Destaque

Destaque

terça-feira, 30 de abril de 2019

Beira Rio






Grenal (3) 0 x 0 (2)

Beira Rio



Grenal (3) 0 x 0 (2)

Glória (3) 0 x 0 (2)

Grenal (3) 0 x 0 (2)

O Glória de 1988 e 1989 o Time Eterno


1989

A segundona gaúcha de 1988 possivelmente foi a mais disputada de todos os tempos: 36 equipes lutaram por duas vagas ao Gauchão. O Glória venceu as fases iniciais e apoiado em uma perfeita aliança entre clube, torcida, empresariado e poder público, partiu para a disputa do octogonal final como favorito. A largada, porém, foi preocupante, e a perspectiva do adiamento do sonho por mais um ano começava a tornar-se uma realidade.
Foi quando a direção contratou o técnico Daltro Menezes. Experiente e folclórico, o “Gordinho” deu ao time a confiança necessária para a vitória, que veio de forma definitiva na tarde de 27.11.1988, quando a cidade parou para ver o Glória golear o Ypiranga por 3 a 0 e conquistar o título da Divisão Especial de 1988. Durante o octogonal, o time-base teve: Gasperin; Betão, Chimbica, Chicão e Francisco; Alemão, Plein, Hélder e Edmundo; Zé Carlos e Marcos Toloco.
O grupo campeão da Divisão Especial de 1988. Acima, da esq. para a dir.: Zé Roberto, Zé Moraes, Renato Lima, Chimbica, Didier, Cigano, Gasperin, Luiz Carlos e César “Vaquinha”. Em pé: Beto Almeida (Aux. Técnico), Daltro Menezes (Técnico), Ricardo, Herman, não identificado, Zé Carlos II, Plein, Chiquinho, Zé Carlos, Marcos Toloco, Élder, não identificado, Betão e Antônio Soares dos Santos (Dir. Administrativo). Agachados/sentados: Chimia, Nestor (Massagista), Edmundo, Chicão, Jorginho, Faller, Élton, Francisco, Áureo e Edu Chaves (Supervisor).
Com a vaga assegurada, era necessário preparar-se para a estréia na elite. Manteve-se Daltro Menezes e reforços foram trazidos. A expectativa era imensa, mas a equipe correspondeu ao que dela se esperava: o Rio Grande conheceu o estilo Glória de jogar futebol, feito de muita determinação e espírito de grupo, mesclando a experiência do veterano Gasperin com a raça do jovem atacante Zé Cláudio e com a qualidade de Branco e Edmundo, um dos remanescentes de 1988. Foram dias de Glória! O reconhecimento nacional veio rápido: a revista Placar, na edição 981, dedicava duas páginas à excelente campanha do time no campeonato gaúcho.
O grupo 4º colocado no Gauchão de 1989. Em pé, da esq. para a dir.: Zé Roberto, Paulão, Garcia, Paulo Santos, Vladimir, Didier, Edmundo, Gasperin, Zé Cláudio, Gilberto, Ricardo, Daltro Menezes (Técnico), Hamilton (Prep. Físico), Josimar Pilar (Dir. de Futebol), Alexandre Pilar e Antônio Soares dos Santos (Dir. Administrativo). Ajoelhados: Francisco, Zé Carlos, Áureo, Juarez, Rubinho, não identificado e Edmílson. Sentados/agachados: Jorginho, Branco, Jair, Élder, Chimbica, Edu Chaves (Supervisor) e Nestor (Massagista).
As Partidas memoráveis foram disputadas, como o Internacional X Glória de 09.03.1989, quando os vacarienses encurralaram o adversário em seu próprio terreno e só não saíram vencedores devido à má-arbitragem. Ou como o Glória X Grêmio de 30.04.1989, em Vacaria. Naquele dia, um Grêmio em crise subiu a Serra com a obrigação de vencer, sob pena de eliminação. Em um duelo dramático e tumultuado, o tricolor arrancou suados 2 a 1, no jogo que ficou conhecido como “A Guerra de Vacaria”.
Após um começo empolgante do “Leão”, valeram a experiência e a tradição das outras equipes. Bravamente, o Glória terminou o campeonato no 4º lugar, feito notável para um estreante. Time-base durante o Gauchão, e o melhor da História do clube: Gasperin; Paulão, Vladimir, Juarez e Francisco; Edmílson, Jair, Branco e Edmundo; Geraldo e Zé Cláudio. Campanha: 26 jogos, 7 vitórias, 13 empates e 6 derrotas, 27 gols a favor e 26 gols contra.
O bom resultado no estadual valeu o convite para disputar a Divisão Especial brasileira, mas a equipe foi eliminada na primeira fase. A irregularidade refletia a perda de jogadores importantes: Gasperin encerrara a carreira, enquanto Branco, Edmundo e Zé Cláudio deixaram Vacaria. De qualquer forma, o discreto 34º lugar entre as 96 equipes da segundona brasileira representou a primeira experiência do time vacariense em competições nacionais.
FONTES: Revista Placar e site do G.E. Glória de Vacaria.

Glória 3 x 0 Ypiranga de Erechim em 1988

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Grenal (3) 0 x 0 (2)

Caravana Colorada


Grenal (3) 0 x 0 (2)

Grenal (3) 0 x 0 (2)

Imagem


Grenal (3) 0 x 0 (2)

Grenal (3) 0 x 0 (2)

Grenal (3) 0 x 0 (2)

Paulo Furtado a nossa amiga Silvia

Silvia mãe do Vitório jogador da base do Zequinha.

Grenal (3) 0 x 0 (2)

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Deputada Estadual Sofia Cavedon e Paulo Furtado


A nossa amiga Val do Top Saloon


Técnica do Magia Alessandra deixa a Equipe

Em sua página no Facebook a técnica Alessandra Huff Melo grande treinadora do time LGBT do Magia Sport Clube deixando o comando técnico da equipe de Porto Alegre.
"A vida é feita de escolhas. Quando você dá um passo para frente, alguma coisa fica para trás. Chegou a hora de partir para novos desafios, foram 18 meses no camando técnico do @magiasportclub onde evolui como treinadora e principalmente como ser humano, sou e serei eternamente grata a esse clube e ao @renan_evaldt pela oportunidade que me deram, guardarei com muito carinho cada momento vivido. Orgulho imenso de fazer parte da história do Magia e de ter organizado a 2° Champions Ligay em um estado tão preconceituoso quanto o nosso. Obrigada a cada atleta que confiou em mim, obrigada direção, obrigada aos torcedores, obrigada Magia!! E aos que curtem meu trabalho sigam me acompanhando que vem muita novidade por aí! 💙⚽️"

Paulo Furtado na Cobertura da Final do Gauchão 2019


quarta-feira, 17 de abril de 2019

Grenal 0 x 0

Morreu o Fundador do PT em Vacaria RS

Ontem chegava em casa da Assembléia da ACEG quando vi no celular a noticia do falecimento de Romeu Biazus ontem aqui em Porto Alegre, me pegou de surpresa, como estou muito distante de Vacaria, mas geralmente recebo algumas noticias. Mas fui pego de surpresa por essa perca para politica local. Tentei encontrar a ultima foto que tirei com Romeu Biazus em 2008 na campanha de Elói Poltronieri mas não consegui encontrar, comecei junto com Romeu e outros companheiros na época em 1986 a fundar o PT em Vacaria na época que o partido ainda era puro. Compartilhamos do mesmo sonho de uma Vacaria melhor e evoluída. Romeu Biazus era um revolucionário e intelectual, tive alguns atritos com ele no passado que foi um dos motivos de ter saído do partido em 1993 e depois com o passar tempo ficamos amigos novamente e inclusive ele tratava dos gatos da minha falecida irmã, um excelente médico veterinário. Com certeza ele vai ficar na história do movimento de esquerda de Vacaria, foi um pioneiro, lembro que quando entrevistei ele pelo Jornal Negritude ele me falou que ter chegado a Vice Prefeito em 2004 era o máximo que tinha conseguido e encerrou a sua participação politica em 2008. Vá em paz Romeu Biazus com certeza vai ser sempre lembrado na memória do povo de esquerda de Vacaria.

sexta-feira, 12 de abril de 2019

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Inter 2 x 2 River Plate

Imagem


Inter 2 x 2 River Plate

Técnico Gallardo do River Plate

Sala de Imprensa no Beira Rio na entrevista coletiva.

Inter 2 x 2 River Plate

Inter 2 x 2 River Plate

Inter 2 x 2 River Plate

Inter 2 x 2 River Plate

Técnico do River Plate Gallardo


Na coletiva de Imprensa no Estádio Beira Rio

Inter 2 x 2 River Plate


Inter 2 x 2 River Plate



Miliares Matam e Ficam de Deboche



GERAL
Viúva de músico fuzilado no Rio diz que militares “ficaram de deboche”



Da Redação08/04/19 - 12h57




Luciana Nogueira, viúva de Evaldo Rosa, fuzilado na zona norte do Rio, se emocionou depois de comparecer ao Instituto Médico Legal para reconhecer o corpo do marido. Ela estava no carro dirigido pelo músico e que foi atingido por cerca de 80 tiros disparados por homens do Exército na tarde de domingo (7). As informações são do G1 e da TV Globo.

“O meu filho estava no carro, viu tudo. Ele quer a foto do pai. Eu falei que o pai está no hospital. Os vizinhos começaram a socorrer, mas eles continuaram atirando. E falei: ‘moço, socorre o meu esposo’, mas eles não fizeram nada e ficaram de deboche”, disse Luciana.

A viúva afirmou que a família estava indo para um chá e bebê que pegaram aquele caminho próximo ao quartel porque se sentiam seguros. “Eu falei: ali é calmo, ali é nossa área. E eu vi o quartel. Tava protegida, da mesma forma que, quando eu vejo um policial, eu me sinto protegida”, contou.

Nesta segunda-feira (8), dez dos 12 militares do Exército que estava na patrulha foram presos após prestarem depoimento sobre a ação. A investigação do caso está com a Justiça Militar.


Fonte: IstoÉ