Grêmio 1 x 0 Botafogo

Grêmio 1 x 0 Botafogo
Libertadores 2017

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Copenhague

El fracaso de las negociaciones en Copenhague, el futuro está en manos del pueblo



Las negociaciones sobre el clima mantenidas esta semana en Copenhague han terminado fracasando. Los gobiernos del mundo se han mostrado incapaces o reacios a realizar los cambios necesarios para encontrar una solución justa al caos climático actual. Las negociaciones han estado marcadas por los intereses individuales y las “soluciones” de mercado que hasta ahora han mostrado ser ineficaces.

Josie Riffaud, una de las líderes del movimiento campesino La Vía Campesina, ha declarado: “El dinero y las soluciones de mercado no van a resolver la crisis actual. Necesitamos cambiar radicalmente la manera en la que producimos y consumimos y esto es justamente lo que no se ha hablado en Copenhague”.

Los gobiernos de los países industrializados y no industrializados han demostrado su reticencia para abordar el modelo de desarrollo que ha derivado en desastres económicos y medioambientales.

Han sido incapaces de aportar soluciones reales y comprobar que los mercados de carbono no resolverán la crisis climática.

No se han debatido ni considerado los recortes drásticos de emisiones (incluidos en un acuerdo vinculante), la reorientación de las economías de agro-exportación, la reforma agraria y otras medidas que podrían realmente contribuir a enlentecer el calentamiento de la tierra. Una vez más los gobiernos han actuado individualmente de manera egoísta y han fracasado en considerar las alternativas reales ofrecidas por los movimientos sociales internacionales, grupos ecologistas, pueblos indígenas y otros para lograr una sociedad más justa.

A pesar de que el “acuerdo de Copenhague” no menciona explícitamente la agricultura, parece que durante las dos semanas de negociaciones, la Convención Marco de las Naciones Unidas sobre el Cambio Climático (CMNUCC) ha querido incluir el suelo entre los métodos para capturar carbono e incluir la agricultura en su transferencia de tecnología, abriendo así el espacio a las compañías transnacionales para recibir subsidios con el fin de introducir semillas transgénicas y métodos de agricultura industrial como la labranza cero. Ésta es precisamente la fórmula de desarrollo agrícola que nos ha llevado a la crisis social y medioambiental que sufre actualmente el campo.

La calle y los pasillos del Bella Center fueron testigos el 16 de diciembre del auténtico poder en Copenhague cuando los activistas, grupos comunitarios, movimientos sociales locales e internacionales y ONGs del Norte y del Sur presionaron para reunirse en un “tercer” espacio simbólico a las puertas del Bella Center.

La violenta represión de la policía, incluyendo la detención preventiva de muchos de los portavoces del movimiento “Climate Justice Action”, puso de manifiesto la desesperación de los gobiernos a la hora de silenciar las voces que proclaman las auténticas soluciones.

No podemos esperar a que los gobiernos ofrezcan una solución mágica a la crisis climática. Bajo los dictados de las compañías transnacionales se limitan a perpetuar la especulación sobre el capital, en esta ocasión mediante el carbono, y hacer de los cimientos de la vida su mercado de valores.

A la vista del fracaso de la COP 15, los movimientos sociales internacionales están más preparados que nunca para atajar los problemas del mundo y se movilizarán para la próxima conferencia del clima que se celebrará en México a finales de 2010. Ha llegado su momento y los gobiernos no tendrán otra opción que escucharles.



Copenhague, 19 de diciembre de 2009,

Secretaria internacional de la

VIA CAMPESINA



Entrevistas:

Josie Riffaud: Francia +33 556236509



--
International Operational Secretariat
-----------------------------------------------------------------------
La Via Campesina - International Secretariat:
Jln. Mampang Prapatan XIV No. 5 Jakarta Selatan, Jakarta 12790 Indonesia
Phone : +62-21-7991890, Fax : +62-21-7993426
E-mail: viacampesina@viacampesina.org, Website: http://www.viacampesina.org
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Copenhague

El fracaso de las negociaciones en Copenhague, el futuro está en manos del pueblo



Las negociaciones sobre el clima mantenidas esta semana en Copenhague han terminado fracasando. Los gobiernos del mundo se han mostrado incapaces o reacios a realizar los cambios necesarios para encontrar una solución justa al caos climático actual. Las negociaciones han estado marcadas por los intereses individuales y las “soluciones” de mercado que hasta ahora han mostrado ser ineficaces.

Josie Riffaud, una de las líderes del movimiento campesino La Vía Campesina, ha declarado: “El dinero y las soluciones de mercado no van a resolver la crisis actual. Necesitamos cambiar radicalmente la manera en la que producimos y consumimos y esto es justamente lo que no se ha hablado en Copenhague”.

Los gobiernos de los países industrializados y no industrializados han demostrado su reticencia para abordar el modelo de desarrollo que ha derivado en desastres económicos y medioambientales.

Han sido incapaces de aportar soluciones reales y comprobar que los mercados de carbono no resolverán la crisis climática.

No se han debatido ni considerado los recortes drásticos de emisiones (incluidos en un acuerdo vinculante), la reorientación de las economías de agro-exportación, la reforma agraria y otras medidas que podrían realmente contribuir a enlentecer el calentamiento de la tierra. Una vez más los gobiernos han actuado individualmente de manera egoísta y han fracasado en considerar las alternativas reales ofrecidas por los movimientos sociales internacionales, grupos ecologistas, pueblos indígenas y otros para lograr una sociedad más justa.

A pesar de que el “acuerdo de Copenhague” no menciona explícitamente la agricultura, parece que durante las dos semanas de negociaciones, la Convención Marco de las Naciones Unidas sobre el Cambio Climático (CMNUCC) ha querido incluir el suelo entre los métodos para capturar carbono e incluir la agricultura en su transferencia de tecnología, abriendo así el espacio a las compañías transnacionales para recibir subsidios con el fin de introducir semillas transgénicas y métodos de agricultura industrial como la labranza cero. Ésta es precisamente la fórmula de desarrollo agrícola que nos ha llevado a la crisis social y medioambiental que sufre actualmente el campo.

La calle y los pasillos del Bella Center fueron testigos el 16 de diciembre del auténtico poder en Copenhague cuando los activistas, grupos comunitarios, movimientos sociales locales e internacionales y ONGs del Norte y del Sur presionaron para reunirse en un “tercer” espacio simbólico a las puertas del Bella Center.

La violenta represión de la policía, incluyendo la detención preventiva de muchos de los portavoces del movimiento “Climate Justice Action”, puso de manifiesto la desesperación de los gobiernos a la hora de silenciar las voces que proclaman las auténticas soluciones.

No podemos esperar a que los gobiernos ofrezcan una solución mágica a la crisis climática. Bajo los dictados de las compañías transnacionales se limitan a perpetuar la especulación sobre el capital, en esta ocasión mediante el carbono, y hacer de los cimientos de la vida su mercado de valores.

A la vista del fracaso de la COP 15, los movimientos sociales internacionales están más preparados que nunca para atajar los problemas del mundo y se movilizarán para la próxima conferencia del clima que se celebrará en México a finales de 2010. Ha llegado su momento y los gobiernos no tendrán otra opción que escucharles.



Copenhague, 19 de diciembre de 2009,

Secretaria internacional de la

VIA CAMPESINA



Entrevistas:

Josie Riffaud: Francia +33 556236509



--
International Operational Secretariat
-----------------------------------------------------------------------
La Via Campesina - International Secretariat:
Jln. Mampang Prapatan XIV No. 5 Jakarta Selatan, Jakarta 12790 Indonesia
Phone : +62-21-7991890, Fax : +62-21-7993426
E-mail: viacampesina@viacampesina.org, Website: http://www.viacampesina.org
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Mensagem de Natal






Essa mensagem também está disponível em áudio no site: www.gilmarsossella.com.br



Gente amiga:

É natal...

Tempo de agradecer a vida e as conquistas que tivemos.

Queremos agradecer a você,

que esteve conosco nessa caminhada.



Estamos a serviço de você...

que deseja uma sociedade mais justa,

com educação, saúde e segurança,...

com mais emprego e renda.



Trabalhamos por uma agricultura forte,

e por estradas capazes de transportar a riqueza do nosso estado.



Conte sempre conosco!



Feliz natal e um ano novo cheio de realizações para você e sua família.



São os votos do deputado Gilmar Sossella

e equipe



Essa mensagem também está disponível em áudio no site: www.gilmarsossella.com.br

Beira-Rio em Porto Alegre RS


MP de Vacaria RS constata Irregularidades em Contrato

MP constata irregularidades em contrato entre prefeitura e Kopp

Desde 2007 o Tribunal de Contas já aponta as mesmas deficiencias no documento.

O Ministério Público constatou que o contrato firmado entre a Prefeitura de Vacaria e a empresa Kopp não está de acordo com algumas normas da legislação. A empresa é a responsável pela operação das lombadas eletrônicas e os pardais instalados na cidade. Desde 2007 os auditores do Tribunal de Contas também vem apontando falhas nesse contrato.
Um dos itens que não estaria dentro da normatização seria o percentual do valor das multas que fica com a empresa.
O Ministério Público recomenda a prefeito que seja feita uma nova licitação para a escolha da empresa que prestaria este tipo de serviço.
O prefeito Elói Poltronieri informa que será feito um estudo sobre a situação e acrescenta que o fato relevante é que ocorreu uma redução no número de mortes nas rodovias após a instalação dos equipamentos.
O atual contrato com a empresa Kopp se encerra no dia 05 de abril de 2010



Rádio Fátima AM (Jornalismo), 21/12/2009, 09h19

RS 020

Yeda autoriza reínicio das obras na RS 020
Ao todo foram assinados dez contratos de reínicio de obras rodoviárias no Estado

A governadora Yeda Crusius autorizou, nesta segunda-feira,21/12, nos jardins do Palácio Piratini, o início e reinício de obras em dez rodovias gaúchas, que somam investimentos de R$ 205 milhões. As obras vão melhorar os acessos municipais, o escoamento das safras agrícolas e o tráfego de veículos. Yeda também assinou 38 convênios com 37 municípios para construção, pavimentação de vias municipais e outras obras viárias. Os recursos chegam a R$ 45,5 milhões.

"É a realização de sonhos das comunidades que há muito tempo aguardavam. A média de espera era de 40 anos, porque há 40 anos começou o déficit que não permitia investimentos em estradas no Rio Grande do Sul", disse a governadora. Yeda citou a RSC-392, entre Tupanciretã e Santa Tecla, que terá 45,5 quilômetros pavimentados. Na rodovia, o governo gaúcho vai investir R$ 50 milhões. A estrada servirá para o escoamento da safra, já que Tupanciretã tem a maior área plantada de soja no Estado.

"Em 2010, vamos acompanhar essas obras e entregá-las", frisou Yeda. A governadora lembrou a conquista do déficit zero e o Orçamento realista - que permitiram o aumento dos investimentos estaduais - e destacou a venda de ações sem direito a voto do Banrisul. Aos prefeitos, afirmou: "Estamos no terceiro ano de governo, e meu melhor presente de Natal é a presença de cada um de vocês. Temos uma relação federativa de total confiança mútua e de harmonia com as prefeituras gaúchas. Vocês sempre me deram apoio".

Conforme enfatizou o secretário de Infraestrutura e Logística, Daniel Andrade, todas as obras iniciadas durante o governo não tiveram paralisação. "Os pagamentos estão em dia. Encontramos o governo com duas frentes de obras. Hoje, são 200". O diretor-presidente do Daer, Vicente Pereira, disse que empreendimentos nas rodovias vão desenvolver os municípios. Em referência ao slogan utilizado pelo ex-presidente Getúlio Vargas, enfatizou: "Na área rodoviária, o governo Yeda é 500 anos em quatro anos".

A RS 020

O trecho da obra, com valor contratual de R$ 40,40 milhões, totaliza 40,90 quilômetros e liga dois importantes municípios turísticos: São José dos Ausentes e Cambará do Sul.



Rádio Fátima AM (Jornalismo), 22/12/2009, 09h14

Destaque do Vermelho

DESTAQUES DA EDIÇÃO DE
HOJE DO PORTAL VERMELHO



Cidadão Boilesen discute punição aos torturadores da ditadura

Lula abre documentário argentino sobre governos da América Latina




Rádio Vermelho e Rádio Software Livre transmitem em parceria

Lula: mais disposição e iniciativas para
democratizar a mídia Le Monde Diplomatique
O embate entre o governo Lula e a rede Globo
A credibilidade da rede Globo, inquestionável durante décadas, começa a dar sinais de erosão. Prova disso são os 45 milhões de brasileiros que são beneficiados com o Bolsa Família e não prestam muita atenção ao que diz a emissora da família Marinho.



Conferência da ONU
Lula critica posição dos EUA na COP-15, mas comemora acordo A aliança em torno de Dilma
André Singer: por que o PT deve conversar com Ciro Gomes
Eleições 2010
Pré-candidato ao Senado, Netinho (PCdoB) tem 22% em São Paulo Retratos de um mau governo
Luis Nassif: a inapetência administrativa de Serra



Especial
CONFERÊNCIA NACIONAL DE COMUNICAÇÃO


Democratização da comunicação: Confecom deu o primeiro passo

Blog do Sorrentino
Datafolha - oposição em dificuldades
Ricardo Peres
A Cidade de São Paulo & O Consórcio das Oligarquias

Eduardo Bomfim
A emergência de um povo

Milton Alves
Os signos para 2010

Cloves Geraldo
"A Onda": Mal estar da civilização

Venicio A. de Lima
Censura no Estadão: Notas sobre a liberdade de imprensa



Esta é uma mensagem automática, favor não responder

Destaques do Vermelho é um serviço diário gratuito do www.vermelho.org.br

Netinho Pré-Candidato ao Senado

Brasil
21 de Dezembro de 2009 - 11h53
Pré-candidato ao Senado, Netinho (PCdoB) tem 22% em São Paulo
O vereador Netinho de Paula (PCdoB) — que estreou neste ano na Câmara Municipal paulistana — aparece com 22% das intenções de votos para o Senado em São Paulo. Os números foram revelados nesta segunda-feira (21) pelo Datafolha. No próximo ano, serão escolhidos dois senadores por estado.
O senador Aloizio Mercadante (PT) lidera a disputa, com 32% das intenções de voto, para o Senado por São Paulo, segundo a pesquisa Datafolha realizada na semana passada. Mercadante deve concorrer à reeleição assim como o também senador Romeu Tuma (PTB), que aparece com 27%.

Os dois são seguidos pelo ex-governador paulista Orestes Quércia (PMDB), com 24%. Na eleição municipal de 2008, o peemedebista fez um acordo com o DEM do prefeito Gilberto Kassab e com o governador José Serra (PSDB) para disputar uma vaga ao Senado.

Com 22% das intenções, além de Netinho, também está a subprefeita da Lapa, Soninha Francine (PPS). Dois nomes apresentados no questionário do Datafolha ficaram abaixo dos 10%: o vereador Gabriel Chalita (PSB) tem 7%, e o secretário estadual da Educação, Paulo Renato (PSDB), 6%. Ambos têm a educação como principal bandeira.

A taxa de eleitores que pretendem votar em branco ou anular o voto para ao menos uma das vagas ao Senado é de 25%. Já 14% disseram não saber quem serão seus candidatos.

Interior e capital

Líder das intenções de voto, Mercadante vai melhor no interior (34%) do que na capital (28%). O petista também tem mais apoio entre os eleitores com ensino superior (41%) do que entre aqueles de ensino fundamental ou médio (31%).

O ex-governador Orestes Quércia também se destaca no interior (28%) e não repete o resultado na capital (18%). Já Soninha Francine tem resultado inverso: se destaca no município de São Paulo (33%), mas fica bem abaixo no interior do Estado (13%).

Entre os eleitores mais jovens, Soninha é a que recebe mais apoio. Ela fica com 34% na faixa entre 16 e 24 anos, seguida por Netinho de Paula (29%), Mercadante (25%), Quércia (23%) e Tuma (13%).

Mercadante tem seu melhor resultado entre as pessoas de 35 a 44 anos, com 38%. Romeu Tuma se destaca entre os eleitores de 45 a 59 anos (37%) e de 60 anos ou mais (36%).

Da Redação, com informações da Folha de S.Paulo

Embate entre Governo Lula e Rede Globo

Mídia
21 de Dezembro de 2009 - 13h22
Le Monde Diplomatique: o embate entre governo Lula e rede Globo
No início da década de 1980, centenas de milhares de brasileiros cantaram em coro “O povo não é bobo, abaixo a rede Globo!”, quando a corporação na qual se apoiou a ditadura militar censurou as mobilizações populares contra o regime militar, utilizando fotonovelas e futebol para tentar anestesiar a opinião pública. Hoje, um segmento crescente do público brasileiro expressa seu descontentamento frente o grupo midiático hegemônico.

Por Dario Pignotti*, no Le Monde Diplomatique (Cone Sul e Espanha)
Medições de audiência e investigações acadêmicas detectaram um dado, em certa medida inédito, sobre as relações de produção e consumo de informação: a credibilidade da rede Globo, inquestionável durante décadas, começa a dar sinais de erosão. Contudo, é possível perceber uma diferença substantiva entre a indignação atual e o descontentamento daqueles que repudiavam a Globo durante as mobilizações de três décadas atrás em defesa das eleições diretas.

Em 1985, José Sarney, primeiro presidente civil desde o golpe de Estado de 1964, obstruiu qualquer pretensão de iniciativa reformista relativa à estrutura de propriedade midiática e ao direito à informação, em cumplicidade com a família Marinho – proprietária da Globo, da qual, aliás, era sócio. O atual chefe de Estado, Luiz Inácio Lula da Silva, parece disposto a iniciar a ainda pendente transição em direção à democracia na área da comunicação.

No início de 2009, no Fórum Social Mundial realizado na cidade de Belém, Lula convocou uma Conferência Nacional de Comunicação. A partir daí, mais de 10 mil pessoas discutiram em assembleias realizadas em todo o país os rumos da comunicação e definiram propostas para levar para a Conferência, realizada de 14 a 17 de dezembro, em Brasília.

“É a primeira vez que o governo, a sociedade civil e os empresários discutem a comunicação; isso, por si só, já é uma derrota para a Globo e sua política de manter esse tema na penumbra (...). O presidente Lula demonstrou estar determinado a instalar na sociedade um debate sobre a democratização das comunicações; creio que isso terá um efeito pedagógico e poderá converter-se em um dos temas da campanha (de 2010)”, assinala Joaquim Palhares, diretor da Carta Maior e delegado na Conferência.

O embate entre Lula e a Globo poderia ser resumido como uma disputa pela verossimilhança, um bem escasso no mercado noticioso brasileiro. Ao participar quase que diariamente de atos ou eventos públicos, o presidente dialoga de forma direta com a população, estabelecendo um contrato de confiança que contrasta com a obstinação dos meios dominantes em montar um discurso noticioso divorciado dos fatos que, às vezes, beira a ficção.

Lula configura um “fenômeno comunicacional singular; o povo acredita nele, não só porque fala a linguagem da gente simples, mas porque as pessoas mais carentes foram beneficiadas com seus programas sociais; isso é concreto, o Bolsa Família atende a 45 milhões de brasileiros que não prestam muita atenção ao que diz a Globo”, observa a professora Zélia Leal Adghirni, doutora em Comunicação e coordenadora do programa de investigação sobre Jornalismo e Sociedade da Universidade de Brasília.

“Por que Lula ganhou duas vezes as eleições (2002 e 2006), uma delas contra a manifesta vontade da Globo? Por que Lula tem uma popularidade de 80%?”, pergunta Adghirni, para quem “as teorias de comunicação clássica que estudamos na universidade não são aplicadas ao fenômeno Lula. Desde a teoria da ‘agulha hipodérmica’ até a da ‘agenda setting’, dizia-se que os meios formam a opinião ou pautam o temário do público, mas com Lula isso não ocorre: os meios de comunicação estão perdendo o monopólio da palavra”.

Por outro lado, como se sabe, a construção de consensos sociais não se galvaniza só com mensagens racionais ou versões críveis da realidade, também é necessário trabalhar no imaginário das massas, um território no qual a Globo segue sendo praticamente imbatível. A empresa do clã Marinho controla o patrimônio simbólico brasileiro: é a principal produtora de novelas e detém os direitos de transmissão das principais partidas de futebol e do carnaval carioca.

Frente à gigantesca indústria de entretenimento da Globo, o governo é praticamente impotente. Não obstante, a imagem do presidente-operário provavelmente ganhará contornos míticos em 2010, com o lançamento do longa-metragem Lula, o Filho do Brasil, que será exibido no circuito comercial e em um outro alternativo (sindicatos e igrejas). O produtor Luis Carlos Barreto prevê que cerca de 20 milhões de pessoas assistirão à história do ex-torneiro mecânico que se tornou presidente, o que seria a maior bilheteria da história no país.

O balanço provisório da política de comunicação de Lula indica que esta tem sido errática. Em seu primeiro mandato (2203-2007), impulsionou a criação de um Conselho de Ética informativa, iniciativa que arquivou diante da reação empresarial. Após essa tentativa fracassada, o governo não voltou a incomodar as “cinco famílias” proprietárias da grande imprensa local, até o final de sua primeira gestão.

Em seu segundo governo – iniciado em 1° de janeiro de 2007, Lula nomeou Hélio Costa como ministro das Comunicações, um ex-jornalista da Globo que atua como representante oficioso da empresa no ministério. Mas enquanto a designação de Costa enviava um sinal conciliador aos grupos privados, Lula seguia uma linha de ação paralela.

Em março de 2008, o Senado, com a oposição cerrada do PSDB, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, aprovou o projeto do Executivo para a criação da Empresa Brasileira de Comunicações, um conglomerado público de meios que inclui a interessante TV Brasil, para a qual, em 2010, o Estado destinará cerca de US$ 250 milhões. O generoso orçamento e a defesa da nova televisão pública feita pelos parlamentares do Partido dos Trabalhadores (PT) indicavam que Lula havia decidido enfrentar a direita política e midiática. Ao mesmo tempo em que media forças com a Globo – ainda que não de forma aberta -, Lula aproximou posições com as empresas de telefonia (interessadas em participar do mercado de conteúdos e disputar terreno com a Globo) e algumas televisões privadas, como a TV Record – de propriedade de uma igreja evangélica.

A estratégia foi tomando contornos mais firmes no final do mês de outubro quando Lula defendeu, durante uma cerimônia de inauguração dos novos estúdios da Record no Rio de Janeiro, o fim do "pensamento único" capitaneado por alguns formadores de opinião (em óbvia alusão à Globo) e a construção de um modelo mais plural. Dias mais tarde, o mesmo Lula afirmava: “Quanto mais canais de TV e quanto mais debate político houver, mais democracia teremos (...) e menos monopólio na comunicação”.

Com um discurso monolítico e repleto de ressonâncias ideológicas próprias da Doutrina de Segurança Nacional (como associar qualquer objeção à liberdade de imprensa empresarial com ocultas maquinações “sovietizantes”), o grupo Globo lançou uma ofensiva, por meios de seus diversos veículos gráficos e eletrônicos, contra a incipiente tentativa do governo de estimular o debate sobre a atual ordem informativa, que alguns definem como um “latifúndio” eletrônico.

O primeiro passo neste sentido, assinala Joaquim Palhares, foi “esvaziar e boicotar a Conferência Nacional de Comunicação, retirando-se dela, dando um soco na mesa e saindo impestivamente para tentar deslegitimá-la”, movimento seguido por outros grupos midiáticos. O segundo movimento consistiu em articular um discurso institucional para fazer um cerco sanitário contra o contágio de iniciativas adotadas por governos sulamericanos como os da Argentina, Equador e Venezuela, orientadas na direção de uma reformulação do cenário midiático.

A Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abert) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) “temem que o que ocorreu na Argentina se repita no Brasil; eles veem essa lei como uma ameaça e começaram a manifestar sua solidariedade com a imprensa da Argentina”, afirma Zélia Leal Adghirni. O receio expresso pelas entidades representativas dos grandes conglomerados midiáticos é o seguinte: se o descontentamento regional contra a concentração informática ganha força junto à opinião pública brasileira, poderia romper-se a cadeia de inércia e conformismo que já dura décadas e, quem sabe, iniciar-se um gradual – nunca abrupto – processo de democratização.

O inverso também se aplica: se o Brasil, liderado por Lula, finalmente assumir como suas as teses do direito à informação e à democracia comunicacional, é certo que essa corrente de opinião, atualmente dispersa na América Sul, poderá adquirir uma vertebração e uma legitimidade de proporções continentais.


* Dario Pignotti é jornalista e doutor em Comunicação pela Universidade de São Paulo

Destaque do Dia






Yeda Crusius assiste ao espetáculo do Natal na Praça 2009
A Governadora Yeda Crusius, acompanhada do arcebispo metropolitano de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings(E), assiste ao espetáculo do Natal na Praça 2009, em frente ao Palácio Piratini.


Local: Porto Alegre - RS
Data: 21/12/2009
Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini
Código: 32899

Espetáculo do Natal na Praça 2009
Show da Família Lima, durante o espetáculo do Natal na Praça 2009, em frente ao Palácio Piratini.


Local: Porto Alegre - RS
Data: 21/12/2009
Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini
Código: 32901

Yeda Crusius assiste ao espetáculo do Natal na Praça 2009
A Governadora Yeda Crusius, assiste ao espetáculo do Natal na Praça 2009, em frente ao Palácio Piratini.


Local: Porto Alegre - RS
Data: 21/12/2009
Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini
Código: 32898

Espetáculo do Natal na Praça 2009
Show da Família Lima, durante o espetáculo do Natal na Praça 2009, em frente ao Palácio Piratini.


Local: Porto Alegre - RS
Data: 21/12/2009
Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini
Código: 32902

Yeda Crusius assiste ao espetáculo do Natal na Praça 2009
A Governadora Yeda Crusius, assiste ao espetáculo do Natal na Praça 2009, em frente ao Palácio Piratini.


Local: Porto Alegre - RS
Data: 21/12/2009
Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini
Código: 32900

Leão Percorre 3244 Km

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009
Leão percorrerá cerca de 3244km na Primeira Fase

Considerando as viagens de ida e de volta que o Glória fará, temos uma base da distância que a equipe comandada por Paulo Porto irá percorrer na Primeira Fase da Segundona 2010, confira:

Vacaria - Porto Alegre(Cruzeiro): 482km
Vacaria - Gravataí(Cerâmica): 472km
Vacaria - Venâncio Aires(Guarani): 472km
Vacaria - Sapucaia do Sul(Sapucaiense): 438km
Vacaria - São Leopoldo(Aimoré): 416km
Vacaria - Lajeado(Lajeadense): 408km
Vacaria - Garibaldi(Assossiação Garibaldi): 286km
Vacaria - Farroupilha(Brasil-FA): 270km

No total, aproximadamente 3244km. Uma diferença considerável para os 4750km percorridos na Primeira Fase deste ano. Comparando o destino mais longe do Leão este ano que foi Santa Maria, contando ida e volta, foram 924km rodados, e em 2010 o trajeto mais longo será na viagem até Porto Alegre com 482km a percorrer.

por Neto Ferreira

Apresentação Confirmada do Glória de Vacaria RS


Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009
Apresentação confirmada

A diretoria do G.E.Glória confirmou que a apresentação oficial do grupo de jogadores ocorrerá no dia 2 de janeiro às 17:00 horas no Altos da Glória.
O preparador físico Marcelo Cé disse que o tempo não é o ideal, mas o trabalho será realizado da melhor maneira possível para que os atletas tenham um bom condicionamento físico já no primeiro jogo.
Segundo o dirigente de futebol, Ivar Saraiva, esta semana serão anunciados cerca de 23 jogadores, podendo incluir até mesmo dois estrangeiros que já trabalharam com Paulo Porto em outros clubes.
No momento o Leão possui dois jogadores confirmados, Ivanildo e João Paulo, voltante e lateral-direito respectivamente.

por Neto Ferreira

Concurso da Petrobrás

Cartões de Natal Online