Grêmio 1 x 0 Botafogo

Grêmio 1 x 0 Botafogo
Libertadores 2017

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

CPI da Mídia

PiG em crise: circulação de jornais cai quase 5% no 1º semestre
A circulação média dos jornais filiados ao Instituto Verificador de Circulação (IVC) teve declínio de 4,8% no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2008. A circulação média de todos os títulos filiados à entidade nos primeiros seis meses de 2009 foi de 4.231.165 exemplares por dia.
No ano anterior, esse número alcançava 4.394.047. A variação de -4,8% é resultado da comparação entre a média de circulação apenas dos títulos presentes nos dois períodos.

De acordo com o levantamento, a circulação somada dos 20 maiores jornais diários brasileiros caiu 6% no primeiros semestre. As maiores quedas foram de O Dia (-24%), Extra, Jornal da Tarde e O Estado de S. Paulo (todos com -17%). Também registraram perdas Diário de S. Paulo (-11%), Diário Gaúcho (-9%), Meia Hora (-9%), O Globo (-8%), Folha de S.Paulo (-7%) e Super Notícia (-4%).

Na ponta oposta, comemoram crescimento Daqui (37%), Expresso da Informação (14%), Lance (8%), Agora (4%), Zero Hora (3%) e A Tribuna (2%). Mantiveram-se estáveis — o que no cenário atual é uma vitória — Correio Braziliense, Estado de Minas, Correio do Povo e Valor.

Não houve alterações significativas no ranking geral, liderado por Folha de S. Paulo (média diária de 296 mil exemplares), Super Notícia (288 mil), Extra (262 mil) e O Globo (260 mil). Em seguida, aparecem O Estado de S.Paulo (215 mil), Meia Hora (203 mil), Zero Hora (184 mil), Correio do Povo (154 mil), Diário Gaúcho (152 mil), Lance (133 mil), Agora São Paulo (88 mil), O Dia (82 mil), Estado de Minas (76 mil), Expresso da Informação (67 mil), Daqui (63 mil), A Tribuna (62 mil) e Diário de S.Paulo (61 mil).

A única novidade é a estreia do Dez Minutos, de Manaus, na 18ª posição, com média diária de 54 mil exemplares — não considerados na conta de queda de 6%, pois foi lançado no final do ano passado. Fecham a lista: Valor Econômico (54 mil), Correio Braziliense (53 mil) e Jornal da Tarde (49 mil).

Publicidade em baixa

Os meios impressos, em geral, também obtiveram queda de investimento publicitário nos cinco primeiros meses de 2009 em comparação com 2008. De acordo com estudo do Projeto Inter-Meios, juntos, jornais e revistas caíram 16%: 9,48% e 7,37%, respectivamente.

O faturamento do meio jornal caiu para R$ 1,2 bilhão, sendo que a participação no bolo passou para 15,76%. Com queda, as revistas chegaram ao montante de R$ 555 milhões e participação de 7,09%.

Da Redação, com informações do Meio & Mensagem

Circulação de Jornais

PiG em crise: circulação de jornais cai quase 5% no 1º semestre
A circulação média dos jornais filiados ao Instituto Verificador de Circulação (IVC) teve declínio de 4,8% no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2008. A circulação média de todos os títulos filiados à entidade nos primeiros seis meses de 2009 foi de 4.231.165 exemplares por dia.
No ano anterior, esse número alcançava 4.394.047. A variação de -4,8% é resultado da comparação entre a média de circulação apenas dos títulos presentes nos dois períodos.

De acordo com o levantamento, a circulação somada dos 20 maiores jornais diários brasileiros caiu 6% no primeiros semestre. As maiores quedas foram de O Dia (-24%), Extra, Jornal da Tarde e O Estado de S. Paulo (todos com -17%). Também registraram perdas Diário de S. Paulo (-11%), Diário Gaúcho (-9%), Meia Hora (-9%), O Globo (-8%), Folha de S.Paulo (-7%) e Super Notícia (-4%).

Na ponta oposta, comemoram crescimento Daqui (37%), Expresso da Informação (14%), Lance (8%), Agora (4%), Zero Hora (3%) e A Tribuna (2%). Mantiveram-se estáveis — o que no cenário atual é uma vitória — Correio Braziliense, Estado de Minas, Correio do Povo e Valor.

Não houve alterações significativas no ranking geral, liderado por Folha de S. Paulo (média diária de 296 mil exemplares), Super Notícia (288 mil), Extra (262 mil) e O Globo (260 mil). Em seguida, aparecem O Estado de S.Paulo (215 mil), Meia Hora (203 mil), Zero Hora (184 mil), Correio do Povo (154 mil), Diário Gaúcho (152 mil), Lance (133 mil), Agora São Paulo (88 mil), O Dia (82 mil), Estado de Minas (76 mil), Expresso da Informação (67 mil), Daqui (63 mil), A Tribuna (62 mil) e Diário de S.Paulo (61 mil).

A única novidade é a estreia do Dez Minutos, de Manaus, na 18ª posição, com média diária de 54 mil exemplares — não considerados na conta de queda de 6%, pois foi lançado no final do ano passado. Fecham a lista: Valor Econômico (54 mil), Correio Braziliense (53 mil) e Jornal da Tarde (49 mil).

Publicidade em baixa

Os meios impressos, em geral, também obtiveram queda de investimento publicitário nos cinco primeiros meses de 2009 em comparação com 2008. De acordo com estudo do Projeto Inter-Meios, juntos, jornais e revistas caíram 16%: 9,48% e 7,37%, respectivamente.

O faturamento do meio jornal caiu para R$ 1,2 bilhão, sendo que a participação no bolo passou para 15,76%. Com queda, as revistas chegaram ao montante de R$ 555 milhões e participação de 7,09%.

Da Redação, com informações do Meio & Mensagem
Fonte: Destaque Vermelho

Marina Silva Sai do PT


Brasil
19 de Agosto de 2009 - 17h11
Marina sai do PT sem deixar claras suas pretensões políticas
A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, anunciou nesta quarta-feira (19) sua desfiliação do PT, partido ao qual esteve ligada por quase 30 anos. A senadora acreana diz que ainda não tomou a decisão de se filiar a um novo partido, mas é de conhecimento público que sua saída do PT tem como objetivo filiar-se ao PV para disputar a presidência da República em 2010.

Marina Silva sai do PT para ser candidata pelo PV
O desligamento do PT, que já estava sendo preparado há quase um mês, foi anunciado pela própria senadora durante coletiva de imprensa na Comissão de Meio Ambiente. Marina também enviou uma carta ao presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, oficializando sua saída do partido. Na carta, a senadora justifica a desfiliação dizendo que "é o momento não mais de continuar fazendo o embate para convencer o partido político do qual fiz parte por quase trinta anos, mas sim o do encontro com os diferentes setores da sociedade dispostos a se assumir, inteira e claramente, como agentes da luta por um Brasil justo e sustentável, a fazer prosperar a mudança de valores e paradigmas que sinalizará um novo padrão de desenvolvimento para o País".

Na carta, a senadora também critica o modelo de desenvolvimento que vem sendo historicamente aplicado no país: "Tenho a firme convicção de que essa decisão (de deixar o PT) vai ao encontro do pensamento de milhares de pessoas no Brasil e no mundo, que há muitas décadas apontam objetivamente os equívocos da concepção do desenvolvimento centrada no crescimento material a qualquer custo, com ganhos exacerbados para poucos e resultados perversos para a maioria, ao custo, principalmente para os mais pobres, da destruição de recursos naturais e da qualidade de vida."

À frente do Ministério do Meio Ambiente entre 2003 e 2008, Marina tentou defender seu ponto de vista em relação à política de desenvolvimento, mas não teve força política suficiente para travar esta batalha com setores como o do agronegócio, o que acabou resultando em seu desligamento do Ministério em maio do ano passado.

"Sanear" o PV

Perguntada sobre a provável filiação ao PV e sobre como irá atuar dentro de um partido pequeno e cheio de caciques pouco comprometidos com a causa ambiental, Marina desconversou. Disse que a decisão de se filiar a um novo partido ainda não está tomada. "Para fazer um diálogo de filiar-me ao PV, que foi o convite que me foi feito, eu precisava primeiro refletir se iria ou não sair do Partido dos Trabalhadores", disse Marina a jornalistas. "A partir de agora, me sinto livre para fazer essa transição dentro daquilo que me dispus, uma discussão em termos programáticos."

Apesar da aparente indefinição, a senadora teceu comentários sobre seu novo partido. "Nunca tive a ilusão, nos últimos 10, 15 anos, de que os partidos seriam perfeitos", afirmou a senadora. "Hoje tenho a clareza de que todos têm problemas, e todos têm problemas a serem saneados, a realidade do PV não será diferente."

Marina frisou que foi a disposição do PV de rever sua estrutura e programa que a levou a avaliar a proposta de filiação. Ela ressalvou, contudo, não ter a intenção de prejulgar ninguém do partido e afirmou que, do ponto de vista programático, Sarney Filho, uma das principais lideranças do PV, sempre esteve identificado com a causa ambiental.

No site do Partido Verde, a aparente indefinição de Marina não existe. Com o afirmativo título “Tudo acertado: a bola com Marina!”, Alfredo Sirkis dá como favas contadas o ingresso da senadora no PV e sua candidatura presidencial em 2010. Segundo Sirkis, a filiação acontecerá “no dia 30 de agosto, domingo, em São Paulo, numa convenção nacional festiva do PV precedida de uma reunião da Executiva Nacional”.

Na ocasião, segundo o líder verde, “Marina indicará nove integrantes de sua equipe que, juntamente como ela própria, ingressarão na Executiva Nacional do PV e, juntamente com onze membros atuais da Executiva, formarão uma Coordenação Nacional destinada a tratar, prioritariamente, da elaboração do texto base para os novos programas partidário (20 anos) e de governo (5 anos) pela campanha presidencial”.

Os novos programas partidário e de governo serão fechados no Congresso Verde previsto para novembro.

Candidatura anti-Dilma?

No PT, a saída de Marina já era esperada e foi recebida sem alarde. Alguns líderes petistas temem que a trajetória política da senadora seja maculada por uma eventual ligação com a oposição direitista.

O senador João Pedro (PT-AM), disse estar preocupado com esta hipótese: “(Tenho a preocupação) De a história dela, uma história exemplar, encontrar dificuldades por conta da dubiedade e da aproximação do PV com o projeto do PSDB, haja vista que a maioria do PV está aliada aos tucanos”, afirmou o senador ao site Terra Magazine.

O dirigente petista Valter Pomar é mais duro na análise: “Os que comemoram (a saída de Dilam do PT), não acreditam e geralmente não desejam que Marina possa ser presidente; acham apenas que ela pode atrapalhar uma terceira vitória do PT. Ou seja: sua candidatura é vista como linha auxiliar do PSDB, mais ou menos como o Partido Verde se comporta em vários estados do Brasil”, afirmou Pomar em artigo recente.

Já a oposição vê prováveis ganhos com uma candidatura Marina. "As possibilidades da candidatura de Marina estão relacionadas diretamente às dificuldades da candidatura de Dilma", avaliou o senador Sérgio Guerra (PE), presidente nacional do PSDB.

Na semana passada, o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) já havia anunciado a intenção de formar um palanque duplo no Rio, com ele próprio como candidato ao governo estadual pelo PV, mas apoiando dois candidatos à presidência: José Serra e Marina Silva.

Guerra admitiu que Marina criaria algumas dificuldades ao PSDB no Rio de Janeiro no caso de se confirmar a candidatura do deputado Fernando Gabeira, do PV, que costura um apoio nacional aos tucanos. "Mas é claramente um problema que afeta o discurso do presidente Lula e do PT."

Mandato preservado

Marina Silva exerce seu segundo mandato no Senado. Seu desligamento do PT pode, em tese, ocasionar a perda do mandato. Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta que, a partir de 16 de outubro de 2007, senadores podem ter seus mandatos cassados caso não apresentem justificativa para a troca de legenda. O TSE prevê que a mudança de agremiações só pode ocorrer em caso de incorporação ou fusão de legendas, de criação de um novo partido político, de grave discriminação pessoal do filiado ou de "mudanças substanciais ou desvio reiterado do programa partidário".

Ainda que o PT não peça o mandato da senadora de volta, a legislação eleitoral prevê que entidades com interesse jurídico no caso possam recorrer para garantir a vaga no Senado. Neste caso, poderiam pleitear o assento de Marina Silva no Senado o Ministério Público Eleitoral (MPE) ou os suplentes dela, como Sibá Machado. Machado ocupou o cargo de senador por mais de cinco anos enquanto Marina Silva era ministra do Meio Ambiente do governo Lula.

Mas segundo o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), seu partido não pretende entrar na justiça para pedir o mandato da senadora. “- O presidente Ricardo Berzoini, o candidato à presidência José Eduardo Martins Cardoso e todos os senadores do PT já dissemos todos que não é a nossa intenção solicitar à Justiça Eleitoral. Eu recomendo ao PT que não reivindique à Justiça Eleitoral, sobretudo porque ela tem valores semelhantes aos nossos.”, disse o senador.

Politicamente, o PT também não vê vantagem em pedir a cadeira de Marina, já que falta apenas um ano e meio para terminar o mandato da ex-petista e uma disputa jurídica com este objetivo apenas reforçaria o papel de vítima que a senadora busca encenar.


Veja a íntegra do texto enviado por Marina Silva à direção do PT:


Caro companheiro Ricardo Berzoini,

Tornou-se pública nas últimas semanas, tendo sido objeto de conversa fraterna entre nós, a reflexão política em que me encontro há algum tempo e que passou a exigir de mim definições, diante do convite do Partido Verde para uma construção programática capaz de apresentar ao Brasil um projeto nacional que expresse os conhecimentos, experiências e propostas voltados para um modelo de desenvolvimento em cujo cerne esteja a sustentabilidade ambiental, social e econômica.

O que antes era tratado em pequeno círculo de familiares, amigos e companheiros de trajetória política, foi muito ampliado pelo diálogo com lideranças e militantes do Partido dos Trabalhadores, a cujos argumentos e questionamentos me expus com lealdade e atenção. Não foi para mim um processo fácil. Ao contrário, foi intenso, profundamente marcado pela emoção e pela vinda à tona de cada momento significativo de uma trajetória de quase trinta anos, na qual ajudei a construir o sonho de um Brasil democrático, com justiça e inclusão social, com indubitáveis avanços materializados na eleição do Presidente Lula, em 2002.

Hoje lhe comunico minha decisão de deixar o Partido dos Trabalhadores. É uma decisão que exigiu de mim coragem para sair daquela que foi até agora a minha casa política e pela qual tenho tanto respeito, mas estou certa de que o faço numa inflexão necessária à coerência com o que acredito ser necessário alcançar como novo patamar de conquistas para os brasileiros e para a humanidade. Tenho certeza de que enfrentarei muitas dificuldades, mas a busca do novo, mesmo quando cercada de cuidados para não desconstituir os avanços a duras penas alcançados, nunca é isenta de riscos.

Tenho a firme convicção de que essa decisão vai ao encontro do pensamento de milhares de pessoas no Brasil e no mundo, que há muitas décadas apontam objetivamente os equívocos da concepção do desenvolvimento centrada no crescimento material a qualquer custo, com ganhos exacerbados para poucos e resultados perversos para a maioria, ao custo, principalmente para os mais pobres, da destruição de recursos naturais e da qualidade de vida.

Tive a honra de ser ministra do Meio Ambiente do governo Lula e participei de importantes conquistas, das quais poderia citar, a título de exemplo, a queda do desmatamento na Amazônia, a estruturação e fortalecimento do sistema de licenciamento ambiental, a criação de 24 milhões de hectares de unidades de conservação federal, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade e do Serviço Florestal Brasileiro. Entendo, porém, que faltaram condições políticas para avançar no campo da visão estratégica, ou seja, de fazer a questão ambiental alojar-se no coração do governo e do conjunto das políticas públicas.

É evidente que a resistência a essa mudança de enfoque não é exclusiva de governos. Ela está presente nos partidos políticos em geral e em vários setores da sociedade, que reagem a sair de suas práticas insustentáveis e pressionam as estruturas políticas para mantê-las.

Uma parte das pessoas com quem dialoguei nas últimas semanas perguntou-me por que não continuar fazendo esse embate dentro do PT. E chego à conclusão de que, após 30 anos de luta socioambiental no Brasil - com importantes experiências em curso, que deveriam ganhar escala nacional, provindas de governos locais e estaduais, agências federais, academia, movimentos sociais, empresas, comunidades locais e as organizações não-governamentais - é o momento não mais de continuar fazendo o embate para convencer o partido político do qual fiz parte pro quase trinta anos, mas sim o do encontro com os diferentes setores da sociedade dispostos a se assumir, inteira e claramente, como agentes da luta por um Brasil justo e sustentável, a fazer prosperar a mudança de valores e paradigmas que sinalizará um novo padrão de desenvolvimento para o País. Assim como vem sendo feito pelo próprio Partido dos Trabalhadores, desde sua origem, no que diz respeito à defesa da democracia com participação popular, da justiça social e dos direitos humanos.

Finalmente, agradeço a forma acolhedora e respeitosa com que me ouviu, estendendo a mesma gratidão a todos os militantes e dirigentes com quem dialoguei nesse período, particularmente a Aloizio Mercadante e a meus companheiros da bancada do Senado, que sempre me acolheram em todos esses momentos. E, de modo muito especial, quero me referir aos companheiros do Acre, de quem não me despedi, porque acredito firmemente que temos uma parceria indestrutível, acima de filiações partidárias. Não fiz nenhum movimento para que outros me acompanhassem na saída do PT, respeitando o espaço de exercício da cidadania política de cada militante. Não estou negando os imprescindíveis frutos das searas já plantadas, estou apenas me dispondo a continuar as semeaduras em outras searas.

Que Deus continue abençoando e guardando nossos caminhos

Saudações fraternas

Marina Silva

Na entrevista coletiva que concedeu em Brasília, a ex-ministra afirmou que a saída do PT é um primeiro passo e que ainda não se filiou a outro partido.

Colaborou Claudia Andrade em Brasília

Bolsa Família

MP vai pedir cancelamento do Bolsa Família para alunos infrequentes

Novas medidas buscam evitar o aumento de casos de infrequência escolar em Vacaria

O Conselho Tutelar de Vacaria realizou cerca de 3.000 atendimentos no primeiro semestre deste ano, sendo que destas ocorrências, 222 são referentes à infrequência escolar. Em 2009 foram registras 222 fichas de alunos infrequentes (Ficais) nas escolas municipais e 62 nas escolas estaduais.
O crescimento do número de alunos infrequentes de alunos na rede municipal tem preocupado representantes de órgãos que atuam diretamente com crianças e adolescentes. Pensando nisso, o Promotor da Infância e Juventude, Eduardo Lumertz decidiu que o Ministério Público deverá adotar novas medidas evitar o aumento de casos de infrequência, entre elas, até mesmo o cancelamento dos benefícios do Bolsa Família.
A Secretária Municipal de Educação, Joara Dutra Vieira explica que os professores das escolas municipais já estão empenhados em identificar e comunicar os casos de infrequência para o conselho tutelar
Já nas escolas da rede municipal houve um crescimento do número de alunos infrequentes. De acordo com os dados do conselho, no primeiro semestre do ano passado haviam registrado 149 casos. Só neste ano já são 209. A escola com mais alunos infrequentes é a Duque de Caxias, localizada no bairro Jardim Toscano, com registro de 54 ficais.



Rádio Fátima AM (Jornalismo), 21/08/2009, 08h16

MP cancelamento da Bolsa Família

MP vai pedir cancelamento do Bolsa Família para alunos infrequentes

Novas medidas buscam evitar o aumento de casos de infrequência escolar em Vacaria

O Conselho Tutelar de Vacaria realizou cerca de 3.000 atendimentos no primeiro semestre deste ano, sendo que destas ocorrências, 222 são referentes à infrequência escolar. Em 2009 foram registras 222 fichas de alunos infrequentes (Ficais) nas escolas municipais e 62 nas escolas estaduais.
O crescimento do número de alunos infrequentes de alunos na rede municipal tem preocupado representantes de órgãos que atuam diretamente com crianças e adolescentes. Pensando nisso, o Promotor da Infância e Juventude, Eduardo Lumertz decidiu que o Ministério Público deverá adotar novas medidas evitar o aumento de casos de infrequência, entre elas, até mesmo o cancelamento dos benefícios do Bolsa Família.
A Secretária Municipal de Educação, Joara Dutra Vieira explica que os professores das escolas municipais já estão empenhados em identificar e comunicar os casos de infrequência para o conselho tutelar
Já nas escolas da rede municipal houve um crescimento do número de alunos infrequentes. De acordo com os dados do conselho, no primeiro semestre do ano passado haviam registrado 149 casos. Só neste ano já são 209. A escola com mais alunos infrequentes é a Duque de Caxias, localizada no bairro Jardim Toscano, com registro de 54 ficais.



Rádio Fátima AM (Jornalismo), 21/08/2009, 08h16

Curso de Teatro

CURSO DE TEATRO
---Abrindo Portas---


A proposta do curso tem como base a preparação do ser-artista com foco no autoconhecimento. Libertar-se dos bloqueios para abrir as portas da expressividade.
Tomar posse de nossas capacidades e emoções para o desenvolvimento pessoal.

Fazer Teatro:

* Ensina a lidar com as EMOÇÕES

* Possibilita FALAR EM PÚBLICO com desenvoltura

* Ajuda a vencer a TIMIDEZ

* Melhora o RELACIONAMENTO em grupo

* Desenvolve a EXPRESSIVIDADE




Professor: Walter Rozadilla - Faça sua reserva!!! Saiba mais!!!
Para marcar entrevista, favor ligar 3240-7267
Para mais informações: Metodologia - Horários -Investimento- Veja aqui!!!
O curso é um processo de descoberta de nós mesmos para que possamos estar
livremente inseridos no cenário..."da nossa vida".

O local do curso é movimentado e bem iluminado. O espaço conta com porteiro para maior segurança das pessoas e dos automóveis.

Seu endereço de e-mail está em nossa lista porque algum conhecido em comum o indicou. Mas, não é nossa intenção incomodar você, caso seja assim, solicite remover da lista que não enviaremos mais e-mails. Agora, se achou interessante nosso trabalho, ajude-nos a crescer encaminhando este e-mail para seus conhecidos.



Mais Informações e inscrições (das 14:00 às 21:00):
Tel: 71 3346-6286 / 3240-7267
Travessa Dr. Artur Napoleão Carneiro Rego, 190 - Pituba - Salvador - Bahia -
www.vanacontramao.com.br / contato@vanacontramao.com.br

Artigo


A mensagem contém anexosimage001.jpg (61 KB)Esta data de 20 de agosto é assinalada em todo o país como o dia do maçom, no Rio Grande do Sul ganha destaque maior por que marca também o movimento dos Farroupilhas em 1835, a propósito, no dia de hoje foi inaugurado o monumento ao maçom (foto) na avenida Ipiranga esquina com a Azenha em Porto Alegre, onde ocorreu o primeiro embate entre as forças imperiais e as forças revolucionarias.



De iniciativa do vereador porto alegrense Bernardino Vendrusculo, este monumento foi inaugurado pelo prefeito Fogaça com a presença dos líderes da maçonaria gaúcha unidos no evento, com destaque para a presença do Grão Mestre do Grande Oriente do Rio Grande do Sul, José Aristides Firmino, do Grão Mestre das Grandes Lojas, Gilberto Mussi e demais autoridades maçônicas.



O deputado Francisco Appio, 2º. Vice-presidente da Assembléia, representou o parlamento gaúcho no evento, na oportunidade o historiador Antônio Augusto Fagundes proferiu a palestra sobre “A história dos Farrapos e o inicio da Revolução Farroupilha” naquele local, apresentou inclusive uma pequena lança que foi localizada naquela esquina no processo de construção de um posto de gasolina, ao que tudo indica lança foi utilizada pelos Farrapos naquele movimento. A esquina da Azenha com a Ipiranga é o marco histórico do início da Revolução Farroupilha, em 1835, destacou Nico Fagundes.



Foto: Ricardo Giusti/PMPA





Deputado Estadual Francisco Appio - www.appio.com.br

Marco Farroupilha


A mensagem contém anexosimage001.jpg (61 KB)Esta data de 20 de agosto é assinalada em todo o país como o dia do maçom, no Rio Grande do Sul ganha destaque maior por que marca também o movimento dos Farroupilhas em 1835, a propósito, no dia de hoje foi inaugurado o monumento ao maçom (foto) na avenida Ipiranga esquina com a Azenha em Porto Alegre, onde ocorreu o primeiro embate entre as forças imperiais e as forças revolucionarias.



De iniciativa do vereador porto alegrense Bernardino Vendrusculo, este monumento foi inaugurado pelo prefeito Fogaça com a presença dos líderes da maçonaria gaúcha unidos no evento, com destaque para a presença do Grão Mestre do Grande Oriente do Rio Grande do Sul, José Aristides Firmino, do Grão Mestre das Grandes Lojas, Gilberto Mussi e demais autoridades maçônicas.



O deputado Francisco Appio, 2º. Vice-presidente da Assembléia, representou o parlamento gaúcho no evento, na oportunidade o historiador Antônio Augusto Fagundes proferiu a palestra sobre “A história dos Farrapos e o inicio da Revolução Farroupilha” naquele local, apresentou inclusive uma pequena lança que foi localizada naquela esquina no processo de construção de um posto de gasolina, ao que tudo indica lança foi utilizada pelos Farrapos naquele movimento. A esquina da Azenha com a Ipiranga é o marco histórico do início da Revolução Farroupilha, em 1835, destacou Nico Fagundes.



Foto: Ricardo Giusti/PMPA





Deputado Estadual Francisco Appio - www.appio.com.br