quarta-feira, 11 de junho de 2014

Novas Contratações do Inter de Lages SC







 
Novos reforços
Inter confirma o acerto com mais sete atletas para a disputa da Série B do Catarinense
O Internacional de Lages chegou a um acerto com mais sete atletas para a disputa da Série B do Campeonato Catarinense, que começa no dia 20 de julho. Parte dessa nova leva de reforços já se apresentou ao técnico Nasareno Silva, e alguns deles treinaram na tarde de ontem (5/6).
As novidades coloradas são o lateral-direito Thoni, que neste ano defendeu o Marcílio Dias na primeira divisão do estadual, os zagueiros Sandro Müller, egresso do Juventus de Jaraguá do Sul, Plínio, que vem da Caldense (MG), e Átila, cujo clube mais recente foi a União Barbarense (SP). A lista tem ainda o meia Léo Franco, ex-Marcílio Dias, e os atacantes Marcelo Quilder (Atlético de Ibirama) e Alê Menezes, artilheiro da segunda divisão gaúcha deste ano pelo Glória de Vacaria.
O clube ainda não encerrou suas contratações. Na próxima semana devem ser revelados entre dois e três nomes, e com eles o Inter estará com o grupo completo para o início da Série B. O Colorado Lageano segue em tratativas com o atacante Brasão, que defendeu o clube em 2013. A expectativa é de um acerto com o atacante nos próximos dias.
CONHEÇA OS REFORÇOS COLORADOS
Thoni, de 34 anos, é um dos laterais-direitos de maior destaque do futebol catarinense nos últimos dez anos. No estado, ele já defendeu Criciúma, Joinville, Chapecoense, Atlético de Ibirama e, neste ano, o Marcílio Dias.
Sandro Müller, 28 anos, zagueiro. Já defendeu Goiás, Camboriú e Cruzeiro de Porto Alegre, entre outros. Neste ano, ele disputou o Campeonato Catarinense pelo Juventus de Jaraguá do Sul.
Plínio, 29 anos, zagueiro. Tem passagens por Fortaleza, América de Natal, Anapolina e Botafogo da Paraíba, entre outros. Estava na Caldense (MG).
Átila, 24 anos, zagueiro. Revelado nas categorias de base do Corinthians, clube que o levou a ser presença assídua nas convocações das seleções brasileiras de base. Seguiu para a Suíça, onde defendeu o St. Gallen. Neste ano, estava na União Barbarense (SP).
Léo Franco, 27 anos, meia. Chegou ao futebol catarinense em 2014 para defender o Marcílio Dias, do qual foi um dos destaques. Antes, teve passagens, entre outros, por Remo (PA) e Sampaio Corrêa (MA).
Marcelo Quilder, 27 anos, atacante. Seu clube mais recente foi o Atlético de Ibirama, pelo qual disputou a elite do estadual, em sua quarta passagem pela equipe. Defendeu, entre outros, o CRAC (GO) e a União Barbarense (SP).
Alê Menezes, 37 anos, atacante. O centroavante é um típico camisa 9 e tem vasta experiência em brigar por acessos. Em sua carreira, ele soma dez acessos por diferentes equipes. Tem passagens, entre outros, por Caxias, São Paulo de Rio Grande e Inter de Santa Maria, todos no Rio Grande do Sul. Mesmo aos 37 anos, está em plena forma. Neste ano, ele foi artilheiro da segundona gaúcha pelo Glória de Vacaria, com 12 gols. Depois do Glória, seguiu para o Sapucaiense, na terceira divisão do Rio Grande do Sul. Vai se apresentar ao Inter de Lages depois do encerramento da terceirona gaúcha.
 
COMUNICADO
Jogo da excursão "Inter da Serra" deste fim de semana é suspenso por causa das chuvas
O jogo da excursão "Inter da Serra" que seria realizado neste fim de semana em São José do Cerrito foi suspenso. A suspensão foi necessária porque as fortes chuvas que caem sobre a cidade inutilizaram o campo em que a partida ocorreria. Ainda não há nova data para o confronto.
 
NOS ANEXOS:
- Os reforços colorados anunciados nesta sexta-feira e montagem com os sete novos contratados
 
-- 
Inter de Lages
Imprensa

www.interdelages.com.br

Deputada Estadual Marisa Formolo

Leia a notícia na íntegra clicando no título
 
 
 
 
 
 
 
 
Caso não queira mais receber nossos e-mails,
Descadastre-se aqui

Inter de Lages SC




 
Áureo, um lageano capitão do Brasil
Relembre do craque no segundo texto sobre os jogadores que defenderam o Inter de Lages e a seleção brasileira
O franzino Áureo Agostinho Arruda Malinverni gostava de jogar descalço para não perder a sensibilidade dos pés ao tocar a bola. Foi desse jeito, disputando peladas no antigo Campo dos Padres, no bairro da Brusque, ou no Areião de Copacabana (futuro Estádio Vermelhão) que Áureo desenvolveu sua habilidade. Ela o levou aos juvenis do Internacional de Lages - e à seleção brasileira.
Áureo foi um dos principais nomes da lendária equipe de juvenis montada pelo Colorado Lageano na década de 50. Aquele time, liderado por Rogério Ramos, assumiu as vezes de equipe principal em 1955, quando uma debandada do time adulto não deixou ao clube outra alternativa que não fosse antecipar a promoção dos garotos. Unidos, os juvenis impediram que o Inter de Lages fechasse as portas - e, dois anos depois, levaram o clube a disputar pela primeira vez o Campeonato Catarinense.
Entre 1952 e 1958, Áureo formou-se jogador no Inter de Lages. Ele deixou o clube para defender o Flamengo de Caxias (atual Caxias) na segunda divisão do Rio Grande do Sul, da qual acabou campeão. De Caxias do Sul, o ex-centro-médio (ou volante, segundo a nomenclatura atual), já encorpado e transformado em quarto-zagueiro, seguiu para o Grêmio, no qual ganhou o status de lenda. 
Entre 1961 e 1971, Áureo disputou 342 jogos pelo Grêmio. Em um dos grandes esquadrões montados pelo tricolor porto-alegrense, Áureo foi heptacampeão gaúcho, na sequência ininterrupta entre 1962 e 1968.
Nesse intervalo, Áureo foi convocado duas vezes para a seleção brasileira. A primeira, em 1966, foi para a disputa da Taça Bernardo O'Higgins, disputada em dois jogos entre as seleções brasileira e chilena. Áureo foi o capitão da seleção (formada, excepcionalmente, por jogadores que atuavam no Rio Grande do Sul) nas duas partidas, que tiveram um vencedor cada uma (o título do torneio acabou compartilhado pelas duas seleções). Depois, em 1967, Áureo foi convocado para mais um torneio pela seleção, a Taça Rio Branco.
Em 1971, aos 32 anos, já consagrado, Áureo retornou ao Inter de Lages para defender mais uma vez o clube em que aprendeu a jogar. Sem que lhe pedissem, o craque impôs uma condição para o retorno: não queria receber salário. Seria uma forma de retribuir a carreira - e a vida - para a qual o Colorado Lageano lhe abriu as portas. No jogo do retorno, a torcida colorada recebeu do imortal Áureo mais um presente: dois gols na vitória do Inter contra o Hercílio Luz por 5 a 1.
SÉRIE "O INTER DE LAGES E A SELEÇÃO BRASILEIRA"
 
Reforço na criaçãoColorado Lageano acerta a contratação do meia Everlan; jogador já chegou à cidade
O meia Everlan é o mais novo reforço a chegar ao Internacional de Lages para a disputa da Série B do Campeonato Catarinense. O jogador desembarcou na cidade no fim de semana e já trabalhou nesta segunda-feira.
O pernambucano Everlan, de 27 anos, trilhou boa parte de sua carreira no futebol nordestino. Na região, ele defendeu, entre outros, o ABC de Natal, o CSA e o Murici, pelo qual foi campeão alagoano em 2010. Fora do Nordeste, Everlan defendeu o Duque de Caxias (RJ) e a Ferroviária de Araraquara (SP). Seu clube mais recente foi o Itabaiana (SE).
O Inter está em sua fase final de contratações para a formação do elenco para a disputa da Série B, e a ideia é concluir essa etapa do trabalho ainda nesta semana. Parte do grupo viajará neste sábado para Correia Pinto para a disputa de mais uma partida da excursão "Inter da Serra", que faz parte da pré-temporada da equipe. O jogo será às 15h30min.
 
NOS ANEXOS:
- Áureo na seleção brasileira
- Áureo em ação pelo Inter de Lages, em partida contra o Avaí
- Everlan, novo reforço do Inter
 
-- 
Inter de Lages
Imprensa

www.interdelages.com.br

Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 107

LBV

3@0D��z{



Nova iluminação do Beira - Rio é testada

Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 106

Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 106

Glória 3 x 0 Santo Ângelo parte 5

Viva Favela

REVISTA VIVA FAVELA #19 | GENTE


EDITORIAL

O tempo apressado nos desvia o olhar e promove rotinas – episódios de “mais do mesmo” no nosso cotidiano, tomando, muitas vezes, a essência de tudo que somos ou tudo que desejamos ser.

No entanto, com o olhar mais atento, é possível perceber os detalhes na paisagem, as mudanças no cenário, os “pequenos grandes” gestos de pessoas comuns: gente que trabalha, que luta, que sonha não apenas em viver em um mundo melhor, mas em modificar a vida de muitos outros.

Nesta edição, a Revista Viva Favela conta um pouco da história dessa gente que faz a diferença onde vive e compreende que a vida é, pois, o próprio tempo, uma sucessão de instantes ou uma determinada duração no mundo. São líderes, artistas, transformadores do espaço, da vida de outros. São senhores do seu destino: Lírian, Ana, Rodrigues, Walmir, Marcelo, Denise, Renan, Marisa, Aida, Valéria, Zeca, Dawson, Lino. Todos eles têm uma história diferente e, em comum, a vontade de escrever o próprio percurso. Gente que valoriza o tempo, o transforma e o amplia para ajudar os outros. Gente que percebe que para escrever a própria história é preciso torná-la um acontecimento presente e compartilhá-la com os outros, pois a história do mundo é sempre a história de homens e de mulheres que não se contentaram em apenas existir e transformaram sua existência em experiências: de afeto, de solidariedade, de cultura, de arte, de comunidade.

Esses homens e mulheres representam muitos outros e representam o melhor significado de GENTE. Traduzir essas pessoas em narrativa não é apenas revelá-las, é uma tentativa de perpetuar suas ações em memória para transformar o mundo em um lugar melhor.

Renata Rezende, editora convidada
 

 

Dona Marisa: a mãe de Vila Kennedy
por Guilherme Junior | Vila Kennedy | RJ
Aida: um coração à disposição de todos
por Letícia Rocha | Nova Iguaçu | RJ
Tio Lino: salvador pela arte
por William de Oliveira | Rocinha | RJ
Zeca Novais, o lunático
por Paula Brito | Rio Bonito | RJ

Soldados do Exército trazem Vírus do Haiti

Seis soldados do Exército trazem vírus do Haiti para SP
Soldados foram infectados pelo chikungunya, comum no Sudeste Asiático e que há alguns meses tem se disseminado por ilhas do Caribe

Fabiana Cambricoli, 

São Paulo - Um vírus similar ao da dengue e também transmitido pelo mosquito Aedes aegypti foi identificado pela Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo em seis soldados do Exército brasileiro recém-chegados do Haiti, onde participavam de missão de paz.
Leia Mais
Eles foram infectados pelo chikungunya, comum no Sudeste Asiático e que há alguns meses tem se disseminado por ilhas do Caribe.

O Brasil nunca registrou casos autóctones da doença, ou seja, transmitidos em território nacional, mas é a segunda vez que o País tem casos importados de outras nações.

Em 2010, três brasileiros foram infectados pela doença no Sudeste Asiático, dois deles de São Paulo e um do Rio, segundo o Ministério da Saúde.

De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde, os seis brasileiros infectados no Haiti chegaram ao País no dia 5 e passaram por exames no Instituto Adolfo Lutz que confirmaram a contaminação.

Após o diagnóstico, agentes da Superintendência de Controle de Endemias fizeram ações para matar larvas e mosquitos adultos nas instalações do Exército por onde os soldados passaram: o Hospital Militar de Área de São Paulo e o Batalhão de Logística do Exército, em Campinas, cidade que tem a maior epidemia de dengue do Estado.

De acordo com a secretaria, os soldados estão em observação e o estado de saúde deles é considerado bom e estável.

Sintomas

O vírus chikungunya tem sintomas parecidOs aos da dengue, como febre, dores no corpo, nos olhos e nas articulações e manchas vermelhas no corpo.

Não há forma hemorrágica da doença, mas ela pode deixar sequelas permanentes, como um quadro de artrite. A doença também pode ser transmitida pelo mosquito Aedes albopictus, outro inseto transmissor da dengue presente no Brasil.

Assim como no caso da dengue, não há tratamento específico para a chikungunya, apenas medicamentos para minimizar os sintomas.

A assessoria de comunicação do Ministério da Defesa informou que, além dos seis casos já confirmados, outros quatro estão em investigação. Todos os soldados estão isolados.

Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 105

Escola Bernadina Padilha em Vacaria RS em Ritmo de Copa do Mundo






Desfile das Campeãs de Porto Alegre parte 105

Ministro da Justiça

Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e representantes de religiões de matriz africana se reuniram nesta terça-feira (10)

Brasília, 10/6/14 – O Ministério da Justiça anunciou, na tarde desta terça-feira (10), a proposta de criar um grupo de trabalho com o objetivo de debater ações de enfrentamento à discriminação e à violência contra praticantes de religiões de matriz africana.
 A decisão foi anunciada em Brasília durante um encontro do ministro José Eduardo Cardozo com 25 praticantes da Umbanda e do Candomblé dos estados de Goiás, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo e do Distrito Federal.  Na avaliação do ministro da Justiça, a articulação, focada em segurança pública, deverá envolver também outros setores do governo federal e representantes dos cultos nas cinco regiões do Brasil. Saiba mais aqui: http://cenbrasil.blogspot.com.br/2014/06/grupo-discutira-propostas-de-combate.html

-- 

Att,
Coletivo de Entidades Negras - CEN