Destaque

Destaque

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Matéria da Morte de Palombini na Zero Hora


05 de dezembro de 2009 | N° 16176AlertaVoltar para a edição de hojeLUTO EM VACARIA
O adeus ao ex-prefeito e ex-secretário Palombini
O “pai da maçã” integrou o governo estadual nas gestões de Simon e RigottoPrefeito de Vacaria por três gestões, Marcos Palombini (PMDB) morreu ontem, aos 75 anos. Vítima de um ataque cardíaco enquanto dormia, na madrugada de sexta-feira, ele foi encontrado morto pelo filho, Mário, pela manhã.

Dentista por formação, Palombini atuava como empresário rural na área de fruticultura. Separado, tinha outras três filhas, Valéria, Dora e Cláudia. O ex-prefeito foi um dos fundadores do PMDB de Vacaria e administrou o município em três oportunidades. Em 2008, concorreu à prefeitura pela quarta vez, mas não se elegeu.

Dante Paganella, vice-presidente do PMDB vacariense, lembra que o ex-prefeito construiu o centro cultural Casa do Povo e o Mercado Público – considerada a sua principal obra como gestor público. Ao introduzir a produção de maçã em Vacaria, no início dos anos 1970, foi um dos responsáveis por alterar o perfil econômico do município, até então baseado exclusivamente na pecuária.

– Ele era conhecido como o pai da maçã em Vacaria. Foi um dos primeiros produtores da fruta e depois, como prefeito, ajudou muitos outros a produzir também. Até os adversários reconhecem o trabalho dele – afirma Paganella.

A atividade de produtor rural e a experiência como prefeito lhe renderam convites para ocupar cargos no governo estadual nas gestões de Pedro Simon, quando foi secretário da Agricultura, e de Germano Rigotto, onde atuou como secretário-adjunto da Agricultura e diretor-presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro).

– Ele foi um grande secretário de Estado, um homem sério, uma das figuras mais extraordinárias que conheci. Como prefeito, ele incentivou a fruticultura, estimulou a criação de cooperativas e trouxe indústrias para Vacaria. A cidade mudou depois dele. Lamento muito a sua morte – diz o senador Pedro Simon.

Palombini estava motivado com projeto de frigorífico

Segundo o genro de Palombini, Roberto Webber, a família foi surpreendida pela morte do ex-prefeito. Apesar da idade, ele não tinha problemas de saúde e andava muito motivado com o trabalho.

Nas últimas semanas, articulava com prefeitos e empresários rurais da região a criação de um frigorífico para abate de ovelhas. O atual prefeito do município, Elói Poltronieri (PT), conta que se encontrou com Palombini dias atrás para falar sobre o projeto.

– Palombini estava muito entusiasmado com esse projeto do frigorífico. Ele foi um grande líder político, sua morte é uma enorme perda para a cidade – avalia Poltronieri, que decretou luto oficial de três dias no município.

Palombini foi velado no Centro de Eventos do Mercado Público de Vacaria. No fim da tarde de ontem, o corpo foi levado para Antônio Prado, cidade natal do ex-prefeito, onde foi enterrado no Cemitério Público.



Vacaria
A trajetória política
A atividade de produtor rural deu destaque a Palombini na vida pública
- Foi prefeito de Vacaria por três vezes:
- De 1972 a 1975
- De 1983 a 1988
- De 1993 a 1996
- Na gestão Pedro Simon (PMDB, 1987-1990), foi secretário da Agricultura
- No governo Germano Rigotto (PMDB, 2003-2006), foi secretário-adjunto da Agricultura e diretor-presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro).
- Em 2008, concorreu à prefeitura de Vacaria, conquistou 11.294 votos, mas não se elegeu

Fonte: Zero Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sim