu R$ 60 mil. Cinco escrivãs e a delegada Diana Casarin Zanatta vão atuar no espaço, que também terá uma viatura para utilização nos serviços policiais. "A delegacia era uma luta antiga do município e é uma forma clara de atendimento aos direitos humanos das mulheres vítimas de violência", disse a delegada. O espaço físico possui seis salas, onde vão funcionar recepção, gabinete, cartórios, cartório distribuidor, investigação e depósito. A delegacia está localizada junto ao complexo da Polícia Civil, na Rua Flores da Cunha, 91.

Foram investidos na aquisição dos veículos zero quilômetro, com recursos do Tesouro do Estado, cerca de R$ 300 mil. As cinco novas viaturas completam um lote de 40, das quais 35 já foram entregues em 13 de março último, em Erechim, quando foram beneficiadas 39 cidades que integram os Conselhos Regionais de Desenvolvimento Norte, Nordeste, Celeiro e Médio Alto Uruguai, pertencentes à Região Funcional 09. "Graças ao ajuste fiscal dos dois primeiros anos do governo e ao voto da população na Consulta Popular, foi possível a aquisição das viaturas", lembrou o secretário da Segurança, Edson Goularte.

Até 2010, o Programa Estruturante Cidadão Seguro prevê a incorporação de um mínimo de dois mil veículos às frotas da BM, Polícia Civil, Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) e do Instituto-Geral de Perícias (IGP), com aplicação de recursos do Tesouro do Estado, da Consulta Popular, de convênios e aquisições diretas. Em 2008, primeiro ano de execução do Cidadão Seguro, foram adquiridos 1.009 veículos zero quilômetro, sendo 14 a municípios incluídos no Programa da Prevenção da Violência (PPV). A meta de 761 veículos foi ultrapassada em mais de 32%. Neste ano, já está em processo de licitação, com recursos liberados, a compra de mais 621 veículos.

Fonte: Site do Estado

Yeda Inauguou Delegacia da Mulher em Erechim

Governadora inaugura Delegacia da Mulher e entrega veículos em Erechim
07/05/2009 20:06


Ao inaugurar a nova Delegacia da Mulher de Erechim, nesta quinta-feira (7), a governadora Yeda Crusius lembrou que a Lei Maria da Penha [que pune a violência contra mulheres] é um instrumento de justiça e prevenção. "Sempre fui defensora do trabalho nesta questão, em benefício da dignidade às mulheres", afirmou. Yeda destacou que o foco é fazer um governo que crie condições para colocar a lei em prática dentro de uma série de programas e a partir do Orçamento do déficit zero, que prevê para 2009 R$ 2,25 bilhões em investimentos. A governadora também entregou uma caminhonete xadrez à Polícia Civil e cinco viaturas à Brigada Militar (BM) para os municípios de Erechim, Barão do Cotegipe, Centenário, Floriano Peixoto e Gaurama.

Sobre os novos veículos, Yeda acrescentou que a entrega é o cumprimento de uma demanda da Consulta Popular, além da valorização do trabalho da BM. "Três mil policiais estão sendo treinados na rua, e vamos aumentar em 27% o efetivo à disposição da sociedade", reiterou. Recebida por um grupo de crianças de uma escola do município, Yeda entregou ao coordenador regional de Educação, Gladstone Antônio Dassoler, um kit contendo cadernos e blocos produzidos pela Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas (Corag), dentro do programa Caderno para Todos, que vai distribuir 1 milhão de cadernos aos alunos da rede estadual.

Para conclusão da nova estrutura da Delegacia da Mulher, o governo gaúcho investiu R$ 60 mil. Cinco escrivãs e a delegada Diana Casarin Zanatta vão atuar no espaço, que também terá uma viatura para utilização nos serviços policiais. "A delegacia era uma luta antiga do município e é uma forma clara de atendimento aos direitos humanos das mulheres vítimas de violência", disse a delegada. O espaço físico possui seis salas, onde vão funcionar recepção, gabinete, cartórios, cartório distribuidor, investigação e depósito. A delegacia está localizada junto ao complexo da Polícia Civil, na Rua Flores da Cunha, 91.

Foram investidos na aquisição dos veículos zero quilômetro, com recursos do Tesouro do Estado, cerca de R$ 300 mil. As cinco novas viaturas completam um lote de 40, das quais 35 já foram entregues em 13 de março último, em Erechim, quando foram beneficiadas 39 cidades que integram os Conselhos Regionais de Desenvolvimento Norte, Nordeste, Celeiro e Médio Alto Uruguai, pertencentes à Região Funcional 09. "Graças ao ajuste fiscal dos dois primeiros anos do governo e ao voto da população na Consulta Popular, foi possível a aquisição das viaturas", lembrou o secretário da Segurança, Edson Goularte.

Até 2010, o Programa Estruturante Cidadão Seguro prevê a incorporação de um mínimo de dois mil veículos às frotas da BM, Polícia Civil, Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) e do Instituto-Geral de Perícias (IGP), com aplicação de recursos do Tesouro do Estado, da Consulta Popular, de convênios e aquisições diretas. Em 2008, primeiro ano de execução do Cidadão Seguro, foram adquiridos 1.009 veículos zero quilômetro, sendo 14 a municípios incluídos no Programa da Prevenção da Violência (PPV). A meta de 761 veículos foi ultrapassada em mais de 32%. Neste ano, já está em processo de licitação, com recursos liberados, a compra de mais 621 veículos.

Fonte: Site do Estado

Oriundi

Se você não conseguir visualizar esta mensagem, acesse este link

Ano 6 - Número 285 - Sexta-feira, 08 de Maio de 2009




--------------------------------------------------------------------------------
Caso Battisti: Procurador-Geral da República manifesta-se contra mandato de segurança proposto pela Itália [pt]
Segundo Antonio Fernando, governo italiano não tem legitimidade para propor mandado de segurança ...
Clique aqui e leia a matéria completa...





Anunciadas medidas para proteger trabalhadores brasileiros no exterior [pt]
Ações são aprovadas para conferir mais apoio aos emigrantes, em função do atual contexto econômico internacional ...
Clique aqui e leia a matéria completa...





Informazioni sui permessi di soggiorno on line sul sito della Polizia di Stato [it]
Il nuovo servizio informativo della Polizia di Stato consente la verifica dello stato delle pratiche e indica dove ritirare il documento. Disponibile in 6 lingue, è accessibile anche dal cellulare ...
Clique aqui e leia a matéria completa...





Consulado em Porto Alegre divulga novo procedimento para legalização de documentos [pt]
A partir da última segunda-feira (04), todos os documentos apresentados para legalização, a fim de que sejam reconhecidos juridicamente na Itália, antes deverão ser validados junto ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), ...
Clique aqui e leia a matéria completa...





Consulados da Itália seguem dificultando acesso ao reconhecimento da cidadania [pt]
A descoberta do recebimento de certidões falsas e o grande volume de processos têm posto em curso nos Consulados da Itália, no Brasil, iniciativas que visam restringir e dificultar o acesso ao reconhecimento da cidadania italiana. Os fatos vêm ocorrendo desde 2008 e pros...
Clique aqui e leia a matéria completa...





Curso para giovani oriundi veneti: l’economia ed il diritto Internazionale nell’interscambio commerciale com i paesi di provenienza [it]
Vicenza 28 settembre– 23 ottobre 2009 ...
Clique aqui e leia a matéria completa...


Ensino do idioma italiano: projeto visa estender ao Brasil modelo implantado em Porto Alegre [pt]
Estender a outros municípios brasileiros o sistema implantado pela Secretaria Municipal de Educação (Smed) de Porto Alegre, de ensino do idioma italiano em escolas da rede pública municipal, será o assunto tratado na reunião desta sexta-feira (08), &agrav...
Clique aqui e leia a matéria completa...


UIL convoca italianos no exterior para a Campanha Red 2009: Prazo encerra-se em 31 de maio [pt]
Desde 1991, o INPS italiano verifica os benefícios de seus aposentados e pensionistas recebidos no exterior. Isso é necessário para certificar-se que os benefícios pagos pelo governo italiano estão corretos.São convocados a apresentar os próprios r...
Clique aqui e leia a matéria completa...


Mamma italiana é tema de programa na Paraná Educativa [pt]
Domingo é o dia consagrado às mães. E nada mais italiano que o papel central desempenhado pela figura da mamma, seja do ponto de vista pragmático, seja do ponto de vista simbólico. A figura da mamma, poderoso pólo irradiador de afeto e referência ba...
Clique aqui e leia a matéria completa...


Cenas de Óperas no Teatro Guaíra em homenagem ao Dia das Mães [pt]
Em homenagem ao dia das mães, Cenas de Óperas será apresentado pela Orquestra Sinfônica do Paraná e 14 cantores que participam do Master Class. O evento será realizado neste domingo (10), às 10h30, no palco do Guairão. O espetáculo &ea...
Clique aqui e leia a matéria completa...


Entrai, Encontro das Tradições Italianas, começa nesta sexta-feira, em Farroupilha [pt]
O 14º Encontro das Tradições Italianas (Entrai), um dos mais importantes eventos comemorativos à imigração italiana no Rio Grande do Sul, inicia nesta sextafeira (08), com a realização da abertura oficial do evento à...
Clique aqui e leia a matéria completa...


Presença dos Imigrantes em Santa Catarina: o cotidiano étnico e a geografia humana de um povo [pt]
Depois de exibir a essência da miscigenação catarinense em Blumenau, Florianópolis, Tubarão e Criciúma, o fotógrafo Ingo Penz desembarca em Lages, na região central d do Estado, para apresentar sua exposição “Presen&...
Clique aqui e leia a matéria completa...


O Inventário da Diversidade Cultural da Imigração Italiana [pt]
A Universidade de Caxias do Sul aceitou o desafio de participar de um projeto-piloto do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - (Iphan), do Ministério da Cultura, de realizar o Inventário da Diversidade Cultural da Imigração Italian...
Clique aqui e leia a matéria completa...



Jornalismo feito com paixão
Giornalismo fatto con passione


www.oriundi.net

--------------------------------------------------------------------------------


CidadaniaItaliana.org - Assessoria completa para o reconhecimento da Cidadania Italiana - Claudia Antonini & Daniela Falavigna
CidadaniaItaliana.org -Traduções, assessoria, pesquisas, retificações e suprimentos para o Reconhecimento da Cidadania Italiana. Atendimento de segunda a quinta-feira, das 9h às 18h, e sexta-feira, das 9h às 12h. Endereço: Rua José de Alencar, 377 - P.Alegre – RS. Fone: (51) 3232.1149. Site: http://www.cidadaniaitaliana.org . E-mail: citalia@terra.com.br


Estude em Roma, na Universidade LUISS Guido Carli. Economia, Ciências Políticas, Administração, Direito, Jornalismo. Cursos em inglês e italiano. Turmas 2009/2010
Uma das maiores e mais conceituadas universidades particulares da Itália, a Luiss Guido Carli pertence à Confederação das Indústrias Italianas (Confindustria), sendo presidida por Luca di Montezemolo, presidente da Fiat e da Ferrari. Cursos de Bacharelado, Mestrado, Doutorado e MBA. Interessados em obter mais informações devem entrar em contato com Maria Sole Micali, e-mail mmicali@luiss.it. Informações também no site http://www.luiss.edu/ .


Estude na Universidade Cattolica del Sacro Cuore. Cursos de mestrado, nas línguas inglesa e italiana. Ano acadêmico 2009/2010. Bolsas de estudos por critério de merecimento [pt][it]
A Universidade Cattolica del Sacro Cuore, maior universidade privada da Europa, presente em Milano, Brescia, Piacenza-Cremona, Roma e Campobasso, ativou o mestrado de 1º e 2º nível, nas línguas inglesa e italiana. Parte essencial do curso é o estágio que permite ao estudante realizar uma experiência de trabalho numa empresa ou instituição italiana. Os melhores colocados na seleção concorrem a bolsa de estudos e financiamento para viver na Itália. Informações pelo e-mail master.universitari@unicatt.it


Reconhecimento da cidadania italiana diretamente na Itália. Melhor preço, infra-estrutura completa, inclusive cursos de idioma, gastronomia e música
Assessoria integral, da verificação dos documentos até a obtenção do passaporte. Empresa com sede em Castelraimondo (MC), região

TV na Internet

Nelsinho Sirotsky estréia quadro no Bibo Nunes Show





Nelsinho Sirotsky iniciou ontem à noite seu quadro no BIBO NUNES SHOW , ULBRA TV , nas quintas , a partir das 22h15,

Nelsinho vai falar sobre as coisas boas da vida. Mostrará o melhor carro , melhor roupa , melhor whisky , melhor charuto , melhor danceteria, etc... O quadro inicial foi gravado em Punta Del Este , com Carlos Villaró , mostrando o melhor artista uruguaio.Foi a primeira vez que Villaró mostrou seu atelier particular para uma equipe de TV. O próximo programa ele mostra o melhor hotel , depois o melhor waffle da América do Sul.

Nelsinho ficou empolgado com o projeto e acredita seguir os passos de seu avô Mauricio Sirotsky Sobrinho , um dos maiores comunicadores do Brasil. A equipe acredita que em pouco tempo Nelsinho estará um craque , pois neto de tigre nasce pintado.

A produção é de Alejandro Malo , com imagens de Roberto Santos e edição de Tonho Nunes.

Deise Nunes





















































" Desejo que tenhas um ótimo fim de semana.

Beijos.

Deise Nunes.