Rádio WNews

quinta-feira, 26 de março de 2009

Cautela com as palavras

Poa, 23/03/09

Desejo um excelente início de semana.

Temos mesmo que ter cautela com as palavras.

Beijos.

Deise Nunes.

Elas tanto servem para promover a paz, quanto a guerra.
Pense bem antes de articular qualquer idéia. Analise intimamente as frases antes de pronunciá-las.
Mesmo que ouça de terceiros o que não gostaria de ouvir, não cometa o mesmo erro em ralação aos outros.Faça com que suas palavras sirvam para abençoar, para bendizer, nunca, porém, para amaldiçoar.
Seja o porta-voz do equiibrio, e não da insensatez.
(Valdemir P. Barbosa - Pensando Positivo)

Lanchonete Canibal

Poa, 23/03/09



Ahahahaha....



Beijos.



Deise Nunes.



Lanchonete Canibal



Viajando por uma região de canibais, o arqueólogo chega a uma lanchonete escondida no meio da selva. O cardápio chama sua atenção.


Lanchonete Canibal só servimos carne importada

- missionário inglês frito. . . . . . . . . .... .. . US $ 30,00
- turista americano a moda do chef. .... .US $ 25,00
- freira italiana ensopada. . ..... . . . .. . . . US $ 35,00
- político brasileiro ao forno. . . . . .. . .. US $ 250,00
- político brasileiro do PT ao forno. . ... US $ 300,00





Não aceitamos cheques.

Cartões só VISA de débito!

Não aceitamos cartões corporativos.



Intrigado com a disparidade de preços, ele pergunta ao dono da espelunca a razão dos pratos elaborados com políticos brasileiros serem tão caros.


O empresário, então, lhe explica:



- Bom, o cara lá do Brasil, que exporta para nós, garante que político brasileiro é muito difícil de ser caçado, principalmente do PT. Para piorar, meu cozinheiro disse que eles levam horas e horas cozinhando, e tem mais: o senhor, por acaso, já tentou limpar um deles?

Nota à Imprensa

Nota à Imprensa
23/03/2009 15:31


Tendo em vista as informações divulgadas pelos veículos de comunicação, sobre os fatos relacionados à atuação da Ouvidoria da Justiça e da Segurança, assim como a conduta de servidores e/ou ex-servidores relacionados a esses fatos, o Governo do Estado informa que:

1) determinou, nesta data, abertura de Sindicância administrativa para apuração dos fatos citados;

2) a abertura da Sindicância ocorre no dia de hoje, após notificação do Governo do Estado ao ex-titular da Ouvidoria da Justiça e da Segurança, em 20 de março último, para apresentação de documentos que alegava ter recebido, oportunidade em que declarou nada mais ter a entregar;

3) A Comissão será presidida pelo Chefe da Casa Civil adjunto, Procurador de Justiça aposentado, Francisco de Assis Cardoso Luçardo, e integrada pelo Procurador do Estado Rodrigo Krieger Martins e pelo Agente Fiscal do Estado Antônio da Silva Alves.

Porto Alegre, 23 de março de 2009.

Folcolore de Angola

Boa noite
estou a vender a minha copia do LP "Folclore de Angola" no ebay.com e achei que podia interessar a algum de voces. é um grande disco editado pela Roda nos anos 70 e tem os seguintes grupos ou cantores
-MUSANGOLA
-AFRICA SHOW
-NDOMBO JAZZ
-SOFIA ROSA
-N' GOMA JAZZ
-DIMBA DIA N' GOLA
-CABINDA RITMOS
-KIBANDOS DO RITMO
-SUPER COBA
-OS KOTUMBAS
obrigado pela atençao

Brigada efetua prisão

Brigada Militar efetua prisão por roubo de veículo e porte ilegal de arma de fogo na Capital
23/03/2009 18:13


Nesta segunda-feira (23), às 14h, em Porto Alegre, foi informado ao Pelotão de Operações Especiais do 19º BPM, o roubo de um veículo Peugeot 206, de cor cinza, de placas IOQ-6823; o roubo teria sido praticado por um indivíduo negro, armado e estaria circulando nas ruas da Vila Mapa.
A guarnição da BM realizou busca referente ao carro, sendo localizado na Rua Ezequiel Antonio de Oliveira, na Lomba do Pinheiro. O veículo era conduzido por L.H.P.A., de 20 anos de idade, sem antecedentes criminais.

Com ele, foi encontrado um revólver, calibre 22, com 10 munições e um aparelho celular da vítima. O indivíduo foi conduzido à delegacia.

Fonte: PM5-Imprensa/BM

Falar de África

Junto se envia o programa do Ciclo Falar de África.
Esperando contar com a vossa participação, agradeço igualmente a divulgação do evento.
Com os meus melhores cumprimentos
Ana Roque

Ana Cristina Roque
Instituto de Investigação Científica Tropical
Departamento de Ciências Humanas - P rograma de Desenvolvimento Global
Rua da Junqueira, 30 - 3º,
1349-007 Lisboa
Tel. (351) 21 360 05 80
ana.roque@iict. pt
http://www2. iict.pt

Golpe de 64

A geopolítica do Golpe de 64


Antecedentes


Desde que James Monroe, em 1822 proclamou a Doutrina clássica que levaria o seu nome e nortearia a administração estadunidense por muitos anos face ao colonialismo da Europa, “A América (inteira) para os Americanos (dos EUA)”, com profunda agudização no final da Segunda Guerra Mundial os EUA buscam exercer diretamente a sua hegemonia sobre todas as Nações, muito particularmente as do que consideram “seu quintal”, a América Latina. A onda nacionalista das primeiras décadas do século XX em nosso hemisfério (Perón na Argentina, Vargas no Brasil, etc.) contrariava os interesses do empresariado internacional representado pelo governo estadunidense que, desde sempre, fez carga contra tais políticas.

Getúlio Vargas conseguiu, com um único tiro no próprio peito em agosto de 1954, acertar a um só tempo a oposição a ele (local, mas com raízes profundas em Washington) e retardar o golpe militar no Brasil por 10 anos. Isso, além da melhor legislação trabalhista e previdenciária que o país já teve, a ele devemos em que pesem eventuais desavenças que possamos ter com aquele importante líder latino-americano.

Seu sucessor, Juscelino Kubitschek começou a inserir o Brasil no contexto do que mais tarde se chamaria de “globalização”: trouxe montadoras de automóveis para o Brasil – dando um incentivo insignificante à indústria nacional, tão insignificante que durou menos de uma década. Em que pese a propaganda tão ufanista quanto vazia, depois da falência da Romiiseta e da Gurgel, não temos indústria automobilística no Brasil. Tudo o que temos são montadoras de automóveis de marcas estrangeiras. Juscelino promoveu crescimento e avanço ao Brasil, concedamos, dentro dos marcos do capitalismo ampliando o endividamento externo e deixando aberta a porteira da corrupção.

No quadro externo, a Guerra Fria entre o capitalismo estadunidense e o socialismo (em verdade uma espécie de capitalismo de Estado) de corte soviético esquentava cada vez mais. Em janeiro de 1959 Fidel Castro, Che Guevara, Camilo Cienfuegos e outros idealistas entravam vitoriosos em Havana, colocando para correr a ditadura pró-estadunidense de Fulgêncio Batista. Cuba fica a cerca de 160 milhas náuticas de distância da Flórida. Quando, em 1961, Fidel Castro anunciou que a Revolução Cubana seguiria na direção do Socialismo foi uma calamidade para os estadunidenses. Tanto pela proximidade do inimigo “em seu quintal” quanto pelo exemplo que potencialmente trazia a outras Nações colocadas sob a órbita de influência estadunidense desde a “Doutrina Monroe”.

De fato, cresciam e se fortaleciam após anos de exceção nacionalista burguesa, os partidos e movimentos de esquerda na América Latina: os Montoneros no Uruguai, os Tupamaros no Peru, o Partidão no Brasil, o MIR (Movimiento de Izquierda Revolucionária) chileno, etc. Todos seduzidos pelo exemplo de um grupo idealista capaz de mobilizar as massas a expulsar o invasor estrangeiro fosse na forma de capital, fosse na forma de sua presença física mesma. Surgia no Cone Sul a polarização entre a direita (que, desde sempre, defende o Capital e a manutenção da Ordem colocada e benéfica a poucos banqueiros, empresários e latifundiários) e a esquerda (que, desde sempre, defende os direitos do Ser Humano contra o Capital – que o Capital seja colocado a serviço do Humano ao invés do Humano a serviço do Capital, lutando uma Nova Ordem).



O War College e seus clones, as Escolas Superiores de Guerra impõem a Ideologia da Soberania Nacional


Fazendo face a esta situação, os EUA criaram o War College e ofertaram bolsas de estudos com vultuosos estipêndios para que os oficiais superiores e generais de toda a América Latina freqüentassem a seus cursos. Regressando da Metrópole, pulularam em todas as colônias “Escolas Superiores de Guerra”: no Panamá, Argentina, Chile, Paraguai, Brasil, Peru, Venezuela, etc. O eixo era monocórdio: como hoje a política externa estadunidense volta-se ao “combate ao terrorismo e ao narcotráfico” naquela ocasião o mote era “combater o comunismo”. Tão irracional este quanto aquele, todo o comportamento minimamente desviante era considerado “simpatizante do comunismo” e se começaram a criar organismos de informação e segurança nos quartéis para dar combate ao “inimigo interno”, criando-se fichas de supostos simpatizantes do comunismo. Nos EUA, era a época do Macarthismo, que instaurou a delação obrigatória no meio artístico e trouxe grave dano à produção cinematográfica de Hollywood. No Chile, Paraguai, Brasil, Argentina, etc. eram os quartéis vigiando os políticos para que não ocorresse qualquer desvio na direção do socialismo.

Diante de tal situação o eleitorado brasileiro optou, nas eleições de 1960, por conduzir o Collor de Mello daquela época, conhecido como Jânio Quadros, com sua política moralizante, voltada meramente a combater a corrupção com o discurso, sem suporte partidário que lhe desse sustentação, à Presidência da República mas, sabiamente, elegeu para a Vice-Presidência o varguista João Goulart (na legislação vigente desde a redemocratização de 1946 até o golpe de 1964 era possível votar para Presidente por um Partido e para Vice-Presidente por outro diferente). Depois de tomar algumas e outras, além de medidas “moralizantes” altamente discutíveis como proibir rinhas de galo e desfiles de moda em trajes de banho (o que, na melhor das hipóteses, poderia ser iniciativa de um Ministro da Justiça. De um Presidente da República se esperava algo mais profundo, mais sério) Jânio se disse acossado por “Forças Ocultas” que jamais nomeou e renunciou tomando o cuidado de levar consigo a Faixa Presidencial. Ansiava regressar ao poder “nos braços do povo” e exercer seu autoritarismo em sua plenitude, antigo e recorrente sonho de todos os governantes que passam pelo Palácio Governamental Brasileiro. O povo, contudo, aplaudiu sua decisão de renunciar e ninguém se mobilizou para que retornasse. João Goulart estava justamente em visita à China Socialista governada por Mao Tsé-Tung em agosto de 1961 quando da renúncia do Presidente. Os militares se articularam com o Congresso Nacional: não era considerado possível deixar um “simpatizante do comunismo esquerdizante” assumir a presidência da República no Brasil. A ideologia da Segurança Nacional da Escola Superior de Guerra brasileira não o admitiria. Jango faz uma viagem longa, tortuosa, tomando a rota do Pacífico, mais longa, até chegar de volta ao Brasil. Chegando de regresso ao Brasil, Jango encontra um quadro pronto: o Congresso Nacional, com as bênçãos das Forças Armadas, promulgou a vigência do Parlamentarismo – sempre é bom recordar o segundo dos “Primeiros Ministros” deste período parlamentarista brasileiro, Tancredo Neves, homem de confiança dos militares...

Em 1962 o povo brasileiro foi convidado às urnas. Plebiscito: “Você é favor do parlamentarismo no Brasil?”. Quem votasse “sim” desejava a continuidade da excressência montada pelos militares em articulação com o parlamento; quem votasse “não” desejava o retorno da Ordem Institucional de 1946. O voto “não” foi maciçamente vencedor mas João Goulart jamais obteve o apoio necessário a fazer uma política de esquerda coerente. Houve avanços, mas a própria limitação de sua consciência possível e o quadro de propaganda maciça anticomunista do período tornaram suas propostas e medidas mais decisivas absolutamente inócuas.

A virada do ano de 1963 para 64 encontra generais conspiradores em todos os quartéis do país e até na Esplanada dos Ministérios em Brasília. O golpe se articulava. Era necessário evitar que João Goulart tomasse as medidas “esquerdizantes” de decretar a Reforma Agrária de terras devolutas às margens das Rodovias Federais e limitar a remessa de divisas ao exterior. Para isso se mobilizou, em vários pontos do país, conservadores de todos os matizes contra João Goulart e a favor da ditadura ansiada pelos EUA para o Brasil.

Jango reagiu convocando o povo para um Comício histórico na Central do Brasil, Rio de Janeiro, na sexta-feira 13 de março de 1964. A Central do Brasil, além de ser o ponto de chegada e partida do maior número de trabalhadores do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense, fica exatamente ao lado do antigo prédio do Ministério do Exército, o que foi considerado uma afronta direta aos militares que optaram por não responder naquele instante. No Comício da Central do Brasil Jango anunciou a expropriação de terras devolutas às margens das rodovias e a nova lei limitando a remessa de lucros ao exterior

A Máquina de Guerra do Exército Brasileiro aumenta sua movimentação com deslocamentos de tropas e exercícios “de rotina” os mais diversos pelo país afora. Além disso, propagandistas das Forças Armadas Brasileiras aliados aos EUA e à Igreja Católica orientam grandes contingentes populares a protestar contra o processo de esquerdização do Brasil que João Goulart estaria protagonizando. Pipocam em vários pontos do país, com ênfase para a cidade de São Paulo, as “Marchas da Família com Deus e Pela Liberdade” ou seja, marchas contra João Goulart, contra a Democracia e a favor da Ditadura, das Forças Armadas Brasileiras e dos EUA. Infelizmente, aqui no Brasil, como já ocorrera na Alemanha nazista e se repetiria em vários outros países-satélite dos EUA, o povo foi às ruas pedindo a Ditadura, a intervenção das Forças Armadas contra a Democracia embora, naturalmente, utilizassem um linguajar mais apropriado ao tempo em que viviam.



O 1º de Abril de 1964


Sem contar com o apoio popular esperado, menos ainda com qualquer tipo de apoio dos auto-proclamados “representantes do povo”, Jango retira-se melancólico para sua terra natal, São Borja, e aguarda os desdobramentos dos acontecimentos. Presidindo a Câmara dos Deputados no dia 1º de Abril de 1964, Auro de Moura Andrade, ecoando no Congresso Nacional a voz dos quartéis, declara vaga a Presidência da República com o Presidente em território nacional. Sob vaias dos poucos representantes genuínos do povo brasileiro e da democracia, Moura Andrade transfere a Presidência da República para o Presidente efetivo da Câmara dos Deputados, Paschoal Ranieri Mazilli que, tão logo os militares se instalam nos postos de comando da Nação, transfere a Presidência ao general Castello Branco, que governará o Brasil até 1967, quando foi substituído pelo também general Costa e Silva. O começo do golpe contou com o apoio de todo o conservadorismo brasileiro e contou ainda com a apatia simpática de todos os que estufavam o peito e se diziam “apolíticos”, como se essa expressão tivesse algum significado no mundo humano – “O homem é um animal político”, zoon politikon, segundo Aristóteles. Quem se proclama apolítico está assinando um atestado público de ignorância e incompetência para o exercício da cidadania.

A primeira e mais notória medida de Castello Branco, por sinal, é revogar as leis que limitavam a remessa de lucros ao exterior e aquela que decretava a Reforma Agrária de terras devolutas às margens das rodovias federais.

Aos poucos vai ficando claro que os militares não vieram para mudar absolutamente nada e, inesperadamente, buscam perpetuar-se no poder ao contrário do que imaginavam aqueles que lhes deram sustentação no início.



AI-5, o Golpe dentro do Golpe


Quando a demência sobe ao poder o povo sofre. Todas as grandes tragédias da humanidade têm um início medíocre, fundado em alguma forma de mal-entendido que se constitui meramente na gota d’água que faltava para a deflagração de um evento maior que já estava em gestação há muito tempo. Em 1968 foi um protesto jocoso do Deputado Federal pelo Rio de Janeiro Márcio Moreira Alves, sugerindo que as moças que estavam se formando na Escola Normal da Tijuca se recusassem a ir ao tradicional baile dos Cadetes da Marinha. O general Costa e Silva pediu ao Congresso autorização para processar o Deputado Márcio Moreira Alves. Pedido negado, o que parecia uma brincadeira foi se transformando numa bola de neve sem fim que descamba no que se chama até hoje de “golpe dentro do golpe”, a decretação do Ato Institucional número 5, de 13 de dezembro de 1968. Com AI-5, fechava-se o Congresso Nacional e o Presidente-general passava a ter amplos poderes para decretar estado de sítio, intervenção nos Estados, cassação de mandatos e suspensão de direitos políticos além de subordinar o Judiciário e o Legislativo ao Executivo e suspendia o efeito de habeas corpus para crimes considerados atentatórios à “segurança nacional”.

Com o AI-5 começou o período mais negro da Ditadura: milhares de pessoas foram aprisionadas entre intelectuais, artistas, cientistas, estudantes, trabalhadores, políticos... Todos identificados como “inimigos do povo brasileiro”. Seguiram-se mais prisões, torturas, assassinatos e “desaparecimento” de presos políticos foram praticados em nome da segurança nacional...

O mesmo acontece, sob rigorosa orientação e controle estadunidense no Chile, Paraguai, Argentina, Uruguai, Venezuela, Panamá, etc. As décadas de 1960 a 80 do século XX ficaram marcadas pelas ditaduras militares na América Latina.

===========================================================================================================================================================






Ditadura Brasil 1964

DVD

De:R$ 47,90 Por: R$ 44,90









Título: Tempo de Resistência, de André Ristum
Título Original: Tempo de Resistência
Direção: André Ristum
Elenco: Leopoldo Paulino, D. Angélico Bernardino, Vanderley Caixe , Aloysio Nunes, Franklin Martins, José Dirceu, Carlos Russo, Darci Rodriguez
Ano de Produção: 2005
Duração: 115 minutos
Cor: Colorido/Preto e Branco
Tipo de Diálogo: Adulto
Formato da Tela: Fullscreen 1.33:1
Gênero: Documentário
Faixa Etária: Livre
País de Produção: Brasil
Legenda: Inglês
Idioma: Português
Áudio: Dolby Digital 2.0
Código de Barras: 7895233178403


Extras: De Glauber para Jirges (curta-metragem)






Sinopse: "Houve um momento em que nos sacrificamos por um ideal, na busca do bem da coletividade. .."

A partir do depoimento de mais de 30 pessoas diretamente envolvidas na resistência à ditadura, e impactantes imagens de arquivos, Tempo de Resistência revela a história deste longo e nebuloso período, que se estendeu por mais de 20 anos, levando conhecimento e consciência aos jovens em particular. Embalado pelas músicas de Chico Buarque, Francis Hime e Geraldo Vandré, o filme revela todo o processo do golpe militar, desde o comício do Presidente João Goulart até o dia da Anistia. Aborda os reflexos da ditadura no interior do estado de São Paulo , como em Ribeirão Preto, e no interior do Brasil. Trata-se de um relato completo sobre o período da ditadura militar no país, visto e contado por quem viveu na pele as conseqüências da repressão e do autoritarismo, como José Dirceu, Aloysio Nunes, Franklin Martins, Vanderley Caixe,Leopoldo Paulino, Denize Crispim, entre outros militantes da época.






__._,_.___

__,_._,___



-----Anexo incorporado-----


_______________________________________________
Cartaoberro mailing list
Cartaoberro@serverlinux.revistaoberro.com.br
http://serverlinux.revistaoberro.com.br/mailman/listinfo/cartaoberro

News sobre o Racismo

União dos Negros pela Igualdade tenta se reaglutinar em Mato Grosso
24Horas News - Cuiabá,MS,Brazil
A União dos Negros pela Igualdade (Unegro) realiza neste sábado o seu I Encontro Estadual de Mato Grosso. O objetivo é a reorganização oficial da entidade ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Goiânia terá feriado no Dia da Consciência Negra
Radio Rio Vermelho - Silvânia,Goiás, Brazil
O líder do prefeito na Câmara, Bruno Peixoto, disse que o executivo iria criar o ponto facultativo para comemorar o Dia da Consciência Negra, mas a idéia ...
Veja todos os artigos sobre este tópico


Capital realiza I Conferência Municipal da Igualdade Racial nos ...
Pantanal News - Aquidauana,MS, Brazil
Segundo a vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos do Negro (Cmdn), Sandra Mara Martins dos Santos, além da temática sobre a política nacional de ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Terça Negra traz mistura de afoxé, mangue beat e maracatu
pe360graus.com - Recife,Pernambuco, Brazil
O Pátio de São Pedro, no bairro de São José, recebe mais uma edição no projeto Terça Negra nesta terça-feira (24), a partir das 20h. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Punição para crime de racismo esbarra no Judiciário
Paraiba.com. br - João Pessoa,Paraiba, Brazil
A Lei Caó, que definiu os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor no país, não foi capaz de resolver o problema do racismo cometido por ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Morre a britânica Jade Goody, ex-'Big Brother' que fez do câncer ...
G1.com.br - Brazil
Ela também foi chamada de racista por conta do tratamento que concedeu à atriz de Bollywood Shilpa Shetty, na versão do reality show de 2008. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
O mal reformado
Correio da Manhã - Lisboa,Lisboa, Portugal
Mas esta longa-metragem, que vai da comédia à tragédia, escapa aos clichés pela linguagem racista, boçal e humorística, que contrasta com a linguagem ...
Veja todos os artigos sobre este tópico


Com a boneca Emília: a escritora adaptou para a televisão a obra ...
Veja São Paulo - São Paulo,SP,Brazil
Quando perguntada por um garoto negro se era racista, não titubeou. "Você vê orelhas de burro na minha cabeça? Só é racista quem é burro", respondeu.
Veja todos os artigos sobre este tópico
Vereador perde o cargo após recomendar jogo racista para funcionários
G1.com.br - Brazil
... foi obrigado a renunciar ao cargo público por ter recomendado para seus colegas na câmara municipal que jogassem um game online considerado racista. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Cúpula anti-racista
Pravda.Ru - Moscow,Russia
A conferência, a ser realizada de 20 a 24 abril, em Genebra, vai avaliar os progressos realizados desde marco 2001 da Conferência Mundial contra o Racismo, ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Liberdade para ser racista?
Esquerda - Lisboa,Portugal
1 - A comunicação social reproduz diariamente, conceitos xenófobos e racistas. Conceitos que continuam a fazer escola e que são assimilados e reproduzidos ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Comunicado do Conselho de Ministros de 19 de Março de 2009
Portal do Governo - Lisboa,Lisboa, Portugal
Proposta de Resolução que aprova o Protocolo Adicional à Convenção sobre o Cibercrime relativo à Incriminação de Actos de Natureza Racista e Xenófoba ...
Veja todos os artigos sobre este tópico
Representante dos povos Kaingang diz que Estado deve tratar com ...
Agência Senado - Brasília,DF,Brazil
A discussão do racismo incomoda a sociedade brasileira, que é racista, não reconhece e não quer discutir maneiras de superar o problema - avaliou. ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Agressão racista dá oito meses de prisão
Diário IOL - Lisboa,Portugal
O jovem espanhol que agrediu violentamente uma menor equatoriana no metro de Barcelona, em Outubro de 2007, foi condenado, esta quarta-feira, ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

Israel Acordo de Netanyahu com a extrema-direita preocupa ...
euronews - Lyon,France
Se isto não é racismo, então eu não sei o que é o racismo”, conclui. Quem também já exprimiu algumas reservas sobre as políticas do próximo governo ...
Veja todos os artigos sobre este tópico

__._,_.___
N