Anuncie em Nossa Revista de Classificados

Anuncie em  Nossa Revista de Classificados
Para Porto Alegre RS

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Desfile do dia 07 de Setembro 2014



Desfile do dia 07 de Setembro 2014


Vacaria RS

Propaganda Irregular?


LBV

Brasil de Fato


Deputado Federal Luis Carlos Heinze


NPC

Boletim da Livraria Antonio Gramsci

 

   Livraria Antonio Gramsci

   11 de setembro de 2014

 

Dicas da Antonio Gramsci

Nessa edição do Boletim da Livraria Antonio Gramsci, você confere dicas de novíssimas edições. Desde os lançamentos Trótski - Exílio e assassinato de um revolucionário e Getúlio (1945-1954) - da Volta Pela Consagração Popular ao Suicídio até o clássico Esquerdismo doença infantil do comunismo. Vale a pena conferir! 
ATENÇÃO! O lançamento do livro A comunicação do Oprimido e outros ensaios, do Eduardo Granja Coutinho, que seria hoje, 11/09, FOI ADIADO! Quando soubermos a nova data, avisaremos! 
Para mais informações, entre em contato com o email livraria@piratininga.org.br ou pelo telefone (21) 22204623. 
O Negro no Brasil - Júlio José Chiavenato

Trótski - Exílio e assassinato de um revolucionário

Bertrand M. Patenaude
R$ 59,90
Zahar 
Baseado em uma pesquisa original, Bertrand M. Patenaude apresenta a trágica e fascinante biografia de Leon Trótski, tendo como ponto de partida seu exílio no México, entre 1937 e 1940, quando é assassinado. O autor entrelaça a história dos últimos anos de vida de Trótski com flashbacks de episódios cruciais de sua carreira como jovem marxista, herói revolucionário, chefe do Exército Vermelho, líder bolchevique, proscrito da URSS de Stálin e finalmente herege do Kremlin, marcado para morrer pela polícia secreta do regime.

Comprar

Getúlio: 1882 - 1930, dos anos de formação à conquista do poder - Lira Neto

Esquerdismo doença infantil do comunismo 

V. Lenin
R$ 20,00
Expressão Popular
Escrito e publicado em 1920, esse foi o último livro de Lenin. empreende uma crítica às correntes de esquerda na Europa com vista a consolidar uma força revolucionária que fizesse frente ao poder burguês e levasse ao triunfo a revolução em cada país. Empenhado em construir a Terceira Internacional, traça um breve histórico de construção do partido bolchevique na Rússia – tendo em conta as particularidades desta formação social – principalmente no que toca às táticas para tomar o poder de Estado. Com isso, também pretende demonstrar que a política está intimamente relacionada ao movimento das forças em luta na realidade. 

Comprar

Lobotomia e Comunicação - André Lobão

Getúlio (1945-1954) - da Volta Pela Consagração Popular ao Suicídio

Lira Neto
R$ 49,50
Cia. Das Letras
Na terceira e última parte da consagrada série biográfica sobre Getúlio Vargas, Lira Neto reconstitui os acontecimentos políticos e pessoais mais importantes dos anos finais do ex-presidente. Entre a deposição por um golpe militar, em outubro de 1945, e o suicídio, em agosto de 1954, o livro revela como a história do Brasil se entrançou com a vida de Getúlio, inclusive enquanto afastado do poder. Um período que ganha destaque é o tempo que passou “exilado” em São Borja, fase que durou entre sua deposição em 1945 até seu retorno triunfal pelas vias eleitorais em 1950. Lira Neto encerra essa trilogia que pode ser considerada, em sua totalidade, fundamental para qualquer estudioso que no futuro queira se debruçar sobre a vida nacional da 1ª metade do século XX.

Comprar

O Evangelho segundo Jesus Cristo - José Saramago

Constituinte exclusiva – um outro sistema político é possível

Luiz Otávio Ribas (org.)
R$ 20,00
Expressão Popular
Sob o impacto das manifestações de junho e julho de 2013, organizações e movimentos populares reavivam o projeto de transformar o sistema político brasileiro. A história das lutas populares no Brasil sempre apontou para este nível de mudanças, mas agora a proposta reaparece e se pretende realizar por um preciso mecanismo democrático: a constituinte exclusiva. Esse livro reúne textos de pesquisadores do direito sensibilizados com as causas populares e que se dedicaram a produzir reflexões sobre a atual conjuntura brasileira. 

Comprar

Redes Sociais

Facebook
Twitter
Contato
Rua Alcindo Guanabara, 17, térreo, Cinelândia (rua do Amarelinho)
Rio de Janeiro – RJ - CEP 20031-130
Tel. (21) 2220 4623
livraria@piratininga.org.br

 

livrariagramsci.com.br

 



Desfile do dia 07 de Setembro de 2014 em Vacaria RS parte 16

Desfile do Dia 07 de Setembro de 2014


Em Vacaria RS

Desfile do dia 07 de Setembro de 2014 em Vacaria RS parte 15

Desfile do dia 07 de Setembro de 2014 em Vacaria RS parte 14

Desfile do dia 07 de Setembro 2014


Em Vacaria RS

Desfile do dia 07 de Setembro de 2014 em Vacaria RS parte 13

Carga Tributária Brasileira


Carga tributária brasileira reforça as desigualdades, diz estudo
Estudo do Inesc e da Oxfam revela que os impostos punem mais os negros e as mulheres em relação aos brancos e aos homens.
Nos últimos anos o Brasil vem apresentando redução nas desigualdades de rendimentos medida pelo coeficiente de Gini[1], mas, o país ainda  está entre as 15 nações que mais concentram renda no mundo. O estudo As implicações do sistema tributário brasileiro nas desigualdades de renda”, lançado nesta quinta-feira, 11/9, pelo Inesc e Oxfam afirma que um dos motivos dessa situação é elevada regressividade da carga tributária brasileira,que tem onerado consideravelmente os mais pobres e os assalariados do país, por meio de tributos indiretos que incidem sobre o consumo. 
Além disso, a pesquisa apresenta um balanço das principais medidas implementadas pelos poderes Legislativo e Executivo desde 1995 e aponta propostas para um sistema tributário mais justo, pautado por tributos diretos e progressivos, que onerem mais a renda e o patrimônio dos mais ricos.
Análises  
O estudo demonstra o sistema tributário adotado no país está concentrado em tributos indiretos e cumulativos que sobrecarregam os trabalhadores/as mais pobres, uma vez que mais da metade da arrecadação provém de tributos que incidem sobre bens e serviços, havendo baixa tributação sobre a renda e o patrimônio (veja a tabela 2 do estudo). As pessoas mais pobres e os trabalhadores assalariados são os responsáveis por 71,38% do montante de impostos, contribuições e taxas arrecadados pelo Fundo Público no Brasil.
A pesquisa também traz um levantamento inédito que analisa a regressividade do sistema tributário brasileiro, considerando a questão da desigualdade racial e de gênero no país. O estudo demonstra que a elevação de tributos sobre produtos que compõem a cesta básica, por exemplo, onera os mais pobres, particularmente os/as negros/as. Outro dado apontado pela pesquisa é que as mulheres negras pagam proporcionalmente, em relação aos seus rendimentos, muito mais tributos do que os homens brancos (confira a tabela 3 e tabela 4 da publicação).
A análise ainda demonstra que esse sistema tributário adotado no Brasil está na contramão do que o utilizado pelos países desenvolvidos. Conforme dados da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), nos países socialmente mais desenvolvidos a tributação sobre o patrimônio e a renda corresponde a cerca de 2/3 da arrecadação dos tributos. Nesses países, a elevada carga tributária está associada à redução da desigualdade de renda, ao contrário do que se observa no Brasil, que possui acentuada desigualdade a despeito da sua alta carga tributária. Isto é explicado pela regressividade do sistema tributário brasileiro (veja o gráfico 1).
Alterações legislativas no sistema tributário brasileiro
O segundo capítulo da publicação apresenta um balanço das principais medidas implementadas pelo Poder Executivo federal que agravaram as injustiças tributárias, entre elas estão: 1) a isenção de imposto de renda sobre lucros e dividendos distribuídos aos sócios capitalistas, incluindo as remessas para o exterior, medida aplicada no governo do Fernando Henrique Cardoso; 2) a redução do imposto de renda nas operações da bolsa de valores, a isenção do imposto de renda nas aplicações de títulos da dívida pública brasileira, implementadas no governo Lula; 3) as desonerações tributárias que implicam no “desfinanciamento” das políticas sociais, aplicadas durante o governo da Dilma Rousseff. 
Caminhos para um sistema tributário mais justo 
Responsável pela elaboração do estudo, Prof. Evilasio Salvador da Universidade de Brasília (UnB), ressalta alguns elementos para a construção de um sistema tributário que atue no sentido da redistribuição de renda e riqueza no país, reduzindo as desigualdades sociais no Brasil. De acordo com Salvador, é “necessário revogar algumas das alterações realizadas na legislação tributária infraconstitucional, após 1996, que sepultaram a isonomia tributária no Brasil, com o favorecimento da renda do capital em detrimento da renda do trabalho”. Conclui “que é necessário reorientar a tributação para que ela incida prioritariamente sobre o patrimônio e a renda dos contribuintes. O pilar do sistema tributário deve ser o Imposto de Renda, pois é o mais importante dos impostos diretos, capaz de garantir o caráter pessoal e a graduação de acordo com a capacidade econômica do contribuinte”, afirma.


[1] O coeficiente de Gini (ou índice de Gini) é um cálculo usado para medir a desigualdade social, tendo sido desenvolvido pelo  estatístico italiano Corrado Gini, em 1912. Este índice apresenta dados entre o número 0 e o número 1, no qual o número zero corresponde a uma completa igualdade na renda, isto é, todos detêm a mesma renda per capita , e o número um corresponde a uma completa desigualdade entre as rendas, ou seja, um indivíduo ou uma pequena parcela de uma população detém toda a renda e os demais nada têm.
--

Desfile do dia 07 de Setembro 2014


Em Vacaria RS

Seminário



convite

-- 

Desfile do dia 07 de Setembro de 2014 em Vacaria RS parte 12

Desfile do ETE Bernadina Rodrigues Padilha


Desfile do dia 07 de Setembro de 2014 em Vacaria RS