Anuncie em Nossa Revista de Classificados

Anuncie em  Nossa Revista de Classificados
Para Porto Alegre RS

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Obama

11/2008

Oxalá!
Barack Obama, primeiro presidente negro da história dos Estados Unidos, concretizará o sonho de Martin Luther King ou o pesadelo de Condoleezza Rice? Esta Casa Branca, que agora é sua casa, foi construída por escravos negros. Oxalá ele não se esqueça disso, nunca.
Eduardo Galeano (Data: 09/11/2008 )
Obama provará no governo que suas ameaças de guerra contra o Irã e o Paquistão não foram mais do que palavras, proclamadas para seduzir ouvidos difíceis durante a campanha eleitoral?Oxalá. E Oxalá não caia por nenhum momento na tentação de repetir as façanhas de George W. Bush. Ao fim e ao cabo, Obama teve a dignidade de votar contra a guerra do Iraque, enquanto o Partido Democrata e o Partido Republicano ovacionavam o anúncio dessa carnificina.Durante sua campanha, a palavra “leadership” foi a mais repetida nos discursos de Obama. Durante seu governo, continuará crendo que seu país foi escolhido para salvar o mundo, tóxica idéia que compartilha com quase todos seus colegas? Seguirá insistindo na liderança mundial dos Estados Unidos e na sua messiânica missão de mando?Oxalá esta crise atual, que está sacudindo os cimentos imperiais, sirva ao menos para dar um banho de realismo e de humildade a este governo que começa.Obama aceitará que o racismo seja normal quando exercido contra os países que seu país invade? Não é racismo contar um por um os mortos dos invasores no Iraque e ignorar olimpicamente os muitíssimos mortos entre a população invadida? Não é racista este mundo onde há cidadãos de primeira, segunda e terceira categoria, e mortos de primeira, segunda e terceira?A vitória de Obama foi universalmente celebrada como uma batalha ganha contra o racismo. Oxalá ele assuma, a partir de seus atos de governo, esta formosa responsabilidade.O governo de Obama confirmará, uma vez mais, que o Partido Democrata e o Partido Republicano são dois nomes de um mesmo partido?Oxalá a vontade de mudança, que estas eleições consagraram, seja mais do que uma promessa e mais que uma esperança. Oxalá o novo governo tenha a coragem de romper com essa tradição de partido único, disfarçado de dois partidos, que, na hora da verdade, fazem mais ou menos o mesmo ainda que simulem uma disputa entre eles.Obama cumprirá sua promessa de fechar a sinistra prisão de Guantánamo? Oxalá, e Oxalá acabe com o sinistro bloqueio a Cuba.Obama seguirá acreditando que está certo que um muro evite que os mexicanos atravessem a fronteira, enquanto o dinheiro passa livremente sem que ninguém lhe peça passaporte?Durante a campanha eleitoral, Obama nunca enfrentou com franqueza o tema da imigração. Oxalá a partir de agora, quando já não corre o risco de espantar votos, possa e queira acabar com esse muro, muito maior e vergonhoso que o Muro de Berlim, e com todos os muros que violam o direito à livre circulação das pessoas.Obama, que com tanto entusiasmo apoiou o recente presente de 750 bilhões de dólares aos banqueiros, governará, como é costume, para socializar as perdas e para privatizar os lucros. Temo que sim, mas oxalá que não.Obama firmará e cumprirá o protocolo de Kyoto, ou seguirá outorgando o privilégio da impunidade à nação mais envenenadora do planeta? Governará para os automóveis ou para as pessoas? Poderá mudar o rumo assassino de um modo de vida de poucos no qual se rifam o destino de todos?Temo que não, mas Oxalá que sim.Obama, primeiro presidente negro da história dos Estados Unidos, concretizará o sonho de Martin Luther King ou o pesadelo de Condoleezza Rice? Esta Casa Branca, que agora é sua casa, foi construída por escravos negros. Oxalá ele não se esqueça disso, nunca.Publicado originalmente no jornal Página 12 Buenos aires.Tradução: Katarina Peixoto, da carta maior.
Fonte: MST

Poesias


e VISITE OS SEUS BLOGS
http://vivoedesnudo.blogspot.com/
http://temposdoverbo.blog.pt/

Domingo, 14 de Setembro de 2008

A POESIA É UMA ARMA... * Catarse

Já nasci na prisão.Fiz do medoum brinquedoque trazia na palma da mão.Fui menino enjeitado.Fui soldado.Fui adulto explorado.Fui vexado.Vi o medo tolherquantos homens sem medo!Vi crianças comerum bocado já duro de pão.
E vi mães em segredoa beijarem o pão que caíra no chão!Eu vi tudo o que havia de feio!E passados que são tantos anos,um amargo receiode não veresta safra de enganosfinalmente cederà verdade de ser.Um receio doído,como a fome sem pão,como um homem traído p'la vil delação,como a flor da esperançaque a vergonha dos homens insulta
na inocência das mãos da criançacondenada a nascer já adulta...
José-Augusto Carvalho20 de abril de 2002Viana do Alentejo * Évora *Portugal
Publicada por José-Augusto de Carvalho em 13:26 4 comentários Hiperligações para esta mensagem
Etiquetas: A poesia é uma arma...
Quinta-feira, 14 de Agosto de 2008

A POESIA É UMA ARMA... - O grande logro


Defines o teu perfilcom as pétalas da florduma alvorada de Abril,vestida de amor e cor.
E falas da primaveracomo do sagrado trilhoonde a liberdade geraa verdade em cada filho.
E, faminto, o povo crêna palavra armadilhada,crendo ver o que antevêna espera desesperada.
E, de logro em logro, vaisarengando que te cabeo fazer melhor e maiso que só o povo sabe...
José-Augusto de Carvalho11 de Março de 2007.Viana do Alentejo * Évora * PortugalDo livro em construção:O MEU CANCIONEIROParte III, Cantigas de escárnio e mal-dizer
Publicada por José-Augusto de Carvalho em 19:13 0 comentários Hiperligações para esta mensagem
Etiquetas: A poesia é uma arma...
Quarta-feira, 2 de Julho

Saga das Mulheres Africanas


Roupas de lojas do Brás, tradicional bairro do centro de São Paulo, vão parar nos mercados populares de Angola
07.05.2007 Repórter Brasil A saga de mulheres africanas que cruzam o oceano para comprar roupas no BrasilJuliana Borgeswww.reporterbrasil. com.br/exibe. php?id=982
Bairro da região central de São Paulo é o destino de angolanas que vêm ao Brasil para comprar peças que estão na moda por aqui, e que serão revendidas em seu país de origem. Negócios são desenvolvidos com bastante discrição No número 37 de uma rua antiga de São Paulo fica um hotel em que é possível comer pratos típicos angolanos, como galinha com muamba, calulu e costela de boi com fungi, entre outros. Algumas quadras adiante fica uma loja que vende sapatos no atacado. No seu interior, há uma grande bandeira de Angola pendurada. Ainda próximo dali está sediado outro hotel onde trabalha um recepcionista de meia idade, cabelos brancos e uma generosa barriga. De tanto conviver com seus hóspedes, adquiriu um curioso trejeito africano no seu modo de falar, entoando palavras com sons mais abertos e incorporando expressões do português lá do outro lado do Atlântico, como "fixe", que quer dizer "legal". Finalmente, bem ao lado desse hotel fica uma exportadora chamada Kwanza Sul - kwanza é o nome do maior rio de Angola e da moeda do país. Esses quatro endereços estão localizados no bairro paulistano do Brás, um dos maiores pólos de venda de roupas no atacado da cidade de São Paulo. Estão lá para atender a uma fiel clientela: as centenas de sacoleiras angolanas que quase diariamente atravessam o Atlântico e desembarcam em São Paulo à procura de produtos para serem revendidos em seu país de origem. Elas compram quantidades enormes, despachadas por transportadoras. O lucro obtido com a transação paga a passagem de avião, que custa mais de mil dólares, e ainda garante o sustento dessas mulheres. O Brás é um lugar de migrantes, mistura de bolivianos, paraguaios, nordestinos, paulistanos, guinenses, libaneses e, também, de angolanos. Por onde quer que se ande, nas lojas, nas ruas, entre os camelôs, nos mercados, na feira da madrugada - um mercado aberto que começa às 3h30 da manhã -, nos hotéis ou nos restaurantes, a presença desses últimos é quase sempre notável, seja pelo colorido das roupas e o primor dos penteados das mulheres, nas vozes com sotaque que estão quase sempre a falar alto e, principalmente, comemorada pelos dólares que trazem do seu país natal. Alguns, geralmente estudantes, vivem em São Paulo. Mas a maioria está apenas de passagem. Apesar de numerosos, é grande a dificuldade para conseguir qualquer informação sobre o assunto. Basta se apresentar como jornalista para rapidamente portas se fecharem, sorrisos se apagarem, rostos se virarem e irem embora, para a conversa terminar subitamente. Esse tema é um tabu. Em alguns momentos, a hostilidade é óbvia, porém silenciosa. Em outros, mais direta. "Já está na hora da senhorita ir embora daqui", insistiu uma turma de amigos angolanos que mora no Brasil e costuma se encontrar no Brás. Alguns dias depois, foi a vez de a dona de um hotel afirmar nervosa, por telefone: "não tenho nada a declarar sobre isso". No dia anterior, a repórter esteve no seu estabelecimento na companhia de um angolano, sem se identificar como jornalista, e a situação foi bastante diferente. Ela conversou com a dona, comeu comida típica e ouviu os cozinheiros dizerem que aprenderam a fazer os pratos africanos e acabaram gostando. "As angolanas são maioria no nosso hotel. Temos de fazer de tudo para satisfazer os clientes, né?", afirmou, na ocasião, uma das cozinheiras. A razão para essa espécie de pacto de silêncio é uma só. Os lucros trazidos com as compras das sacoleiras são fartos. Acontece que, sob o ponto de vista jurídico, muita coisa é feita de maneira informal: parte do dinheiro é trazido ao Brasil sem ser declarado, compras são feitas sem nota fiscal e, apesar de a maioria dos produtos serem remetidos por meio de exportadoras, muitas mulheres levam o que compraram nas suas próprias malas. Para os comerciantes, é um dinheiro que ninguém quer perder. Para as angolanas, é um meio de ganhar a vida. Por isso, fornecer quaisquer informações que possam comprometer essa atividade econômica tão importante para ambos os lados é desnecessário e arriscado. Por cerca de um mês, a Repórter Brasil percorreu as ruas do Brás na tentativa de conhecer um pouco da história dessas sacoleiras. Depois de muitas portas fechadas, algumas se abriram. Foi possível, então, perceber que há muito mais aspectos envolvidos nesse processo do que uma simples relação comercial. Mais importante do que saber quantos dólares elas têm no bolso ou investigar se o dinheiro foi ou não declarado é compreender as mudanças que esse vultoso comércio está trazendo às duas partes envolvidas. Pois o ser humano, sempre que se coloca em contato com outro diferente, sofre e provoca transformações. Nesse caso específico, elas aparentemente podem parecer superficiais, mas são profundas.
Clique abaixo para ler outras partes da reportagem: Parte I: Das novelas brasileiras aos mercados populares da África
Parte III - Comércio transatlântico: venda de roupas aliada a transformações culturais
Leia mais em http://www.casadasa fricas.org. br/site/? id=noticias&sub=01&id_noticia=305

Uma Esquerda contra a leitura de O Capital

..........repassem.


----- Original Message -----
From: luc.flavio
To: vanderleycaixe
Cc: luc.flavio
Sent: Friday, December 26, 2008 6:21 PM
Subject: Re:[Carta O BERRO] FELIZ NATAL À Você que sonhou um sonho de solidariedade e extrapolou esse sonho;
Caro Vanderley,
não o conheço pessoalmente, mas admiro seu trabalho internauta. Enviei à Carta Maior um texto de crítica ao artigo do Flávio Aguiar, "Do socialismo científico ao socialismo utópico", mas, até o momento, não obtive resposta (talvez devido aos festejos natalinos). Como o artigo também foi publicado na Carta O Berro, pergunto se, antes que o ano se vá, você pode publicar meu texto?
Podendo ou não, por favor, dê um retorno.
Forte abraço,
Lúcio.

Uma esquerda contra a leitura de O capital


Lúcio Flávio de Almeida

Final de ano, examino o que se amontoou na caixa de mensagens deste estressado laptop e me deparo com esta mensagem. O título, “Debate aberto”, desperta minha atenção. O segundo parágrafo inicia-se com “O Capital”. Impossível não ler. Será uma esquerda anticapitalista? É um artigo do Flávio Aguiar, “Do socialismo científico ao socialismo utópico” publicado na Carta Maior de 15/12/2008 e repassado pela Carta O Berro. Claro que li. O objetivo do autor é recuperar a dimensão ética da luta contra o capitalismo, o que implica abandonar “cientificidade de índole positivista” colada no marxismo que nem masca de chiclete. Ótimo, só que isto dá um trabalho danado, que exige muita leitura e releitura de textos espinhosos. Exatamente o oposto do que Aguiar recomenda, ao menos no que se refere a O capital. Utopias também possuem determinações de classe. Portanto, algumas, além de inevitáveis, são desejáveis. Desconfio das que, em nome do anticientificismo, excluem o conhecimento científico da sociedade que se pretende transformar. O texto do Flavio Aguiar não é aberto. É desqualificador, o que não chega a assustar no debate que em geral se trava – o duplo sentido é intencional – no interior das esquerdas. Naquele segundo parágrafo, Aguiar afirma que “’O Capital’, de Karl Marx, compartilha com a Bíblia, além de questões de estilo, editoração, exegeses interpretativas e até propósitos um destino muito peculiar: é livro muito citado e pouco lido.” Em nenhum momento o autor se dá ao trabalho de sequer insinuar uma demonstração deste “compartilhamento” de estilo e editoração pelas duas obras. Nem explicita porque juntou aspectos cuja vinculação com a autoria, ao menos no caso de O capital, pode parecer óbvia, mas não é: o serem objetos de tantas “exegeses interpretativas” (sic) e pouco lidas. Quanto aos “propósitos” , nada entendi, mas é melhor deixar pra lá. Aguiar afirma que, na sua geração, poucos leram o primeiro livro d’O capital e pouquíssimos foram além. Afinal, os livros dois e três, publicados postumamente com base “no nobre esforço editorial de Engels” (estará aí uma proximidade com a Bíblia?), são “mais descosidos e de leitura mais árdua”. Aguiar contentou-se com o opúsculo de Engels, Do socialismo utópico ao socialismo científico, que, admite, leu mal, de modo maniqueísta e linear. É neste texto – parte de um livro maior, o Anti-Dühring – que Aguiar centra suas considerações sobre a necessidade de se refundarem as bases de uma luta pelo socialismo. Todavia, mesmo aqui, não é de todo descabida a suposição, a partir do que o próprio Aguiar declara, de que o articulista ainda tem muitas contas a acertar com a leitura de um texto de menor calibre – polêmica e divulgação – do que a principal obra teórica de Marx. Mas isso é assunto dele, que, aliás, mistura o tempo todo, sua trajetória pessoal, inclusive opções de leitura, com as formulações elaboradas por dois caras, Marx e Engels, que não têm muito a ver com isso. Quanto mais propostas para o avanço, em tempos muito difíceis, das lutas para mudar o mundo, melhor. O lamentável é justamente agora, quando se manifesta uma ampla crise do capitalismo, desencorajar as pessoas, especialmente os jovens trabalhadores, de lerem O capital. Refundar as perspectivas de transformação social, e não apenas se preocupar com políticas neodesenvolvimentistas, exige muito trabalho, inclusive muito estudo. Neste caso, a leitura atenta e crítica d’O capital é imprescindível. Enquanto escrevinho estes comentários, tenho ao meu lado um exemplar do opúsculo de Engels (Rio de Janeiro, Vitória, 1962), que utilizei em diversos grupos de estudo. Bate uma saudade gostosa. Hoje, boas edições de O capital estão disponíveis, despertam grande interesse e levam à formação de grupos de estudo bem mais numerosos. Recentemente, participei de uma experiência dessas na universidade onde trabalho. Convidamos estudiosos para fazerem as conferências e dedicamos um semestre a cada livro. Diferentemente do que faz Aguiar, recomendo. O tempo ruge e vou mudar de assunto. Abraços, boas festas, muita garra e muito tino na difícil luta para que esta crise não deságüe em barbárie ainda maior.

Lúcio Flávio Rodrigues de Almeida ( professor ; autor de Uma ilusão de desenvolvimento: nacionalismo e dominação burguesa nos anos JK. Florianópolis, EDUFSC, 2006).-----Anexo incorporado-----
_______________________________________________Cartaoberro mailing listCartaoberro@serverlinux.revistaoberro.com.brhttp://serverlinux.revistaoberro.com.br/mailman/listinfo/cartaoberro
hasEML = false;

Antena

#yiv747646684
#yiv747646684 {color:#000;font-family:verdana;font-size:10px;}
#yiv747646684 div.header {background:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_header.png) no-repeat;width:586px;height:98px;margin-bottom:4px;margin-left:2px;}
#yiv747646684 div.numero {background:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_numero.gif) no-repeat;width:311px;height:40px;}
#yiv747646684 div.logodata {width:99px;height:40px;}
#yiv747646684 span.edicao {color:#fff;font-weight:bold;font-family:verdana;font-size:24px;}
#yiv747646684 div.banner {background:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_banner.gif) no-repeat;width:586px;height:74px;margin-bottom:12px;margin-left:2px;}
#yiv747646684 div.banner .bannergrande {float:left;display:inline;margin-left:9px;margin-top:7px;border:none;}
#yiv747646684 div.banner .bannerpequeno {float:left;margin-left:6px;margin-top:7px;border:none;}
#yiv747646684 div.fotoelegenda {float:left;display:inline;margin-right:9px;width:270px;}
#yiv747646684 div.direita {float:right;display:inline;margin-right:0px;width:200px;margin-top:15px;}
#yiv747646684 div.esquerda {margin-top:15px;}
#yiv747646684 div.fotobody {background-image:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_foto_body.png);background-repeat:repeat-y;}
#yiv747646684 div[class=fotobody]{}
#yiv747646684 div.fototop {background-image:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_foto_top.png);background-repeat:no-repeat;}
#yiv747646684 div.fotobottom {background-image:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_foto_bottom.png);background-repeat:no-repeat;background-position:0px bottom;padding:14px 19px 0px 16px;}
#yiv747646684 div.fotobottom img {margin-bottom:24px;}
#yiv747646684 div.fotoelegenda p.legenda {color:#00A5FF;font-family:verdana;font-size:10px;font-weight:bold;padding-left:21px;}
#yiv747646684 h2 {color:#007EDC;font-family:verdana;font-size:14px;margin-left:15px;}
#yiv747646684 p.texto {color:#000;font-family:verdana;font-size:10px;line-height:130%;padding-right:6px;margin-left:15px;}
#yiv747646684 h3 {color:#000;font-family:verdana;font-size:12px;margin-left:15px;}
#yiv747646684 img.hr {clear:both;margin-bottom:0px;display:block;}
#yiv747646684 div.marcabody {background-image:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_marca_body.png);background-repeat:repeat-y;}
#yiv747646684 div[class=marcabody]{}
#yiv747646684 div.marcatop {background-image:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_marca_top.png);background-repeat:no-repeat;}
#yiv747646684 div.marcabottom {background-image:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_marca_bottom.png);background-repeat:no-repeat;background-position:0px bottom;padding:14px 19px 0px 16px;}
#yiv747646684 div.marcabottom img {margin-bottom:19px;}
#yiv747646684 div.apoio {background:url(http://www.gremio.net/antena/imgs/bg_footer_apoio.gif) no-repeat;width:586px;height:95px;margin-bottom:12px;margin-left:2px;margin-top:13px;}
#yiv747646684 div.apoio h2 {margin-top:10px;float:left;display:inline;}
#yiv747646684 div.apoio img.apoioselo {float:right;display:inline;margin-left:3px;margin-right:10px;margin-top:7px;border:none;}
#yiv747646684 img.assinatura {display:block;margin-left:2px;border:none;}
#yiv747646684 span.cancela {display:block;padding-bottom:50px;
font-family:verdana;font-size:12px;padding-left:2px;color:#000;
}
#yiv747646684 span.cancela a{color:#000;text-decoration:none;
}
#yiv747646684 strong.texto {color:#000;font-family:verdana;font-size:10px;text-align:center;}
#yiv747646684
797


26.12.2008


Apresentação dos reforços gremistasAssista os reforços na Grêmio TV
ACESSE www.gremiotv.net E CONFIRA OS REFORÇOS DO IMORTAL NA GRÊMIO TV.


Copa São Paulo de Juniores Grêmio pronto para a competição
Depois da conquista do Campeonato Brasileiro Sub-20, o técnico Julio Camargo já começa a trabalhar a equipe que defenderá o Grêmio na Taça São Paulo de Futebol Junior. A competição inicia na próxima semana. O Grêmio, que está no Grupo G sediado na cidade de Taubaté, estréia no domingo, dia 04/01, contra a Portuguesa de Desportos. Mais informações
Memorial Hermínio BittencourtA história do Imortal Tricolor
O Memorial Hermínio Bittencourt fica no Estádio Olímpico Monumental e é uma das formas do torcedor conhecer e relembrar a história do Imortal Tricolor. O Memorial recebe um grande número de excursões, de todas as partes do mundo, além dos gremistas e visitantes que querem conhecer a história do Grêmio. Mais de 100 mil pessoas visitam o Memorial por ano. Mais informações

Frei Betto

CARTA O BERRO. ..........repassem.

Feliz Natal
FREI BETTO
Feliz Natal a todos que pulam corda com a linha do horizonte e riem à sobeja dos que apregoam o fim da história
FELIZ NATAL aos infelizes cativos do desapreço ao próximo, da irremediável preguiça de amar, do zelo excessivo ao próprio ego. E aos semeadores de alvíssaras, aos glutões de premissas estéticas, aos fervorosos discípulos da ética.Feliz Natal ao Brasil dos deserdados, às mulheres naufragadas em lágrimas, aos escravos do infortúnio condenados à morte precoce. E aos premiados pela loteria biológica, aos desmaquiadores de ilusões, aos inconsoláveis peregrinos da vicissitude.Feliz Natal aos órfãos do mercado financeiro, pilotos de vôos sem asas e sem chão, fiéis devotos da onipotência do mercado, agora encerrados no impiedoso desabrigo de suas fortunas arruinadas. E também aos lavradores da insensatez espelhada na linguagem transmutada em arte.Feliz Natal às lagartas temerosas de abandonar casulos, ao desborboletear de insignificâncias cultivadoras de ódios, aos exilados na irracionalidade do despautério consensual. E aos dessedentados na saciedade do infinito, no silêncio inefável, nas paixões condensadas em prestativa amorosidade.Feliz Natal a quem escapa dos indomáveis pressupostos da lógica consumista, dessufoca-se em celebrações imantadas de deidade, livre do desconforto da troca compulsória de presentes prenhes de ausências. E aos hospedeiros de prenúncios do leque infinito de possibilidades da vida.Feliz Natal a quem não planta corvos nas janelas da alma, nem embebe o coração de cicuta, e coleciona no espírito aquarelas do arco-íris. E a quem trafega pelas vias interiores e não teme as curvas abissais da oração.Feliz Natal aos devotos do silêncio recostados em leitos de hortênsias a bordar, com os delicados fios dos sentimentos, alfombras de ternura. E a quem arranca das cordas da dor melódicas esperanças.Feliz Natal aos que trazem às costas aljavas repletas de relâmpagos, aspiram o perfume da rosa-dos-ventos e carregam no peito a saudade do futuro. Também a quem mergulha todas as manhãs nas fontes da verdade e, no labirinto da vida, identifica a porta que os sentidos não vêem e a razão não alcança.Feliz Natal aos dançarinos embalados pelos próprios sonhos, ourives sapienciais das artimanhas do desejo. E a quem ignora o alfabeto da vingança e não pisa na armadilha do desamor.Feliz Natal a quem acorda todas as manhãs a criança adormecida em si e, moleque, sai pelas esquinas a quebrar convenções que só obrigam a quem carece de convicções. E aos artífices da alegria que, no calor da dúvida, dão linha à manivela da fé.Feliz Natal a quem recolhe cacos de mágoas pelas ruas para atirá-los no lixo do olvido e se guarda no recanto da sobriedade. E a quem se resguarda em câmaras secretas para reaprender a gostar de si e, diante do espelho, descobre-se belo na face do próximo.Feliz Natal a todos que pulam corda com a linha do horizonte e riem à sobeja dos que apregoam o fim da história. E aos que suprimem a letra erre do verbo armar.Feliz Natal aos poetas sem poemas, aos músicos sem melodias, aos pintores sem cores, aos escritores sem palavras. E a quem jamais encontrou a pessoa a quem declarar todo o amor que o fecunda em gravidez inefável.Feliz Natal a quem, no leito de núpcias, promove despudorada liturgia eucarística, transubstancia o corpo em copo, inunda-se do vinho embriagador da perda de si no outro. E a quem corrige o equívoco do poeta e sabe que o amor não é eterno enquanto dura, mas dura enquanto é terno. Feliz Natal aos que repartem Deus em fatias de pão, bordam toalhas de cumplicidades, secam lágrimas no consolo da fé, criam hipocampos em aquários de mistério.Feliz Natal a quem se embebeda de chocolate na esbórnia pascal da lucidez crítica e não receia se pronunciar onde a mentira costura bocas e enjaula consciências. E a quem voa inebriado pelo eco de profundas nostalgias e decifra enigmas sem revelar inconfidências; nu, abraça epifanias sob cachoeiras de magnólias.Feliz Natal a todos que dão ouvidos à sinfonia cósmica e, nos salões da Via Láctea, bailam com os astros ao ritmo de siderais incertezas. Queira Deus que renasçam com o menino que se aconchega em corações desenhados na forma de presépios.
CARLOS ALBERTO LIBÂNIO CHRISTO , o Frei Betto, 64, frade dominicano e escritor, é autor de "A arte de semear estrelas" (Rocco), entre outros livros. Foi assessor especial da Presidência da República (2003-2004).
Fonte: Carta o Berro

Antena Tricolor

798


27.12.2008


Horários de funcionamento do OlímpicoLoja Grêmio Mania, QS e Memorial
Em decorrência aos feriados de final de ano, o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense divulga os horários de funcionamento da Loja Grêmio Mania, do Memorial Hermínio Bittencourt e do Quadro Social. Mais informações


Diogo é apresentadoVolante fica até o final do ano
O Grêmio apresentou oficialmente o volante Diogo, de 22 anos, que estava desde 2006 no Figueirense. O jogador já vestiu a camisa do Grêmio e falou em conquistar títulos: “O Grêmio é um time conhecido mundialmente pela sua tradição, pelas suas glórias, por conquistar muitos títulos e é isso que eu espero aqui no Grêmio, junto com meus companheiros conquistar os títulos e deixar a nossa torcida sempre feliz”, disse o jogador, que definiu-se como um volante de força física: “Se eu fui contratado pelo Grêmio é porque eu tenho condições de jogar aqui e espero retribuir a confiança que a direção depositou em mim. Sou um volante de mais pegada, de vigor físico e saio também para o jogo, tenho bom passe”, afirmou. Mais informações
Rafael Marques é apresentado"O Grêmio me dá condições de seguir meus sonhos"
O zagueiro Rafael Marques foi apresentado oficialmente no final da manhã desta sexta-feira no Estádio Olímpico. O atleta, que defendeu o Goiás no último Campeonato Brasileiro, chegou elogiando a estrutura do Grêmio: “É um clube tradicional, tem grandes conquistas e todo o atleta sonha em jogar no Grêmio. Tem uma grande estrutura, uma boa filosofia de trabalho e espero que tanto eu quanto o clube ganhem com a minha chegada”, afirmou Rafael Marques, que expressou o seu sentimento ao ser apresentado com a camisa Tricolor: “O Grêmio me dá condições de seguir atrás dos meus sonhos e dos meus objetivos e eu estou muito feliz de estar aqui”, disse. Mais informações


Contratação na Susepe

Governo do Estado autoriza a contratação de 210 técnicos para a Susepe29/12/2008 17:10
O Governo do Estado do Rio Grande do Sul autorizou, na véspera do Natal (24/12), a contratação temporária de 210 profissionais da área técnica de tratamento penal da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe). A equipe de 26 advogados, 110 assistentes sociais e 74 psicólogos integrará a Susepe, após a seleção e classificação dos candidatos, conforme os critérios do edital a ser publicado no Diário Oficial do Estado, nos primeiros dias de janeiro.
(Fonte: Ascom-Susepe)

Noticias da Prefeitura de Porto Alegre

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Imagem do Dia
Foto: Divulgação / PMPA
Apresentando canções natalinas na Usina, a Orquestra de Flautas Villa-Lobos realizou o último dos 50 espetáculos de 2008


Notícias A MANCHETE
Começa a construção das casas da Vila Dique DESTAQUES
Fogaça será reempossado em 1º de janeiro
Procon atende mais de 25 mil pessoas em dez meses
Doze minutos de fogos de artifício para celebrar 2009
IPTU com desconto de 20% vai até sexta
Novas casas de abrigagem reproduzem ambiente familiar EVENTOS
Prefeitura recebe R$ 2 milhões da Câmara
Mais de 56 mil inscritos em concurso da prefeitura
Último dia de inscrições ao Açorianos de Música MAIS SERVIÇOS
EPTC divulga programação de janeiro do radar móvel PREVISÃO DO TEMPO
Ouça a previsão do tempo desta terça-feira, dia 30 TEMPO HOJE
Veja imagem de satélite VEJA PAUTAS DO DIA
Pautas para o dia 30 de dezembro
Notícias da prefeitura na imprensa
Clique nos links abaixo para ter acesso a todas as notícias sobre a prefeitura veiculadas em jornal, TV, rádio e Internet:
Notícias em Jornal Notícias em TV Notícias em Rádio Notícias na Internet
Todas as Notícias A MANCHETE

Começa a construção das casas da Vila Dique

As primeiras unidades habitacionais do terreno da Avenida Bernardino Silveira Amorim, para onde serão transferidas as 1,4 mil famílias da Vila Dique, começam a ser erguidas amanhã, às 9h. As primeiras moradias devem ser concluídas em 60 dias. "Logo teremos melhoria na qualidade de vida, com água, luz, esgoto e casas decentes. É um sonho”, comemorou o presidente da Associação dos Moradores da Vila Dique, Paulo Corrêa. Leia mais... DESTAQUES

Doze minutos de fogos de artifício para celebrar 2009

A chegada de 2009 será comemorada na Usina do Gasômetro com dez toneladas de fogos de artifício, duas a mais que no ano passado, e dois espetáculos de projeção nacional: Papas da Língua e Kleiton & Kledir. No intervalo entre os shows, o DJ Claudinho Pereira manterá o alto astral com caixas de som. São esperadas cerca de 100 mil pessoas na festa da orla do Guaíba, que começa às 18h. Neste ano, há melhorias na infra-estrutura do local. Será liberado o estacionamento do Parque da Harmonia, na mesma área em que funciona o do Acampamento Farroupilha, além de um grande centro de táxis. Confira a programação Leia mais...

IPTU com desconto de 20% vai até sexta

Os contribuintes têm até sexta-feira, 2 de janeiro, para pagar com 20% de desconto o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e a Taxa de Coleta de Lixo (TCL). Para os pagamentos efetuados até 10 de fevereiro, a prefeitura oferece 10% de abatimento nos valores. O contribuinte poderá optar ainda pelo pagamento em dez vezes. Os correios já entregaram as guias. Quem não recebeu o documento, pode ter acesso pela Internet, por meio do site da prefeitura. O pagamento deve ser feito nos bancos conveniados com a prefeitura ou nas casas lotéricas. Leia mais...

Fogaça será reempossado em 1º de janeiro

O prefeito José Fogaça e o vice José Fortunati serão conduzidos aos seus cargos às 18h30 de quinta-feira, 1º de janeiro, no Salão Nobre da prefeitura. Durante a cerimônia, também serão empossados os secretários que vão integrar a nova gestão. O evento ocorre após a posse na Câmara Municipal, que começa às 16h, no Plenário Otávio Rocha. Leia mais...

Novas casas de abrigagem reproduzem ambiente familiar

Neste ano, oito residências receberam seus pequenos habitantes: crianças e adolescentes sob medida de proteção aplicada pelo Conselho Tutelar ou Juizado da Infância e Juventude. Com estrutura pequena, para acolher no máximo 12 meninos, os abrigos parecem residências familiares. O novo modelo preserva grupos de irmãos, fortalecendo os laços familiares. Em quatro anos, o projeto prevê a implantação de 21 casas. Leia mais...

Procon atende mais de 25 mil pessoas em dez meses

O Procon Porto Alegre completou dez meses de funcionamento, registrando a marca de 25.063 atendimentos. Quase 90% dos casos foram resolvidos na primeira visita, ou até cinco dias após a reclamação. Do total das reclamações, 33,5% eram ligadas à área de produtos, 24,6% ao setor financeiro, 22,1% aos serviços essenciais e 16,4% aos serviços privados. “O segmento Produtos é tradicionalmente o detentor do maior número de queixas, pois envolve centenas de empresas fabricantes”, esclarece o coordenador do Procon, Omar Ferri Júnior. Leia mais... EVENTOS

Prefeitura recebe R$ 2 milhões da Câmara

Nesta manhã, ocorreu a devolução simbólica para a prefeitura de R$ 2 milhões economizados pela Câmara Municipal neste ano. A entrega foi feita pelo presidente do Legislativo, Sebastião Melo, ao prefeito José Fogaça. Durante o encontro, Fogaça destacou a integração entre os poderes, o que garantiu, nos últimos quatro anos, a aprovação de 80% dos projetos por unanimidade. Leia mais...

Mais de 56 mil inscritos em concurso da prefeitura

Serão 56.704 candidatos disputando as 318 vagas de nível médio e superior oferecidas pela prefeitura. A maior procura foi para os cargos de Técnico em Enfermagem (13.323 inscritos), Guarda Municipal (7.850) e Enfermeiro (4.444). Conforme a secretária de Administração, Sonia Vaz Pinto, o objetivo é contratar pessoal para atender as demandas de 2009. Leia mais...

Último dia de inscrições ao Açorianos de Música

Artistas interessados em participar da próxima edição do Prêmio Açorianos de Música têm até amanhã para se inscrever. O prazo foi antecipado, porque na quarta-feira, 31, o ponto será facultativo na prefeitura. A premiação é aberta à produção musical gaúcha apresentada em Porto Alegre ao longo de 2008 e será entregue em março do ano que vem, no Theatro São Pedro. Para fazer as inscrições, é necessário entregar as fichas, incluindo CDs ou DVDs, à Coordenação de Música da Secretaria da Cultura, no Auditório Araújo Vianna, das 9h às 12h e das 14h às 18h. Leia mais... MAIS SERVIÇOS

EPTC divulga programação de janeiro do radar móvel

Os dias e os locais em que o sistema de radar móvel da EPTC estará atuando no mês de janeiro foram publicados no site da prefeitura. Confira a programação PREVISÃO DO TEMPO

Ouça a previsão do tempo desta terça-feira, dia 30

(Clique aqui) TEMPO HOJE

Veja imagem de satélite

(Clique aqui) VEJA PAUTAS DO DIA

Pautas para o dia 30 de dezembro

(Clique aqui)
Editado pela Supervisão de Comunicação SocialE-mail - Telefones (51)3289.3900 / (51)3289.3932 / (51)3289.3926
Newsletter desenvolvida pela PROCEMPA.

Feliz 2009

Caros Confrades COLORADOS!

Inicio esta minha primeira manifestação agora como presidente da CONFRARIA TAMBORES DE YOKOHAMA agradecendo a presença de expressivo número de pessoas em nossa festa do dia 17 último, onde tivemos a comemoração do 2° ano aniversário do nosso Mundial FIFA, além da posse do Conselho e nova Diretoria da CONFRARIA para 2009.
Nessa oportunidade, também, prestamos linda homenagem ao saudoso confrade honorário, o Presidente Arthur Dallegrave, onde pudemos contar com a presença de sua esposa, Senhora Clara e sua filha Giovana Dallegrave, nesse dia que fazia exatos 30 dias do precoce e indesejado passamento daquele grande dirigente.
Em nome do Conselho e da Diretoria da CONFRARIA gostaria de desejar a todos um ano de 2009 radioso de luz e que nosso amado S. C. INTERNACIONAL siga sua senda de vitórias aqui e em outros continentes, como tem feito.
Para nossos CONFRADES, um Ano Novo com muita saúde, luz e sabedoria para que sejamos também vitoriosos na vida!
Abraços e que Deus os acompanhe neste novo recomeço!
Rodrigo Flôres
Presidente da Confraria Tambores de Yokohama
F: (51) 8411 99 68
Autor: Marcelo Gorga, Porto Alegre - RS
INTER - 100.000 sócios no ano do Centenário
Os TAMBORES DE YOKOHAMA estão neste projeto


Cadastre-se www.tamboresdeyokohama.com.br

Porque Israel é um Estado Nazista

Carta O Berro...........................................................................repassem
----- Original Message -----

Porque Israel é um Estado Nazista



No ataque mais sangrento nos territórios palestinos nesse ano, 296 pessoas, entre eles muitas mulheres e oito crianças, morreram ontem quando Bombas do Exército israelense atingiram residencias na Faixa de Gaza. Mais de mais de 500 pessoas ficaram feridas, algumas delas gravemente.muitos bombardeios destroçaram um complexo de casas onde viviam integrantes de uma só família, a Al-Assamna. Segundo testemunhas, a família estava dormindo na hora da primeira explosão, às 5h15. Em pânico, os moradores tentavam fugir qunado mais bombas atingiram as mesmas casas. ?Vimos pernas, cabeças e mãos espalhadas pela rua?, contou o vizinho Attaf Hamad, de 22 anos.?

Mais adiante o jornal informa que os militantes do Hamas mais próximos estavam a 450 metros de distância, acabando com a balela sionista de que civis são atingidos porque guerrilheiros se misturam a eles. O jornal informa ainda que o uso de bombas em operações desse tipo é condenado por especialistas, por causa da imprecisão dessas armas. Ou seja, o Estado de Israel usa bombas mesmo sabendo que o risco de matar civis é altíssimo. É praticamente homicídio premeditado. Ou genocídio premeditado. Isto demonstra que o Estado de Israel não tem a menor consideração e o menor respeito por vidas palestinas, caracterizando-se claramente como um Estado criminoso, assassino em massa.

Isso nos traz ao tema deste artigo: Israel é um Estado nazista. Nazista, em primeiro lugar, porque considera que a vida de um judeu vale mais dos que as vidas de centenas de palestinos, assim com os nazistas germânicos achavam que a vida de um alemão valia mais do que as vidas de centenas de judeus ou russos ou ciganos, etc. A pretexto de resgatar um soldado seqüestrado pelo Hamas em Gaza, o Estado de Israel se acha no direito de sair matando civis palestinos, inclusive mulheres e crianças. Depois, dizem que foi um ?erro técnico? e fica tudo por isso mesmo, com as bênçãos dos Estados Unidos, sem os quais Israel já teria deixado de existir há muito tempo. Os israelenses vivem de uma esmolinha de três bilhões de dólares por ano, esmolinha dada pelos americanos.

Nazista, em segundo lugar, porque é um Estado constituído sobre uma base racial. Israel é, oficialmente, um Estado judeu. Quando os judeus são criticados, gritam: ?Racismo!?. Isto é, os judeus se consideram uma raça. Aliás, organizações judaicas em todo o mundo, inclusive no Brasil e na Paraíba, têm promovido testes de DNA para determinar quem tem o direito de se proclamar judeu. Se os judeus são uma raça, como eles próprios se consideram (já que etnia não se mede por teste de DNA), Israel é um Estado racial. Se é um Estado racial, é um Estado racista. Se é um Estado racista, é um Estado nazista. Os judeus deixaram de ser vítimas há muito tempo. Hoje são algozes, matadores cruéis de civis inocentes. Comportam-se como nazistas.

Até mesmo em sua exploração sistemática do Holocausto, os judeus se mostram racistas. Atuam para ter o monopólio da grife Holocausto. Vivem repetindo que os nazistas germânicos mataram seis milhões de judeus, o que é verdade (não sou, de modo algum, um negacionista do Holocausto), mas apagam dos registros o genocídio dos ciganos, dos quais cerca de seiscentos mil foram dizimados pelos mesmos nazistas germânicos, muitas vezes nos mesmos campos de concentração. Proporcionalmente, o número de ciganos mortos foi tão alto quanto o de judeus. E ainda houve, como vítimas do Holocausto, os comunistas, os homossexuais, as testemunhas de Jeová, os deficientes físicos, os deficientes mentais e outros grupos (até mesmo os esperantistas, adeptos da língua internacional e neutra Esperanto foram perseguidos e muitas vezes mortos). Tudo isso é apagado; tudo isso é esquecido. No livro Holocausto ? O massacre de seis milhões, o escritor judeu Ben Abraham apaga os ciganos com um truque sórdido: diluindo-os nas nacionalidades. Ou seja, um judeu polonês morto é um judeu; um cigano romeno morto não é um cigano, mas um romeno. Assim, eles ficam com o monopólio do Holocausto e o transformam numa grife judaica que justifica tudo, inclusive o massacre, brutal e covarde, hediondo, de mulheres e crianças palestinas. Até como vítimas os sionistas são racistas. Até como vítimas os sionistas são nazistas. Como algozes, então, nem se fala.

Outro conceito nazista fundamental para o Estado de Israel é o de ?espaço vital?. Hitler dizia que os alemães precisavam de ?espaço vital?, quer dizer, as terras dos vizinhos. Os sionistas dizem e fazem a mesma coisa. As famigeradas colônias construídas sobre terras palestinas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental e sobre terras sírias nas Colinas de Golã são nada menos que a aplicação do conceito nazista de ?espaço vital?. Por que só Hitler deveria ser condenado por isso? Por que os sionistas e o Estado de Israel não deveriam ser condenados? Dois pesos e duas medidas? Nazismo é nazismo, não importa se germânico ou judeu.

O próprio conceito de ?povo eleito? é puro racismo. Os nazistas germânicos se consideravam o povo eleito pela genética. Os judeus se consideram o povo eleito por Deus e, conseqüentemente, também pela genética. Não há diferença. O judaísmo é, essencialmente, uma religião racista. E todo racismo tem que ser condenado, tenha ou não fundo religioso. Em nome de sua suposta escolha por Deus, os hebreus cometeram muitos massacres, massacres horríveis: ?Não deixareis vivo nada que respire; pelo contrário: passareis no fio da espada homens, mulheres, crianças e animais?. Está na Bíblia dos hebreus. Precisa dizer mais? Antes passavam no fio da espada; hoje matam com mísseis e balas de canhão. Sempre foram nazistas; continuam nazistas.

Por fim, uma palavra sobre o judaísmo messiânico. Os judeus tradicionais ? a grande maioria que inclui ortodoxos, conservadores, liberais e reformistas ? consideram Jesus Cristo um falso messias, portanto um farsante, um impostor (enquanto os muçulmanos consideram Jesus um profeta, um dos nove profetas do islamismo). Os judeus messiânicos consideram Jesus o verdadeiro messias, mas acham que ele veio somente para os judeus. Ou seja, Jesus não morreu pela humanidade, mas somente por eles, os hebreus. Quanta pretensão! Quanto racismo! Quanto nazismo! Basta de hipocrisia. Denunciemos o sionismo pelo que ele é: uma forma de racismo e de nazismo. Denunciemos o Estado de Israel pelo que ele é: um Estado racial, racista, nazista. Podem espernear à vontade, mas esta é a verdade. A verdade, meus caros, a verdade.

http://midiaindependente.org/pt/blue/2008/12/436179.shtml

================================================

Operação Verão Legal

Segurança Pública na Operação Verão Legal RS 2009
30/12/2008 11:38

A Secretaria da Segurança Pública está atuando na Operação Verão Legal RS 2009 por meio da Brigada Militar, com a Operação Golfinho, a Polícia Civil, com a Operação Estrela no Verão, e o Instituto-Geral de Perícias (IGP).

As casas de praia das instituições estão centralizadas em Capão da Canoa, na Avenida Beira-Mar, próximo ao Baronda.

Com a Brigada Militar, o contato pode ser feito pelos telefones (51) 3665-2890 e 3665-2855, ou pelo e-mail opgolf-acs@brigadamilitar.rs.gov.br.

A Polícia Civil está atendendo ao público nos telefones (51) 3665-1981, 3665-1994, 3625-7093, ou pelo e-mail estrela-verao@pc.rs.gov.br.

Já o contato com o IGP em Capão da Canoa pode ser realizado através dos telefones (51) 3665-3287 ou 8445-8603. Na Praia do Cassino, o atendimento é feito pelo telefone (53) 3236-7407. Em ambos, o e-mail é o verão-legal@igp.rs.gov.br .

Contatos das Asessorias de Comunicação da SSP RS

Contatos das Assessorias de Comunicação da SSP/RS
30/12/2008 12:10

Para facilitar e tornar mais ágil o trabalho dos profissionais de imprensa que buscam informações da Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul (SSP/RS) e seus organismos vinculados (Polícia Civil, Brigada Militar, Instituto-Geral de Perícias e Superintendência dos Serviços Penitenciários), principalmente aos finais de semana e feriados, informamos os telefones celulares funcionais das respectivas assessorias, assim como fones convencionais e e-mails para outras demandas durante a semana.

Solicitamos aos profissionais da mídia para que busquem sempre com as assessorias a intermediação das demandas junto às fontes de cada instituição. Ressaltamos também que ao pé da página inicial do site da SSP ( www.ssp.rs.gov.br ), no banner Cadastre-se, pode ser efetuado o registro para recebimento do mailing diário de notícias da Secretaria.

SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA ( www.ssp.rs.gov.br )
Coordenador de Comunicação: Jornalista Amilton Belmonte
Fone: (51) 3288-1919/3288-1994 (segunda a sexta-feira, horário comercial)
Celular funcional: (51) 8445-8670
e-mail: comunicacao@ssp.rs.gov.br

POLÍCIA CIVIL ( www.pc.rs.gov.br )
Coordenador de Comunicação: Comissário de Polícia Newton Ramos
Fones: (51) 3288-2380/3288-2381 (segunda a sexta-feira, horário comercial)
Celular funcional: (51) 8445-9454, com Ellen Dick
e-mail: imprensa@policiacivil.rs.gov.br

BRIGADA MILITAR ( www.brigadamilitar.rs.gov.br )
Coordenador de Comunicação: Tenente-Coronel Sérgio Augusto Zwetsch
Fones: (51) 3288-2930/3288-2932 (segunda a sexta-feira, horário comercial)
Celulares funcionais: (51) 8501-6577 e (51) 8501-6575
e-mail: pm5-imprensa@brigadamilitar.rs.gov.br

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS ( www.susepe.rs.gov.br )
Assessor de Imprensa: Jornalista Marco Antonio Vieira
Fone: (51) 3288-7285/3288-7289 (segunda a sexta-feira, horário comercial)
Celular funcional: (51) 8443-6887
e-mail: imprensa@susepe.rs.gov.br

INSTITUTO-GERAL DE PERÍCIAS ( www.igp.rs.gov.br )
Assessor de Imprensa: Jornalista Maria da Graça Kreisner
Fone: (51) 3288-5165 (segunda a sexta-feira, horário comercial)
Celular funcional: (51) 8445-8627
e-mail: comunicacao@igp.rs.gov.br

Edital de Concurso do IGP

Edital de classificações do concurso do IGP será conhecido no próximo dia 07
30/12/2008 12:28

O Instituto-Geral de Perícias (IGP) informa aos candidatos do concurso público realizado em 19 de outubro de 2008 que o Edital de Classificações e a data do sorteio público para os casos de desempates serão publicados no próximo dia 07, no Diário Oficial do Estado.

A data obedece ao cronograma estabelecido pela Fundação de Recursos Humanos (FDRH), responsável pela elaboração, aplicação e correção das provas, testes e processo de avaliação dos candidatos.

Fonte: Ascom IGP

Operação Caixa Forte

Operação Caixa-Forte inspeciona 320 estabelecimentos bancários no RS29/12/2008 18:13
A Secretaria da Segurança Pública, por meio da Brigada Militar, realizou nessa segunda-feira (29/12) a Operação Caixa Forte, que abrangeu 181 municípios gaúchos e mobilizou 452 servidores em 235 viaturas. No período foram realizadas ações de inspeção e fiscalização em 320 estabelecimentos bancários e em 5.837 veículos, resultando na prisão de uma pessoa. Os demais números da operação são os seguintes:
- Boletins de Ocorrência registrados – BO/COP: 16;- Veículos autuados: 13;- Veículos recolhidos: 01.
A Operação Caixa-Forte é realizada junto a estabelecimentos bancários e/ou que realizem transações financeiras, tem por objetivo de inibir a ocorrência de furtos, roubos a estabelecimentos bancários e demais delitos correlatos. A operação é realizada permanentemente, de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h, nos períodos de início e final de mês.
Fonte: PM-3/BM

Coletiva Chefe de Polícia

Coletiva do Chefe de Polícia29/12/2008 20:45
O chefe de Polícia, delegado Pedro Carlos Rodrigues, concede coletiva à imprensa nesta terça-feira (30/12), às 15h. O ato acontece em seu gabinete, localizado no Palácio da Polícia (Avenida João Pessoa, nº 2050, 3º andar), bairro Azenha, na Capital.
Na pauta, a avaliação das ações da instituição no ano de 2008 e temas como a informatização da Polícia Civil, aumento do efetivo com a posse de delegados e inspetores, renovação da frota, cursos de aperfeiçoamento, principais crimes desvendados, principais quadrilhas desarticuladas, principais projetos que estão em ação. Fonte: Ascom PC

Brigada orienta para prevenção de fogos

Brigada Militar orienta para a prevenção de acidentes com fogos de artifício29/12/2008 21:03
O Corpo de Bombeiros da Brigada Militar reforça orientações à comunidade para a prevenção de acidentes com fogos de artifício tendo em vista as festas de final de ano. Alguns cuidados para curtir o reveillon com segurança:
Não segure os fogos de artifício com as mãos.
Prenda o rojão em uma armação, em uma cerca ou em um muro, e não fique próximo na hora de acender.
Não tente acender fogos que falharem.
Dispare os fogos somente ao ar livre, um de cada vez, e veja se não há substâncias inflamáveis ou redes elétricas nas proximidades.
Tenha sempre um recipiente de água por perto para colocar os foguetes já usados, ou aqueles que falharam, para não haver riscos de novas explosões.
Confira sempre o certificado de garantia do foguete.
Nunca associe bebida alcoólica ao uso de fogos. Uma em cada dez pessoas que mexe com fogos de artifício tem membros amputados, principalmente dedos. Além de provocar queimaduras, quando explodem, os fogos podem causar mutilações, lesões nos olhos e até surdez.As lesões agudas da mão são responsáveis por 20% de todos os traumas que chegam às emergências dos hospitais no Brasil. Preocupada com esses índices, a Brigada Militar, por intermédio do seu Corpo de Bombeiros, apresenta orientações para a prevenção de acidentes com fogos de artifício. A primeira ação da campanha acontece neste dezembro, no período de Festas de Final de Ano e visa alertar para os riscos dos acidentes com fogos, que podem provocar queimaduras graves e até mutilações e amputações das mãos.
Respondendo pelo comando do Corpo de Bombeiros, o tenente-coronel Valle adverte que a imprudência e a falta de informação são os principais motivos para esta alarmante incidência. “Muitas pessoas compram os fogos, mas elas dão pouca importância para o alto risco desses artefatos, que podem causar mutilações irreversíveis”, alerta o comandante.
Os registros de revistas nacionais especializadas indicam que o uso de fogos de artifício pode provocar queimaduras (70% dos casos); lesões com lacerações/cortes (20% dos casos); amputações dos membros superiores (10% dos casos); lesões de córnea ou perda da visão e lesões do pavilhão auditivo ou perda da audição. As pessoas mais atingidas são homens com idade entre 15 e 50 anos e crianças de 4 a 14 anos.Segundo o Corpo de Bombeiros, é nas festas de fim de ano que ocorre o maior índice de acidentes com fogos de artifício, incluindo as explosões com bombas, que têm um alto poder de mutilação. “Vemos muitas pessoas tentando orientar sobre a maneira de correta de manusear fogos de artifício. O objetivo de nossa campanha é mostrar a realidade, os perigos que esses produtos oferecem e manter as pessoas distantes dessa prática”, assinala Valle. O comandante do CCB orienta ainda que apenas profissionais habilitados devem manipular material explosivo. “Existe uma lei que regulamenta a comercialização de fogos e proíbe que sejam vendidos para crianças”, enfatiza o oficial.
Alerta
A utilização de fogos de artifício em eventos festivos ou shows pirotécnicos deve atender às normas específicas para cada caso, mediante Plano a ser analisado pelo Corpo de Bombeiros da Brigada Militar.
A campanha da Brigada Militar e seu Corpo de Bombeiros promoverá ações de conscientização por todo o RS. Policiais Militares de todas as atividades, bombeiros, policiais rodoviários, salva-vidas, polícia ambiental e socorristas estão engajados na divulgação de mensagens de alerta sobre os riscos de acidentes causados principalmente pelo manuseio de fogos de artifícios.
Algumas pesquisas realizadas pelo Corpo de Bombeiros, desenvolvidas nos cursos de aperfeiçoamento da Brigada Militar, revelam que os acidentes de trabalho e as agressões são responsáveis pela maior parte dos casos de urgências, mas durante essa época do ano, aumentam significativamente os casos de acidentes com fogos de artifício.
É preciso “atenção extrema” ao lidar com fogos de artifício, principalmente no caso de crianças, que “não têm noção do perigo a que estão expostas”, comenta o oficial que responde pelo Comandante do Corpo de Bombeiros. Destaca a importância de prestar um atendimento adequado nos casos de acidentes com fogos de artifício, conduzindo a vítima dos traumas para hospitais especializados.
Informa que em Porto Alegre o Hospital de Pronto Socorro, HPS, possui setor especializado neste tipo de urgência. O atendimento especializado e imediato reduz significativamente o incidência de seqüelas graves”, orienta.
Fonte: Ascom BM

Serviços no Feriado

Serviços estaduais têm regime de plantão no feriado de Ano Novo29/12/2008 21:10Os órgãos estaduais funcionarão em regime de plantão durante o feriado de Ano Novo. Serviços essenciais mantêm escalas de plantão. Abaixo, as informações de órgãos de serviços públicos: Banrisul - Não terá atendimento ao público na rede de agências nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro de 2009, conforme Resolução nº 2.932 do Banco Central. Na sexta-feira (02), as agências funcionarão no horário normal. Corsan - A Companhia Riograndense de Saneamento funcionará em regime de plantão operacional para demandas de água e esgoto. No feriado de Ano Novo, a Corsan fecha na quarta-feira (31) e reabre na segunda-feira (5). Em caso de emergência, deve ser acionada a Unidade de Saneamento de cada município. Ceasa - Fecha nos dias 31 e 1º (quarta e quinta-feira) e reabre na sexta-feira (2), das 13h às 19h. CEEE - As agências do grupo CEEE fecham ao meio-dia de quarta-feira (31), reabrindo na sexta-feira (2), em horário normal. Nesse período, a Central de Teleatendimento estará 24 horas à disposição dos clientes pelos telefones 0800 999 196 ou 0800 721 2333. As agências que atuam no Litoral funcionarão normalmente. Segurança PúblicaTelefones de Emergência 190 - Brigada Militar 193 - Corpo de Bombeiros 197 - Polícia Civil 198 - Comando Rodoviário da Brigada Militar 181 - Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança. 0800 518 518 - Denarc, para denúncias envolvendo tráfico de drogas. Atendimento 24h. Daer - Atividades reforçadas nas estações rodoviárias e de fiscalização nas estradas. O telefone da fiscalização na Estação Rodoviária de Porto Alegre é (51) 3228-5232.
Fonte: Site do Estado

Uol Esportes

Segunda-feira, 29 de dezembro de 2008
Mano Menezes usa exemplo de Michael Jordan com Ronaldo e cobra sacrifícioNada de festa, ansiedade ou regalias. Para o técnico do Corinthians Mano Menezes, o início da trajetória do atacante Ronaldo no clube do Parque São Jorge será rigoroso.

No Rio de JaneiroEmpresário de Adriano volta a negar retorno do atacante ao Flamengo para o Estadual
No Corinthians, Ronaldo faz treino com bola no domingo
Inglês - 1Robinho marca no último minuto e salva o City da derrota e da degola
Inglês - 2Chelsea vacila no final, sofre empate e vê Liverpool distanciar
Inglês - 3Liverpool goleia o Newcastle e termina o ano na liderança
Qual foi a melhor contratação do São Paulo para o Campeonato Paulista até o momento?
ESCOLHA O TIME SÉRIE A Atlético-MG Atlético-PR Botafogo Coritiba Cruzeiro Figueirense Flamengo Fluminense Goiás Grêmio Internacional Ipatinga Náutico Palmeiras Portuguesa Santos São Paulo Sport Vasco Vitória SÉRIE B ABC América-RN Avaí Bahia Bragantino Brasiliense Ceará Corinthians CRB Criciúma Fortaleza Gama Grêmio Barueri Juventude Marília Paraná Ponte Preta Santo André São Caetano Vila Nova GO

Nenê tem boa atuação em vitória dos Nuggets

Minotauro e Wanderlei são arrasados no UFC 92
Futsal Com quatro gols de Falcão, Brasil bate Paraguai em amistoso
Futebol de Areia Júnior Negão se despede da seleção com gol durante empate
Vela 'Wild Oats XI' confirma favoritismo e vence a regata Sydney-Hobart
Fórmula 1 Para Schumacher, perda do título teria arruinado Hamilton

Faixa de Gaza

28 DE DEZEMBRO DE 2008 - 13h40
Sara Roy: Se Gaza cair, Cisjordânia cairá depois
O sítio de Gaza, por Israel, começou em 5 de novembro, um dia depois de Israel ter atacado a Faixa, ataque feito sem possibilidade de dúvida para pôr fim à trégua estabelecida em junho entre Israel e o Hamás. Embora os dois lados tenham violado antes o acordo, nunca antes acontecera qualquer violação em tão grande escala. O Hamás respondeu com foguetes, e desde então a violência não recrudesceu.
Por Sara Roy*
Com o sítio, Israel visa a dois principais objetivos. Um, reforçar a idéia de que os palestinos são problema exclusivamente humanitário, como pedintes, mendigos sem qualquer identidade política e, portanto, sem reivindicações políticas. Segundo, impingir a questão de Gaza, ao Egito.
Por isso, os israelenses toleram as centenas de túneis que há entre Gaza e o Egito, pelos quais começou a formar-se um setor comercial informal, embora cada vez mais regulado. A muito grande maioria dos habitantes da Faixa de Gaza vive em condições de miséria, com 49,1%, estatísticas oficiais, de desempregados. De fato, os habitantes de Gaza já sabem que está desaparecendo rapidamente, para todos, qualquer possibilidade real de emprego.
Dia 5/11, o governo de Israel fechou todas as vias de entrada e saída de Gaza. Comida, remédios, combustível, peças de reposição para as redes de energia, água e esgoto, adubo, embalagens, telefones, papel, cola, calçados e até copos e xícaras não entram nos territórios ocupados em quantidade suficiente, ou absolutamente não há.
Conforme relatórios da Oxfam, apenas 137 caminhões com alimentos entraram em Gaza no mês de novembro de 2008. Em média, 4,6 caminhões/dia; em outubro de 2008, entraram em média 123; em dezembro de 2005, 564. As duas principais organizações que levam comida a Gaza são a UNRWA, Agência de Ajuda Humanitária da ONU para os Refugiados Palestinos e o Oriente Médio; e a WFP, "Programa Alimento para o Mundo". A UNRWA alimenta aproximadamente 750 mil palestinos em Gaza (cerca de 15 caminhões/dia de alimentos). Entre 5/11 e 30/11, só chegaram 23 caminhões, cerca de 6% do mínimo indispensável; na semana de 30/11, chegaram 12 caminhões, 11% do mínimo indispensável.
Durante três dias, em novembro, a UNRWA esteve totalmente desabastecida e 20 mil pessoas não receberam a única comida com que contam para matar a fome. Nas palavras de John Ging, diretor da UNRWA em Gaza, praticamente todos os atendidos pela organização dependem completamente do que recebem, seu único alimento. Dia 18/12, a UNRWA suspendeu completamente a distribuição de alimento, dos programas regulares e dos programas de emergência, por causa do bloqueio israelense.
A WFP enfrenta problemas semelhantes; conseguiu enviar apenas 35 caminhões, dos 190 previstos para atender as necessidades da Faixa de Gaza até o início de fevereiro de 2009 (mais seis caminhões conseguiram chegar a Gaza, entre 30/11 e 6/12). E não é só: a WFP é obrigada a pagar pelo armazenamento dos alimentos que não podem ser enviados a Gaza. Só em novembro, pagou 215 mil dólares. Se Israel mantiver o sítio a Gaza, a WFP terá de pagar mais 150 mil dólares pelo armazenamento dos alimentos, no mês de dezembro, dinheiro que deveria ser usado para auxiliar os palestinos, mas está entrando nos cofres de empresas israelenses de armazenamento.
A maioria das padarias comerciais em Gaza (30, de 47) foi obrigada a fechar as portas por falta de gás de cozinha. As famílias estão usando qualquer tipo de combustível que encontrem, para cozinhar. Como a FAO/ONU já informou, o gás é indispensável para manter aquecidos os criadouros de aves. A falta de gás e de rações, já levou à morte milhares de galinhas e frangos. Em abril, conforme a FAO, já praticamente não haverá galinhas e frangos em Gaza e para 70% dos palestinos, carne e ovos de galinha são a única fonte de proteína.
Bancos, impedidos por Israel de operar nos territórios ocupados, fecharam as portas dia 4/12. Num deles há um aviso, em que se lê: "Por decisão da Autoridade das Finanças na Palestina, o banco permanecerá fechado hoje, 4/12/2008, 5ª-feira, por falta de numerário. O banco só reabrirá quando voltar a receber moeda."
O Banco Mundial já antecipara que o sistema bancário em Gaza entraria em colapso se as restrições continuassem. Todo o fluxo de dinheiro para os programas foi suspenso, e a UNRWA suspendeu a assistência financeira a outros subprogramas, para os mais necessitados, dia 19/11. Também está paralisada a produção de livros didáticos e cadernos, porque não há papel, tinta de impressão e cola, em Gaza. Com isso, 200 mil estudantes serão afetados, ano que vem, no início das aulas.
Dia 11/12, o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, enviou 25 milhões de dólares para o sistema bancário na Palestina, depois de um apelo do primeiro-ministro palestinense, Salaam Fayad; foi a primeira remessa, desde outubro. Não bastará nem para pagar o mês de salários atrasados dos 77 mil funcionários públicos de Gaza.
Dia 13/11, foi suspensa a operação da única estação de energia elétrica que opera em Gaza; as turbinas foram desligadas por absoluta falta de diesel industrial. As duas turbinas movidas a bateria 'caíram' e não voltaram a funcionar dez dias depois, quando chegou um único carregamento de combustível. Cerca de 100 peças de reposição, encomendadas para as turbinas, estão há oito meses no porto de Ashdod, em Israel, a espera de que as autoridades da alfândega israelense as liberem. Agora, Israel começou a leiloar as peças não liberadas, porque permanecem há mais de 45 dias no porto. Tudo feito conforme a legislação de Israel.
Durante a semana de 30/11, 394 mil litros de diesel industrial foram liberados para a estação de produção de energia: aproximadamente 18% do mínimo que Israel está legalmente obrigado a fornecer. Foi suficiente apenas para fazer funcionar uma turbina, por dois dias, antes de a estação ser novamente fechada. A Gaza Electricity Distribution Company informou que praticamente toda a Faixa de Gaza ficará sem eletricidade por períodos que variarão entre 4 e 12 horas/dia. Em vários momentos, haverá mais de 65 mil pessoas sem eletricidade.
Nem mais uma gota de óleo diesel (para geradores e para transporte) foi entregue essa semana (como já acontece desde o início de novembro); nem de gás de cozinha. Os hospitais em Gaza estão operando, ao que parece, com diesel e gás recebido do Egito, pelos túneis; ao que se diz, são produtos administrados e taxados pelo Hamás. Mesmo assim, dois hospitais em Gaza estão sem gás de cozinha desde 23/11.
Além dos problemas diretamente causados pelo sítio israelense, há os problemas criados pelas divisões políticas entre a Autoridade Palestina na Cisjordânia e a Autoridade do Hamás, em Gaza. Por exemplo, a CMWU, que fornece água para a região costeira de Gaza, que não é controlada pelo Hamás, é financiada pelo Banco Mundial via a Autoridade Palestina para a Água (PWA) em Ramállah; o financiamento destina-se a pagar o combustível para as bombas do sistema de esgotos de Gaza.
Desde junho, a PWA tem-se recusado a liberar o dinheiro, aparentemente porque entende que o funcionamento dos esgotos beneficiaria o Hamás. Não sei se o Banco Mundial tentou alguma intervenção nesse processo, mas, por hora, a UNRWA está fornecendo o combustível necessário, embora não tenha orçamento para essa finalidade. A CMWU também pediu autorização a Israel para importar 200 toneladas de cloro; até o final de novembro recebeu apenas 18 toneladas suficiente para o consumo de uma semana de água clorada. Em meados de dezembro, a cidade de Gaza e o norte da Faixa só tinha água por seis horas, a cada três dias.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, as divisões políticas entre Gaza e a Cisjordânia também têm tido sério impacto sobre o abastecimento de remédios em Gaza. O ministério da Saúde da Cisjordânia (MOH) é responsável por comprar e distribuir quase todos os produtos farmacêuticos e cirúrgico-hospitalares usados em Gaza. E todos os estoques estão perigosamente baixos. No mês de novembro, várias vezes o ministério devolveu carregamentos recebidos por via marítima, por não haver espaço para armazenamento; apesar disso, nada tem sido entregue em Gaza, em quantidades suficientes. Na semana de 30/11, chegou a Gaza um caminhão com remédios e suprimentos médios, enviado pelo MOH em Ramállah; foi o primeiro, desde o início de setembro.
Está acontecendo aí, ante nossos olhos, a destruição de toda uma sociedade e nenhum clamor se ouve, além dos avisos da ONU, que são ignorados pela comunidade internacional.
A União Européia anunciou recentemente que deseja estreitar relações com Israel, pouco depois de as autoridades israelenses terem declarado abertamente que preparam a invasão, em larga escala, da Faixa de Gaza e de terem apertado ainda mais o bloqueio econômico, com o apoio, já nada tácito, da Autoridade Palestina em Ramállah. Essa, vê-se, está colaborando com Israel, em várias medidas. Dia 19/12, o Hamás deu oficialmente por encerrada a trégua (que Israel declarou que estaria interessado em renovar), porque Israel não suspendeu (nem diminuiu) o bloqueio.
Por que, como, em que sentido, negar alimento e remédios à população de Gaza ajudaria a proteger os israelenses?
Por que, como, em que sentido, o sofrimento das crianças de Gaza - mais de 50% da população são crianças! - beneficiaria alguém?
A lei internacional e a decência humana exigem que essas crianças sejam protegidas. Se Gaza cair, a Cisjordânia cairá depois.
* Sara Roy é professora do Harvard's Center for Middle Eastern Studies. Autora de Failing Peace: Gaza and the Palestinian-Israeli Conflict.
Artigo reproduzido da Agência Carta Maior

Destaque Vermelho

DESTAQUES DA EDIÇÃO DE HOJE DO PORTAL VERMELHO


Palestinos protestamAtaques israelensesSara Roy: Se Gaza cair, Cisjordânia cairá depoisPara a professora de Harvard, o mundo vê a destruição de toda uma sociedade e mesmo assim nenhum clamor é ouvido além dos avisos da ONU, ignorados sumariamente pela comunidade internacional.


Política econômicaPressionado, Meirelles admite baixar os juros na próxima reunião do CopomSegundo reportagem publicada na Folha de S.Paulo deste domingo, o presidente do Banco Central prometeu ao presidente Lula que irá reduzir a Selic na reunião marcada para os dias 20 e 21 de janeiro. Para Lula, medida será sinal importante para que o país se desenvolva em 2009.



EUAComo Obama agirá diante das novas diretrizes do Pentágono?Naquele que, oxalá, será o último ato da política externa do governo Bush, o Pentágono emitiu uma nova doutrina militar que pode ter graves conseqüências. Por Álvaro Camacho Guizado.



EconomiaBelluzzo: Caso Madoff é soma de leniência e espertezaPara o professor-titular de economia da Unicamp, enquanto os governos buscam refúgio na retórica da transparência e da igualdade de oportunidades, o mercado se vale da criatividade destrutiva.


Terrorismo israelense em Gaza deve ser condenado e derrotado
Carlos PompeNós que nos amávamos tanto Eduardo BomfimO melhor presente Antônio Augusto de Queiroz Balanço da produção legislativa em 2008 Cloves Geraldo"Gomorra": A máfia sem glamour Moises DinizEsses abraços que não duram um dia
#yiv1231212645 {font-family:Trebuchet MS, Arial, Tahoma, Verdana;font-size:13px;}#yiv1231212645 a{border:none;text-decoration:none;}
Esta é uma mensagem automática, favor não responder
Destaques do Vermelho é um serviço diário gratuito do www.vermelho.org.br

Antena Tricolor

800


29.12.2008
Projeto Arena aprovado na Câmara de VeradoresAprovação encaminha construção da nova casa do Grêmio
Lorem ipsum dolor sit amet, purus nunc, lectus in Eget morbi aliquam luum, quis ut purus at, lA Câmara de Vereadores de Porto Alegre aprovou nesta segunda-feira o projeto que envolve o Projeto Arena, construção do novo estádio do Grêmio. O Projeto de Lei Complementar do Executivo define o regime urbanístico do projeto gremista. A proposta contempla a área do novo estádio gremista no Humaitá e o terreno na Azenha, onde hoje está localizado o Estádio Olímpico. Mais informações



Antena Tricolor chega à edição 800 Mais de 114 mil cadastrados recebem notícias diárias
O Antena Tricolor é um dos principais meios de interação entre o Grêmio e o torcedor. Nesta segunda-feira, o Antena chegou a edição histórica de número 800. A newsletter foi criada no dia 1º de agosto de 2005, com a finalidade de otimizar a chegada e a divulgação de informações à torcida. Mais informações
Horários de funcionamento do OlímpicoLoja Grêmio Mania, QS e Memorial
Em decorrência aos feriados de final de ano, o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense divulga os horários de funcionamento da Loja Grêmio Mania, do Memorial Hermínio Bittencourt e do Quadro Social. Mais informações

Se você não deseja mais receber o newsletter do Grêmio, clique aqui.

Desocupação do Presídio Central

Susepe vai transferir 350 presos do Presídio Central 30/12/2008 10:08
A Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) enviou ofício nesta segunda-feira (29/12) ao juiz da Vara de Fiscalização de Presídios, da Comarca de Porto Alegre, solicitando a transferência de 350 presos do Presídio Central para a Penitenciária Modulada de Montenegro (PMM).
No documento, o superintendente da Susepe, Paulo Zietlow, explica que a desinterdição da PMM abriria a possibilidade de ocupação de 350 vagas, que atualmente encontram-se ociosas. O objetivo, segundo ele, é reduzir a superpopulação que hoje se encontra no Presídio Central, “única casa prisional que até a presente data está recebendo presos oriundos de outras comarcas”, explica.
Zietlow ressalta que o levantamento da interdição da Penitenciária Modulada de Montenegro, possibilitará a transferência imediata de 350 presos que são originários da Vara de Execuções Criminais (VEC) de Novo Hamburgo, em que a PMM está vinculada. Enfatiza, ainda, que todas as providências solicitadas pela VEC estão em curso, e que a superlotação do Central é preocupante e necessita medidas urgentes, para operacionalização segura.
Fonte: Ascom Susepe

Instituto Princesa Isabel




Acesse http://www.idisabel.org.br/curso/



Professor:
Bruno da Silva Antunes de Cerqueira (brunodecerqueira@uol.com.br)


Resumo:
Curso dividido em 3 módulos temáticos sobre as origens, a abrangência, a prática e a utilização dos conceitos de Etiqueta, Cerimonial e Protocolo pelos profissionais de Relações Públicas, Relações Internacionais, Ciências Sociais, Diplomacia, Turismo, Hotelaria, Secretaria Executiva etc. que trabalham com Organização de Eventos.

O Curso AUGUSTO ESTELLITA-LINS pretende desmistificar a aura de estranheza e de “esnobismo” que as idéias de etiqueta, cerimonial e protocolo costumam suscitar nas pessoas alheias ao cotidiano dos organizadores, gestores e agentes de eventos, assessores e funcionários de órgãos governamentais, eclesiais, não-governamentais etc.

O curso tem por objetivo precípuo conscientizar as pessoas da importância dos procedimentos cerimoniais e da linguagem protocolar nas relações inter-pessoais, inter-grupais e inter-governamentais que envolvam profissionalismo e seriedade, sem deixar de realçar características sociológicas e antropológicas dos brasileiros, que aparentemente são refratários à formalidade.

Esmiuçar a necessidade do processo de aprendizado da cultura alheia, naquilo que psicologicamente poderia se denominar “apreensão da alteridade”, conduz o aluno a reformular e reinventar suas posturas no dia-a-dia, ajudando-o a criar ambientes pessoais e profissionais mais salutares.

Como já dizia Esopo (c. VI a.C.), filósofo grego da Antiguidade, “Nenhum gesto de gentileza, por menor que seja, é perdido”, ou, em tempos mais atuais, por parte do grande filósofo popular carioca, “Gentileza gera gentileza”...


NOTA: 10% da renda obtida com o Curso será destinada à CEACA, de Vila Isabel (www.ceaca.org.br)



Caso não queira mais receber nossas mensagens,
favor responder a esta com RETIRAR, no campo Assunto (Subject).

Brasil de Fato

Carta O Berro...............................................................................................................repassem


Brasil de Fato - edição 299 - de 20 a 26 de novembro de 2008
Pág. 11 -internacional

Com a crise, lutas sociais tendem a se intensificar

ENTREVISTA Para o jornalista e escritor português Miguel Urbano Rodrigues, os trabalhadores vão pagar a fatura da crise. Em contrapartida, segundo ele, os movimentos de massa, principalmente nos países da União Européia e nos Estados
Unidos, tendem a ganhar força



Quem é

Nilton Viana
da Redação

A ÚNICA alternativa para o capitalismo senil, que ameaça conduzir a humanidade ao abismo, é o socialismo. Essa é a convicção do jornalista e escritor português Miguel Urbano Rodrigues. Em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato, Urbano fala sobre a grave crise desencadeada a partir do Império estadunidense, que já provoca efeitos
perversos em todo o mundo. Ele vislumbra um futuro próximo de grandes sofrimentos para a humanidade, sofrimentos que, segundo Urbano, serão diferentes de continente para continente, de país para país, como diferentes serão as características da luta dos povos contra o sistema que continuará a impor-lhes a sua dominação. É categórico ao afirmar: os trabalhadores vão pagar a maior fatura dessa crise. Mas é otimista. Para ele, grandes movimentos de massa devem surgir, principalmente nos países da União Européia e nos Estados Unidos.

Brasil de Fato – O mundo inteiro vive um drama com a crise financeira desencadeada a partir do centro do império. Tem se dito que essa crise ainda está apenas começando e que ela tende a se agravar. Na sua avaliação,
qual é a dimensão dessa crise? É apenas mais uma das tantas que o capitalismo já produziu? O neoliberalismo foi derrotado?

Miguel Urbano Rodrigues – Esta crise é estrutural, e não cíclica como as anteriores. Do sistema fi nanceiro, alastrou para a economia real, e dos Estados Unidos, passou à Europa e à Ásia Oriental. Ela tende a agravar-se muito. E o seu desfecho é por ora imprevisível. Uma certeza: o neoliberalismo, glorificado como a ideologia definitiva que assinalaria “o fim da História”, fracassou. Hayek [Friedrich August von Hayek] é enterrado e Keynes [John Maynard Keynes] ressuscita.

O senhor disse que se trata de uma crise estrutural. As medidas anunciadas até agora alteram a atual estrutura desse processo?

Por ser uma crise estrutural, e não apenas cíclica como as anteriores – confirmando previsões de autores marxistas como Istvan Meszaros e Georges Labica –, as medidas tomadas pelos governos do G-8, transformados em bombeiros do capital, são apenas paliativos. A recuperação das bolsas e do dólar geram a ilusão de que tudo vai
voltar rapidamente à normalidade, entendida esta como um refl orescimento do capitalismo sob um novo figurino. Tal convicção é enganadora. A economia real nos EUA, no Japão e na União Européia vai continuar a afundar-se em proporções no momento imprevisíveis. Os despedimentos maciços em dezenas de gigantescas transnacionais,
os apelos angustiados dos grandes da indústria automóvel e aeronáutica à ajuda estatal e o encerramento de milhares de empresas ligadas à construção e ao comércio funcionam como espelho da gravidade e complexidade de uma crise de muito longa duração.

O senhor acredita que os Estados Unidos, como potência imperialista, saem derrotados dessa crise ou se fortalecem ainda mais?

Os Estados Unidos, pólo hegemônico do sistema do capital, saem enfraquecidos. Mas enquanto o atual sistema monetário subsistir, com o dólar como moeda de referência mundial, os custos da crise serão distribuídos. Os Estados Unidos são o país mais endividado do mundo (a dívida já iguala o PIB do país). Mas o privilégio de emitir a moeda em que é faturado o petróleo – o produto-chave no comércio internacional – tem adiado um desfecho
de bancarrota.
Um sistema midiático perverso e desinformador, dominado no fundamental por grandes transnacionais estadunidenses, ocultou, por exemplo, que grande parte do chamado “resgate” de 700 bilhões de dólares será pago por países da Ásia, nomeadamente a China e o Japão, principais compradores dos Títulos emitidos pelo Tesouro dos Estados Unidos. Somente a China possui cerca de 1.300 bilhão de dólares em reservas e bônus do Tesouro. Se os trocassem por outras moedas, os EUA iriam à falência. Mas a China também, porque a sua economia depende muito das exportações para os Estados Unidos.

Que avaliação o senhor faz das conseqüências desse cenário para a América Latina?

No momento, a maioria das previsões sobre as conseqüências da crise para a América Latina são no fundamental do domínio da especulação. Mas essas conseqüências serão certamente graves. Os Estados Unidos são o principal mercado para as exportações da América Latina, em alguns casos com mais de 50%. No plano político, a estratégia de Washington terá de ser revista. É previsível uma redução da agressividade contra a Venezuela bolivariana e contra o governo de Evo Morales (Bolívia). As manobras conspirativas persistirão, mas a nova administração utilizará outra linguagem.

Em todo o mundo, temos a impressão de que a classe trabalhadora está apenas assistindo a crise. O senhor compartilha da idéia de que vivemos um perído de descenso do movimento de massa e essa crise veio num momento muito ruim para os trabalhadores?

É minha convicção de que, pelo contrário, as lutas sociais tendem a intensifi car-se, sobretudo nos países da União Europeia e nos Estados Unidos, porque os trabalhadores vão pagar a fatura maior da crise. O movimento de massas ganha amplitude na Europa. Por exemplo, no dia 8 de novembro, 120 mil professor es (80% da categoria
profi ssional) desfi laram em Lisboa, Portugal , protestando contra a política educacional do governo reacionário de Sócrates.

Como em toda crise, há sempre saídas. As elites já estão tratando de encontrar suas saídas. Quais os rumos que a esquerda deve buscar?

A situação é dilemática porque todas as saídas são, na aparência, más. A única alternativa para o capitalismo senil, que ameaça conduzir a humanidade ao abismo, é o socialismo. Mas o capitalismo não vai acabar em data próxima, e o socialismo é, por ora, aspiração distante. As tentativas orientadas para a humanização do capitalismo (como é o caso de governos como o Lula, no Brasil; os Kirchner, na Argentina; Tabaré, no Uruguai) são perversas, por enganarem o povo com a cumplicidade de forças e partidos progressistas. Vão fracassar. Grandes sofrimentos – essa é outra certeza – esperam a humanidade no futuro próximo. Sofrimentos que serão diferentes de continente para continente, de país para país, como diferentes serão as características da luta dos povos contra o sistema que
continuará a impor-lhes a sua dominação.

Nesses períodos de crise, quem paga a conta são sempre os trabalhadores. Teremos novamente de pagar a conta? O senhor acredita ser possível unir os proletários do mundo e encontrar saídas ou as soluções tendem a ser isoladas?

A crise coloca os povos por ela atingidos, nomeadamente na Europa Ocidental, perante uma situação dilemática. A relação de forças, da Suécia à Itália, de Portugal à Grécia, não abre a possibilidade de que a crise atual desemboque em rupturas revolucionárias. Mas , simultaneamente, a transformação profunda das sociedades da União Européia, moldadas e oprimidas pelo capitalismo, não é possível pela via institucional, dita pacífi ca. A burguesia nunca entrega o poder sem uma confrontação final com as forças do progresso. Sejamos realistas.
No caso português, fora do contexto de uma crise de proporções continentais, os partidos que representam o capital continuarão a vencer todas as eleições. A alternância no governo do PS e do PSD ilustra bem o controle que a classe dominante exerce sobre os mecanismos eleitorais da impropriamente chamada democracia representativa, que na prática funciona
como ditadura da burguesia com máscara democrática. A crise do sistema financeiro mundial adquiriu as proporções de uma crise de civilização que atinge toda a humanidade. O seu desfecho é por ora imprevisível. A única certeza é a de que milhares de milhões de pessoas vão pagar a fatura da falência do capitalismo neoliberal
e da ideologia a ele subjacente, enquanto os responsáveis pela crise pouco ou em nada serão afetados, no imediato,
pelo naufrágio da monstruosa engrenagem por eles montada.

Em momentos como estes, o que fazer?

Lutar, lutar com energia redobrada. Não são apenas a falência do sistema fi nanceiro mundial, a recessão que alastra nos países do G-7, o encerramento de milhares de empresas em dezenas de países, que iluminam a gravidade e a fragilidade da crise estrutural do capitalismo. O sistema do capital dispõe de uma força enorme. Mas não pode mais funcionar de acordo com a sua lógica. Os EUA, pólo e motor do sistema, estão envolvidos em duas guerras perdidas no Oriente Médio e na Ásia Central. Na América Latina, desenvolvem-se processos de ruptura
com a dominação imperial. Na Europa, anunciam-se num horizonte próximo grandes lutas inseparáveis das conseqüências da crise, que vai lançar milhões de trabalhadores no desemprego. No movimento da História,
a maré da contestação ao sistema tende a subir. Da luta dos povos, da fusão do particular e do geral, do nacional e do universal, depende que essas lutas adquiram um carácter torrencial, assumindo com o tempo dimensão planetária numa atmosfera de internacionalismo dinamizado pelas organizações e partidos revolucionários.

Como jornalista, como o senhor tem acompanhado a cobertura da mídia sobre a crise?

O sistema midiático apresenta uma frente única na difusão da mentira, nas explicações falsas da crise e nos remédios propostos para resolvê-la, todos orientados para a preservação do capitalismo. No discurso de sociólogos, economistas, historiadores, ministros e parlamentares chamados à tel evisão para esclarecer a “massa
ignorante” da população, o povo não aparece como personagem. Está ausente. Os porta-vozes e epígonos caseiros do grande capital, cúmplices do caos financeiro e social que alastra pelo mundo, desprezam os trabalhadores. O panorama social da crise não é iluminado pela mídia, porque isso seria perigoso para os senhores da finança.

Nos Estados Unidos, Obama acaba de ganhar as eleições presidenciais. Como o senhor analisa essa vitória e o que pode mudar com o novo presidente?

É positivo que o povo estadunidense tenha optado por Obama, um presidente negro, com um discurso muito diferente do de seu adversário republicano. Mas não participo da euforia gerada em nível mundial pela vitória de Barack Obama. É um grande orador e um político hábil e in tel igente. Mas aparece-me também como o produto de uma gigantesca e milionária campanha de marketing eleitoral. Não esqueçamos que Obama foi o candidato da Finança, dos grandes grupos transnacionais.
As suas primeiras iniciativas não justificam o entusiasmo que por aí vai. Para chefe de gabinete na Casa Branca, designou já um falcão, sionista, ex-voluntário na guerra do Golfo, um belicista inflamado. Obama afirma pretender “ganhar” a guerra do Afeganistão, defende uma política agressiva contra o Irã, afirma que manterá o bloqueio a Cuba. O vice Joe Binden antecipou uma evidência ao afirmar que as primeiras medidas do futuro presidente serão “muito impopulares”. Alguns dos assessores são republicanos de direita e clintonianos conservadores. A designação de Madeleine Albright como sua representante na Conferência dos 20 (G-20) é inquietante. Temo que Obama seja uma grande decepção para a humanidade progressista.



QUEM É

Miguel Urbano Tavares Rodrigues é jornalista e escritor português. Redator e chefe de redação de jornais em Portugal antes de se exilar no Brasil, onde foi editorialista principal do jornal O Estado de S. Paulo e editor internacional da revista
brasileira Visão. Regressado a Portugal, após a Revolução dos Cravos, foi chefe de redação do jornal do Partido Comunista Português (PCP) Avante!, e diretor de O Diário.Foi ainda assistente de História Contemporânea na Faculdade de Letras da
Universidade de Lisboa, presidente da Assembléia Municipal de Moura, deputado da Assembléia da República pelo PCP entre 1990 e 1995 e deputado da Assembléias Parlamentares do Conselho da Europa e da União da Europa Ocidental,
tendo sido membro da comissão política desta última. Tem colaborações publicadas em jornais e revistas de duas dezenas de países da América Latina e da Europa e é autor de mais de uma dezena de livros publicados em Portugal e no Brasil.