Destaque

Destaque

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS









31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS









31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS









31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS





A Lenda dos Rodeios de Vacaria RS Volmir Furtado de Paula


Foto: Google

A lenda dos Rodeios Crioulo internacional de Vacaria RS Volmir Furtado de Paula, foi um do vacarianos que se tornou um grande campeão de gineteadas. Uma lenda viva que o nosso Jornal vai sempre lembrar.

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS (5)

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS (4)

Cobertura do 31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS

Foto: Google


Estamos fazendo um trabalho diferenciado nesse 31º Rodeio Crioulo Internacional com as nossas limitações e sem patrocinadores como possuem os nossos concorrentes fizemos que é possível se fazer. Somos iguais os nossos Lanceiros Negros na linha de frente com muita dificuldade somos guerreiros e vamos à luta. Procuramos mostrar dentro possível uma amostra que está sendo realizado no Rodeio de Vacaria RS.

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS (3)

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS (2)

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS (3)

Iniciativa Negra


O Carnaval de 2016 será marcado pela primeira ação oficial da Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas (INNPD), uma rede de organizações e ativistas negros que debatem a construção de uma nova abordagem para o tema, tendo em vista o impacto desproporcional da chamada ‘guerra às drogas’ sobre a população negra em todo o país.
Apoiado pela Open Society Foundations, por meio de uma parceria com o Coletivo de Entidades Negras (CEN) e a Rede Latino Americana de Pessoas que Usam Drogas (LANPUD), o grupo vai desfilar em um bloco na Mudança do Garcia, na segunda-feira da festa. Além disso, vai exibir um vídeo sobre violência e o racismo em telões de trios elétrico, palcos de shows e nas redes sociais.
[INNPD] LOGO - FInal-06A frase ‘Tire seu racismo do caminho, que eu quero passar com a minha cor’ será o mote da campanha, explica o coordenador da INNPD, Dudu Ribeiro. De acordo com o ativista, o lançamento da Iniciativa Negra no Carnaval tem como objetivo demonstrar como a festa é, em Salvador, uma afirmação contundente do racismo estrutural presente na sociedade brasileira.
“A abordagem policial diferenciada, a passagem dos blocos de corda, cercados por cordeiras e cordeiros pretos, além dos camarotes brancos protegidos por outros pretos, são um retrato do desigual acesso à folia”, argumenta Dudu. “Por isso que é fundamental fortalecer essa rede negra e construir a resistência em prol daqueles que constroem o Carnaval e a história da cidade”, defende.
Calendário
A ação desenvolvida pela Iniciativa Negra no Carnaval é a primeira entre várias que estão programadas para os próximos meses, explica Dudu Ribeiro. Até julho, a rede tem a meta de debater a política de drogas com entidades do movimento negro, ativistas brasileiros e outros parceiros regionais. A síntese das conversas será apresentada em um documento na Sessão Especial da Assembleia Geral da ONU, que esse ano acontece em Nova York, tendo como tema as drogas.
O evento é também uma preparação para a reunião da Comissão de Narcóticos e Drogas da entidade (UNODC), que deve reformular, em 2019, parte das orientações das Nações Unidas para a política de drogas no mundo. “Nosso objetivo é contribuir com os debates que serão travados nas agências internacionais, reafirmando a importância de falar sobre racismo nas decisões sobre a política de drogas”, sintetiza Ribeiro, pontuando conquistas que o grupo já obteve: “Conseguimos, nesse primeiro momento, contribuir com o documento oficial do governo brasileiro, que já nos aponta ao menos um novo tratamento do tema, reduzindo o foco na repressão”, comenta.
Contato para entrevistas: Dudu Ribeiro – (71) 9 9331-2844

-- 

Att,
Coletivo de Entidades Negras - CEN
__._,_.___

Enviado por: =?UTF-8?B?Q0VOIEJyYXNpbCAtIENvbXVuaWNhw6fDo28=?=

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS (2)

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS (1)

A Guerra dos Farrapos

guerra-farraposBrasil - RS Insurgente - [Hemerson Ferreira] Um breve resumo de como os Farroupilhas sulistas recrutaram e depois descartaram seus soldados negros.

Durante a chamada Guerra dos Farrapos no Rio Grande do Sul (1835-45), quando um homem livre era chamado a servir tanto nas forças rebeldes quanto nas imperiais, podia enviar em seu lugar (ou no lugar de um filho seu) um de seus trabalhadores escravizados. Em alguns casos, o alforriavam e alistavam. Também foi prática comum buscar atrair ou tomar cativos das tropas inimigas, trazendo-os para seu lado. O primeiro exército a utilizar negros escravizados como soldados foram os imperiais. Precisando também formar uma infantaria e sobretudo preferindo enviá-los como bucha-de-canhão, morrendo na frente em seu lugar, farrapos também os alistaram: eram os famosos Lanceiros Negros. Ambos, farrapos ou imperiais, prometiam também liberdade aqueles que desertassem das tropas rivais, mudando de lado.
A maioria dos cativos que combateu nesta guerra foi obrigada a fazê-lo diante das condições impostas. Por outro lado, apesar da guerra ser horrível e violenta, era até preferível a vida militar, com seus esporádicos combates, do que as agruras diárias da escravidão. A promessa de liberdade após o fim da luta certamente pode ter influenciado em muito o recrutamento daqueles homens. Uma promessa, aliás e como veremos, jamais cumprida.
Não havia igualdade nas tropas farroupilhas, muito menos democracia racial. Negros e brancos marchavam, comiam, dormiam, lutavam e morriam separadamente. Os oficiais dos combatentes negros eram brancos, e jamais um negro chegou a um posto significante, mesmo que intermediário, de comando. Aos Lanceiros Negros era vedado o uso de espadas e armas de fogo de grande porte. Não lutavam a cavalo, como costumam mostrar nos filmes e mini-séries de TV, mas sim a pé, pois havia o risco de se rebelar ou fugir. Sua arma principal era a grande lança de madeira que lhes deu nome e fama, algumas facas, facões, pequenas garruchas, os pés descalços, a bravura e o anseio pela liberdade prometida.
Seria anacronismo se quiséssemos que líderes farroupilhas tivessem um comportamento ou posições políticas avançadas e assim diferentes das existentes em seu tempo, mas defesa da Abolição da escravidão era bem conhecida e nada alienígena na época. Uma Abolição começou a ser decretada em Portugal em 1767, proibindo que fossem enviados para o reino mais cativos vindos da África, e em 1773 foi decretada uma Lei do Ventre Livre naquele país. Na Dinamarca, isso se deu em 1792. Na França, em 1794 (ainda que Napoleão tenha tentado restabelecer a escravidão no Haiti em 1802). No México, uma primeira tentativa de Abolição foi feita em 1810, mas foi finalmente vitoriosa em 1829. Bolívar libertou cativos em 1816-7, durante suas lutas por independência, e finalmente aboliu a escravatura em 1821. A Inglaterra, que havia findado a escravidão pouco antes da Revolta dos Farrapos, pressionava o Brasil pelo fim do tráfico negreiro desde 1808. Willian Wilbeforce, um dos maiores abolicionistas da história, morreu em 1833, ou seja, dois anos antes da guerra no Sul do Brasil. Farrapos, portanto, conheciam, sim, e muito bem o abolicionismo.
Entretanto,os principais chefes farrapos, Bento Gonçalves, Canabarro, Gomes Jardim e até Netto, dentre outros, eram todos ferrenhos escravistas. Quando aprisionado e enviado para a Corte no Rio de Janeiro, Bento Gonçalves teve o direito de levar consigo um de seus cativos para lhe servir. Ao morrer, o mais conhecido líder farroupilha deixou terras, gado e quase cinqüenta trabalhadores escravizados de herança aos seus familiares. Bem diferente do que fizera Artigas no Uruguai anos antes, os farrapos jamais propuseram uma reforma agrária ou mesmo uma distribuição de terras entre seus soldados, mesmo os brancos pobres, que dirá os negros. A defesa da escravidão era tão clara entre os chefes farrapos a ponto deles jamais sequer terem mencionado o fim do tráfico negreiro.
Ao fim da guerra e já quase totalmente derrotados, os farrapos incluíram entre suas exigências para o Império o cumprimento da promessa de liberdade que haviam feitos aos Lanceiros (principalmente porque temiam que eles formassem uma guerrilha negra na província já que a quebra da promessa os faria se rebelar ou fugir para o Uruguai, destino comum de diversos cativos fugitivos na época). Queriam entregar-se ao Império, acabar a guerra, voltar à normalidade, mas tinham os Lanceiros e a promessa que lhes haviam feito, e o Império, escravista até a medula, não queria cumprir essa parte do acordo.
Que fazer então? A questão foi resolvida na madrugada de 14 de novembro de 1844, quando o general farrapo David Canabarro entregou seus Lanceiros desarmados ao inimigo, tudo previamente combinado com Caxias. E no serro de Porongos, hoje região de Pinheiro Machado (interior do Rio Grande do Sul), foi dizimada quase toda a infantaria negra, enterrando de vez a preocupação dos farrapos e acelerando assim a paz com o Império. A instrução de Caxias a um de seus comandados foi clara e objetiva: a batalha teria que ser conduzida de forma tal que poupar apenas e dentro do possível o sangue de brasileiros (e o negro era então tratado como africano, mesmo que já nascido no Brasil).
Alguns historiadores apologistas ou folcloristas de CTGs consideraram aquela traição como Surpresa, já que pela primeira vez que o então vigilante Davi Canabarro teria sido surpreendido pelo inimigo. Conversa fiada! Enquanto dispôs suas tropas negras de tal maneira que ficassem desarmadas e descobertas, algo que até então nunca havia feito, Canabarro se encontrava bem longe e seguro do local, nos braços de Papagaia, alcunha de uma amante sua.
Após o combate, um relato oficial avisou a Caxias que pelo menos 80% dos corpos caídos no campo de Porongos eram de homens negros. Calcula-se que, nos últimos anos daquela conflito, os farrapos ao todo somavam uns cinco mil homens, sendo que algo em torno de mil eram Lanceiros Negros. Após o Massacre de Porongos, porém, restaram apenas uns 120 deles, feridos, alguns mutilados, e que foram primeiramente enviados para uma prisão no centro do país e depois dispersados para outras províncias, ainda mantidos como cativos.
Feito isso, deu-se a chamada rendição e paz do Poncho Verde, onde senhores escravistas dos dois lados trocaram abraços e promessas de lealdade e, logo depois, marcharam juntos e sob a mesma bandeira imperial contra o Uruguai, Argentina e Paraguai.
Bibliografia
FACHEL, José Plínio Guimarães. Revolução Farroupilha. Pelotas: EGUFPEL, 2002.
FERREIRA, Hemerson. Da Revolta à Semana Farroupilha: entre tradição e a história. http://prod.midiaindependente.org/en/blue/2009/08/451359.shtml
FLORES, Moacyr & FLORES, Hilda Agnes. Rio Grande do Sul: aspectos da Revolução de 1893. Porto Alegre: Martins-Livreiro, 1993.
GOLIN, Tau. Bento Gonçalves, o herói ladrão. Santa Maria: LGR, 1983.
LEITMAN, Spencer. Raízes sócioeconómicas da Guerra dos Farrapos: um capítulo da história do Brasil no século XIX. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
MAESTRI, Mário. "O negro escravizado e a Revolução Farroupilha". In: O escravo gaúcho: resistência e trabalho. Porto Alegre: UFRGS, 1993, pp76-82.
 Hemerson Ferreira é historiador.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Polêmica no Facebook do Prefeito de Vacaria RS

Isso foi publicação no Facebook de um grupo "Enquanto Isso em Vacaria" foi excluído por ameaça do Prefeito e Assessor.

Esclarecimento do CTG Porteira do Rio Grande Sobre o Caso do Senegalês

Estamos aqui no Parque de Rodeios há pouco o senhor Wilmar Barbosa nos esclareceu que não estava envolvido no caso do rapaz do Senegal o mesmo é tesoureiro, houve um engano quem fez a apreensão da mercadoria foi outra pessoa o fiscal Luiz Antonio Barbosa. Wilmar Barbosa nos relatou não houve o Boletim de Ocorrência, o Senegalês queria usar o espaço de outro rapaz do Senegal que comprou o espaço. Wilmar Barbosa nos colocou que houve o lacre da pasta de mercadorias e não apreensão que o mesmo Senegalês ficou circulando no Parque de Rodeios e não foi preso como foi mencionado em matéria do Jornal Negritude.
O outro dos trajes típicos foi explicado que não tinha espaço, foi retirado pacificamente pela Polícia Civil e o mesmo invadiu a Secretaria do CTG no Parque dos Rodeios.

Comentário do Leitor

31º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria RS

Geledés

 Portal Geledés.
Portal Geledés
Para sair desta lista, clique aqui.

Geledés

Em defesa dos direitos humanos. Combate ao racismo, preconceito, discriminação e violência contra a mulher.

Zika e direito ao aborto

Like Zika e direito ao aborto on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Zika e direito ao abortoInterrupção da gravidez como opção de mulheres atingidas pelo vírus não tem sido colocada, com a devida relevância, na discussão sobre essa calamidade nacional por Jacqueline Pitanguy no Globo É imprescindível reconhecer que mulheres e homens têm o direito de tomar decisões e fazer opções existenciais e que uma das escolhas mais importantes na vida […]Leia mais »

Pesquisa inédita mostra a vulnerabilidade de negros e mulheres no mercado de trabalho

Like Pesquisa inédita mostra a vulnerabilidade de negros e mulheres no mercado de trabalho on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Pesquisa inédita mostra a vulnerabilidade de negros e mulheres no mercado de trabalhoSecretaria de Igualdade Racial lança perfil dos fornecedores da Prefeitura de São Paulo, em parceria com o Instituto Ethos e patrocínio do Banco Interamericano de Desenvolvimento por SMPIR para o Portal Geledés No próximo dia 28 de janeiro, quinta-feira, a Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR) lança o “Perfil Social, Racial e de […]Leia mais »

Shonda Rhimes vence prêmio especial do Sindicato dos Produtores dos EUA

Like Shonda Rhimes vence prêmio especial do Sindicato dos Produtores dos EUA on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Shonda Rhimes vence prêmio especial do Sindicato dos Produtores dos EUA“Vou ser totalmente honesta com vocês: eu mereço isto completamente.” Por Caio Delcolli, do HuffPost Brasil Com esta frase, Shonda Rhimes, 46, produtora e roteirista séries de TV bem-sucedidas, como How to Get Away with Murder, Grey’s Anatomy e Scandal, se tornou a primeira mulher a vencer o prêmio Norman Lear, por realização na TV, do […] Leia mais »

Por que mulheres estrangeiras se indignaram TANTO com vídeo da Globeleza?

Like Por que mulheres estrangeiras se indignaram TANTO com vídeo da Globeleza? on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Por que mulheres estrangeiras se indignaram TANTO com vídeo da Globeleza?Para os brasileiros, já é comum ver na televisão a Globeleza dançando nua, apenas com o corpo pintado. Mas o que será que as mulheres de outros países pensam sobre isso? A Revista “Azmina – para mulheres de A a Z”, foi até New Orleans, nos Estados Unidos, que tem um dos carnavais mais famosos do mundo, saber […] Leia mais »

Inclusão e diversidade

Like Inclusão e diversidade on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Inclusão e diversidadeSão Paulo, que comemorou 462 anos de existência, é conhecida por sua diversidade racial, social e cultural. Por ser o maior polo econômico e industrial do país, também é referência quando o assunto é trabalho, vista como o lugar ideal para aqueles em busca de melhores condições de vida. Enviado por Maurício Pestana para o Portal Geledés   Essa diversidade […]Leia mais »

Aborto: o moralismo é impotente; porém, mata

Like Aborto: o moralismo é impotente; porém, mata on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Aborto: o moralismo é impotente; porém, mataNovos números indicam: quanto mais conservadoras as leis, mais alta a incidência de interrupção da gravidez. Mas algum argumento convencerá os fundamentalistas? Por George Monbiot | Tradução: Inês Castilho, no Outras Palavras  Eis um fato que deveria ser conhecido por todos os que debatem o aborto: não há relação direta entre sua legalidade e sua incidência. […] Leia mais »

Ranking das 50 cidades mais violentas do mundo tem 21 brasileiras

Like Ranking das 50 cidades mais violentas do mundo tem 21 brasileiras on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Ranking das 50 cidades mais violentas do mundo tem 21 brasileirasA ONG mexicana Seguridad, Justicia y Paz (Segurança, Justiça e Paz) divulgou nesta terça-feira (26) uma pesquisa com as 50 cidades mais violentas do mundo em 2015. O ranking foi elaborado com base no número de homicídios dolosos. No topo da lista está Caracas, a capital da Venezuela, com 119,87 homicídios a cada 100 mil […] Leia mais »

Nota de alunos que ingressam na UFMG pela cota já supera a dos não cotistas

Like Nota de alunos que ingressam na UFMG pela cota já supera a dos não cotistas on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Nota de alunos que ingressam na UFMG pela cota já supera a dos não cotistasCotistas que garantiram uma vaga na UFMG neste ano obtiveram notas superiores às de não cotistas que fizeram o vestibular em 2013. Exceção foi apenas um curso Por  Márcia Maria Cruz, no Correio Braziliense  Co­tis­tas que che­gam à Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG) ob­ti­ve­ram no­tas su­pe­rio­res às dos não co­tis­tas in­gres­san­tes em 2013, úl­ti­mo […] Leia mais »

Filho de pescador entra na universidade pela 3ª vez

Like Filho de pescador entra na universidade pela 3ª vez on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Filho de pescador entra na universidade pela 3ª vezNatural de Cametá, Leonardo Pinheiro dos Prazeres foi aprovado em Licenciatura em Língua Inglesa, na Universidade Federal do Pará (UFPA), com a ajuda de cursinho gratuito da colônia de pescadores da cidade Do Leia Já A colônia de pescadores Z16, de Cametá, município da região do Tocantins, no Pará, com seu cursinho gratuito chamado Rede […] Leia mais »

Agora é Lei: Projeto de Leci que proíbe valor mínimo para compras com cartão foi sancionado

Like Agora é Lei: Projeto de Leci que proíbe valor mínimo para compras com cartão foi sancionado on Facebook share on Twitter Google Plus One Button
Agora é Lei: Projeto de Leci que proíbe valor mínimo para compras com cartão foi sancionadoNesta segunda-feira, 18/01, o Projeto de Lei nº 752/2011, de autoria da deputada Leci Brandão, foi sancionado pelo Governador do Estado. A proposta veda aos estabelecimentos comerciais a exigência de valor mínimo para compras com cartão de débito e crédito. A deputada Leci Brandão agradeceu aos parlamentares pela aprovação do projeto que aconteceu no dia […] Leia mais »
Copyright © 2016 Geledés Instituto da Mulher Negra
Você está recebendo esta mensagem porque se inscreveu no Portal Geledés.

Geledés Instituto da Mulher Negra
Rua Santa Isabel 137 - 4º andar
São PauloSP 01221-010
Brazil

Add us to your address book


sair desta lista    atualizar preferências