Inter 3 x 0 Figueirense

Inter 3 x 0 Figueirense
Brasileiro B 2017

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Odum Adotá

Os 50 anos de Luta e Resistência da Mulher para Preservação do Axé – Odum Adotá – serão comemorados com a realização de uma sessão especial na Câmara Municipal, marcada para o próximo dia 26 de maio (quarta-feira) , às 19 horas. O evento, promovido pela Associação Cultural e Religiosa São Salvador - Ilê Axé Oxumarê, pretende uma reflexão sobre a história do candomblé e do terreiro Oxumarê, que confunde-se com o histórico de lutas e articulações políticas do povo negro em busca de liberdade, dignidade, respeito por seu credo e reconhecimento da sua importância para a construção da identidade nacional. A Orquestra Afro Sinfônica, do maestro Ubiratan Marques, fará uma apresentação no local.

As comemorações continuam no dia 27 de maio (quinta-feira) , a partir das 14 horas, com a realização da mesa redonda “Ancestralidade: quem é de axé diz que é”, acompanhada da inauguração da Praça Babá Salacó, que terá como palco o Terreiro Ilê Axé Oxumaré, na Avenida Vasco da Gama. As comemorações serão encerradas no dia 29 (sábado) com a celebração religiosa Odum Adotá, também no terreiro, às 20 horas.

O evento está sendo organizado por voluntários da associação religiosa. A sessão especial, proposta pelo vereador Carballal (PT), contará com a participação do Profº Carlos Alves Moura, Assessor Especial da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, e do assessor Especial da Petrobrás, Rosemberg Pinto.



HISTÓRICO

A Associação Cultural e Religiosa São Salvador - Terreiro de Candomblé Ilê Axé Oxumarê - mantém as suas atividades desde o final do século XIX. Essa associação foi registrada em cartório no ano de 1988. Ao longo desses 21 anos de existência, tem realizado uma série de projetos sociais focados para a comunidade do seu entorno, ou seja, o bairro da Federação e a Avenida Vasco da Gama.

Dentre os últimos projetos executados e ainda em execução destacam-se: Criar e tocar - um projeto de formação de alabês via a junção de conhecimentos musicais aliado ao aprendizado de fabricação de atabaques; Consórcio da Juventude - um projeto realizado em parceria com o Ministério do Trabalho, a fim de inclusão de jovens aprendizes no mercado de trabalho; PETI - Programa de Erradicação do Trabalho Infantil dos Governos Federal e Municipal, no qual o terreiro, na qualidade de parceiro, colabora com reforço escolar aliado a práticas ludo-pedagógicas de ensino; Infocentro - Programa de Inclusão Digital em parceria com o Governo do Estado da Bahia, a fim de facilitar os acessos da comunidade do entorno aos recursos da informática.



MAIS INFORMAÇÕES

Através do Projeto “ODUM ADOTA: CINQUENTA ANOS DE LUTA E RESISTÊNCIA DA MULHER PARA PRESERVAÇÃO DO AXÉ” pretende-se celebrar e difundir, através de eventos públicos, a importância do odum adotá para as mulheres de santo, em especial as mulheres do terreiro Ilê Axé Oxumarê, para a preservação e continuidade do candomblé, religião de matriz africana por excelência e que tem, nesta data um marco de sua própria história de lutas por liberdade, respeito, reconhecimento e valorização da população negra.

O Odum adotá celebra os cinqüenta anos de iniciação religiosa no candomblé e, por conseqüência, 50 (cinqüenta) anos de preservação do axé. Representa para o religioso e seu templo o término de um ciclo e inicio de outro. Representa um único e especial momento, renovado a cada cinqüenta anos, para reflexão sobre a história da religião e do terreiro que o celebra. História que se confunde com a história dessas mulheres que deixam a condição de egbomis para assumirem o posto de abas: conselheiras, orientadoras, manancial vivo de informação, conhecimento, preservação, inspiração, exemplo para os mais novos e continuidade do axé.

Através deste Projeto o Ilê Axé Oxumaré propõe-se a celebrar, publicamente, conquistas de suas abas e sua continuidade e preservação, ao largo de cerca de cento e cinqüenta anos de existência.

Celebrar na Bahia, em pleno ano de 2010 do século XXI, o odum adotá de mulheres do candomblé remete à reflexão sobre a história dessa religião e do terreiro Oxumarê que confunde-se com o histórico de lutas e articulações políticas do povo negro em busca de liberdade, dignidade, respeito por seu credo e reconhecimento da sua importância para a construção da identidade nacional.

Histórico de lutas que, iniciadas em 1875 com o Babalorixá Antonio de Oxumarê, também conhecido como seu Antonio das Cobras, filho de santo de velhas africanas tiveram sua continuidade garantida por mulheres que a lideraram e mantiveram a casa em função com a força da sua fé, são elas: Iyalorixá Cotinha de Yewá, cujo nome civil era Maria das Mercês e que comanda o Axé Oxumarê até 1947; a Iyalorixá Francelina do Ogun [de 1947 até 1954], sucessora de Cotinha de Yewá; Simpliciana da Encarnação ou Simplícia de Ogun (de 1954 até 1967) como era conhecida, que recebeu o Axé Oxumare das mãos de sua irmã de santo Francelina de Ogun ainda em vida; egbomy Nilzete de Iemanjá, filha biológica de Iyá Simplícia do Ogun, que assume e reabre as funções da Casa de Oxumare em 1974, conduzindo-a, com grande descortino e sensibilidade , até 1990, quando veio a falecer.

Celebrar o Odum Adotá das mulheres guerreiras do Ilê Axé Oxumarê significa garantir a continuidade da preservação dessa história de lutas e conquistas e o acesso das novas gerações de iniciados no candomblé a bens de valor imaterial, com a conseqüente dinamização, preservação, valorização e resgate do espaço do terreiro e do candomblé como expressões culturais de valor material e imaterial para o patrimônio da nação.

A história de fé, resistência e luta destas guerreiras deu origem àquilo que hoje denominamos de candomblé, e se distinguem entre si através de nações baseadas em diferenças de rituais e de vocabulário, identificados com partes do continente africano (Ketu, Angola, Jeje, jeje-nagô etc.), juntamente com os centros de Caboclos, Rodas de gira e Umbanda. Estes territórios se constituem ao longo dos tempos em verdadeiros espaços de liderança feminina, resistência cultural e de coesão social, de afirmação das identidades negras recriadas no Brasil e, em particular, na Bahia, seja através da preservação das diversas línguas africanas como o Kikongo, Kibundo, Umbundo, Fon e o Yorubá, passando pelas sociedades matrilineares onde as mulheres e os mais velhos têm uma importância fundamental nas instâncias decisórias, até chegarmos às formas hierarquizadas de relações e papéis sociais pré-estabelecidos aos seus adeptos.

As riquezas contidas nessas manifestações religiosas preservadas por estas mulheres são tão plenas que se eternizam por gerações, vencem preconceito, superam o racismo e a discriminação fundada em raça, cor, gênero e credo religioso para instalar-se no seio da sociedade como um poder que influencia e redefine conceitos. Inteligência, energia, generosidade, iniciativa, conhecimento litúrgico que são transferidos de geração a geração pela abás.

Portanto, homenagear publicamente o odum adotá destas mulheres do candomblé significa, a um só tempo, o resgate do processo de identidade da população negra, e a continuidade de sua maior e mais reconhecida contribuição para a formação da identidade do povo brasileiro: o candomblé, religião dos orixás.

Neste contexto é que destaca-se a importância da celebração pública do Odum Adotá das Egbomis do Terreiro Oxumarê, seja para a preservação e continuidade do candomblé, religião, para cuja preservação, estas mulheres desempenharam e desempenham importante papel; seja para ressaltar a importância desta religião para a construção da identidade nacional, a elevação da estima e consolidação de direitos da população negra.



Contato:

Associação Cultural e Religiosa São Salvador- Ilê Axé Oxumarê

71 3237-2859



Jornalista responsável: Chico Araújo (MT-Ba 1355)

9137-5222 / 8856-6680


--

CEN Brasil.
Acesse: http://www.cenbrasi l.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sim